1. Spirit Fanfics >
  2. Um Amor Proibido >
  3. Família Carosella

História Um Amor Proibido - Capítulo 25



Notas do Autor


Hello, povo!!!!
Olha quem resolveu dar às caras por aqui🙋‍♀️

Bem, com essa quarentena, só estou ficando em casa e finalmente parei e editei o Cap.

Pessoal, aviso sério!!! Fiquem dentro de casa o quanto puderem, e se precisarem sair, por favor, se cuidem!!! Lavem as mãos, passem álcool em gel... Se previnam!!! Essa doença está sendo uma epidemia e n quero nenhum de vcs doentes...❤

Enfim, esse era o aviso!!!
Se cuidem e bora ler🤓

Capítulo 25 - Família Carosella


Fanfic / Fanfiction Um Amor Proibido - Capítulo 25 - Família Carosella

–Ana... Para! - Com as últimas forças que tinha, Paola se afasta com sua respiração mais ofegante e seu coração acelerado... Depois de tantos anos estava sentindo novamente o famoso "Frio na barriga"

–Mas... Achei que estivesse gostando! - Fala chateada.

–Y yo estava... Acredite, quiero eso tanto quanto usted! 

–Então por que se afastou?

–Aninha... Usted ainda es una criança, mí amor! 

–Eu não sou criança, Paola! 

–Perante a lei usted es si! 

–Ninguém precisa saber! 

–Mesmo así es contra a lei...Y no quiero fazer nada que usted possa se arrepender, ainda es muy nova para eso!

–Paola eu não sou mais virgem para você ficar com tanto medo de me tocar... - Fala de uma vez, seu corpo ainda estava em chamas e necessitado pelo toque.

–No? - A olha surpresa - Mesmo así, Ana...Yo no posso fazer eso, usted es menor de idade y yo tengo mios princípios!

–Foda-se os princípios...- Se exalta. Mas ao ver o semblante assustado da Argentina, abaixa o tom.- Ninguém vai saber, meu amor, somente nós! Por favor, Paola... Eu te quero tanto!

–Yo voy saber, Ana... No acho que és o momento para eso... - Suspira fundo e Ana faz o mesmo. 

–Ok, Paola... Quando você estiver no seu tempo... - Fala e sai do banheiro indo para o quarto.

–Aninha... No fica brava, Cariño! - Vai atrás dela. 

–Como não ficar, Paola? - Se vira de frente para ela.

–Yo só quiero algo especial, Pequeña! 

–Não acha que só de termos um momento nosso já não se torna especial? Isso é enrolação! 

–Por fabor, me entende...

–Como entender, Paola? Me diz? Você se afasta cada vez que eu chego perto demais... - Ana tira a toalha e começa a vestir a roupa que estava em cima da cama.

–Porque usted es menor de idade, no podemos fazer eso... Nosso namoro já es contra las regras, transar seria demais! 

–Demais? Então talvez não devêssemos namorar também, já que você não tem coragem nem para tocar sua namorada!

–Ana...

–Esquece... Eu vou pra casa, pensar em tudo... Faz isso também... - Termina de se vestir e começa a descer as escadas.

–Cariño... Nós íamos passar o dia juntas! 

–Íamos! Mudei de ideia...Vou chamar um Uber! 

–Pelo menos me deixa te levar! 

–Não precisa! 

–Fica aqui conmigo, por fabor!

–Eu vou para casa, esfriar a cabeça, se não vou acabar fazendo algo que me arrependa depois! - Pega o celular, chamando o uber. 

–Aninha... No vai, por fabor... - Fala segurando em sua mão.

–Paola...Vai ser melhor assim...

–No! No vai ser mejor... Vamos conversar, por fabor! 

–Quando estivermos mais calmas a gente conversa!

–Enton fica calma aqui... Usted nem almoçou... - Começa acariciar sua mão numa tentativa de tentar convencê-la.

–Não estou com fome... E se eu ficar aqui só vai piorar nossa situação... Prefiro ir para casa! - Puxa sua mão e olha no celular - O Uber chegou... Tchau, Paola!

–Mas, amor... 

–Tchau, Paola! - Fala firme e entra no carro fechando a janela e olhando para frente.

Paola fica parada na calçada até o carro sumir de vista. Logo entra em casa e se joga no sofá, se martirizando por ter recusado transar com Ana. Mas não poderia fazer algo que ela pudesse se arrepender depois. Ela é nova e talvez mude de ideia mais tarde, não poderia correr o risco.

–Dios, como és difícil ter um relacionamento... - Suspira fundo e se levanta indo para cozinha, precisava relaxar.

Assim que entra, seu celular toca. Ela corre imaginando ser Ana, atende sem nem ver o nome.

–Amor? Volta, por fabor! 

–Volto meu amorzinho! - Fala e explode em uma risada. Paola revira os olhos.

–A que devo a honra da sua ligação, hermana?

–Meus pés estão doendo, então vem abrir logo a porta! 

–Que? 

–ABRE LOGO A PORTA!!!! - Paola vai até a sala e quando abre a porta vê a irmã e a sobrinha com malas ao seu redor - Volteeeiiii!!! - Abre os braços abraçando a irmã.

–Dios mio! - Abraça a Bella, matando toda a saudade de anos. Em seguida a sobrinha se pendura em seu pescoço, como sempre fazia desde pequena. - Que saudade de ustedes...

–Nós também, tia! 

–Por que no avisaram que vinham? Yo poderia tê-las buscado! 

–Queria fazer surpresa, e você ainda vai nos aturar por muito tempo! Agora me ajuda que essas malas estão pesadas! - Fala entrando enquanto puxa uma de suas malas.

–Mucho tempo? - Pergunta confusa pegando as malas

–Aquele desgraçado, traíra, cafajeste me traiu com uma piranha mais jovem... Olha... Depois de velha, corna! Só posso ter jogado pedra na cruz... Então vou passar umas férias na casa da minha maninha até me estabilizar nessa cidade.

–Yo no acredito! Bom... Pelo menos usted se livrou dele! 

–Nem era grande coisa mesmo! - Fala se jogando no sofá. 

–Mas posso te ajudar con lá estabilidade! 

–Como assim? 

–Estão loucos por una professora de artes na escola! O quê acha?

–Tô aceitando, tive que largar meu cargo de professora na outra escola, preciso de emprego! Velha, corna e desempregada... Onde eu fui parar? 

–Ah, nossa, estudar em uma escola que a tia e a mãe trabalham... Sonho de consumo de qualquer adolescente... - Fala com ironia e acaba rindo.

–O quê você faz que a gente não pode saber? 

–Nada, ué! Pelo menos podem me dar nota extra! 

–Sonha que ainda é de graça, minha filha!

–Tengo certeza que usted és una excelente aluna, por isso vamos te dar si coisas extras... Trabalhos principalmente! - Fala rindo ao terminar de trazer todas as malas para dentro da sala.

–Ah não, tia... Sou novata, dá um desconto! 

–Desconto de pontos? 

–Se você me acha uma professora brava e chata... Sua tia é dez vezes pior!

–La mujer sem corazon... Mucho placer! - Rir e se joga no sofá do lado da irmã. 

–Deus, o que eu fiz para você??? - Fala com uma cara sofrida e senta na poltrona colocando os fones no ouvido e começando a mexer no celular. Bella levanta e puxa a irmã para a cozinha. 

–Que foi? 

–Quem é "amor"? Não pense que esqueci disso! 

–Oh Dios... Longa história! 

–Tempo é o que não me falta...

–Posso te contar de noche? Tomando vinho de preferência! 

–Aff você sabe que eu nunca nego um bom vinho... Tá bom, mas vai me contar com detalhes...

–Tudo que quiser! Mas ahora no estoy com cabeça para eso!

–Iiihh, já vi que coisa boa não é! Mas enfim... Cadê minha loirinha?

–Na casa da amiguinha... Ela foi para una festa do pijama...

–Oh meu Deus... Elas crescem tão rápido! - Fala emocionada.

–Nem me fala... Fran parece una mini adulta! - Sorri lembrando da filha. 

–Daqui a pouco ela já está namorando e te deixando maluca! 

–Espero que demore mucho! No estoy preparada para eso!

–Ainda bem que a minha garotinha não pensa nisso por enquanto... Glória!!! 

–Mas na idade dela, já já está te deixando de cabelos brancos!

–Claro que não, essa garota é sensata! 

–Sensata no que ella te conta! Talvez já esteja namorando y usted no sabe! - Bella arregala os olhos. 

–CAROLINAAA!

–Ooiiiiii!!! - Fala indo até a cozinha e olha a cara da tia rindo e da mãe brava - Lança a braba...

–Fala direito comigo, garota! Que história é essa de namorar escondido?

–Que? Já está dando vinho pra ela a essa hora, tia? 

–Me responde, Carolina!

–Eu não namoro escondido, dona Isabella... Mal chegou e já está surtando, mãe.... - Fala sorrindo ao digitar. 

–Com quem você tá falando? - Pega o celular da mão dela. 

–Com o Felipe mãe... Me devolve meu celular... 

–Sempre achei que vocês tinham algo, andando grudada com esse menino... Sorrisinho ao digitar... 

–Mãe não pira, o Felipe é gay... E eu tava rindo do meme que ele me mandou!

–Aham... Sei que é meme! 

–Deixa pra surtar amanhã, quando ella for pra aula! 

–Não dá ideia, tia! Mudando de assunto, estou com fome!

–Já vou preparar o almoço... 

–Não esqueci essa história, Carolina!

–Tá peraí... - Digita alguma coisa e logo é possível ouvir o menino falando 

Áudio on: Tia, não pira, eu e a carolzita somos mais que amigos...

–AI!! - Bella grita. 

Áudio on: Somos friends... Além que da fruta que a Carol gosta eu quero distância....

–Puta que pariu... - Fala baixo e começa a digitar que nem uma maluca no celular.

–VOCÊ NÃO DISSE QUE ELE ERA GAY? - Paola não aguenta e explode em uma gargalhada. 

–Ah...Titia, faz sobremesa de chocolate? - Vai até Paola, tentando mudar de assunto.

–Responde, Carolina! Que história é essa?

–Mãe eu não tô namorando, que saco! Muito trabalho ter relacionamento, tô de boas solteira... Agora para de pirar!!! Tia onde eu vou dormir?

–O assunto já é outro! Se esse garoto é gay, e não gosta do que você gosta...Você é lésbica, Carolina? - Carol trava e arregala os olhos, não conseguia nem respirar.

–Q-Que? C-Claro que não... Eu? Lésbica? Tá maluca, mãe?

–Gaguejou perdeu o argumento... - Paola fala rindo igual uma maluca.

–Não coloca mais lenha na fogueira, tia... Eu não sou lésbica e não estou namorando! Tem como parar? - Sai da cozinha indo para sala.

–Una hora ella te conta... Mas quanto mais usted surtar, mais ella se afasta! - Fala enquanto prepara o almoço.

–Mas o surto faz parte de mim!

–Yo sei, ella tambien... Mas vai ter que arrumar un jeito de se controlar... No deve ser fácil se assumir nessa idade... Vai com jeitinho...

–Tá bom... Estava com saudades da minha irmã chata e sensata! - Abraça Paola por trás enquanto a Argentina cozinha.

–Yo sei, yo sei... Sua vida sem mim devia estar sendo péssima! - Se gaba e as duas começam a rir. 

–Mas você é muito convencida mesmo.... 

–Realista!!!!

–Odeio você ter razão! - Lhe dá um tapa na bunda. - Mas só vou admitir, porque agora sou uma sem teto! 

–Que horror, Isabella! - Fala rindo. 

–É a verdade, ué! O quê você está cozinhando?

–Mais aleatória, impossível! Estoy fazendo lá macarronada da vovó!

–Vovó morreu e só passou a receita para queridinha dela, impressionante como o privilégio reina na família!!!

–Para lá única que sabes cozinhar! Ella no iria arriscar que usted destruísse lá receita dela!

–Eu cozinho muito bem para sua informação, vovó que sempre teve a queridinha!

–No posso discordar, ella me amava mucho mais! - Fala se gabando.

–Isso é bullying, Paola! - Cruza os braços fazendo um bico. 

–Só disse lá verdade, maninha!

–Palhaçada viu... - Fala e senta no banquinho - Nossa eu tô só o caco de destruída... Meus pés estão me matando... - Fala tirando os saltos. 

–Claro! No larga esses saltos por nada... Até quando estava grávida usou esses saltos finos. 

–Meu louboutin é inseparável, já faz parte do meu corpo...

–Palavras de Burguesa safada, no venha discordar! 

–Você também é burguesa, só não assume!

–Yo no! 

–Ah não? Só essas suas panelas custam mais que minha coleção de Louboutin!

–Mas aí és mio trabajo! Tenho que ter panelas de qualidade... E seu sapato custa o meu e o seu rim juntos e parcelados...

–Mas você poderia comprar uma panela mais baratinha! Tem o quê? Ouro nessa coisa? 

–Claro que no! Está querendo que mios clientes tenham câncer?- pergunta rindo.- Y essas panelas nem são tão caras...Usted que es exagerada!

–Aham sei... Vou fingir que acredito! 

–Só esse sapato é o triplo do que yo paguei nas mias panelas.

–Você que é exagerada! Paguei baratinho nele! 

–Para usted até dez mil reais em um sapato es baratinho! 

–Paguei menos que isso! E para de implicar com meu sapato! 

–Oh, Perdon! Voy preparar o almoço na mia panela cara!- fala rindo e volta a focar no almoço. 

–E eu vou me jogar na sua cama! 

–Folgada! 

–Minha viagem foi longa, estou merecendo! - Fala e sobe para o quarto. Alguns minutos depois só se ouve o grito de Isabella - PAOLA FLORÊNCIA CAROSELLA... VEM AQUI AGORA ME EXPLICAR ISSO!

–Oh Dios... - Diminui o fogo e sobe correndo - Morreu ou apareceu um inseto no quarto y usted estás surtando?

–De quem é essa lingerie? Você tem muito peito e bunda pra caber nisso aqui! - Fala segurando a lingerie de Ana que estava no banheiro. 

–Ah... És... Yo...

–É do seu amor, não é!? - Pergunta com um sorrisinho sapeca - Minha irmã mais nova até que enfim percebeu que é do Vale! Já estava na hora!

–Mais tarde yo te explico tudo e aproveito para ficar surda com o seu surto.... - Paola se vira já voltando para cozinha.

–Não pense que vou esquecer disso, Carosella! - Paola revira os olhos e continua descendo. Pensando em como explicar para a irmã que estava namorando com uma de suas alunas menor de idade.

–Onde usted se enfiou, Paola Carosella... - Suspira fundo e vai terminar o almoço. 

◇◇◇ 

–Mas... E aí, como vai ficar em questão da matrícula na escola? - Pergunta com todas reunidas na mesa.

–Já pedi para enviarem a matrícula, vou arrumar tudo amanhã quando for falar com o diretor sobre o contrato! Já aproveito e conheço a escola com a Carol!

–Mas como é o pessoal da escola, tia? Riquinhos mimados ou gente boa?

–Tiene las duas cosas... Mas posso te apresentar para algunas alunas próximas! 

–Obrigada! Detesto ficar sozinha!

–Olha quem vai apresentar pra ela, Paola! 

–Fica calma que yo confio nas meninas!

–Como elas são tia? Eu estou curiosa. Me conta mais... Quais os nomes, características, personalidades... Tudo! - Fala animada e Paola conta o detalhe de cada uma das meninas e é inevitável não ficar com os olhos brilhando ao falar o nome da sua pequena. 

–Agora estou ainda mais ansiosa! Quero conhecer todas! 

–Tengo certeza que ellas vão adorar usted! 

–Espero que sim! 

O restante do almoço passa entre conversas sobre a escola, os alunos e professores. Logo após lavarem a louça, vão arrumar os quartos de hóspedes, e em seguida passam a tarde vendo séries e filmes.

–Olha... Eu estou acabada de sono... Vou deitar... Boa noite, mulheres da minha vida! - Beija a bochecha da mãe e da tia e sobe para o quarto. 

–Agora que a Carol foi dormir, pode começar a contar todo o seu rolê do Vale...

–Yo no...

–Não ouse mentir para mim, Paola! 

–Ok! Mas és muy complicado, quiero que seja compreensiva! 

–Eu não sou homofóbica, não vou te julgar! 

–Yo sei, no es por eso! 

–Então, pelo que?

–Ella... Ah... Ella es... Bom...

–Confia em mim, Pao! Eu vou entender! 

–Ella tiene 17 anos y es mia aluna! - Fala tudo em um só fôlego.

–VOCÊ FICOU MALUCA?

–No grita, Isabella!

–Qual o seu problema? Você sabe que pode perder o emprego e PIOR ainda ser presa!!! Que merda é essa Paola? - Pergunta aparentemente nervosa.

–Yo tentei ficar fora disso, mas cada vez que nos afastamos, las duas sofrem mais! Venho resistindo a eso desde lo início do ano, mas chegou num ponto que simplesmente foi impossíble! Por fabor, me entenda!

–Como você quer que eu te entenda sua desmiolada! - Bate na cabeça da irmã - Era para eu ser a que faz merda na família, não você!!! Porra, Paola... Que merda...

–No tengo culpa se yo amo ella, Isabella! 

–Poderia esperar ela fazer 18 anos, pelo menos! 

–Y perder ella? Causar mais sofrimento? Usted no tiene noção do quanto nós duas choramos! Do quanto mio miedo a fez sofrer! - Limpa uma lágrima que desce. Em sua cabeça repassava todas as dificuldades que enfrentaram até ficarem juntas.

–E quando ela fizer 18? Olha a fama que você vai ficar de professora que pega aluna, Paola!!! E os pais dessa menina? Ela tem a idade da sua sobrinha, Carosella!!!

–Yo sei, Isabella! Yo no me importo com fama, soy amiga da mãe dela y creo que se conversarmos direito ella vai me entender... Se no entender tambien no importa, yo amo ella y nada vai mudar eso! - Paola já chorava desesperada. Sabia de todos os riscos e que poderia prejudicar a vida de Ana também. Mas correria qualquer risco para ter sua felicidade junto a Ana Paula.

–Agora a bonita tá querendo viver essas histórias que a Carol fica lendo no celular... Fan... Fan... Fanfic... Acho que esse é o nome... Não importa! Essa garota vale mesmo você perder sua carreira como professora?

–Vale, Bella... Yo amo ella... Nenhum cargo em qualquer escola es mais importante que ella para mí! - Fala limpando as lágrimas.

–Ok, isso já está me dando diabetes... Para você estar chorando é porque à ama demais, só me resta apoiar essa loucura! 

–Gracias! - Sorri e abraça a irmã.

–Agora me mostra uma foto dela, quero conhecer minha cunhadinha! Jesus, uma cunhada na idade da minha filha!

–Usted se acostuma... - Fala e pega o celular mostrando uma foto das duas na praia. - Aí... Ella és linda né? 

–PUTA QUE PARIU, PAOLA!!!! 

–O que foi???

–Você tem noção que essa garota é filha dos jornalistas mais famosos do Brasil? Poxa, irmã... Não podia escolher alguém menos popular?

–Yo sei, Isabella! No tengo culpa se ella es linda, encantadora, fofa, perfecta...

–Tá, chega! Você sabe que isso é suicídio nacional, né!? Talvez até internacional!

–Mas ela és tão perfeitinha... Foi tão inusitado o jeito que ella chegou em mi vida... Y simplismente ficou... No foi possível resistir mais... 

–Eu aqui numa desilusão pelos meus chifres e você se iludindo no amor... Realmente os opostos se atraem...

–No estoy me iludindo, ella me ama! Estas brava, mas... DIOS MIO, ELLA ESTÁS BRAVA CONMIGO! Preciso fazer as pazes, mas no sei como!

–Por que ela está brava? 

–É... Mejor yo no dizer! 

–Eu conheço essa cara... Você vai me contar e é agora!

–Assunto nosso... Preciso mandar mensagem pelo menos... Y usted precisa de un banho... 

–Ok, ok... Mas você ainda vai me contar isso aí... 

–Tá... - Fala e a irmã sai da sala, deixando ela sozinha. 

Whatsapp on 

Pao: Amorcito....

Pao: Perdon por no fazer o que usted esperava de mi... 

Pao: Yo sei que deve estar brava ou chateada...

Pao: Mas saiba que yo te amo y espero que usted esteja de cabeça fria lendo essas mensagens... 

Pao: Fala conmigo, baby...

Ana: Eu não estou mais brava com você... Só chateada! Você praticamente me rejeitou! 

Pao: Perdon mí vida... Mas usted sabe mios motivos, yo queria aquilo tanto quanto usted, mas no podemos! 

Ana: Tudo bem, Paola! Eu entendo... Mas preciso de mais um tempo pra pensar, amanhã nos falamos!

Pao: Tengo que lhe apresentar duas personas amanhã....

Ana: Quem? 

Pao: Amanhã, baby... 

Ana:��

Paola: Tambien te amo❤

Ana: Me negar sexo tudo bem, mas me deixar curiosa já é demais! ;-; 

Pao: Seja paciente, mí amor! 

Ana: Não consigo, você sabe que sou curiosa e ansiosa!

Pao: Yo no te neguei nada... Só pedi para esperar mais um pouquinho... Vai chegar o momento certo... Y aguenta essa curiosidade, amanhã elas vão na escola comigo. 

Ana: Elas? 

Pao:��

Ana: QUEM SÃO ELAS, PAOLA??? FALA!!!��

Pao: Já já usted descobre, mí amor! Ahora vai dormir, porque amanhã tiene aula! Besinhos�� Te amo❤

Ana: PAOLA!!!

Ana: VOLTA AQUI, ARGENTINA! 

Ana: COMO OUSA ME DEIXAR FALANDO SOZINHA???��

Ana: CAROSELLAAAAA!!!!!

Ana: PAOLAAAAAAAAA

Ana: Affff��

Whatsapp off

Paola ri vendo o surto de Ana pela barra de notificação, quando vê que ela cansou, solta o celular e levanta para ir para seu quarto. Mas quando está no pé da escada, ouve a campainha tocar. Estranha o horário, mas vai atender.

Quando abre não havia ninguém, mas ao olhar para baixo seu corpo estremesse ao ver mais um dos envelopes vermelhos. O pega com as mãos trêmulas e fecha a porta, a trancando e subindo correndo para o quarto. 

Senta na cama e abre, vendo algumas fotos de Ana saindo de manhã, ela parada na calçada e as irmãs chegando minutos depois. Em seguida pega a carta, cuja letra ela não conhece.

_O que você fez para a pirralha? Espero que tenham terminado esse namorinho ridículo, assim não terá nenhum empecilho para quando ficarmos juntos! Rsrs... Ah, linda minha futura cunhada e a filha dela, só não mais linda que você, meu amor! Espero que tenha gostado das fotos, essa sua é a mais linda de todas!_

–Dios... Me ajude... - Fala passando a mão nos cabelos e seu corpo inteiro estava em choque... Quem seria a pessoa misteriosa que a perseguia nas últimas semanas? - Táqueparius... - Se levanta com muito esforço e coloca as imagens e fotos na caixa onde estava colocando tudo. - Yo tengo que denunciar isso...Voy fazer eso amanhã, no posso continuar así! - Suspira fundo e vai tomar um banho, era tudo que precisava naquele momento. 
Após um longo banho, deita na cama e fica rolando de um lado para o outro, pensando em tudo que estava acontecendo em sua vida. A noite seria longa.

◇◇◇ 

–AI... EU... TÔ... ANSIOSA!!!! - Fala abraçando a tia de lado e andando pelo estacionamento. 

–Calmate, Carolzita... Já já usted vai conhecer tudo y todos...

–Vamos agora? Eu tô surtando, tia! 

–Primeiro precisamos resolver sua matrícula! Calmate! - Abraça a cintura da sobrinha e entra na escola com a irmã logo atrás. 

–Meu Deus, esse lugar é enorme! 

–Usted nem viu nada, até yo consigo me perder aqui! 

–Se você que é super atenta e certinha e se perde, o quê vai ser de mim? Vou chegar no final da aula na sala!- fala toda atrapalhada carregando sua pasta com os documentos necessários e seu currículo.

–Usted que lute!

–Vai demorar muito pra fazer a matrícula? - Pergunta ainda mais ansiosa. 

–No, pequeña... Sua outra escola já enviou tudo, és só su madre assinar! 

–Então, para que precisamos ir com ela? 

–Porque yo voy fazer lá indicação para lá vaga de professora! 

–Aff, estou ansiosa! - Fala fazendo um bico. Paola ri e beija sua cabeça. 

Sem ao menos perceber, cruza com uma baixinha furiosa que já observava a algum tempo a aproximação das duas.

–Vamos na secretaria acertar o resto das coisas y sua primeira aula és mia. Enton fica calminha... - Acaba rindo e as três vão para secretaria. 

◇◇◇

–Buenos dias, alunos... Hoje vamos receber una aluna nueva na escola, enton espero que sejam legais com ella, ok? - Fala com a sala em silêncio. - ok? 

–Ok! - Todos na sala falam em uníssono. 

–Bien, essa és la Carolina Fiorentino... O resto ustedes vão descobrindo... Senta ali, cariño! - Aponta para cadeira ao lado das meninas e Carol se senta meio envergonhada por tantos olhares, em especial um que parecia que iria te fuzilar.

Logo que Paola senta e se concentra em arrumar seus cadernos para iniciar a aula, as meninas próximas se aproximam, inclusive Ana, que tinha um olhar assassino.

–Olá, novata... Me chamo Clara! Muito prazer! 

–O-Oi... Prazer, sou a Carol! 

–Ninguém aqui é surda, todas ouvimos muito bem a professora falar! - Ana dispara de cara amarrada. 

–Ana Paula Padrão, não foi assim que eu te ensinei... Liga não, tpm dela tá braba! - Fala rindo - De onde você veio, Carol? 

–Rio De Janeiro! 

–Eu já fui pra lá nas férias, amei a praia de Copacabana!

–Eu morava a uns 10 minutos da praia, é até difícil acostumar que as praias daqui são bem longes!

–Poderia ter ficado por lá então... Veio pra cá porque quis! 

–Ana!!! 

–Que foi? Só falei a verdade! 

–Enfim... Vou te apresentar as meninas! Essa mal humorada é a Ana Paula, a morena aí do seu lado é a Heaven, e na frente dela é a Larissa! Se quiser ficar com a gente no intervalo, te apresentamos a escola! 

–Fale por você, não lembro de ter concordado com isso! 

–Qual o seu problema, Ana Paula?

–Deixa ela, Clara! Nem todas querem ser amigas do mundo... - Heaven fala com a cara fechada também. 

–Afff cadê a educação de vocês?? Enfim, eu te apresento a escola já que sou a única pessoa SOLIDÁRIA entre essas garotas.

–Ei, não me inclua nisso...Posso ir com vocês também! - Lari fala ao se virar e tirar os cadernos da mochila. 

–Aff, Heaven é a minha única amiga nessa escola! 

–Quanto drama, Ana Paula! 

–Drama nada, tenho meus motivos, que pelo visto você não está interessada em saber! E muito menos eu estou afim de te contar agora! 

–Ah... Eu te fiz alguma coisa? Me desculpa, não lembro de ter feito algo para te incomodar! - Carol já estava constragida pela briga das meninas. 

–Deixa de ser falsa, garota, você nem me conhece! Eu só não fui com a sua cara mesmo! 

–Ana? Por Deus... Desculpa, Carol, ela não é sempre assim! - Clara olha para Ana com os olhos de "querida???"

–Não precisa pedir desculpas por mim, porque eu não sinto muito! 

–Nossa, Ana!!! Qual a necessidade disso? - Lari pergunta já não entendendo nada. 

–Não é da sua conta, Larissa... Me deixa em paz, que saco! - Bate na mesa, assustando a todos na sala.

–Mas o quê es eso? Posso saber o quê estás acontecendo? - Pergunta se virando de frente. Estava passando exercícios na lousa.

–Nada não, prof... As meninas que estão meio exaltadas com a chegada da novata... Só isso... - Paola não diz absolutamente nada e apenas se vira para frente voltando a escrever. - E você para de surtar! - Fala baixo no ouvido de Ana e sussura um "desculpas" para Carol que não sabia o que estava acontecendo, apenas pega seu caderno e começa a escrever.

De vez em quando Ana lançava um olhar mortal para a novata, que estremecia em seu lugar.

Logo Paola termina de passar os exercícios, e Ana é a primeira a terminar, levando seu caderno para a professora corrigir, chega em sua mesa e larga o caderno com certa força em sua frente, a fazendo levantar a cabeça e a olhar em questionamento. Ana apenas cruza os braços e a olha de uma forma mortal.

–Que foi, Cariño? - Pergunta baixo, somente para ela ouvir.

–Corrija meu caderno, professora!

A Argentina suspira fundo e corrige, como sempre tudo estava certo, então ela só entrega o caderno para Ana que da meia volta sem olhar para ela, mas assim que começa a andar, alguém esbarra nela fazendo seu caderno ir para o chão. 

–Garota!!! Presta atenção por onde anda! 

–A-Ah... Desculpa, mesmo, foi sem querer! - Entrega o caderno tremendo um pouco e Ana puxa da sua mão indo para o lugar. 

Carol mesmo se martirizando vai até a tia e leva o caderno para ser corrigido.  

–Aqui! - Fala com um olhar meio triste. 

–O que foi, pequeña? 

–Nada não, tia... - Fala baixo. 

–Usted no me engana! 

–Não é nada! Só... Corrige aí, acho que tá certo! 

–Dios! Hoje ustedes estão impossíveis! - Fala e corrige o caderno entregando para garota que vai para o seu lugar e apenas pega seu caderno de artes, começando a desenhar qualquer coisa. 

–Você desenha bem! - Clara fala olhando para o caderno de Carol. 

–Obrigada! Minha mãe é formada em artes, me ensinou algumas coisas! - Sorri fraco e volta a desenhar.

–Você está bem? Se foi pela Ana, não se preocupe, ela só deve estar de mal humor mesmo! 

–Eu já falei que não fui com a cara dela, não tenta achar justificativas, Clara! 

–Mas você não tem motivos pra isso! 

–Eu já falei que tenho meus motivos e não estou afim de te falar! Então para de falar de mim!

–Liga não, tpm tá braba esse mês... - Fala rindo e ignora a cara emburrada que a menor fazia, algo que não saiu despercebido pela Argentina. 

–Tudo bem, já entendi que ela não foi com a minha cara! Não tem problema... - Fala sem olhar para nada além de seu desenho.

–Agradeço a compreensão! - Ana estava se segurando para não surtar. Se aquela garota ou Clara abrissem a boca mais uma vez, ela não responderia por seus atos. 

–Alunos, atencion! Para lá próxima aula, quiero que tragam un poema em español y su traducion... Nada de copiar da internet, quiero que sejam criativos! - Todos assentem e logo o sinal toca. Ana aproveita para sair logo dali, se continuasse naquela sala por mais um minuto, cometeria um assassinato.

Paola arruma suas coisas e vai atrás da menor, queria acertar as coisas com ela. Mesmo que sua cara brava fosse a coisa mais linda para Argentina. Ainda sim preferia ver ela sorrindo. Segue Ana até a biblioteca abandonada da escola, onde a menor ia para relaxar. 

Assim que Ana entra, Paola entra também... 

–Puede começar hablar, por que está com essa carinha emburrada, baby? - Coloca suas coisas numa mesinha e se senta.

–E você por acaso se importa? - Pergunta enquanto pega um dos livros e senta em uma poltrona velha dali. 

–Claro que me importo! O quê houve? Ouvi um pouco de su conversa con lá Carol y las meninas! 

–Não sabia que gostava de ouvir a conversa dos outros, professora! Sabia que isso é errado?

–Por que estava brigando con ellas? O quê houve? Estoy preocupada!

–Você não fez questão de olhar na minha cara no corredor e agora está preocupada? Me poupe!

–Que? No corredor? Yo no te vi... Perdon... Estava com a cabeça cheia para levar a Bella na secretaria, ela precisava acertar as burocracias do cargo novo... Quiero te apresentar para ela direito!

–Não faço questão, nem sei quem é! E é claro que não ia me ver, estava muito ocupada agarrada naquela garota insuportável! Não sei pra que me encher de mensagens ontem pedindo desculpas! Não deveria nem ter respondido!

–No habla asi dela, só está tentando se enturmar... Jurava que ustedes iam se dar bien! Carol é um doce de garota, qual o motivo de no gostar dela?

–Tem razão, eu não devia estar brava com ela, DEVIA ESTAR BRAVA COM VOCÊ! - Levanta e começa a encher Paola de tapas.

–Aiaiai... Pra que eso, amor? O quê yo fiz? 

–O quê você fez? Ficou se agarrando com outra no corredor e ainda defende ela! Qual seu problema, Paola? Além de me rejeitar ontem, fica com outra hoje! 

–Ana??? Usted... Dios mio, devia ter te apresentado ellas! 

–Ainda quer me apresentar? Acha que tenho estômago pra isso?

–Aninha, meu amor... A Carol é minha sobrinha e a Bella a minha irmã... - Ao falar isso Ana para os tapas e faz uma cara surpresa, fazendo um perfeito "O" na boca. Paola a puxa para sentar em seu colo e enlaça sua cintura - Yo queria te apresentar elas porque fazem parte da mia família... No era para ter ciúmes, la Carol és una hija para mi... - Beija a bochecha da menor. 

–A culpa disso tudo é sua! - Fala e cruza os braços. 

–Mia? Por que? 

–Se tivesse me avisado antes, nada disso teria acontecido.... Olha o que acontece quando você fica me deixando curiosa!

–Yo no sabia que ia ficar com tanto ciúmes, ia te chamar para mia casa hoje, para te apresentar ellas! Lá Bella estás surtando para te conhecer! 

–Ela sabe de mim? 

–Sí! Quase me matou ontem a noite, mas despues ficou louca para conhecer lá cunhadinha! 

–Você contou pra ela? Paola! 

–Ella es mia irmã, y fica tranquila que ella no vai te julgar! 

–Mas, por que você contou agora? 

–Yo no ia dizer nada ahora! Mas ella achou sua lingerie em mio banheiro! - Fala e acaba rindo da cara vermelha de Ana.- Mas fica tranquila, ella es incrível! 

–Ah não... Eu vou ter que pedir desculpas pra Carol! 

–Faz eso hoje! Vai estar ocupada de tarde?

Ana: Vou ter minhas primeiras aulas de piano, mas assim que acabar eu vou para sua casa... Bem... Acho que preciso me desculpar com a sua sobrinha né... Aí merda, eu fui muito megera com ella!

–Que orgulho, aprendeu conmigo! - Fala rindo e da um selinho na menor. 

‐Você não presta, Carosella! - Ia dar um beijo na boca da argentina, mas desvia e beija sua bochecha - Sabe como é né... Sou menor de idade! - Fala rindo sapeca.

–Se és para ser presa, que seja por besar essa boquinha linda! - Fala e lhe rouba um beijo.- Dios mio, como estava con saudades disso!- Fala após se separarem por falta de ar.

–Eu só acho muito engraçado...

–Lá vem... 

–Que quando sou eu "Ah Ana, tem que esperar", "Ah Ana, você é muito nova", "Ah Ana, eu tenho a porra dos meus princípios!" - Fala e cruza os braços fazendo bico.

–Es diferente, amor... Eso es só beso, usted queria algo mais! 

–E ainda quero! Que tal uma aventurinha, em amor? Eu nunca transei na escola! - Fala colocando uma perna de cada lado da cintura de Paola.

–Estas maluca, cariño?

–Por você... - Fala e beija a boca da argentina com necessidade, precisava sentir o gosto da sua boca enquanto rebolava em seu colo. Ela atiçava cada vez mais, queria ver até onde ia o controle de Paola.

Paola segura sua cintura com força, mas não passa disso, mesmo que já estivesse com a calcinha encharcada. 

–Amor...

–Que foi, professora? - Pergunta em seu ouvido e desce beijos por seu pescoço, intercalando entre mordidas.

–No... Me marca, Ana... - Ao ouvir isso, Ana lhe da uma mordida forte - Porra, Ana Paula! 

–Ops... Acho que ficou marcadinho!

–Que mierda, Ana Paula! - Fala e pega um espelinho na bolsa - Você chama esse vermelhão no meu pescoço de marcadinho? - Solta a cintura de Ana e pega uma base.

–Eu posso deixar mais marcado, se quiser! - Volta a boca para o pescoço de Paola, descendo para seu colo e indo até o decote não tão comportado. 

–Ana... Por fabor... - Fala ofegante. 

–Por fabor o quê, amor? - Pergunta e começa a deixar chupões na parte superior dos seios de Paola. 

–Aninha, yo no trouxe casaco!

–Mas tá calor, amor... Se quiser pode até tirar a blusa... - Fala pegando na barra da blusa de Paola e antes que a argentina perceba, Ana a puxa para cima, revelando seus seios fartos sendo cobertos apenas pelo sutiã de renda preta - Delícia... - Beija os seios de Paola ainda por cima do sutiã e apertava sua cintura.

–A-Ana... Cariño... Aqui no! 

–Não estou fazendo nada... Só um carinho na minha namorada! - Fala deixando pequenas marcas onde a blusa de Paola não iria cobrir. Era óbvio que ela iria se cobrar pelo dia anterior. 

Em seguida começa a passar a língua quente e molhada por cima da renda, sentindo os mamilos de Paola já duros, marcando bem o tecido.

–Seu corpo reage tão bem a mim... - Toma os lábios da argentina novamente para si, sugando sua língua e mordendo os lábios da argentina. Enquanto isso sua mão passeava pelo corpo da mulher, sem limites, apertava, acariciava e ia em lugares que sabia que a levaria à loucura.

–Aninha... Yo voy perder o controle así! 

–E eu não vou reclamar! - Fala olhando em seus olhos com um sorrisinho de canto, em seguida volta sua boca para o corpo da Argentina. 

–M-Mas no podemos...

–Por que não? - Pergunta em meio aos beijos e mordidas.

–Porque... Estamos na escola!

–Será uma ótima história para contar depois... - Consegue tirar um dos seios da argentina para fora do sutiã e dar beijos leves em seu mamilo, o chupando assim que ouve um gemido sair dos lábios da argentina.

–Porra, Ana Paulaaa... Aaahhh - Paola cobre a boca com uma das mãos, tentando abafar os gemidos que já eram incontroláveis.

Ana solta uma risadinha e volta sua boca para os lábios de Paola, mas seus dedos fazem o papel de apertar os seios da mulher e deixar ela cada vez mais pronta. 

Ana abafava o som dos gemidos da Argentina com sua própria boca, já que seus dedos estavam brincando com os mamilos da maior.

Paola coloca suas mãos por baixo da blusa de Ana e arranha suas costas, enquanto tenta não gritar e manter o autocontrole, não poderia passar dos limites, pois Ana ainda era menor de idade e elas estavam na escola.

–Viva la vida, mi amor... - Ana fala com seu melhor sotaque em espanhol, fazendo sua respiração ir totalmente no pescoço da Argentina, deixando beijinhos molhados ali.

–Carajo, Padrão... No hace eso conmigo! 

–No estoy haciendo nada, mí amor! - Paola não aguenta e a puxa para um beijo, enquanto leva suas mãos até os pequenos seios de Ana e começa a massagear. 

Ana tira a própria blusa, revelando seu sutiã vermelho e não para de rebolar no colo da Argentina, sua missão de atiçar Paola estava funcionando com sucesso. 

Em meio aos beijos, quando Ana abre os olhos para ir até a mandíbula de Paola...

–AAAAAAAAAAAAAHHHHHH - Pula do colo da professora se afastando. - MATA, MATA, MATA, MATA!!!!!

–Que foi, amor? - Pergunta levantando ofegante e assustada, enquanto Ana pulava desesperada no seu lugar. 

–MATA PAOLAAA...

–Matar o quê, Aninha? 

–Aliii...mataaaa...- Aponta para poltrona, onde tinha uma enorme barata.

–Oh Dios... - Fala rindo e tira seu sapato, indo até lá e matando o inseto.- Pronto!

–Minha heroína! - Vai até a Argentina e lhe da vários selinhos, ficando na ponta dos pés para conseguir alcançar sua boca. - Acho que não é uma boa ideia nessa biblioteca... Prefiro a sua cama macia e limpinha! - Fala sorrindo e lhe dando mais alguns selinhos.

–Hablas eso despues de me agarrar aqui? - Pergunta rindo.

–Eu sei que você gostou, Argentina! - Fala e aperta o seio de Paola, que ainda estava para fora do sutiã. A fazendo soltar um gemido manhoso.

–No voy mentir, mas tambien prefiro mia cama! Ahora es mejor sairmos daqui, o sinal já vai tocar, y lá señorita precisa voltar, daqui a pouco começa às aulas. 

–Ah não, amor... Está tão bom aqui! - A abraça e lhe dá vários selinhos. - Vamos matar o resto dos períodos? 

–Nem pensar, cariño! 

–Mas você vai dar aulas com todas essas marquinhas? - Pergunta olhando para o colo e seios de Paola, que tinham vários pequenos chupões.

–Puta que pariu, Ana Paula! O quê yo voy hacer?

–Coloca a sua blusa que eu te ajudo a esconder isso, não quero nenhum pervertido olhando o seu decote... - Fala e vai até a mochila pegar sua bolsinha de maquiagem. 

Paola se arruma, tentando tampar as marcas com a roupa da maneira que pode. 

–Vem cá, vou dar um jeito nisso... - Fala fazendo a Argentina sentar e então ela começa a fazer a maquiagem. - Peguei prática  em esconder com maquiagem, nem vai dar para perceber!

–Pegou prática, Ana Paula? - Arqueia a sobrancelha olhando pra ela. 

–Eu não sou nenhuma Santa, né Pao! Já escondi algumas muitas marcas nessa vida! 

–Prefiro no saber dos detalhes, Padrão! 

–Só porque eu estava me inspirando pra contar! - Fala rindo e continua fazendo a maquiagem.

–Prefiro no ouvir essas suas histórias... - Ri e fica sorrindo olhando o rosto da pequena. 

–Não sabe o que tá perdendo, tem umas bem emocionantes!

–Prefiro me concentrar nas nossas, bem mais interessante! No quiero te imaginar com outras personas! 

–Ciúmes, Pao? - Pergunta sorrindo.

–Claro, usted és mia namorada... - Fala fazendo manha e Ana lhe da um selinho sorrindo. 

–Você não foi meu primeiro amor, mas foi o amor que tornou todos os outros amores... Irrelevantes... Rupi nunca erra nas palavras...

–Nunca mesmo...Posso te dizer lá mesma cosa! Espero ser su último y verdadeiro amor, así como posso te garantir que usted será o meu! 

–Isso seria um sinônimo de "até que a morte nos separe"? 

–Exatamente eso! - Sorri e a puxa para um beijo. Que é interrompido pelo sinal tocando- Ah nooo...- fala fazendo manha e um biquinho fofo. 

–Podemos considerar meu pedido de matar os períodos?

–No mesmo! 

–Só esse! - Pede com os olhinhos de cachorrinho. 

–No, señorita Padrão! Se veste y vamos! - Lhe da mais um beijo e entrega sua blusa. Ana revira os olhos e veste a blusa, arrumando o cabelo e a maquiagem no rosto.

–Eu saio primeiro ou você sai? 

–Vai na frente, ainda voy ajeitar o cabelo... - Ana lhe da mais um selinho e vai em direção à porta. 

–Até mais tarde, prof! - Pisca para ela e sai da biblioteca, saindo do corredor e se enfiando no meio da multidão para trocar de sala.

Paola arruma o cabelo e sai da sala como se nada tivesse acontecido. Mas no meio do caminho sente alguém puxar seu braço...

Continua...


Notas Finais


E aí? Gostaram do Cap?
Deixem suas críticas ou biscoitos (é claro) aqui nos comentários❤

Até qualquer dia😙✌🏻
E lavem as mãos muito bem✌🏻


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...