História Um Dia Perfeito - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Boruto Uzumaki, Hinata Hyuuga, Mitsuki, Naruto Uzumaki
Tags Borumitsu, Desafio, Mitsuboru, Naruhina, Resenhando Naruhina, Revolução Naruhina, Valentinesdaynh2018
Visualizações 793
Palavras 4.851
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Literatura Feminina, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


De última hora consegui terminar minha contribuição para o dia dos namorados ^^

Boa Leitura <3

Tomo choco* : Esse é o chocolate dado aos amigos mais próximos, como uma forma de demonstrar carinho e amizade
Manjar*: Alimento

Capítulo 1 - Capítulo Único


Fanfic / Fanfiction Um Dia Perfeito - Capítulo 1 - Capítulo Único

Era um dia comum em Konoha, após a derrota de Momoshiki, meses atrás, pelos principais heróis do lugar, tudo voltava ao normal, na mais perfeita tranquilidade dentre os habitantes, menos naquele dia em questão. Por ser quatorze de fevereiro, as garotas estavam animadas pelo simbolismo do dia dos namorados, para elas, era uma maneira de declarar seu amor até então desconhecido, ou para presentear personalidades masculinas importantes, como: namorados, esposos, chefes de trabalho, amigos e parentes.

O principal elemento utilizado para essa confraternização é o chocolate, podendo estar presente nas mais diversas formas de consumo e por isso a agitação nas ruas, lojas e docerias da vila, é tradição, as moças entregarem esses agrados a quem lhes convir. A movimentação estava uma loucura dentro do território, mulheres andavam de um lado para o outro em busca dos melhores estabelecimentos e preços, causando euforia. Exceto para um jovem garoto, que olhava tudo aquilo entediado, não entendia para quê tanto alvoroço.

Boruto andava calmamente, analisando a empolgação no lugar, para ele, isso era inútil e perda de tempo, seria mais fácil elas se declararem logo, ao invés de gastar dinheiro. No entanto, a verdade era que se lamentava em seu interior, pelo fato de não ter recebido sequer um agrado exclusivo até então. Já estava na parte da tarde e não compreendia o porquê de nenhuma pessoa ter lhe dado algum quitute, sendo que acreditava ser um dos mais populares e achava fazer sucesso entre as garotas.

Mero engano, talvez não fosse tão atraente assim como pensava, e com isso por mais que não admitisse, sentia-se angustiado, principalmente porque esperava que Sumire, sua paixonite, o agraciasse com alguma lembrança. Contudo, recebeu dela apenas um bom dia e um mero biscoito coberto de chocolate, embalado por uma pequena sacolinha transparente, envolta por um laço vermelho. No momento, ficou feliz, acreditando que era só para ele, entretanto, descobriu depois, que a Kakei presenteou a todos seus amigos com aquele gesto singelo, causando decepção no mais novo.

Porém, “colocou” em sua cabeça que não se importava com aquilo, e por fim, decidiu se direcionar a um mercado de doces, se ninguém lhe daria, o próprio iria comprar para si, não precisava de uma atitude alheia. Ao adentrar no recinto, deparou-se com Cho-Cho e Sarada apressadas e com muitas sacolas, saindo do caixa, intrigado resolveu conversar com as kunoichis e questioná-las a causa de toda aquela aflição.

—E aí meninas, para quê tantas sacolas?- questiona despojado enquanto caminha atrás delas com as mãos apoiadas na nuca, fazendo-as virarem para vê-lo

—Ah, é você- diz Sarada indiferente enquanto tenta ajeitar os óculos com uma das mãos ocupadas- Estamos comprando alguns ingredientes para as receitas de dia dos namorados- responde amistosamente

—Nani? E para quem vocês vão entregar?- indaga confuso, nunca imaginou que alguma das duas gostasse de alguém

—Não que isso interesse a você- começa a Akimichi com uma pose de superioridade e logo prossegue- Mas, iremos fazer algo para o Hokage-sama- confessa tomando a coloração avermelhada na face e mudando seu jeito para um sonhador e suspira em seguida

—O quê?- completa surpreso- O velho é casado com a mamãe, isso não tem lógica e eles se amam- expõe confuso e incomodado pela reação da colega para com seu pai

—Realmente, Hinata-sama tem tanta sorte, além de ser considerada uma princesa e ser a rainha glutona, ainda é casada com Naruto-san- comenta Cho-Cho pensativa

—Não seja idiota, Boruto, sabemos que seus pais se amam, mas ele é o Hokage e devemos agradecê-lo por todo seu esforço em manter nossa vila em paz, não é interesse romântico, apenas gratidão, e não ligue para a Cho-Cho, ela se apaixona por qualquer cara mais velho, nem meu pai escapou- relata a Uchiha entediada, ao perceber a face irritada do companheiro de time para sua amiga.

—Eeeei- a outra tenta se defender, contudo é impedida

—Tudo bem, façam o que bem entenderem, eu vou indo, até mais e boa sorte com essas coisas de mulherzinha- emite fugindo do assunto e virando de costas, dando um leve aceno.

Estava cansado, parecia que todos só falavam naquilo, enquanto isso, Sarada e Cho-Cho não compreenderam aquela reação e ao darem um olhar cúmplice, resolveram seguir seus caminhos, ainda tinham que entregar os presentes ao Nanadaime.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Horas mais tarde

Em contrapartida, no escritório principal de Konoha, um certo Hokage estava mais inquieto que o normal, tentava se concentrar em assinar alguns papeis, contudo não conseguia, a razão: Sua amada esposa ainda não havia mandado sequer um chocolate para ele. Isso o deixou nervoso e preocupado, apesar de casados há bastante tempo, todos os anos a perolada lhe dava alguma guloseima e mesmo quando Naruto estava trabalhando, ela pedia para Hima entregar-lhe algo.

No entanto, até o momento, nenhum sinal de alguma lembrança e para completar, a morena havia o tratado com indiferença durante a manhã quando estava indo trabalhar e isso estava o atormentando, não entendia o porquê daquela reação. Não se lembrava de ter feito algo errado e com isso divagava sobre o fato durante o dia, assim, desconcentrando-se em suas tarefas, coisa que já estava incomodando seu conselheiro.

—Essa sua impaciência está irritando Naruto, se você errar algo, eu não me responsabilizo – repreende Shikamaru, enquanto analisa o amigo

—Eu sei, mas é que não estou conseguindo ter atenção suficiente hoje, desculpe- fala largando os documentos e se afundando na poltrona, cansado

—E o que aconteceu? É para você estar feliz, desde que se tornou herói da Vila da Folha, no dia dos namorados, sempre ganha vários doces de suas admiradoras e só hoje recebeu mais de cinquenta- comenta desentendido, enquanto observa o tanto de presentes a sua volta, destinados ao Uzumaki

—Pouco me importam as lembranças dessas pessoas, a única que me interessa ainda mandou nada- expõe cabisbaixo, de forma chateada

—Humm... entendi, realmente nada foi mandado em nome da Hinata-sama- manifesta o Nara pensativo e em seguida dá um sorriso debochado

—O que fez dessa vez hein? Será que finalmente ela acordou de algum genjutsu e se tocou que é boa demais para você?- expressa fingindo refletir e recebe uma gargalhada forçada do outro

—Nossa, como você está piadista hoje, deveria montar um circo- emite o Hokage irônico, fazendo Shikamaru levantar as mãos em rendição- Na verdade, nem eu sei, ontem parecia tudo bem e do nada ela me tratou com indiferença essa manhã- relata tristonho

—Entendo, isso é bem estranho vindo da primeira dama- medita o moreno interessado- Talvez devesse ir vê-la, hoje o dia está tranquilo e daqui a pouco anoitece, eu te libero- afirma prestativo e o Uzumaki se anima, levantando-se rapidamente

—Muito obrigado, Shikamaru, você é um anjo- emite empolgado e dá um beijo na bochecha do Nara, saindo logo depois, deixando o outro para trás

—Que exagerado- profere contrariado, enquanto limpa o rosto com a ponta da camisa

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Enquanto isso, Boruto andava calmamente rumo a sua casa, quando Mitsuki vem em sua direção correndo. O loiro tentou comprar algo para si, contudo, achou nada de interessante, então resolveu voltar e no percurso encontra o amigo, que parecia incomodado com algo

—Hey, Mitsuki, tudo bem?- indaga estranhando a face um pouco corada e preocupada do outro, afinal era Mitsuki, o garoto que quase não esboçava sentimentos

—Hai, quer dizer, e-eu, toma é para você – desiste de se explicar e resolve entregar logo sua lembrança

—O que é isso? É para mim?- questiona o Uzumaki, analisando confuso, a caixa de chocolate Tomo choco* que estava em suas mãos

—Sim, eu não entendo muito dessas coisas de dia dos namorados e me disseram que é normal presentear, nesse dia, as pessoas que consideramos e bom, como você é a pessoa mais importante para mim, depois do meu pai, eu achei indispensável te dar algo- expõe olhando diretamente para Boruto que instantaneamente toma um aspecto avermelhado em sua face, surpreendendo a si mesmo pelo ato

—Mitsuki, é...obrigado, eu realmente não esperava, geralmente só as garotas entregam, então.. - diz ainda com os pensamentos desordenados- E me desculpe, eu não comprei algo para você, eu...- tenta pronunciar, contudo é interrompido

—Tudo bem, não se preocupe, acho que esqueceram de me avisar que só as meninas podiam, sinto muito- responde o azulado, com um fino riso, típico dele. No entanto, por dentro estava chateado, talvez não fosse tão importante para Boruto, como o outro era para ele- Agora, eu vou indo, está tarde, até amanhã- emite tentando disfarçar sua tristeza e vai embora antes do loiro reagir, deixando para trás, o primogênito do Nanadaime atônito pelo ocorrido há pouco.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Em contraparte, na mansão Uzumaki, Hinata estava aflita tentando terminar sua receita especial, foi uma luta conseguir os ingredientes em pleno dia dos namorados e para completar, escolheu um prato que requeria muita atenção de sua parte. Decidiu que esse ano seria diferente, ao invés de mandar algo para o esposo em seu escritório, resolveu se arriscar e fazer um manjar* que nunca tinha tentado e iria servir na janta.

Contudo, quando terminou o alimento pela primeira vez, foi até o banheiro para tomar um banho, só não contava que sua filha caçula fosse tão esfomeada como o pai e ao chegar à cozinha, reparou que Himawari havia comido o que ela tinha feito. No entanto, não conseguiu brigar com a garotinha que ao saber dos planos da mãe, pediu mil desculpas com os olhinhos lacrimejados, partindo o coração de Hinata que optou por refazer a receita e perdoar à pequena.

Foi então restaurar a iguaria, e terminar os ajustes para a janta das crianças que seria diferente daquela do patriarca e provavelmente mais cedo, entretanto achou melhor produzir o suficiente para o resto da família, que provavelmente iriam provar também depois do Uzumaki. Estava dando os últimos retoques na tigela, a fim de guardar para quando o marido chegasse, e nesse momento, um furacão loiro entra no recinto, de forma agitada e a abraçando fortemente, estava tão distraída que não percebeu sua chegada. Ao reparar que era Naruto, ficou confusa, pensou que ele demoraria mais tempo no escritório.

—Desculpe mamãe, mas o otou-san foi muito rápido, eu não conseguir impedi-lo- relata Himawari desanimada

—Tudo bem, querida, não se preocupe, vá lavar as mãos para jantar, sim?- responde a perolada, passando conforto para a filha, enquanto ainda tem o loiro ao seu encalço, a pequena se retira e a ex-Hyuga prossegue - Naruto-kun, o que houve? Você chegou cedo hoje- comenta apreensiva correspondendo ao abraço, acariciando o cabelo do homem de forma gentil

—Desculpe se fiz algo errado, hime- expressa ressentido, olhando-a, ainda com os braços em volta da cintura da perolada

—Nani?- questiona confusa- Por que pensa isso, você fez nada, querido- emite compadecida

—Mesmo? É porque hoje é o dia dos namorados, você não me mandou uma lembrança e de manhã parecia que eu nem existia- confessa melancólico e a morena abre um amplo sorriso

—Seu bobo, eu estava ansiosa para comprar alguns ingredientes e acabei ficando nervosa pensando no que fazer, desculpe se eu passei a ideia de que estava indiferente- pede acariciando o rosto do marido que fecha os olhos em deleite

—Tudo bem, hime, eu que sou um pouco dramático- expressa sorrindo sem jeito e em seguida, prepara-se para dar um beijo na amada, quando são surpreendidos por Boruto

—Por Kami, já estão se agarrando?- questiona incomodado, fazendo os pais se separarem e ambos coram ao ver o filho, arrancando gargalhadas do garoto ao reparar na reação dos mais velhos

—Boruto, não seja inconveniente- repreende a Uzumaki, tão vermelha quanto um tomate- Vá chamar sua irmã para o jantar, querido, por favor- pede suavizando a expressão e o jovem obedece, deixando os adultos a sós.

Minutos depois, Himawari e Naruto esperavam na mesa, enquanto Boruto ajudava a mãe a servir os alimentos. Estava tudo arrumado, faltava apenas mais uma coisa: o presente de Naruto. Com isso, Hinata foi rapidamente pegar a comida do marido que estava esquentando, este aguardava ansioso pelo que a perolada havia preparado, em contrapartida os irmãos estavam inquietos, queriam comer logo. Após mais alguns poucos minutos, a morena colocou a tigela tão apreciada e conhecida pelo loiro, em frente ao mesmo, nesse momento, o Hokage ficou completamente surpreso ao visualizar aquilo e sua boca salivou instantaneamente.

—Ra-ramén de chocolate?- diz ainda paralisado e com os olhos brilhando ao ver sua comida favorita acompanhada com chocolate, feito exclusivamente por sua esposa

—Hai, espero que goste- emite a mulher em expectativa, ainda de pé, ao lado de Naruto, que repentinamente leva os hashis com o alimento até sua boca, provando em seguida e logo fecha os olhos, apreciando a perfeita mistura entre doce e salgado.

—Deus, como isso está saboroso, meu amor- confessa satisfeito, para a alegria da perolada e alívio das crianças. Conseguinte, o loiro levanta de súbito e agradece a perolada, abraçando-a de maneira apaixonada e lhe dando um selar gentil nos lábios rosados, causando irritação no primogênito, que apesar de amar seu pai, tinha um leve ciúmes dele com a ex-Hyuga

—Certo, certo, parem com todo esse romantismo, vamos comer, por favor- pede Boruto, pálido de fome, divertindo aos demais.

Posteriormente, toda a família Uzumaki estava sentada, em volta da mesa, comendo com tranquilidade, enquanto conversavam amenidades. Para a felicidade de Hinata, pai e filho estavam se entendendo muito bem e a paz reinava na casa. Depois de todos se deliciarem, as crianças se despediram e foram tomar banho para irem dormir. Na cozinha, a perolada lavava a louça, havia recusado a ajuda de Naruto, no entanto, o mesmo ficou abraçado a ela por trás, enquanto a esposa executava a ação

—Muito obrigado, querida, foi o melhor ramén que eu já comi, ‘tebayo- comenta animado, beijando suavemente a nuca alheia, causando um arrepio involuntário na primeira dama, que suspira apaixonada

—Seu presente ainda está só no início, querido- enuncia a morena sugestivamente, guardando o último prato e se virando para o homem, que a fitava de forma confusa – Apareça em nosso quarto daqui a quinze minutos, nem um segundo a mais ou a menos, Naruto-kun, não esqueça de abrir o zíper do casaco- avisa insinuante, mesmo com a face levemente corada e se coloca na ponta dos pés, dando uma leve mordida no lábio inferior do homem e em seguida, vai rapidamente em direção às escadas.

Deixando o Uzumaki intrigado e ao mesmo tempo entusiasmado, conhecia-a como ninguém e sabia o quanto ela era surpreendente entre quatro paredes.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Subindo as escadas lentamente, o loiro tentava não ser tomado pela ansiedade, só de pensar, sua cabeça trabalhava de forma incessável, imaginando diversas coisas que sua amada poderia ter aprontado para si.

Desde que começaram a vida sexual, Hinata o maravilhava com suas tantas ideias a fim de apimentar o relacionamento, no início estranhava pelo fato dela se mostrar sempre tímida e recatada aos outros, contudo para si, a mesma sempre exibia seu lado mais devasso, deixando-o imensamente feliz por ser o único a vislumbrar essa versão da ex-Hyuga .

Em frente à porta da suíte do casal, respirou fundo e enfim abriu a porta, ao adentrar, deparou-se com o lugar que está consideravelmente à meia luz, apenas iluminado com algumas velas em forma de coração, dando um visual mais romântico. Caminhava em direção à cama em busca da esposa e presenciou o móvel coberto de pétalas de rosas, abriu um sorriso e fechou os olhos, tinha a melhor esposa do mundo, parou por alguns segundos, aspirando o doce perfume que imperava no quarto: o cheiro de Hinata, um aroma de lírios brancos que somente a perolada tinha ao seu ver.

Antes de terminar a ação anterior, percebeu a presença tão desejada atrás de si, as pequenas mãos tão suaves, adentram de forma lenta por baixo de seu casaco e apertavam suavemente a camisa branca que ficava por baixo.

—Achei que ia se atrasar, Naruto-kun- emite sedutoramente, próxima a orelha alheia, o Uzumaki sabia que ela estava na ponta dos pés e isso o incitou ainda mais, adorava a diferença de altura entre ambos

—Eu nunca deixaria você na mão, minha hime- completa entrando no jogo, tentando se virar para vê-la, contudo é interrompido bruscamente

—Ainda não, amor- expõe taxativa e ele obedece ficando no mesmo lugar, em seguida sente seus olhos serem vendados, ao mesmo instante em que recebe leves selinhos em seu ombro, por cima da roupa- Hoje nós vamos brincar um pouquinho, fique quietinho - comenta maliciosa, arrancando um sorriso discreto do marido que se rende, para ele, seria interessante

De forma calma e suave, a perolada ajuda o outro a se deitar de maneira confortável no centro da cama, tendo a colaboração do mesmo em seus movimentos. Posteriormente começa a tirar as peças de roupas do Nanadaime de forma delicada, enquanto distribuía carinhosos beijos por onde passava, causando arrepios no mais velho que soltava discretos arfares, enquanto aproveitava os amáveis toques da Uzumaki.

Separando-se um pouco do mesmo, vendo seu marido tão a mercê e livre do incômodo das roupas de trabalho, apenas com a box negra, evidenciando sua excitação; não resistiu e mordeu os lábios em satisfação. Com certeza era uma sortuda por ter um homem como aquele para si.

—Hime, tu-tudo bem?- questiona vacilante pela excitação e demora da outra, estava se controlando ao extremo para não abandonar a “brincadeira” e foder sua mulher com todo o desejo que estava guardando

—Hai, Naruto-kun- afirma com a voz baixa, pegando um pequeno frasco, ao lado da cama, contendo chocolate derretido e em seguida se posicionou acima de Naruto, com as pernas cercando o corpo alheio, causando o encontro entre as intimidades e a perolada desencadeiou uma deliciosa fricção, levando ambos a gemerem pelo contato, principalmente o loiro, que não aguentaria tanto, necessitava de mais e com isso segurou firme as cochas roliças na tentativa de trazê-la mais próxima.

Ainda executando leves movimentos de vai e vem, a Uzumaki começou a derramar um pouco do líquido amarronzado nos lábios alheios. O homem não teve tempo para estranhar ou perguntar algo, foi  quando recebeu um luxurioso beijo ardente de sua adorável esposa, as línguas dançavam em sincronia, assim como o coração dos dois, batiam como um só. O doce sabor do chocolate misturado à doçura da boca de Hinata, causou um espasmo no homem que segurou fortemente as nádegas da ex-Hyuga, fazendo-a arfar, pelo contato das grandes e quentes mãos.

Sua vontade era se entregar logo ao marido, sua intimidade pulsava, exigindo alívio imediato, no entanto, precisava continuar o plano. Com muito esforço, separou-se dele, ouvindo um murmúrio revoltado, não se conteve e sorriu

—Nem chegou a melhor parte, Naruto-kun e você já está ansioso- expõe irônica, lambendo os lábios levemente

—Não me torture hime, por favor, eu preciso de você- expressa manhoso, pronto para tirar a venda dos olhos, mas é impedido

—Nem pensar, fica quietinho aí que eu vou pensar no seu caso- afirma o repreendendo, apoiando suas mãos, nos ombros do marido

—Certo, continue- enuncia contrariado, custava nada aguentar mais um pouco.

Em seguida, sentiu novamente o toque gelado do líquido viscoso, dessa vez passando pelo seu tórax e chegando ao seu abdômen definido, em contrapartida, apreciava ao mesmo tempo, a quentura transmitida pela língua de Hinata, que contornava os mamilos do homem, dando beijos carinhosos e chupando sutilmente essa área.

Desceu logo após, para a barriga, inserindo sorrateiramente vários selinhos no percurso, revezando entre mordidas no local e por fim, foi chegando até a virilha, há essas alturas o Hokage gemia, ao ter as sensações intensas e acarinhava o couro cabeludo da mulher, à medida que ela ia descendo suas carícias. A perolada se sentia nas nuvens, amava dar prazer ao seu parceiro.

Hina, por favor, eu preciso ao menos te ver – pede arfando e logo tem seu pedido atendido pela outra.

Ao conseguir focar sua visão, deparou-se com a perfeição à sua frente, a perolada estava linda em demasiado, seus fartos seios estavam cobertos por um belo sutiã vermelho enquanto na parte de baixo visualizou a fina calcinha de renda, acompanhada da cinta linga e meias da mesma cor, por um momento perdeu todo o ar dos pulmões, era incrível como sua mulher mesmo após dois filhos, mantinha um corpo fascinante, aos seus olhos. Encarou-a fixamente, analisando cada parte visível da morena.

—Gosta do que vê?- questiona com um sorriso vitorioso, enquanto se aproxima e morde de forma sensual o lábio inferior do outro

—,Como você é gostosa, hime- emite apaixonadamente, dando leves chupões no pescoço alvo e acariciando a cintura da mesma, tirando suspiros da perolada. Prestes a alcançar o centro pulsante da esposa, segundos depois, foi inibido novamente, ao ter sua mão amparada.

—Ainda não – completa decidida, com um riso ladino e sem demora fica de joelhos em cima da cama e retira a parte de cima da lingerie, exibindo seu belo par de seios, para delírio do maior que a vislumbra indiscretamente, para sua felicidade.

Seguidamente, pegou novamente o frasco que havia deixado ao lado para retirar a venda do marido e se direcionou ao seu destino “final”, causando expectativa em Naruto que podia imaginar o que estava prestes a acontecer. Sem mais delongas, a perolada ficou de quatro ao lado do homem que gemeu alto ao sentir uma diminuta quantidade do chocolate derretido ao redor de seu pênis, que imediatamente foi substituído pela língua quente e macia da morena, que percorreu vagarosamente desde os testículos até o início da glande, solvendo deliciosamente todo o chocolate, enquanto fazia leves movimentos de vai e vem com o membro alheio.

Em seguida, começou a chupar graciosamente a intimidade do homem, descendo e subindo, contando com o auxílio da mão, que masturbava a parte que não alcançava, enquanto que com a outra dava leves arranhões, pela marca que simbolizava o selamento da Kyuubi. Em contrapartida, Naruto estava maravilhado, aquela era cena completamente erótica, sua tão amada esposa era perfeita, a face corada enquanto fazia as sucções, os olhos semicerrados, todo seu esforço, o fazia sentir completo.

E ao ver, a perolada juntar os seios em volta do seu pênis e começar uma “espanhola” foi o estopim para gemer em demasiado e suspirar incansavelmente, aquela sensação era sublime, a visão era perfeita, sabia que não ia aguentar muito tempo e a outra sabia disso, aumentando a intensidade. Hinata sentia-o pulsar em seu meio e planejava continuar adiante, mas não contava com o descontrole do loiro que ao dar praticamente um rugido, interrompeu sua ação de repente, foi tudo muito rápido e quando viu, já estavam com as posições invertidas, com ele em cima dela, ambos, ao lado contrário dos travesseiros. O Uzumaki a olhava sedento, como um leão prestes a atacar sua presa, estremecendo o corpo da perolada que se surpreendeu com o ato do marido.

—Agora é minha vez, coelhinha, você não me escapa- pronuncia malicioso, colocando-se entre as pernas dela, recebendo em troca um sorriso carinhoso

—Eu nunca escaparia- expõe travessa e arfa instantaneamente ao sentir os dedos habilidosos percorrerem sua vulva, que estava completamente úmida

—Está tão pronta para mim, amor- sussurra rente à orelha da morena se arrepia imediatamente- Acho que já chega de preliminares hoje, não acha?- indaga no mesmo tom, enlouquecendo a ex-Hyuga pela provocação

—Ha-hai, me fode logo, vai- pede manhosamente e é prontamente atendida, em seguida, sentindo a calcinha se partir com brutalidade pelas mãos do outro

As penetrações começaram de forma intensa, arrancando gemidos altos de ambos, o encontro dos corpos, o suor, os batimentos cardíacos, o calor irradiado era completamente satisfatório naquele ambiente. Naruto investia sem piedade na cavidade apertada da esposa, arrancando gritinhos da morena que sentia com prazer, o potencial do marido que tantas vezes lhe “levou” ao céu, envolvendo-o ainda mais com suas pernas para melhor contato, enquanto mantinham as mãos unidas e sussurravam palavras obscenas um para o outro.

Alguns minutos naquela posição, o Uzumaki ordenou que ela ficasse de quatro, empinando as nádegas para si, de forma sedutora. Apesar de amar dominar em algumas situações, a mulher adorava se sentir submissa na hora do sexo, principalmente quando o loiro tomava um ar mais mandão, isso a enlouquecia. Acatando ao pedido do mesmo, posicionou-se e logo sentiu algo descendo em suas costas e em seguida, a língua áspera do maior, que percorria do cóccix até a nuca da esposa, em um movimento lento e sensual.

—Definitivamente, você e chocolate são as coisas mais gostosas do mundo- emite, mordendo o lóbulo da orelha da perolada que grunhiu em resposta, estava muito excitada e impaciente para ser preenchida. Contudo o fato de Naruto apenas encostar as intimidades estava a torturando, percebendo isso, o Nanadaime estoca a sua mulher de uma vez, que geme desejosa, a ação se repete continuas vezes, ambos os corpos corados e cansados, no entanto sem um pingo de vontade de parar.

O mais velho a penetrava na medida certa segurando firmemente os quadris femininos que rebolavam perfeitamente, para delírio do Uzumaki que metia mais forte. Os dois estavam prestes a chegar ao ápice e quando aconteceu, não podiam estar mais satisfeitos. O interior da perolada se contraiu perfeitamente em volta do membro alheio e a mesma deu um grito de satisfação que eram músicas para os ouvidos do Hokage, que com mais algumas estocadas, derramou-se seu prazer na morena que respirava descompassadamente, assim como ele.

Em seguida, caíram exaustos na cama, mas com um sorriso amplo de contentamento, logo Hinata se ajeitou no tórax do marido que envolveu sua cintura possessivamente.

—Com certeza, esse foi um dos melhores dias dos namorados, princesa- comenta Naruto maroto, tentando se recuperar

—Concordo, qualquer dia dos namorados é maravilhoso quando estou com você- expressa amorosamente, ajeitando a cabeça para olhá-lo, recebendo um lindo sorriso em troca

—Eu te amo, Hinata- emite afetivamente, acariciando os cabelos negros-azulados que se veem um pouco maiores que antes

—Eu também, Naruto-kun- completa alegre, mesmo depois de anos, não conseguia acreditar que era tão feliz

—Sabe... espero que esteja bem disposta para o mês que vem, porque eu tenho algumas surpresas para essa ocasião – pronuncia insinuante

—Eu não vejo a hora, meu loirinho- expõe animada e se coloca novamente sobre o membro alheio de forma provocativa

—Acho que podemos ir treinando até lá- enuncia piscando um olho, enquanto acaricia as pernas de sua mulher. E então iniciam novamente seus momentos de intimidade e amor, que não perdia a intensidade com o decorrer dos anos, pelo contrário, aumentava mais e mais.

◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊◊

Um mês depois

Mitsuki estava olhando Konoha de algum ponto alto do lugar, refletia sobre seus sentimentos, não sabia muito sobre eles. Contudo, não podia negar que algo em seu peito acendia e se enchia de alegria quando via Boruto, seu coração acelerava e sempre queria estar por perto. Com medo do que podia ser, achou melhor se afastar um pouco do outro, principalmente depois do dia dos namorados, onde se decepcionou um pouco, na época não sabia que somente garotas davam presentes, no entanto, via nada demais em poder demonstrar também os seus.

—Acho que estou doente, essas reações são biologicamente estranhas- diz para si mesmo, sem sentir uma outra presença

—Hey, Mitsuki, você está aí, te procurei por toda a parte, ainda bem que te achei- emite com a face cansada, causando surpresa no outro que não esperava sua presença

—Aconteceu algo, Boruto?- indaga preocupado

—Não, nada, quer dizer... eu vim entregar isso para você- responde corado, entregando um mini bolo de chocolate branco, embalado com uma vasilha transparente e um laço vermelho em volta. Mitsuki ficou emocionado, Boruto não tinha esquecido de si como pensava- Bom, sei que no White day é comum comprar algo pronto, mas eu acabei convencendo minha mãe a me ensinar a fazer isso, achei que seria mais interessante e desculpe por não ter te dado algo antes- relata coçando a nuca em sinal de embaraço

—Obrigado, Boruto- pronuncia o azulado e em seguida, abraça o loiro pela cintura que se assusta pelo ato repentino. Mesmo achando estranho, depois de alguns segundos correspondeu, envolvendo o pescoço do outro, com os dois braços. Ambos sentiam seu coração disparar com esse ato, no entanto não sabiam distinguir, Boruto só sabia dizer em seu interior, que o aroma exalado pelo maior era muito bom.

—É então, se você quiser podemos ir até lá em casa, jogar alguma coisa ou assistir tv- emite se separando bruscamente de Mitsuki, dando fim ao momento embaraçoso- O velho e a mamãe só vão voltar amanhã na hora do almoço, eles foram comemorar o White Day e eu e minha irmã estamos apenas com Natsu-san, você vem?- questiona tentando parecer indiferente

Hai, vamos- profere Mitsuki imensamente feliz.

Talvez demorasse para saber o que sentia e que poderia ser algo passageiro, no entanto, acreditava que haveria tempo suficiente para tudo ficar os conformes. Só sabia de uma coisa, Boruto era muito importante para si e faria de tudo para ver sua felicidade e esperava ansiosamente estar ao lado dele para quando precisasse. No fim, seu primeiro dia dos namorados em Konoha não poderia ter sido melhor... e isso graças ao jovem Uzumaki, que sempre seria o sol de Mitsuki.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...