História Um bom negócio. - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Harry Potter
Tags Draco Malfoy, Drarry, Harry Potter, Pos-guerra, Romance, Top!harry
Visualizações 550
Palavras 1.223
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Capítulo 7


— Harry, não fique triste. Ao menos você conseguiu passar. —  Hermione o assegurou, colocando uma das mãos em seu ombro, em um gesto que era para ser reconfortante.

Depois daquela festa as coisas pareceram desandar. Ainda falava com Draco, e teve aulas com ele até o final, mas era diferente. O garoto não olhava mais em seus olhos, e tomava cuidado com as brincadeiras que fazia. Além disso, o Malfoy havia ingressado em um muito público namoro com Astória, Greengrass, e parecia radiante com o fato.

—  É, ao menos isso. —  Sorriu de maneira melancólica, segurando o papel com um enorme A de cor azul em seu canto.  — Vou seguir como capitão do time. — Piscou para o amigo, que balançou a cabeça em positiva, muito satisfeito.

***

Naquela tarde tinham treino. Havia organizado todo o seu horário para aquele momento, em que estaria em campo. A pele tomaria um pouco de sol, ele gastaria energia e a adrenalina o deixaria razoavelmente feliz — ao menos por um tempo. Quando chegou lá o time já estava pronto, de forma que não demoraram um segundo sequer para começar o treinamento.

Fizeram um jogo amistoso entre os “com camisa” e os “sem camisa”, ficando no segundo time. Divertiu-se bastante e, de quebra, ainda ganhou o jogo para os colegas, que comemoravam e debochavam dos perdedores, que gritavam gracinhas. O clima era amistoso, e com o suor escorrendo por sua testa, tudo o que o Potter conseguia sentir era uma satisfação que só o esporte lhe trazia.

Só fechou a expressão quando viu o platinado o acenar da arquibancada, o chamando para lá. Deu um suspiro, ponderando, mas era simplesmente inevitável não segui-lo. Sentia-se como uma mosca caminhando em direção à luz, completamente hipnotizado.

—  Ei, eu soube que o resultado já saiu. Por que não foi me mostrar? — Perguntou, se levantando.

— Bem, eu não pensei que você se importava. — Respondeu na defensiva, limpando as palmas suadas na calça do uniforme.

— É claro que me importo, Harry. Eu estudei para essa prova contigo! — Tentou argumentar de maneira leve.

O problema era que alguma chave já havia girado dentro do negro, o suficiente para deixá-lo visivelmente irritado.

— Você estudou comigo para que eu pudesse o ajudar a conquistar sua namorada. E conseguiu. — Sorriu um sorriso falso e sem signifcado algum, o tom também não era nada calmo, muito pelo contrário.

— Sim, e obrigado por isso. — Agradeceu de forma cautelosa. — Mas eu não vejo motivo para você me tratar dessa forma…

— Não vê motivo? — Perguntou incrédulo, arqueando uma de suas sobrancelhas e cruzando os braços. — Você vai olhar nos meus olhos e dizer que não vê motiv-

— Você está falando do lance do armário? — Malfoy o interrompeu. — Você sabe aquilo não foi na-

— Mentira! — Foi sua vez, uma oitava mais alto. — Olha nos meus olhos e me diz que você realmente gosta dessa garota. — Desafiou.

Draco estufou o peito, dando mais um passo em direção a Harry, até que os peitorais estivessem quase grudados. Olhou no fundo de seus olhos, mas antes que pudesse falar qualquer coisa, o esguio virou o rosto.

— Vá a merda, Potter! — O empurrou, passando por ele. — Engula esta prova, então! Não quero saber! — Grunhiu, saindo da quadra a céu aberto.

***

Mais um mês havia se passado depois da discussão dos dois. Se cumprimentavam estranho agora, mas poderia ser pior, Harry suponha. A dor em seu peito começava a amenizar, embora não acreditasse que ela estava menor, apenas mais palatável. Acostumara-se com o buraco que havia ficado no lugar do peito como alguém que se acostuma com uma dor frequente. Gostar dele era aquilo, afinal: uma dor frequente.

Na última semana, contudo, Astória não estava em lugar algum para ser vista, e o Malfoy encontrava-se igualmente recluso, embora presente. As fofocas haviam começado a circular na escola, que o casal teria terminado, mas o dono dos cabelos negros tentava não pensar muito naquilo. Não era bom criar expectativas, ainda mais depois de tanto tempo. Não queria desacostumar com aquele desconforto. Não quando ele era tão cômodo.

Naquela noite ia encontrar com Ronald e Hermione no café, para declamar algumas coisas que havia escrito desde aquele terrível dia. Sentou-se com os amigos em uma mesa nos fundos e pediu uma dose de tequila para se esquentar antes de subir no palco, porém, no momento em que o shot chegou, uma figura conhecida começou a andar em direção ao microfone, agarrando-se a ele e fixando os olhos nos seus.

Era Draco.

Olhou para Hermione e Ron, que o fitavam como se soubessem de tudo, e então, entre si, trocaram um maldito sorriso. Queria matá-los. Tomou a dose de uma só vez e pediu outra no momento em que o platinado pigarreou, começando a falar:

— Eu não sou bom em escrever coisas, mas conheço um cara que gosta muito daqui e resolvi tentar algo pra ver se ele me aceita de volta, já que eu fui um babaca.

— É. Você é um babaca. — Potter corrigiu, mais alto do que imaginava.

De repente uma série de cabeças virou em sua direção, o encarando a ponto de fazer sua pele queimar.

— Como eu ia dizendo… — Prosseguiu o mais alto. — Já que eu sou um babaca.

— Melhor. — Retrucou, sorrindo de canto.

“Só pra você saber

Eu esqueci você

Um mês depois de você me esquecer de vez e decidir ficar sozinho

Só pra você saber

Eu esqueci você

E se o meu olhar cruzar com o seu é só porque você tá no caminho

E desde que eu te esqueci

Tá tão bom sem você

Você ir fez tão bem por aqui

Desde que eu te esqueci

Eu to tão outro alguém

Que eu nem sei porque é que você não vem

Só pra você saber

Eu esqueci você

E foi tão fácil te esquecer mesmo porque isso já tava no meu plano

Só pra você saber

Eu esqueci você

E se um dia eu te ligar de madrugada em desespero, é engano

E desde que eu te esqueci

Tá tão bom sem você

Você ir fez tão bem por aqui

Desde que eu te esqueci

Eu to tão outro alguém

Que eu nem sei porque é que você não vem

Só pra você saber

Eu esqueci você

E agora quando eu lembro que você existe eu já não sinto mais nada

Só pra você saber

Eu esqueci você

E se eu chegar a te obrigar a me beijar assume que eu to drogada

E desde que eu te esqueci

Tá tão bom sem você

Você ir fez tão bem por aqui

Desde que eu te esqueci

Eu to tão outro alguém

Que eu nem sei porque é que você não vem”

— Por que você é um babaca. —  Respondeu sem pudor algum, se erguendo.

—  Eu sei, e você gosta de mim mesmo assim. —  Passou a mão pelos cabelos, convencido como sempre. —  Será que a gente pode tentar alguma coisa?

—  Alguma coisa tipo o que? —  Se fez de sonso apenas para ter o prazer de ver Draco mudando o peso em que se apoiava nas pernas, inquieto.  

—  Um namoro, Potter. O que mais seria? —  Bufou, saindo do palco finalmente e seguindo em direção a ele. —  Vai aceitar ser meu namorado ou não?

O Potter então deu um soco leve em seu ombro, o abraçando em seguida.

— O que você acha, Malfoy?

E então o beijou.

 


Notas Finais


se curtiram deixem os comentários, eu quero saber!!!
Ah, a música é da Clarice Falcão "esqueci você"


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...