História Um Certo Mauricinho - Imagine Suga - Capítulo 34


Escrita por: e baekyungsoo

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Chanyeol, D.O, Jackson, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Kai, Lay, Lu Han, Mark, Rap Monster, Suga, Suho, V, Youngjae
Tags Imagine
Visualizações 194
Palavras 2.860
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, leiam as notas finais.
~Boa leitura!

Capítulo 34 - Nunca mais


Fanfic / Fanfiction Um Certo Mauricinho - Imagine Suga - Capítulo 34 - Nunca mais

(S/N) On

 

- Ele fez o que? —perguntei incrédula a Jess. 

 

- Ele me traiu (S/N), e ainda teve a ousadia de falar que achou que a menina era eu. 

 

- Você tem certeza disso? —eu não conseguia acreditar.

 

- Não (S/N), eu sonhei com isso e terminei com ele por causa do meu sonho —disse revirando os olhos. 

 

- Espera Jéssica, vamos pensar sobre. Você terminou com ele por que te traiu né? —ela me olhou óbvia. — Mas não é a mesma coisa que fez com ele? —afirmei mais do que perguntei. 

 

- É diferente. 

 

- Não Jéssica, não é —ela deitou na cama e fitou o teto. — Se ele te traiu, vocês estão quites agora. 

 

- Você sabe que eu não aceito uma traição —continuou olhando o teto. — Eu não acredito que eu me apaixonei por um cara desses. 

 

- Para de ser idiota —puxei ela. — Você fez a mesma coisa que ele e essa é a hora perfeita pra contar. 

 

- Eu não quero ver a cara dele nunca mais. 

 

- Vai lá falar com ele —cruzei os braços enquanto ela me olhava. — Já foi? 

 

- Você escutou o que eu disse? 

 

- Escutei —dei de ombros. — Mas eu cansei de aceitar esse drama patético seu. Vamos, tira a bunda daí. 

 

- Eu não vou falar com ele. 

 

- Não vai né? —saí do quarto.

 

- Onde você vai? —não respondi a ela.

 

Quando sai da cabana, por sorte, encontrei a pessoa que iria procurar.

 

- Kamille —ela parou e olhou pra mim, fui até ela. — Eu preciso de uma ajudinha. 

 

- Agora? —lançou um olhar para o garoto ao seu lado. — Tô meio ocupada. 

 

- É urgente —ela negou. — Lay, me empresta ela só por dois minutos? Você pode até ficar ali esperando na sala, eu juro que não vai demorar.

 

- Tudo bem, eu não estou fazendo nada mesmo —Kamille saiu bufando e andou na frente, corri até ela. 

 

- Quando isso acabar, me lembra de te matar, ok? O que você quer? 

 

- Confusão com Jéssica —me fitou. — Precisa falar mais alguma coisa? 

 

- Não —abri a porta e esperei os dois passarem para fechá-la. 

 

- Lay, espera aqui um pouquinho, tá? É conversa de menina —ele assentiu e se sentou no sofá. 

 

Fomos em direção ao quarto de Jess. Ao entrarmos, encontramos ela ainda deitada na cama e quando nos olhou, pude ver que seus olhos estavam inchados. 

 

- Pra que trouxe ela aqui?

 

- Por que você está chorando? —Kamy perguntou. 

 

- Eu terminei com o JungKook —sentou na cama e me encarou.

 

- Por que?

 

- Ele me traiu com uma menina que eu nem sei quem é. 

 

- Mas ele não teria motivos para te trair —se sentou ao lado dela e eu fiquei parada escorada na parede apenas escutando. 

 

- Eu também achei isso, mas pelo visto eu estava errada. 

 

- Não é possível Jéssica, você deve ter feito alguma coisa, ele não é assim! 

 

- Eu não fiz nada Kamille... 

 

- Conta essa história direito —assinalei.

 

- Que história? —Kamy perguntou confusa. 

 

- Tá, eu posso ter feito uma coisinha ou outra —minimizou.

 

- Jéssica! 

 

- Ok, eu também traí ele —escutei apenas o estalo do tapa que ela recebeu no rosto. 

 

- Agora eu posso ir —me desgrudei da parede e abri a porta. — Vou conversar com o garoto que está te esperando lá na sala... e mais uma coisa, não demora, tá bom? —fechei a porta e comecei a escutar os gritos.

 

- POR QUE VOCÊ FEZ ISSO?

 

- Cala a boca, sabe que fez coisa errada, então não tem direito nenhum de reclamar. 

 

Fui até a sala e me sentei no sofá e o garoto me olhou assustado.

 

- O que foi aquilo? —perguntou.

 

- É Kamille dando um corretivo em Jéssica. 

 

- Ela é sempre assim? 

 

- Só quando você faz uma coisa errada, fala uma coisa que ela não gosta ou irrita ela —engoliu seco. 

 

- Obrigado por avisar —ri da expressão dele. 

 

- Fica calmo tá bom... ela não vai fazer isso com você. Ela gosta muito de você.

 

- Ela também gosta de Jéssica e tá fazendo isso. 

 

- Eh... —pensei. — Isso meio que não fez sentido né?

 

- Não? —começamos a rir. Mas logo fomos interrompidos por outro estalo e mais gritos. 

 

- VAI PRA MERDA, EU NÃO VOU FALAR NADA COM ELE —Jessica soltou outro grito estridente. 

 

- VAI SIM —um silêncio tomou o local, cheguei até a pensar “Meu Deus, matou Jéssica!”, mas voltei a mim quando escutei alguns barulhos de coisas caindo no chão. 

 

Lay olhou pra trás e arregalou os olhos assustado. 

 

- O que foi? —olhei para o lugar e vi Kamille trazendo Jéssica pelo cabelo. Ela levou Jéssica para fora enquanto eu colocava a mão no rosto. — Essas duas me fazem passar tanta vergonha. 

 

- Você não vai fazer nada? As duas vão se matar daquele jeito. 

 

- Por experiência própria, é melhor deixar. 

 

- Mas...

 

- Calma, ninguém vai matar ninguém não, é só um corretivo.

 

Passou um tempo e Kamy voltou pra cabana. 

 

- Agora podemos ir conversar —disse sorrindo, parecia aliviada. 

 

- Cadê a outra garota?

 

- Foi ter um papo com o namorado dela. Vamos.

 

- Se você não for me bater —eles sorriram e saíram conversando. 

 

Jéssica On

 

Cheguei em frente a cabana dele e respirei fundo antes de bater na porta. Se eu voltasse pra lá sem ter conversado com ele, iria apanhar mais. 

 

Fiquei pensando em como iria falar com ele. Saio dos meus pensamentos com uma menina abrindo a porta. 

 

- Posso ajudar? —disse com um sorriso simpático no rosto. 

 

- Sim, você pode me dizer se o JungKook está? 

 

- JungKook... eu acho que tá. Entre —sorri agradecendo e me sentei no sofá. 

 

Poucos minutos depois, ele veio e parou na minha frente assustado.

 

- Você me perdoou? 

 

- Temos que conversar —andei até o seu quarto e esperei ele entrar para fechar a porta.

 

- O que aconteceu?

 

- Tenho que te contar uma coisa, sente-se —fez uma cara de confuso e se sentou na cama. — Eu também fiz uma coisa errada e preciso te contar —fiquei nervosa.

 

- Pode contar... confio em você —se formou um sorriso ingênuo no seu rosto. 

 

- Eu —respirei fundo. — Eu... eu também te traí —vi aquele sorriso desaparecer e surgir uma sombra de desapontamento. Abaixou o rosto. 

 

- Você fez isso antes ou depois daquilo acontecer? 

 

- Antes —respondi sentindo culpa. 

 

- Por acaso eu já faltei em algo com você pra ir procurar em outro? —continuou com a cabeça abaixada.

 

- Kook... —coloquei as mãos em sei rosto mas ele negou as tirando.

 

- Não toque em mim —olhou nos meus olhos e pude ver uma lágrima molhar sua bochecha. 

 

- Não faz isso —passei a mão no seu rosto.

 

- Eu disse pra você não me tocar —alterou a voz se levantando. 

 

- Por que você tá brigando comigo? Também me traiu. 

 

- A culpa não foi minha, eu achei que aquela menina era você. 

 

- Isso não é desculpa —cruzei os braços. — Eu te trai e você me traiu, tá tudo igual. 

 

- Não é assim que funciona, perdi a confiança em você. 

 

- Você tá agindo como um idiota —cuspi as palavras. — Fez a mesma coisa e fica aí fingindo que é um santo. 

 

- Você fez a mesma coisa comigo e ficou me julgando como se VOCÊ fosse uma santa, mas não passa de uma... —não terminou a frase. 

 

- Uma o quê? Fala —ele fechou os olhos e respirou retomando a calma. 

 

- Me deixa sozinho —me deu as costas. 

 

- Agora que você começou, termina! 

 

- SAI DAQUI! —assustei-me com o grito e deixei o quarto batendo com força a porta. 

 

Kamille On 

 

- Então, o que você tinha pra me contar? —perguntei sentando-me em um tronco caído na grama. 

 

- Eu não quero mais mentir pra você —sentou sério ao meu lado. — Tem várias coisas que ainda não te contei que não tem relevância mas tem uma principalmente que quero te contar. 

 

- Ai meu Deus —comecei a ficar nervosa. — Você não é gay, né? 

 

- Não, eu gay? Eu tenho cara de gay? 

 

- Não, por isso mesmo que me assustei —começamos a rir. — Mas vai, conta o que é. 

 

- Eu... eu... 

 

- Fala.

 

- Eu não tenho 19 anos, tenho 24. 

 

- Era isso? —não parecia que era mesmo aquilo que ele tinha pra falar, mas deixei pra lá, se ele não disse, deve ser que não estava na hora certa. 

 

- O que você esperava? 

 

- Sei lá, uma bomba. 

 

- Mas isso é uma bomba. Eu menti pra você —abaixou a cabeça.

 

- Sabia que eu sempre gostei de caras mais velhos? 

 

- Sério?

 

- Uhum —afirmei. — É muito sexy. 

 

- O que mais você acha sexy? —dei de ombros. 

 

- Você todo —segurou meu queixo e me beijou. 

 

(S/N) On

 

Voltei pra cabana e depois de almoçar, Mark foi chamado no refeitório. Estávamos reunidos na sala quando ele voltou dizendo:

 

- Daqui a três horas nós iremos fazer a trilha que iríamos fazer ontem. 

 

- Mas choveu, deve estar tudo molhado ainda —Jae lembrou. 

 

- Eu sei. Mas eles disseram que com o sol que bateu hoje, já deve ter secado. 

 

- Não vai ficar difícil para andar? —eu disse. — Mesmo se for de tênis.

 

- Eu também achei —sentou no sofá. — Mas eles vieram com a desculpa de que passar por esses desafios é essencial para nós e que é bom para vermos as plantas que estamos estudando e que ao final, devemos fazer um resumo da trajetória e tals.

 

- Então é obrigatório ir né? —Thamires levantou. — É bom já ir começando a arrumar as coisas —foi pro quarto.

 

Conversei mais um pouco com Mark para saber mais detalhes e fiquei sabendo que ficaríamos lá até o outro dia. Saí da cabana indo atrás de Jess para saber como foi a conversa. Passei em frente ao escritório de JiYoon e um homem quase esbarrou em mim quando saiu. 

 

- Desculpa —ele sorriu pra mim. — Tchau!

 

- Espera —segurou meu braço. — (S/N)? —olhei assustada pra ele. 

 

- Eu te conheço? 

 

- Olha direito —olhei dos pés a cabeça. — Ainda não sabe quem eu sou? 

 

- Não, pode me soltar agora? 

 

- Ah, desculpa —soltou meu braço. — Bem que o ChanYeol disse que você não ia se lembrar. 

 

- Como você sabe sobre o ChanYeol? —o olhei novamente tentando reconhecê-lo. — Mentira!! Nossa, você mudou muito Suho. 

 

- Ah, finalmente —me abraçou. — Você fala que eu mudei? Olha pra você, virou uma mulher —sorri. — Tem quantos anos? 

 

- Dezessete. 

 

- Olha, quem sabe quando você atingir a maioridade, nós nos conhecemos melhor? 

 

- Que isso? Eu tenho namorado.

 

- Nunca se sabe —deu de ombros. — Você me acha bonito?

 

- Pra falar a verdade —cheguei mais perto dele. — Dos que eu conheci até hoje, eu acho você o mais bonito. Não conta pra eles.

 

- Eu já sabia.

 

- Voces são modestos né? —sorri. — O que você está fazendo aqui?

 

- Eu sou o novo guia de vocês. O antigo teve um problema familiar, o irmão dele está hospitalizado. 

 

- O que aconteceu com ele?

 

- Ele foi espancado —olhou de um jeito pra mim que eu já sabia o que tinha acontecido. 

 

- O que foi que ele fez?

 

- Ele devia dinheiro e não pagou. E ainda ameaçou nos expor, tivemos que dar um jeito nele. 

 

- E por que você veio parar aqui como guia?... Foi ele né, pediu pra você me vigiar. 

 

- Ele quem? —tentou despistar. 

 

- Anda Suho. 

 

- Tá, foi ele. Eu era o único que não estava em uma "missão", ele descobriu que você não estava na capital e não podia mais tomar conta de você. 

 

- Aff, eu sei me cuidar muito bem sozinha. 

 

- Ele sabe disso, só tem medo de que se machuque.

 

- Tudo bem —bufei. — Vou levar em consideração.

 

- A conversa está muito boa mas eu tenho alguns assuntos pendentes para tratar sobre o "trabalho" —começou a andar.

 

- Tá, vai lá... só mais uma coisinha —me olhou. — O LuHan também tá aqui a pedido dele? 

 

- Não... ele realmente trabalha aqui —sorriu rápido. — Ele diz que quer sair dessa vida e trabalhar em um emprego de verdade. Ele é o único de nós que quer isso. 

 

- Quando eu vou poder conhecer o resto de vocês? —perguntei esperançosa. 

 

- Quando estiver pronta.

 

- Quando eu vou estar pronta?

 

- Você vai saber na hora —saiu andando. 

 

- Odeio quando vocês fazem esses enigmas.

 

- Adeus (S/N) —sumiu da minha vista. 

 

Desisti de ir conversar, voltei pra cabana e comecei a arrumar as coisas dentro de uma mochila. Coloquei várias coisas ali dentro mas só o necessário pra não pesar muito. 

 

Depois de tudo pronto, resolvi deitar um pouco, coloquei o celular pra despertar duas horas depois e deitei na cama. Não demorou tanto para que eu adormecesse. 

 

Jéssica On

 

Depois de terminar a minha parte do trabalho com o MoonBin, resolvi não voltar pra cabana. Achei uma árvore mais afastada e me sentei na sua sombra, fiquei olhando o nada. 

 

Pouco tempo depois, fui consumida por uma dor intensa que veio do estômago até a garganta, senti uma lágrima molhar minha bochecha. Escondi a cabeça entre as pernas e continuei chorando ali. Não sabia porque, mas não conseguia parar e na verdade, não queria. 

 

Me achava uma idiota por estar chorando, mesmo sabendo que a culpa era minha, eu fiz primeiro, se não tivesse feito, teria razão em brigar com ele, mas fiz.

 

Levantei o rosto e escorei a cabeça na árvore. 

 

- Burra, burra, burra —eu batia a cabeça mas não sentia dor nenhuma, era como se o meu corpo estivesse dormente. 

 

Comecei a socar o chão e senti alguma coisa dura. Olhei e me deparei com uma pedra, peguei e vi uma ponta nela. Reparei que o meu pulso estava ali perto, coloquei a ponta do material em minha pele e tentei cortá-la, mas não consegui de primeira, fui novamente, porém, alguma pessoa chegou por trás da árvore. 

 

- Está tudo bem com você? —escondi a pedra debaixo da perna e olhei para o outro lado para que não visse que eu estava chorando. — É Jéssica né?

 

- É —olhei pra ver se reconhecia e me deparei com a menina que dormia comigo. — Posso te ajudar? —tentei mostrar ser o mais forte possível. 

 

- Tá parecendo que você que precisa de ajuda —limpei o rosto enquanto ela sentava ao meu lado. 

 

- Eu tô muito bem, como é que você se chama mesmo?

 

- Hyru, eu achei que você sabia o meu nome. 

 

- Eu acho que sabia, só não lembrava —expliquei. — Hyru... não é querendo ser chata não mas já sendo, se você não tiver nada pra falar, eu tô querendo ficar um pouco sozinha. 

 

- Tá deprê por causa do seu namorado, não é?

 

- Sim, mas como você sabe disso? —perguntei surpresa. 

 

- Eu preciso te contar uma coisa... —olhei atenta pra ela. — Fui eu que... 

 

- HYRUUU —escuto a voz estridente de Thamires. — Precisamos conversar.

 

- Eu estou bem aqui —ela respondeu séria. 

 

- É agora Hyru —a garota bufou e saiu andando. 

 

- Ei, espera aí... termina o que você ia dizer —pedi.

 

- Eu...

 

- Anda logo —Thamires saiu puxando a outra menina. 

 

- Depois eu te conto —foi a última coisa que ouvi antes delas sumirem no meio dos outros alunos. 

 

Thamires On

 

Puxei ela até o meu quarto na cabana, tranquei a porta e voltei a fitar ela.

 

- Você ficou maluca? Tá querendo ferrar todo o plano? 

 

- Não ligo mais pra porcaria desse plano. 

 

- É tão idiota a esse ponto? Sabe o que acontece com quem não segue mais as regras. 

 

- Tô pouco me fodendo. Prefiro isso a ficar presa a você —cuspiu as palavras.

 

- Isso o que? 

 

- Me livrar de vocês, é a melhor coisa que eu fiz até hoje —foi em direção a porta.

 

- Sabe o que vai acontecer né?

 

- Sim, eu sei —falou por cima dos ombros. — Mas como já disse, prefiro isso a ficar presa a você —destrancou a porta e saiu do quarto. 

 

- A escolha foi sua —falei apenas pra mim, no entanto, tenho certeza de que ela escutou. 

 

(S/N) On 

 

Duas horas depois...

 

Acordei com o celular despertando, coloquei para carregar um pouco, conferi a mochila e fiz a de YoonGi também. 

 

Separei uma blusa regata azul claro, um short jeans e um tênis. Peguei um roupão e fui ao banheiro. Ao abrir a porta, encontrei YoonGi lá dentro despido.

 

- Ah... eu entro depois —voltei.

 

- (S/N) —me chamou e voltei a olhá-lo. — Por que não toma banho comigo? 


Notas Finais


Olá novamente.
Então, eu queria pedir desculpas pela demora, eu sei que esse capítulo era pra ter sido postado a duas semanas atrás, mas, a autora teve vários problemas e não conseguiu concluir o capítulo a tempo, além que ela estava sem expiração por causa da saída das meninas do SNSD. A autora só conseguiu me entregar o capítulo ontem e eu só pude corrigí-lo hoje.

Sábado não será mais o dia exato de postagem, eu postarei os capítulos em qualquer dia que dê para mim, porém não iremos demorar muito.

Então, o que acharam do capítulo? Temos enfim, um novo personagem! Comentem aí.

É só isso, até o próximo capítulo, beijos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...