História Um amor (quase) impossível - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 4
Palavras 698
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção Adolescente, Orange, Poesias, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oioiiii aqui estamos nós 1 ano dos eu percebi que amo essa fic entao vamo nessa!!

Capítulo 4 - Capitulo 0.4 O RETORNK DA LENDA


Eduarda junta nossos lábios num beijo quente e urgente, como necessitasse unir nossos corpos ali mesmo na minha sala de estar, seguro firme sua cintura e apentando suas coxas grossas retribuo o beijo com uma paixao jamais sentida por outra mulher...

Mas eu sabia, eu sabia que esse era apenas um erro cometido no lanceio do desejo e da loucura, afinal era minha aluna e eu mal sabia o que fazia aqui ou à quando tempo alimentavamos tal desejo proibido e segredo nem mesmo entendia o porquê, mas ouvir seus suspiros baixos enquanto passo munha lingua sobre seus labios chutando meu kit de tricô cegamente ao chão era o unico combustível que me movia nesse momento.

Mas no ultimo segundo, quando senti suas mãos por dentro de minha camisa e as minhas mãos debaixo dela, eu sabia que existiam dois destinos para aquela noite, e eu sabia que o primeiro só poderia acontecer agora e o outro na manhã seguinte, eu era o adulto 7 anos mais velho que ela e só eu tinha a decisão em minhas mãos, que no momento estavam em uma menor minha aluna e minha amiga.

Num lapso de sanidade desprendo-me do beijo saio de cima de seu corpo e corto o mal antes do pior acontecer me sento chão pensando como em 5 minutos acabo de destruir tudo.

-- David ? Ela vira sua cabeça em minha direção e faz uma cara confusa estava iluminada apenas pelo meu abajur de canto ,suada seus labios inchados de batom roxo uva contravam com a pele palida cabelo verdes caiam pelas minhas almofadas e seu corpo macio caia sobre meu sofá seus olhos nao diziam nada, mas eu gostaria que dissesem tudo mesmo que eu precisasse passar a eternidade pra decifra-los

-- O que faz aqui Eduarda? Tento desviar o okhar mas estou hipnotizado pela jovem sereia irônica de olhos castanhos inquietos.

--O que você acha Davie ? Ela tenta vagarosamente sair o sofa mas cambaleia de volta pra atrás sentando-se la denovo sinto a raiva e frustração queimando no meu peito, não por ela mas por mim.

-- Que você teve a brilhante ideia de encher a cara sendo de menor e vir pro apartamento do seu professor patético nem percebe quando você mal consegue se manter em pé! Exclamo ríspido me levantando indo até a cozinha pegar água pra ele, não consigo acreditar que me deixei levar a praticamente abusei minha propria aluna chapada eu apenas sou um babaca.

-- Naaao davie... você é maraviloso, c'mon sente- se aqui vamos continuar! Ela dá batidas preguiçosas no sofá , me ajoelho na sua frente apontado o copo de água em sua frente.

-- Beba Eduarda, está fora de si, cadê seu namorado? Ela desvia o rosto da investidas que dou com a agua em sua direção e fecha a cara fazendo um ridiculo beicinho como a merda de um bebê.

-- Eu sei lá, ele é taaaao chato Davie na verdade acho que ele tá ficando com aquela menina... sabe?...a anã de cabelo preto... Lyasandra! Divaga finalmente aceitando a água e bebendo tudo numa golada.

-- Agora me dê um beijo. 

--Por que que te daria um beijo no seu estado triloka-minha-aluna?

-- Foi nosso acordo, eu bebo agua e vc me beija ue...

--Não fizemos acordo nenhum.

-- Entao eu imaginei mesmo, mas vale mesmo assim gatinho!

--Não.

--Me dê um beijo. Fala manhosa e sonolenta.

-- Que tal um acordo em que eu te coloco pra dormir e você esquece inde eu moro? Pego-a estilo noiva e levo até meu quarto com ela agarrada ao meu pescoço como um bebê coala bêbado, ela resmunga durante o caminho até estar confortavelmente sob meus lençóis com um moletom em cima do vestido, e um balde ao lado pro vomito.

--Durma comigo. Eu ja estava saindo do quarto pra dormir no sofá quando sua voz melodiosa soou.

--Acho melhor não.

-- A casa é sua durma na sua cama.

-- Minha cama hoje é no sofá, você vai gostar amanhã.

--Amanha eu vou me arrepender de ter vindo aqui com 2 shot a mais do plano!

-- O que disse? 

Ela ja estava dormindo, e eu também deveria.






Notas Finais


Beewwwm longuinho mas eu acho que logo vaj ter maixxz


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...