História Um Dia - Capítulo 6


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Deidara, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hidan, Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sai, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Temari, TenTen Mitsashi
Tags Amor, Drama, Gay, Narusasu, Naruto, Romance, Sasuke, Sasunaru, Yaoi
Visualizações 170
Palavras 8.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), FemmeSlash, Festa, Fluffy, Lemon, LGBT, Musical (Songfic), Orange, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Slash, Violência, Yaoi (Gay), Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLÁ, MINHA GENTE LINDAAAAAAAAA!
PRIMEIRAMENTE, DESCULPEM A DEMORAAA
Eu prometi o capítulo para segunda, mas tive que ir no hospital visitar meu vô e aí não consegui postar o capítulo.
Hoje passei o dia todo na faculdade, MAS AQUI ESTOU EU PARA MAIS UM CAPÍTULO!
Bem, ele tem poemas, músicas (por causa do karaokê E UM MOMENTO MUITO ESPERADO TANANANA)
BEM, CHEGA DE ENROLAÇÃO
BOA LEITURA!

Capítulo 6 - Nós seremos amigos


Sasuke estava no seu quarto lendo “O gato preto” de Edgar Allan Poe. Um dos mais célebres contos de terror da literatura inglesa. Era um dia chuvoso com muitos trovões. Mas o moreno gostava daquele tempo. Tinha acabado de preparar chocolate quente e repousava no quarto, debaixo das cobertas apreciando aquele conto.

Fazia dois meses que Itachi tinha ido para a Universidade.

Sasuke deixou o livro em cima da cama e foi para a cozinha pegar mais chocolate quente. Naquela altura, ele já morava sozinho na casa dos Uchihas.

Solidão.

Descendo as escadas, ele percebeu um barulho estranho vindo da porta. E correu diretamente para a cozinha. Alguns segundos depois, a porta foi estilhaçada e escutou passos. Ele tinha certeza que era duas pessoas. Com medo, o moreno tentou esconder-se no armazém da cozinha.

De dentro, ele escutou os passos aproximarem. E mais próximos do que nunca, Sasuke colocou as mãos na boca para que sua respiração não pudesse ser escutada.

Os passos cessaram.

-ACHOU! – Um homem vestido de preto e com uma máscara de porco abriu o armazém e puxou Sasuke pelo braço que o moreno caiu de quatro no chão. – Você achou que ia se esconder de nós!

Sasuke tremia e continuava olhando para o chão. Seu coração palpitava com mais intensidade depois de olhar para o rosto daquele homem e ver como um relâmpago a mascara de porco. O Uchiha não tinha coragem de olhar para cima e encarar os outros dois homens que estavam de frente para ele. Qualquer coisa que aconteceria ali, Sasuke sabia que estava em perigo.

-Tão lindinho ele nessa posição, não é? – Um dos homens falou e Sasuke não pode reconhecer aquela voz, o Uchiha sabia que eles não eram conhecidos da família. – Nós podemos tirar proveito dele... O que você acha?

-Eu acho ótimo, faz tempo que não vejo um novinho tão gostoso assim. – Um dos homens aproximou de Sasuke o puxando pelo cabelo e fazendo o moreno olhar para ele. O homem estava com uma máscara de coelho e Sasuke gritou quando teve que encará-lo. Quando Sasuke gritou, ele sentiu um chute atingir seu estomago e desmaiou.

 

Sasuke abriu os olhos e gritou. Ele situou-se no lugar que estava e deu conta de que teve um pesadelo. Novamente. Pela segunda vez seguida. O problema era que o pesadelo foi real. Ele sentiu na pele toda a agonia de cada devaneio alguns anos atrás e o fantasma voltava várias vezes para atormentá-lo. O moreno colocou as mãos na cabeça e passou os dedos no cabelo como uma forma de esquecer a projeção que sua mente havia exibido durante o sono. Ele fechou os olhos tentando concentrar-se naquele novo dia.

-Sasuke... – Uma voz falou atrás dele e o moreno tomado ainda pelo susto olhou para trás e gritou. Era Itachi. – Aconteceu alguma coisa?

-Não... – O moreno olhou estranho para o irmão mais velho – O que você está fazendo aí?

-Eu estava sentado do seu lado. – Itachi sorriu e bateu levemente com os dedos na testa de Sasuke. Ele sempre fazia isso para mostrar afeto com o irmão mais novo. – Eu acordei uns minutos atrás e resolvi sentar aqui e ver você dormir. Lembra que eu fazia isso quando éramos menores? Acho que esse meu lado protetor acordou comigo hoje... Desculpe-me se você achou um pouco evas...

-Tudo bem, Nii-san. – Sasuke sorriu. O moreno lembrou-se de quando Itachi dormia junto com Sasuke. O irmão mais velho sempre dizia que iria protegê-lo se qualquer coisa os atacasse no meio da madrugada. – Obrigado, você sabe que sempre vou agradecer por você ser meu irmão.

-Eu que sempre vou agradecer por ter um irmão tão maravilhoso como você é. – Itachi jogou um travesseiro em Sasuke que revidou o ataque do irmão. Como nos velhos tempos, pensou Sasuke quando sentiu sua alma totalmente preenchida pela presença de Itachi. Os dois riam como crianças e pararam depois de alguns minutos por conta do cansaço. – Acho que a idade chega para todos, já estamos cansados. – Itachi riu e deitou na cama.

-Você é novo ainda. – Sasuke se jogou do lado do irmão e os dois ficaram encarando o teto. – Hidan e Deidara já saíram?

-Não. – O Uchiha mais velho olhou para Sasuke. – Acho que eles tiveram uma ótima noite juntos... – Itachi deu um sorriso malicioso para o irmão mais novo. – Se é que você me entende...

-Eu não tenho mais doze anos, Itachi. – Sasuke voltou a encarar o teto. Ele sabia que poderia confiar no irmão. – Não precisa falar com metáforas...

-Nossa, sr. Adulto que sabe de tudo. – Itachi sentou com as pernas cruzadas em cima da cama e olhou Sasuke de cima que teve a visão bloqueada pelo rosto de Itachi. – Sasuke... Você já transou?

-NII-SAN! – O moreno ficou com o rosto vermelho e começou a ficar engasgado que sentou na cama de frente para o irmão. – Eu não sei se posso...

-Acho que esse é meu papel de irmão mais novo, ainda mais que papai não está entre a gente... – Itachi coçou a bochecha com o dedo indicador, um calor vergonhoso também percorria em seu corpo. – Somos irmãos, acho que podemos confiar um no outro.

-Acho que sim. – Sasuke olhou para o chão. O moreno lembrou-se de quando perdeu a virgindade e de toda aquela situação de terror que passou por algumas horas dentro da sua própria casa. Itachi não sabia daquilo e Sasuke não pretendia contar para o irmão mais velho. – Inclusive ontem eu acho que...

-Ontem? – Itachi deu um salto na cama e aproximou-se de Sasuke como se estivesse preste a escutar um segredo. – Com quem hein... Me fala...

-Bem. – Sasuke encostou a cabeça no ombro do irmão e tomou coragem para pronunciar o nome do ruivo. – Gaara...

Itachi começou a rir e Sasuke não entendeu o motivo. O moreno pensou que Itachi estaria caçoando do ruivo e sentiu-se ofendido.

-Eu pensei que poderia confiar em você, Itachi. – Sasuke cruzou os braços como uma criança mimada.

-Você pode... – Itachi colocou os braços atrás da cabeça. – É que eu também já...

-NÃO ME DIGA QUE...

-Sim... Então, o ruivo experimentou dos dois irmãos Uchiha. – Itachi passou a mão no cabelo de Sasuke e então levantou da cama. – Bem, quer dar uma volta de bicicleta, vou mostrar a faculdade que você vai ter aula segunda-feira.

Sasuke não respondeu, apenas estava paralisado na cama. Afinal, saber que Gaara também tinha transado com Itachi, seu irmão, não seria fácil de absorver a mensagem.

-Você vai ter que me explicar isso depois, Itachi. – Sasuke levantou da cama para se arrumar e depois de alguns minutos os dois irmãos já estavam na bicicletaria do bloco para retirar o veículo.

Itachi pegou sua bicicleta que tinha três cores: vermelha, branca e preta. Levou-a para o lado de fora. O dia estava ensolarado e pássaros brincavam na fonte da praça da reitoria. Algumas pessoas corriam ou levavam seus animais de estimação para passear.

-Itachi, como vamos passear se só tem uma bicicleta? – Sasuke indagou o irmão mais velho que já estava sentado no banco da bicicleta. Itachi riu para Sasuke e o irmão mais novo já advinhara o que passava na mente do Uchiha mais velho.

-Igual como fazíamos quando éramos crianças. – Itachi levantou um braço para que Sasuke sentasse de lado no cano da bicicleta. O moreno ficou na frente de Itachi que estava sentado no banco. Quando o irmão mais velho começou a pedalar, Sasuke levantou as pernas para que a bicicleta ganhasse mais velocidade. O moreno ria cada vez mais enquanto o vento deslizava e deixava o seu cabelo para trás.

-Nii-san, lembra quando descemos de bicicleta aquele jardim suspenso em Konoha? – Sasuke olhava para frente, mas tinha a mente no passado. Em cada memória que tinha vivido com o irmão durante a infância e parte da adolescência. – A sensação é igual.

-Sasuke, você é o melhor irmão que alguém pode ter. – Itachi tirou as mãos do controle da bicicleta e Sasuke fechou os olhos pensando que iriam bater, mas na verdade Itachi tinha parado a bicicleta, só tinha percebido depois que o irmão mais velho saíra do banco do veículo deixando ele e a bicicleta caírem no chão. Itachi começou a gargalhar vendo o irmão desengonçado.

-Porque você faz isso, Ita... – Quando Sasuke levantou e olhou para frente deu de cara com um prédio enorme. A beleza era tanta que tinha até parado de falar. Havia uma escada de pedra não muito grande e no final, flores de todas as cores e ramos presos a colunas gregas davam o ar de Atenas para aquele prédio. Havia uma placa ao lado que dizia “Faculdade de Artes”. O prédio estava fechado.

-Sasuke, essa é a Faculdade de Artes. É aqui que você terá aula por cinco anos. – Itachi abriu os braços em direção à faculdade.

-É enorme... E linda. – Sasuke só conseguia admirar a grandiosidade daquele prédio. Não tinha imaginado como aquelas arquiteturas podiam ser tão magnificas.

-É porque você ainda não a viu por dentro. Só perde pra Faculdade de Medicina. – Itachi deu um levemente um soco no ombro de Sasuke brincando com ele.

-Faculdade de Medicina. – O moreno fez com a voz um timbre fino como tivesse tirando sarro do irmão.

-Itachi... – Uma voz grossa chamou atenção dos irmãos e juntos olharam para trás, Sasuke não sabia quem era aquele homem de cabelo ruivo-claro, ao contrário, Itachi sabia quem era. – Como você está?

-Yahiko! – Itachi sorriu e acenou para o homem. Yahiko era colega de classe de Medicina de Itachi. Os dois eram os melhores da turma. – Eu vou bem, e você?

-Está tudo bem... – Yahiko estava sentado em sua bicicleta. – Konan ficou sabendo que bateram em você na floresta... Queria saber se estava tudo bem, mas perdi seu número de telefone... – Itachi ficou rapidamente pálido e Sasuke sentiu um arrepio passar pelo seu corpo. Itachi havia mentido.

-Está tudo bem! Foi nada o que aconteceu... – Itachi respondeu com a voz tremendo. Seu pensamento estava na mentira em que havia contado para o irmão.

-Ótimo! Nós vemos na segunda então! Parei só porque vi você aqui e queria saber se estava tudo bem... Preciso encontrar Konan. – Yahiko sorriu para Itachi – E Sasuke... Seu irmão falava muito de você para nós, seja bem-vindo na Universidade de Tokyo!

-Obrigado! – Sasuke forjou um sorriso e logo depois olhou seriamente para o irmão.

-Até segunda-feira, Itachi. – Yahiko começou a pedalar e os dois irmãos viram aquela figura desaparecer na rua.

-Você mentiu pra mim, Itachi. – Sasuke começou a descer as escadas e parou quando chegou perto da bicicleta. O moreno odiava mentira, ainda mais quando vinha do seu irmão mais velho. – Custava você falar realmente o que aconteceu?

-Eu não queria te deixar preocupado, Sasuke. – Itachi desceu as escadas e correu para alcançar o irmão mais novo. Itachi ainda sentia o corpo frio depois do choque que havia levado das palavras de Yahiko. O irmão mais velho segurou o braço de Sasuke.

-O que aconteceu para você ter apanhado, Itachi? – Sasuke virou seu corpo rapidamente e encarou Itachi. – Não adianta mentir mais.

-Eles estavam bêbados e eu estava voltando para o quarto sozinho, Sasuke. – Itachi não podia falar a verdade para o irmão. Aquele era assunto dele e somente dele. Não precisava de ninguém intrometendo na sua vida. – Eles acharam por bem baterem em alguém, e foi isso...

-Só isso? – Sasuke cruzou os braços esperando o irmão terminar a história.

-Só isso. – Itachi olhou para o chão e olhou para o irmão. – Acredite em mim, Sasuke.

-Somente dessa vez, Itachi. – Itachi subiu na bicicleta e esperou o irmão mais novo sentar-se também.

-Vamos voltar para casa esse fim de semana, Sasuke. – Itachi começou a pedalar. – Todos voltam para casa no fim de semana que antecedem as aulas. Não quero ficar aqui.

-São cinco horas até a Vila das Flores. – Sasuke olhava para o chão. Ainda não estava confiando totalmente no irmão. – Mas se você for eu vou com você.

Os dois continuaram o passeio e pararam para tomar café. Até chegarem à cafeteria o silêncio reinou entre os dois corpos que dividiam a mesma bicicleta.

O que Sasuke não sabia é que Itachi queria voltar pela última vez a sua casa. Queria pela última vez ver-se livre daquele ambiente tóxico e que pressionava com todas as forças Itachi. Consumindo o corpo, a mente e o coração daquele menino que não aguentava mais as amarras da vida.

***

Hinata e Sai estavam sentados no monte mais alto da Universidade de Tokyo. Lá de cima, os dois conseguiam ver todos os prédios, faculdades, praças e tudo que abrangia aquele enorme espaço. Os dois estavam encostados em uma árvore. Hinata olhava profundamente para frente, enquanto Sai encarava a perolada.

-Sai, eu te chamei até aqui porque você sabe que é o meu melhor amigo dentre todos de Konoha. – A perolada olhou o rosto pálido de Sai e lembrou-se de como o formato daquele rosto era uma poesia pura. – Eu queria te agradecer por tudo até agora.

-Hinata... Eu não mereço isso... Eu devia ter te ajudado e você não teria passado por aquilo... – Sai pegou na mão da perolada e sentia seus olhos lacrimejarem. O menino sentia uma culpa pesada no seu peito. Se eu apenas tivesse a impedido, se eu apenas a tivesse parado, se eu apenas a fizesse mudar de ideia, se eu apenas tivesse a acompanhado... Nada disso teria acontecido... Fraco... Eu fui fraco... – Eu deveria ter feito algo... Feito alguma coisa...

-Sai. – Hinata apertou a mão do amigo e o encarou profundamente com seus olhos claros. – O que aconteceu não foi culpa sua... Você não deve carregar esse peso dentro de você... E Sai, eu preciso do seu apoio mais do que nunca, não se mostre fragilizado nesse momento. Eu faço questão de encorajá-lo, pois a Temari me encorajou quando ninguém mais podia.

-Hinata... – Sai secou as lágrimas que caiam dos olhos. O menino sentiu um peso deslocar-se do seu peito e cair no mais profundo esquecimento. – Como você consegue...

-Eu vou lutar por mim, Sai. – Hinata encarou a paisagem da Universidade e levantou o rosto. – Eu vou ser forte por mim e pelas pessoas que também passaram pelo que eu passei, eu quero mostrar que é possível ter uma vida independente de traumas e sofrimentos. – Sai soltou um suspiro como se estivesse surpreso com as palavras da amiga. – Eu cansei de ser humilhada e cansei de ficar noites acordada tremendo de medo ou temendo alguém se aproximar de mim, mesmo de for algum amigo. Eu cansei de ficar presa e não conseguir sair. Eu não posso ficar assim, Sai... – Hinata olhou para o amigo que sorria ao ver a determinação exalar da garganta da perolada. – E eu vou lutar pelo direito de cada mulher e de cada pessoa que for abusada como eu fui. Eu juro por mim... Eu vou lutar até quebrarem meus ossos, e se arrancarem meus braços, eu vou chutar. Se arrancarem minhas pernas, eu vou morder. Mas eu vou lutar... Até o final...

-Hinata...

-Eu sei que vão tentar me calar... Nenhum conservador aguenta ver uma mulher forte... Mas eu vou lutar até depois que me calarem...

-Hinata...

-Eu vou lutar... Eu vou lutar como uma garota! – Hinata deu um soco no ar e sentiu seu sangue ferver. Era tudo ou nada.

-Hinata! – Sai abraçou a amiga que devolveu o abraço. – Eu sei que você vai conseguir. Eu estou aqui para te ajudar no que você quiser...

-Eu sei que você vai estar sempre comigo, você é meu favorito. – Hinata apertou o corpo de Sai durante o abraço e deu um beijo na bochecha do rapaz. Sai retribuiu o beijo, selando os seus lábios na testa da amiga. A amizade deles nunca fora tão forte igual naquele momento. – Agora nós temos que ir, o pessoal deve estar nos esperando na cafeteria.

Hinata e Sai começaram a descer o monte. Konoha nunca esteve tão forte como estavam agora. Independente de qualquer obstáculo, Hinata iria colocar os homens que a abusaram na cadeia. Custe o que custar, essa era a sua determinação. Lutar como uma garota.

***

We don't notice any time pass

E nós não notamos o tempo passar

We don't notice anything

Nós não ligamos pra nada

We sit side by side in every class

Sentamo-nos lado a lado em todas as aulas

Teacher thinks that I sound funny

A professora acha que eu falo engraçado

But she likes the way you sing

Mas ela gosta do jeito que você canta

 

Naruto estava sentado em sua cama com as pernas cruzadas e com o violão encostado em seu peito. Ele tocava essa música e o único motivo para tocá-la era Sasuke. O loiro havia ingressado no curso de Música e Canto, ele sempre sentira que tinha a vocação para ser um artista, e isso só ficou mais claro, depois que ganhou um violão do seu pai, Minato, aos cinco anos de idade. A partir daí, o loiro se revelou como instrumentista e com uma voz angelical.

O loiro cantava aquela música com sentimento, era como se a mente dele materializasse Sasuke em sua frente e ele estivesse dedicando aquela música para ele. Sasuke. Sasuke. O nome do moreno ficou ecoando em sua mente desde a noite passada. Desde aquele “eu quero recomeçar novamente”. Naruto questionava enquanto tocava e cantava aquela música se Sasuke também estaria pensando nele. Se Sasuke também havia ficado com o pensamento preso nele que ficou até difícil de dormir. Se Sasuke também escorregou pela porta quando a trancou porque estava tentando entender se estava apaixonado. Se Sasuke também estava dedicando alguma música para ele, mas Naruto lembrou que Sasuke não tocava, mas gostava de literatura, então pensou se Sasuke dedicou algum trecho de alguma poesia para ele. Se Sasuke tentou imaginar como seria o gosto dos lábios dele. Se Sasuke tentou imaginar como seria tocar naquele corpo. Se Sasuke pensou como seria falar “eu te amo” na face dele. Se Sasuke imaginaria como seria segurar as mãos quentes diante do pessoal de Konoha. Se Sasuke...

Porque Naruto imaginou como seriam todas essas coisas ao lado de Sasuke.

O loiro pensou que talvez estivesse indo longe demais e que Sasuke realmente queria só uma amizade como eles eram antigamente e Naruto concluiu que estaria disposto a sacrificar o amor só para estar perto do moreno e não cortar as horas que passariam juntos. Talvez eu possa mudar a mente dele, talvez um dia ele goste de mim como eu goste dele, talvez um dia ele me ame como eu amo ele, Naruto pensou.

Talvez esse “um dia” estivesse perto demais.

Talvez esse “um dia” estivesse naquela noite.

Talvez esse “um dia” estivesse no próximo segundo.

Talvez esse “um dia” estivesse no próximo ano.

Talvez esse “um dia” estivesse na próxima década.

Talvez esse “um dia” estivesse debaixo de um túmulo e encarnado em outra vida.

Talvez esse “um dia” não existiria.

Naruto não sabia por que fazia parte dos humanos e humanos não conseguem ver o futuro. O que restou era cantar para o Sasuke que não estava ali.

Tonight I'll dream while in my bed

À noite eu irei sonhar na minha cama

When silly thoughts go through my head

Enquanto pensamentos bobos passam na minha cabeça

About the bugs and alphabet

Sobre os insetos e o alfabeto

And when I wake tomorrow I'll bet

E amanhã quando acordar irei apostar

That you and I will walk together again

Que você e eu ainda iremos passear juntos

I can tell that we're going to be friends

Pois posso dizer que seremos amigos

I can tell that we're going to be friends

Pois posso dizer que seremos amigos

 

***

Inescapable, I'm not even gonna try

Inescapável, eu nem vou tentar

And if I get burned, at least we were electrified

E se eu me queimar, pelo menos estávamos eletrificados

I’m spilling wine in the bathtub

Estou derramando vinho na banheira

You kiss my face and we're both drunk

Você beija meu rosto e estamos ambos bêbados

Everyone thinks that they know us

Todos pensam que nos conhecem

But they know nothing about

Mas eles não sabem nada sobre

 

A música no rádio estava baixa. TenTen estava por cima de Neji enquanto ele repousava os olhos no corpo da namorada. Ele passou as mãos pela cintura fina da menina até alcançar seus seios. Tão firmes e tão deliciosos de apertar.

-Sorria! – TenTen segurava uma câmera Polaroid na mão e tirava várias fotos do namorado que fazia várias expressões para cada folha que caia da câmera e repousava em seu tórax. – Mas que homem maravilhoso que estou sentada em cima. – TenTen colocou a câmera do lado de Neji e passou as mãos pelo tórax do namorado afastando as fotos. Aquele corpo deixava a menina louca. Nunca pensou que um dia estaria namorando um Hyuuga. Uma das famílias mais ricas de Konoha. – Eu sou eternamente grata aos céus por me darem você... Você é o maior presente na minha vida. – Neji passou os dedos no rosto da namorada. O sol batia no corpo nu de TenTen deixando-a mais sexy e enigmática. – O único.

Neji pegou a câmera Polaroid e a colocou na frente do rosto.

-Minha vez... Sorria! – TenTen levou os braços ao seus seios e fez caretas para as fotos que também caiam no tórax de Neji. O menino pegou uma foto e admirou aquele corpo refletido ao sol e a face da namorada. – Você é a única que eu quero para toda a vida... A única e mais ninguém. – TenTen começou a rebolar na cintura de Neji e deitou em cima dele para beijar seus lábios. Foi um beijo caloroso e amoroso, quente e calmo, todas as sensações boas ao mesmo tempo. O amor entrelaçava a união dos dois. O amor como um terremoto abalava cada corpo que juntos eclodiam e rachava todo véu que podia esconder a nudez, a vulnerabilidade, às forças, as incertezas, as dúvidas, os quereres, as paixões de cada um daqueles corpos: Neji e TenTen.

Os dois entrelaçavam os corpos um do outro durante os beijos e TenTen gemia a cada instante ao sentir o membro de Neji encostar em sua vagina. O amor para eles era a mistura de tudo isso, a verdade e o obscuro. O claro e o escondido. Dos órgãos periféricos até os externos que podemos tocar. Era amar o céu e o inferno de cada um.

Flashback when you met me

Lembro de quando você me conheceu

Your buzzcut and my hair bleached

Sua cabeça raspada e meu cabelo descolorido

Even in my worst times, you could see the best of me

Mesmo nos meus piores momentos, você pôde ver o melhor de mim

Flashback to my mistakes

Lembro dos meus erros

My rebounds, my earthquakes

Meus ricochetes, meus terremotos

Even in my worst lies, you saw the truth in me

Mesmo nas minhas piores mentiras, você viu a verdade em mim

And I woke up just in time, now I wake up by your side

E eu acordei bem a tempo, agora eu acordo ao seu lado

My one and only, my lifeline

Meu único, meu salva vidas

I woke up just in time, now I wake up by your side

Eu acordei bem a tempo, agora eu acordo ao seu lado

My hands shake, I can't explain this

Minhas mãos tremem, não posso explicar isso

Ah, ah, ah, ah, ah

Ah, ah, ah, ah, ah

 

***

Era inicio de tarde e o sol batia na janela que ficava de frente para a cama de Sasuke. O moreno estava sentado de pernas cruzadas apenas vestindo um moletom preto enorme que conseguia alcançar a altura dos seus joelhos e lia uma antologia de poesia brasileira. Ninguém estava no quarto além dele. Itachi, Hidan e Deidara saíram para apresentar a Faculdade de Medicina para alguns calouros. O sol entrava pela janela e atravessava o cabelo negro de Sasuke e os olhos escuros que brilhavam ao ler cada verso de Carlos Drummond de Andrade. O moreno não entendia muito de poesia brasileira, mas gostava de Drummond. Começou a ler “O amor bate na porta” e teve uma espécie de epifania.

Cantiga de amor sem eira

nem beira,

vira o mundo de cabeça

para baixo,

suspende a saia das mulheres,

tira os óculos dos homens,

o amor, seja como for,

é o amor.

 

Meu bem, não chores,

hoje tem filme de Carlito.

 

Sasuke encarou a janela e pensou em Naruto. O que será que o loiro estaria fazendo naquela hora? Naruto estaria pensando nele? O que realmente era estar apaixonado? Naruto estaria apaixonado nele? Diversas questões sobre o que é amar passaram pela mente de Sasuke, e a única resposta que ele achou para todas as questões foi à imagem de um loiro de olhos azuis. Naruto seria a resposta para todas as questões de Sasuke. Mas ele era todas as respostas de Naruto? O moreno começou a pensar o que é ser correspondido e como deve ser a sensação da reciprocidade. Naruto era reciproco do mesmo sentimento que alcançou e revelou Sasuke quando o loiro disse “eu gosto muito de você”? O que poderia estar nas entrelinhas da palavra “gostar”? O moreno buscava diversas respostas, mas mesmo assim, a única saída desse labirinto tortuoso era Naruto. Sasuke fugiu dos seus pensamentos e continuou a ler.

O amor bate na porta

o amor bate na aorta,

fui abrir e me constipei.

Cardíaco e melancólico,

o amor ronca na horta

entre pés de laranjeira

entre uvas meio verdes

e desejos já maduros.

 

Entre uvas meio verdes,

meu amor, não te atormentes.

Certos ácidos adoçam

a boca murcha dos velhos

e quando os dentes não mordem

e quando os braços não prendem

o amor faz uma cócega

o amor desenha uma curva

propõe uma geometria.

 

 

O amor estava batendo na porta do coração de Sasuke e ele percebeu isso a cada linha do poema. O moreno pensou em deixar o sentimento entrar. O sentimento de cor vermelha, do mais puro carmesim, da mais bela flor. Algo começou a florar dentro de Sasuke, esse algo tinha olhos azuis e uma pele quase bronzeada. Fios loiros amarraram seu coração para nunca mais escapar. O moreno dedicou aquele poema para Naruto. Em seu pensamento, silencioso e claro.

Amor é bicho instruído.

 

Olha: o amor pulou o muro

o amor subiu na árvore

em tempo de se estrepar.

Pronto, o amor se estrepou.

Daqui estou vendo o sangue

que corre do corpo andrógino.

Essa ferida, meu bem,

às vezes não sara nunca

às vezes sara amanhã.

 

Sasuke dedicou cada verso para um Naruto que não estava ali e recitou todos os versos mais de três vezes imaginando a reação do loiro. Era loucura demais? Ele não sabia. Mas sabia que o amor foi violento com a alma dele e que ele estaria ali para ficar. Até que um apagasse a luz.

***

-SAKURAAAAA! – Ino gritava buzinando o carro. Já tinha passado dez minutos do horário combinado e a rosada ainda não tinha descido. – SAKURAAAAAA! VOCÊ ESTÁ ATRASADA!

-E aqui está muito apertado também, Ino. – Sai que estava no colo de Naruto respondeu. Neji, TenTen, Naruto, Sai e Hinata dividiam o banco de trás. O espaço estava apertado que nenhum deles conseguia movimentar o corpo. – A Sakura está demorando muito, parece que eu vou explodir...

-NÃO É VOCÊ QUE ESTÁ CARREGANDO O PESO, SAI! – Naruto puxou a orelha do menino que deu um grito com a agressividade do loiro.

-Pessoal, desculpa a demora. – A rosada abriu a porta do carro e sentou-se no banco de passageiro ao lado da namorada. – Eu não sabia onde tinha colocado os meus brincos e fiquei procurando no quarto todo. – Sakura deu um selinho na namorada e depois cumprimentou todos os amigos. – Nossa! Como deve estar apertado aí. – A rosada riu da situação dos amigos.

-Sakura, eu vou acabar com você! – TenTen que estava no colo da Hinata bateu com o cotovelo no rosto do namorado quando Ino deu marcha ré no carro para começarem a pequena viagem até o karaokê. Depois de quinze minutos todos haviam chegado no destino.

O lugar era decorado com luzes neon e uma tela enorme onde eles podiam escolher as músicas. O evento era restringido apenas para os estudantes que haviam pagado, então, estava mais vazio que a fogueira de abertura. Ino escolheu uma mesa perto de uma parede decorada com fotos antigas da Universidade e reservou um lugar para Gaara, Temari, Kiba e Sasuke que chegariam mais tarde. O ambiente era descontraído e eles jogavam conversa fora. Alguns minutos depois Temari chegou e sentou-se ao lado de Hinata. As duas estavam mais próximas logo que a loira havia encorajado a perolada para não desistir dos seus sonhos.

Meia-hora depois, um moreno que vestia calça escura, uma camisa listrada e um cardigã branco que ia até em cima dos seus joelhos entrou no local. Era Sasuke. Logo depois, Itachi, Hidan e Deidara entraram. Eles se sentaram com os calouros de Medicina, enquanto Sasuke foi ao encontro do pessoal de Konoha. Naruto estava deslumbrado com a beleza do moreno, ele sentiu que a cada vez mais, Sasuke ganhava um brilho diferente. Era como se Naruto se sentisse mais atraído por aquele corpo tão frágil, mas esguio.

Sasuke cumprimentou todos e quando ia sentar-se ao lado de Sai. Naruto interrompeu.

-Sasuke, senta aqui do meu lado. – O moreno olhou para o loiro e ficou com as bochechas vermelhas. Mas ele atendeu ao pedido. E sentou ao lado de Naruto. Todos da mesa olhavam os dois conversarem. Os dois amigos estavam de volta.

-Bem, então quem vai cantar a primeira música? – Perguntou Sai olhando as fichas de canções. Todos observavam as fichas e marcavam as que iam cantar. Menos Sasuke. Ele tinha vergonha de estar fazendo coisas em público.

-Eu irei. – O loiro levantou e pegou o microfone na mesa a frente. A música já estava escolhida.

-Obvio que o cantor tem que começar. – Sakura disse com o rosto apoiado no ombro de Ino. – Ele vai acabar com a gente! Isso não vale!

-PESSOAL, QUERO TODO MUNDO COMIGO! – Uma contagem regressiva passou no vídeo, depois, Naruto começou a cantar.

Darling, you've got to let me know

Querida, você tem que me dizer

Should I stay or should I go?

Devo ficar ou devo ir?

If you say that you are mine

Se você disser que você é minha

I'll be here 'til the end of time

Eu ficarei aqui até o fim dos tempos

So you got to let me know

Então você tem que me dizer

Should I stay or should I go?

Devo ficar ou devo ir?

 

Naruto exibia um ótimo controle vocal e cantava a música com um tom rouco. Todos que estavam presentes aplaudiam e aclamavam o talento do loiro. Sasuke ficou de boca aberta quando ele começou a cantar, de onde Naruto tinha esse talento todo? Conforme a música passava, o moreno ficava cada vez mais impressionado com Naruto e ele finalmente sentiu que a arte podia unir os dois, ele com a literatura e o loiro com a música. Quando Sasuke saiu dos seus devaneios, deu-se conta de que todos estavam de pé aplaudindo e dançando a música que Naruto estava cantando. Finalmente voltou para a realidade quando o loiro desceu do palco e começou a puxar sua mão.

-Sasuke, cante comigo, por favor... – O loiro encarou os olhos escuros do moreno que estava com o rosto totalmente vermelho de tanta vergonha. Sasuke escondeu o rosto com o cardigã branco, mas já era tarde demais. Todos estavam esperando que o moreno subisse ao palco ao lado de Naruto. – Vamos Sasuke! – Quando percebeu, já estava no palco ao lado de Naruto que segurava sua mão. Ele olhou para o loiro e acenou com a cabeça como uma forma de dizer que não conseguiria cantar na frente de tantas pessoas, Naruto se aproximou dele, apertou sua mão e disse: “Você consegue, eu sempre acreditei em você”. O loiro continuou apertando a mão de Sasuke que logo depois, começou a cantar.

It's always tease, tease, tease

Sempre me provocando, provocando, provocando

You're happy when I'm on my knees

Você fica feliz quando estou de joelhos

One day is fine, next is black

Um dia é ótimo, o outro é péssimo

So if you want me off your back

Então se você me quer longe de você

Well, come on and let me know

Bem, ande logo e me diga

Should I stay or should I go?

Devo ficar ou devo ir?

 

Quando Sasuke percebeu, ele já estava dançando e cantando com o loiro em cima do palco, e apesar de sua voz não ser das melhores. Todos estavam cantando e dançando junto com os dois. Naruto sorria para o moreno durante as pausas da música para tomar fôlego e sentia-se privilegiado por compartilhar aquele momento com Sasuke. O loiro queria abraça-lo ali mesmo, para todo mundo presenciar que ele amava Sasuke, mas ele se conteve e apenas apertava a mão do moreno. Naruto observava o corpo do Uchiha se movimentar no ritmo da música e somente conseguia pensar como Sasuke era encantador até dançando. Sasuke lembrou-se de uma série de desenho que ele e Naruto assistiam juntos na casa do moreno. A abertura do desenho era essa música que estavam cantando e finalmente Sasuke percebeu que Naruto não havia escolhido aquela música aleatoriamente.

Should I stay or should I go now?

Devo ficar ou devo ir agora?

If I go there will be trouble

Se eu for, haverá problemas

And if I stay it will be double

E se eu ficar haverá o dobro

So you gotta let me know

Então você tem que me dizer

Should I stay or should I go?

Devo ficar ou devo ir?

 

Quando a música terminou todos aplaudiram o desempenho de Naruto e Sasuke, logo após alguns segundos, o moreno foi tomado por um impulso e pulou no colo do loiro que o segurou com toda força. Ali de cima, Sasuke encarava os olhos azuis de Naruto e aquele momento pareceu uma eternidade. O moreno suspirava ao ver aqueles oceanos preencherem a cor da alma dele próprio. Naruto tinha algo que Sasuke precisava saber o que era e finalmente ali em cima descobriu o que realmente era estar apaixonado. Naruto girou com ele e depois o colocou no chão e ficaram parados ali, se encarando, durante alguns segundos, mas que para eles, pareceu um momento preparado para ser infinito.

-AI VOCÊS DOIS, DESÇAM LOGO. AGORA É HORA DAS MENINAS DE KONOHA ARRASAREM! – Ino gritou e levantou da cadeira para caminhar até o palco. TenTen, Hinata e Sakura a seguiram – Temari, você também!

Algumas mesas distantes, Itachi encarava o copo de uísque que estava tomando. Hidan e Deidara observava o Uchiha distraído e tentaram tirar Itachi daquele devaneio.

-Ita, aconteceu alguma coisa? – Deidara jogou um papel amassado na testa de Itachi que piscou os olhos e olhou para o amigo. – Você está estranho...

-Não foi nada, Deidara. – Itachi voltou a encarar o copo com uísque e sentiu remorso por ter que mentir para o irmão. – Hoje de manhã eu estava passeando com o Sasuke e encontrei Yahiko. Ele disse na frente do Sasuke que eu tinha apanhado e perguntou se eu estava bem... Sasuke não reagiu muito bem...

-Mas isso seria obvio Itachi. – Hidan disse bebendo mais uma dose de vinho. – Dá para perceber como Sasuke é dependente de você e como você é importante na vida dele. Itachi, você mentir para ele foi a maior burrada que poderia acontecer.

-Eu não quero que Sasuke se intrometa nos meus assuntos particulares. – Itachi olhou para o chão e observou uma formiga que andava descontrolada pelo piso. – Um dia ele vai saber como essa Universidade funciona e ele vai me entender... Até lá, eu não posso contar nada para ele...

-Isso é infantil, Itachi! Você sabe muito bem disso! – Deidara bateu na mesa mas ninguém conseguiu escutar o barulho por conta da música no karaokê. – Você precisa de ajuda... Não quero ver você piorando...

-Deidara! Eu sei me controlar e um dia eu vou sair daqui e tudo vai passar. – Itachi ainda olhava a formiga, quando ela se aproximou dele, Itachi pisou em cima dela matando-a. – Se esse dia chegar e eu o ver...

-Itachi? – Hidan questionou a fala do amigo.

-Não foi nada, Hidan. – Itachi olhou para os dois amigos e sorriu. – Enfim, vamos curtir porque segunda-feira volta o inferno tudo de novo.

As meninas de Konoha junto com Temari pararam em uma fila em frente ao palco e a contagem regressiva começou. Elas alternavam cada verso da música e dançavam juntas como uma coreografia montada.

I know a place

Eu conheço um lugar

Where the grass is really greener

Onde a grama é realmente mais verde

Warm, wet and wild

Quente, molhada e selvagem

There must be something in the water

Deve haver algo na água de lá

Sippin' gin and juice

Bebericando gin e suco

Laying underneath the palm trees, undone

Deitadas debaixo das palmeiras, e pronto

The boys break their necks

Os garotos quebram seus pescoços

Trying to creep a little sneak peek, at us

Tentando dar uma espiadinha, em nós

 

Hinata estava alegre e não se lembrava de nenhum dos acontecimentos que sofreu há alguns dias atrás. Até que ele entrou e ela percebeu de imediatamente quem era.

O menino vestia um moletom branco que dizia “Calouro de Medicina” e Hinata seguiu o olhar naquele homem. Itachi, Deidara e Hidan o convidou para sentar-se à mesa junto aos outros estudantes de medicina. O homem tirou o capuz da blusa que estava repousada na cabeça e Hinata estremeceu.

Ele era um deles daquela noite.

Hinata continuou a cantar, mas ainda com os olhos no menino. E teve flashbacks daquela noite.

Era ele. Sem dúvidas, era ele.

California girls, we're unforgettable

Garotas da Califórnia, somos inesquecíveis

Daisy Dukes, bikinis on top

De shortinho e top do biquíni

Sun-kissed skin, so hot

Pele beijada pelo Sol, tão quentes

We'll melt your popsicle

Vamos derreter seu picolé

Oh-oh, oh-oh, oh oh

Oh-oh, oh-oh, oh-oh

 

Ele conversava livremente com os outros estudantes de Medicina e de longe a perolada tentava reconhecer se havia algum outro homem que pudesse ser um daqueles que a atacaram depois da fogueira de abertura, mas Hinata não reconheceu ninguém. Somente ele. E ele seria o primeiro de todos. A perolada forçou um sorriso e continuou a cantar até o final da música, mas sem perder o foco no menino.

California girls, we're undeniable

Garotas da Califórnia, somos irrecusáveis

Fine, fresh, fierce, we got it on lock

Encantadoras, puras e ardentes, tiramos de letra

West Coast represent

Representantes da Costa Oeste

Now put your hands up

Joguem suas mãos pra cima

Oh-oh, oh-oh, oh oh

Oh-oh, oh-oh, oh-oh

 

Quando a música acabou e todos aplaudiram, Hinata puxou o braço de Temari e a levou até o banheiro feminino, trancando a porta para que ninguém pudesse entrar.

-Mas o que houve, Hinata? – A perolada jogava água fria no rosto para tentar manter a calma. – Você está estranha.

-Era ele. Eu vi um deles. Ele está aqui, Temari. – A perolada encarou séria a loira que colocou a mão na pia como uma forma de absorver as palavras de Hinata. – Medicina. Ele é calouro de Medicina e está sentado ao lado de Itachi, irmão mais velho de Sasuke.

-Hinata... Você tem certeza?

-Tenho absoluta. Ele era um dos homens que fez aquilo comigo, Temari. – Hinata respirava ofegante como se estivesse tomando folego para manter o equilíbrio naquela festa, ela estava sendo tão forte até ali que não poderia desistir no meio do caminho.

-Certo... – Temari começou a andar de um lado para o outro dentro do banheiro tentando pensar em um plano. – Vou conversar particularmente com Itachi e pedir informações sobre o garoto. Vou tentar extrair o máximo de informações que conseguir. Ele não vai sair impune dessa, Hinata.

-Assim espero Temari. – A perolada pegou nas mãos da amiga e a loira a abraçou. – Assim espero.

Do lado de fora, Kiba encarava o letreiro indicando a festa da Universidade que estava acontecendo ali, mas o canino não tinha coragem de entrar. Seu coração estava despedaçado pelo loiro e não tinha forças suficientes para encara-lo na frente de todas.

-Kiba? – Uma mão tocou no ombro do canino e ele virou rapidamente para ver quem é. – Calma, sou eu... Gaara.

-Ah, Gaara... – O canino encarou o chão, ele queria que aquela voz fosse de Naruto. – Vai entrar?

-Eu vou... – O ruivo tentava adivinhar a expressão do canino, mas ele não conseguia. Porém, sabia pelo tom de voz do canino que não estava tudo bem. – Mas antes, vamos conversar... Não tem como participar de uma festa triste desse jeito que você está... – Kiba levantou o olhar para Gaara e o ruivo percebeu as linhas de expressões e as olheiras do canino. Provavelmente ele não dormira a noite passada. – Nossa você está um pouco acabado, não é mesmo? – O ruivo passou o braço no ombro do canino e os dois foram sentar-se em um banco na frente do karaokê. No caminho, Kiba contou tudo o que tinha passado com Naruto até a noite passada.

Quando ele terminou de contar, Gaara olhava para o chão, de boca aberta. E o silêncio dominou durante alguns segundos.

-Sabe Kiba... Talvez eu fale errado, mas Pablo Neruda, um poeta latino-americano, tem um poema que diz: “Es tan corto el amor, y es tan largo el olvido”. E eu acho...

-Eu não sei falar espanhol, Gaara... – Kiba riu, mas era porque ele não entendia onde o ruivo queria chegar com aquela conversa.

-É tão curto o amor, tão longo o esquecimento. – O ruivo encarou o canino que ainda não entendia onde Gaara queria chegar. – O que eu quero dizer é que esse processo que você está passando pode parecer longo, mas você vai sair uma pessoa diferente, Kiba. Porque a pessoa que você era ontem, na presença de Naruto, não é a mesma de hoje. Mudou tudo, até seu pequeno coração que está despedaçado. – O ruivo tocou no peito do canino que deixava as lagrimas caírem do seu rosto. – Você adquiriu essa marca no rosto, Kiba... Essa marca onde descem suas lagrimas, um caminho para você tirar toda a dor... Você agora tem uma mancha no peito porque o Naruto confundiu seu afeto e o transformou em nada e até aqui, você tem uma náusea que está pressionando você... Talvez você esteja procurando inutilmente alguma esperança para seguir e nada agora faça sentido para você, nem fazer as coisas que você gosta... Talvez você esteja construindo cercas e muros ao redor do seu coração para ninguém chegar perto porque você se machucou demais... – O ruivo afagou o cabelo de Kiba que continuava a chorar, como Gaara podia entendê-lo tão bem? – Mas você está crescendo Kiba... Dentro de você, nos seus entremeios... Algo de bom está crescendo e não mate a coisa boa... Os sentimentos ruins virão, mas você tem que aprender a conviver com a dor e com a perda... Mas algo bom está nascendo e no futuro você vai ver o quando você cresceu... Talvez você agora esteja perdido, mas em breve, você vai achar o caminho da sua casa...

- Gaara olhou para o céu e admirou as estrelas e Kiba com a visão embaçada olhou na mesma direção que o ruivo.

-Mas o que é a minha casa, Gaara?

-Você vai descobrir um dia... Um dia... Um dia, Kiba. – Gaara abraçou o canino e ele voltou a chorar. – Um dia, Kiba... Mas agora, só deixe a metamorfose acontecer... – O canino abraçou o ruivo forte e somente conseguia chorar, ele sentia um peso esvaziar do seu coração. Sentia-se leve. – Não desista da amizade de Naruto e nem culpe Sasuke por isso... Você vai encontrar alguém que te ame por inteiro e não apenas metade... Até lá, fique forte e cuide de você mesmo... – Gaara levantou Kiba com os braços e o canino enxugou os olhos. Os dois caminharam juntos para entrar no karaokê.

Um dia, Kiba.

Um dia, eu vou encontrar aquele que realmente merece o meu amor.

Aquele que realmente vai me ter por completo.

Um dia.

And so I cry sometimes when I'm lying in bed

E então eu choro algumas vezes quando estou deitada na cama

Just to get it all out what's in my head

Apenas para tirar tudo que está em minha cabeça

And I, I am feeling a little peculiar

E eu, eu estou me sentindo um pouco peculiar

And so I wake in the morning and I step outside

E então eu acordo pela manhã e vou lá para fora

And I take deep breath

E eu inspiro profundamente

And I get real high

E eu fico muito chapada

And I scream from the top of my lungs

E grito com toda a força

What's going on?

O que está acontecendo?

 

Quando Kiba e Gaara entraram no karaokê, eles ficaram surpresos com todos de Konoha no palco cantando “What’s Up?”. Até Itachi estava no palco junto. Todos estavam abraçados e cantavam com muito amor e intensidade.

-KIBAAAA! VEM PRA CÁ! – Sasuke gritou do palco e o canino atendeu ao pedido. Independente o que fosse ele não ia deixar nada atrapalhar a amizade com seus amigos de Konoha. Naruto ajudou Kiba a subir no palco e abraçou o amigo e o canino entendeu o que é ser forte nos momentos de tempestade. Gaara subiu no palco com a ajuda de Hinata e todos se juntaram em uma só voz.

And I say, hey, yeah, yeah-eah

E eu digo, hey, yeah, yeah-eah

Hey, yeah, yeah

Hey, yeah, yeah

I said, hey! What's goin' on?

Eu disse, hey! O que está acontecendo?

And I sing, hey, yeah, yeah-eah

E eu canto, hey, yeah, yeah-eah

Hey, yeah, yeah

Hey, yeah, yeah

I said, hey! What's going on?

Eu disse, hey! O que está acontecendo?

 

Alguém que estava em uma mesa perto do palco viu todos cantarem e presenciou uma atmosfera diferente naquele grupo. Era a completude, ele concluiu. Eles finalmente estavam completos, como no jardim da infância. Como se eles tivessem perdido alguma parte e finalmente a parte foi achada para completar aquilo que estava faltando. Amizade. A preciosa palavra que abre portas e que resiste até o fim dos tempos. Independente de diferenças e intrigas, eles estavam juntos.

Ino sentiu um arrepio tomar conta do seu corpo. Era um arrepio bom, e ela sabia quem era.

-Shikamaru... Espero que você esteja feliz vendo esse momento aí no céu... Todos estão juntos novamente e você está nos nossos corações... Um dia nós vemos em outro lugar, Shikamaru...

Twenty-five years of my life is still

Vinte e cinco anos e minha vida está imóvel

I'm trying to get up that great big hill of hope

Estou tentando subir aquela grande colina de esperança

For a destination

Por um destino

 

Todos aplaudiram e o grupo de Konoha desceu. Sasuke trocou algumas palavras com Kiba que sorria e esbanjava felicidade. O canino foi conversar com Sakura.

-Hey, quer ir tomar um ar lá fora? – Naruto sussurrou no ouvido de Sasuke.

-Sim, vamos. – Os dois saíram de cena e foram para fora. Eles caminharam em silêncio até chegarem num campo aberto de golfe. Não muito longe do karaokê.

-Então... Sasuke... Pra onde você foi depois que você saiu de Konoha? – Naruto andava com as mãos para trás, enquanto Sasuke mantinha as mãos nos bolsos do cardigã.

-Vila das Flores, é bem longe de Konoha... Fica cinco horas da Universidade... – O moreno encarou o loiro e sorriu. A cada sorriso de Sasuke, Naruto sentia o coração bater mais forte.

-Eu estou extremamente feliz que você está com a gente novamente, Sasuke. – Naruto se aproximou do moreno que estranhou a postura de Naruto, ele estava perto demais e Sasuke sentiu borboletas voarem no seu estomago, isso é amor? Ele pensou. – E comigo também, estou feliz que você esteja aqui comigo...

Sasuke não respondeu. Apenas continuava sorrindo. Ele não sabia o que fazer.

Eles ficaram alguns minutos em silêncio. Até que Naruto deu inicio a uma brincadeira.

-TÁ COM VOCÊ! – O loiro empurrou o moreno e começou a correr pelo campo de golfe. – QUERO VER VOCÊ ME PEGAR... EU SEMPRE FUI MAIS RÁPIDO QUE VOCÊ!

-Naruto! – Sasuke sentiu a competitividade voltar a correr pelo seu sangue e começou a correr atrás de Naruto. – Eu vou te pegar sim! – Os dois riam enquanto corriam, até que os sprinklers foram ativados para molhar o campo de golfe. Eles corriam enquanto seus corpos e roupas ficaram molhados. Era divertido. Como na infância.

-PEGUEI VOCÊ! – Sasuke alcançou Naruto e o empurrou fazendo com que os dois caíssem juntos no chão.

Mas caíram estranhamente unidos.

Naruto estava com as costas no mato, enquanto Sasuke estava por cima dele.

A água continuava a cair no campo e nos corpos dos dois.

As bocas estavam tão próximas.

Naruto ficou paralisado e Sasuke sentiu um arrepio percorrer o seu corpo.

Uma música começou a tocar nos autofalantes do campo de golfe.

Fall is here hear the yell

É outono, escute o grito

Back to school ring the bell

De volta a escola, toca o sinal da aula

Brand new shoes, walking blues

Sapatos novos, o andar lento

Climb the fence, books and pens

Pule a cerca, livros e canetas

I can tell that we're going to be friends

Pois posso dizer que seremos amigos

I can tell that we're going to be friends

Pois posso dizer que seremos amigos

 

Era a música que Naruto tocava e que dedicava ao invisível Sasuke que agora estava ali. O loiro admirava a boca lisa e pequena de Sasuke e queria tanto beijá-la. Enquanto o moreno tentava entender o que era o amor, e se o amor era tudo aquilo que ele sentia: borboletas no estomago, tremor percorrendo a pele, suor frio e a vontade de alcançar aquela boca rosada de Naruto.

Sasuke somente lembrou-se dos últimos versos do poema de Drummond ainda quando a água caia sobre seus corpos e quando a música ainda passava, e os lábios iam se aproximando.

Daqui estou vendo o amor

irritado, desapontado,

mas também vejo outras coisas:

vejo beijos que se beijam

ouço mãos que se conversam

e que viajam sem mapa.

Vejo muitas outras coisas

que não ouso compreender...


Notas Finais


GENTE DO CEU QUE CAPÍTULO FOI ESSE?
EU AMEI ESSA PARTE TENTEN E NEJI EU QUERIA MUITO ESSE CASAL JUNTO NO ANIME, MAS KISHIMOTO MATOU MEUS SONHOS HAHAHA
Enfim, SURPRESINHA PRA VOCES
SÁBADO (11) É MEU ANIVERSÁRIO E QUEM VAI GANHAR O PRESENTE SÃO VOCÊS. O CAPÍTULO 7 VAI SER POSTADO NESSE DIA!
GANHAMOS MUITOS NOVOS LEITORES, COMENTEM POR FAVORRRR!
E SERÁ QUE NARUSASU VAI SAIR? AI MEU DEUS
DEIXEM COMENTÁRIOS E NÃO SE ESQUEÇAM
EU AMO VOCÊS
(PS: VOU COLOCAR NOS COMENTÁRIOS AS MÚSICAS E OS POEMAS QUE FORAM UTILIZADOS NO CAPÍTULO)
BEIJOSSSSS


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...