1. Spirit Fanfics >
  2. Um Dragão Ciumento >
  3. Capítulo Único

História Um Dragão Ciumento - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


yo!
o festus aqui não é uma máquina, e sim um ser mítico

Capítulo 1 - Capítulo Único


— Um Dragão Ciumento— 

[Grace & Valdez]


Festus estava visivelmente alterado naquela manhã, estressado com alguma coisa da qual o Valdez não tinha ideia. E mesmo que tentasse entende-lo, Leo simplesmente não compreendia.

— Olha Festus, trouxe seu almoço! — sorriu para o mesmo empurrando uma cesta enorme com peixes para perto do dragão. Festus pareceu não ligar, e deitou a cabeça na grama verde. Leo arqueou as sobrancelhas — Ué, não está com fome? — esperou alguma resposta, mas nada. Nem ao menos um bufar. — Bom, não faça desproveito da comida! Tive mó trabalho de pescar já que Dionísio não me fornece! — chantageou, fazendo um bico fofo em direção ao dragão. Festus nada fez, encarando o semideus seriamente. — Ei, que foi grandão? Cê tá estranho hoje — se aproximou dele e tocou sua cabeça, Festus não fugiu do carinho e se aconchegou mais no Valdez, ouvindo uma bela risada — Vai comer agora?! — Festus nada respondeu e Leo entendeu aquilo como um sim. Correu até a cesta e sem nojo algum, tirou dois peixes grandes, voltou em direção ao dragão, que lhe olhava atentamente — Olha, fiz de tudo para pescar esses daqui! Sei que são seus preferidos! — afagou sua cabeça e sem reclamar começou a devorar os peixes, e como sabia que aquilo iria agradar o semideus, caminhou até a cesta, sentindo o cheiro forte e, aos seus sentidos, delicioso. Leo sorriu e limpou as mãos.

— Oi Leo — o Valdez ouviu aquela voz e olhou para cima, encontrando Jason voando em direção ao chão, e com um sorriso rasgando seus lábios correu em direção ao namorado, jogando-se em seus braços e juntando os lábios em um beijo intenso.

— Oi — respondeu-o, corado, e Jason sorriu, permitindo finalmente tocar o chão — Trouxe a cesta?

— Está aqui. — o casal não percebeu, mas aquela cena incomodou um certo dragão que estava quase cuspindo fogo no pretor do Acampamento Júpiter. — Está pronto para irmos?

— Claro, amor. — Leo sentiu suas orelhas queimarem e logo desviou o olhar do Grace, este sorriu e puxou novamente o menor para um beijo, forçando-o a ficar na ponta dos pés. Festus bufou, deixando os peixes de lado e olhando com ódio para o filho de Júpiter. E antes que perguntem, Festus nunca gostou daquele semideus, principalmente pelo fato de que Leo não precisava mais de si para ir aos lugares, aliás, Jason Grace também sabia voar. — Hm, aqui não! — Leo apartou o beijo, lembrando da presença do seu dragão e Jason riu.

— Por que?

— Ora, o Festus está bem aqui — retrucou, passando as mãos pequenas pelo pescoço do Grace.

— Tudo bem, e o que isso tem haver? 

— Sabe que não gosto disso. Não na frente dele. — deixou sua testa repousar no peito do maior e Jason riu. Amava mesmo aquele garoto.

— Ok, Fireboy. Prometo tentar não te atacar na presença do Festus. Agora vamos? — apertou a cintura fina, ameaçando começar a voar e Festus percebeu isso e como se não quisesse nada se aproximou do casal, grunhindo bem atrás do Valdez.

— Ei, que foi grandão? — Leo indagou olhando com carinho para o dragão, que apenas deixou sua cabeça repousar sobre o semideus — Tá, entendi! Você tá precisando mesmo esticar suas asas!! Você não se incomoda né Jason?

— Claro que não, Fireboy! — Jason respondeu rapidamente e Leo sorriu, Festus apenas ficou quieto.

— Certo. Deixa eu só pegar minha mochila! — e assim o Valdez se afastou dos dois, correndo de volta para o Bunker. Ao se ver sozinho com o Grace, Festus se virou em direção ao Bunker, e propositalmente deixou seu rabo deslizar por trás dos pés do semideus, fazendo-o cair com as costas no chão. E para disfarçar, forçou seu melhor olhar preocupado para o corpo jogado ao chão, vendo o semideus acariciando a cabeça. Jason olhou assustado para o dragão e este apenas fez um barulho parecido com uma risada abafada. — Voltei e… Por que você está no chão, Jay?

— Acho que tropecei. — explicou levantando e resmungando.

— Jura? Você se machucou? — Leo indagou se aproximando do namorado, e Festus arranhou o chão com suas garras.

— Só bati a cabeça. — explicou, e Leo fez um bico adorável, levando a mão com cuidado para a região que Jason tocava — Está tudo bem, amor.

— Certo. Mas acho melhor você colocar gelo. 

— Eu trouxe — mexeu na cesta e tirou um pequeno saco de gelo — Eu coloco no caminho. — Leo assentiu e ficou na ponta dos pés para lhe dar um rápido selinho.

Festus viu seu semideus se aproximar de si, a mochila nas costas e com a ajuda da pata do dragão, subiu. E Festus percebeu algo que não estava gostando, Jason iria subir em si também. Oh, não, Leo estava querendo demais já.

— Não está com medo, não é amor? — Leo provocou, vendo o filho de Júpiter sorrir amarelo.

— B-bom, não. Só não sei se o Festus me quer aí! — Leo riu e olhou para seu dragão, descansando a mão em sua cabeça.

— Você vai deixar não é, Festus? — Festus quis negar, mas apenas esticou as asas, como se não estivesse nem aí — Ok, tenho quase certeza de que isso é um sim. Vem, me dá sua mão! — Jason engoliu em seco ao ter aquele olhar frio dirigido a si, e receoso levou sua mão em direção a do namorado. Festus estava esperando apenas o momento certo, e assim que este chegou, não esperou mais que milissegundos para pegar impulso para cima, batendo suas asas rapidamente para se afastar o máximo possível do Grace. Óbvio que o ato inesperado quase arrancou o coração do Valdez do peito e assim que se recuperou pôs a se sentar direito. — Festus!! Está louco?!! — Leo brigou — Volte agora, Festus!! Você deixou Jason lá atrás seu exibido! — continuou brigando e o dragão apenas revirou os olhos.

— Não precisa voltar, amor. Já entendi o recado do grandão aí — Jason apareceu do seu lado, claro ele sabe voar, Festus grunhiu baixinho e Leo respirou mais aliviado. 

— Amor, você não vai cansar?

— É mais fácil ele cansar do que eu — gabou-se, e Festus grunhiu para o semideus que riu. Leo apenas suspirou.

— Isso não foi nada legal, Festus! — resmungou o Valdez, dando tapinhas no pescoço do dragão. — E pode ir voando devagar, rapaz. E um pouco mais baixo, ok? — pediu, aliás não conseguia ver nada além de um clarão azulado abaixo de si. Festus apenas grunhiu e obedeceu ao Valdez. 

Não demorou para que chegassem ao lago, Festus pousou perto de algumas árvores e Jason fez o mesmo. Internamente, Festus quis alçar voo novamente, apenas para ver Leo longe daquele semideus. Mas quando notou o filho de Hefesto já estava do lado do pretor. Fumaça saiu do seu nariz e Leo lhe repreendeu com o olhar.

— Fique quieto aqui e não apronte. Se quiser dar uma volta vá, mas tenha cuidado e volte logo! — Leo lhe avisou, e Festus apenas fugiu do toque da mão que lhe fora estendida — Ei, não fique com raiva de mim! — pediu manhoso e o dragão bufou, cedendo aos encantos do meio-humano — Isso, fique quietinho aqui, se ficar com fome, eu trouxe seus peixes!! — animado tirou uma bolsa de plástico da mochila — Vou deixar aqui pra você — disse pondo a bolsa no chão e a abrindo. Festus bufou, era impossível ter algum sentimento negativo com o Valdez. — Comporte-se! — e assim saiu correndo para onde o namorado estava.

— Achei que não ia terminar nunca! — Jason comentou, esticando a toalha no chão. Leo sorriu — Mãezona!

— Aish, me deixa! — socou seu ombro e se ajoelhou na toalha xadrez, tirando a mochila das costas e a abrindo.

— O que você trouxe?

— Frutas… E isso aqui! — mostrou uma garrafa de vinho e o Grace franziu as sobrancelhas surpreso.

— Vinho? Que audácia, Valdez!

— É sempre bom ingerir álcool de vez em quando! — comentou, sorrindo e Jason retribuiu.

— Ok, Valdez, se você diz. Eu trouxe o básico de um piquenique! Bolo, pães, tortas, salgados, doces, sucos e até café. 

— Uau! Você está empenhado em me engordar hein! — Jason riu e roubou um selinho do menor.

— Você fica lindo de qualquer forma, baixinho. Agora vamos comer — enquanto o casal curtia livremente, Festus observava a ceninha que se desenrolava entre os dois, e se perguntava o que o Valdez tinha visto naquele loiro cabeça de vento. Bom, não que realmente achasse que tinha algum semideus que servia naquele acampamento, mas por que justo o Grace? Não via graça naquele semideus, na verdade podia fazer uma lista de semideuses sem graça e o primeiro com certeza era Percy Jackson, e segundo claro, Jason Grace. Não conseguia entender o que Piper e Leo viam de tão interessante nele, e com isso, tirava suas conclusões que humanos são sim estranhos, principalmente os meios. 

Deitando a cabeça na areia fofa, Festus esticou suas asas, batendo-as minimamente fazendo a areia se espalhar, quando viu algo que chamou sua atenção. Uma pedrinha. Pequena e redonda, quase da cor da areia, tinha mínimos relevos e rachaduras, mas era uma pedra bonita. Cutucou-a com suas garras e olhou para o casal, especificamente para seu inimigo. Festus era um dragão, e os dragões tinham ótima mira, e Leo apenas a melhorou. Usando os flaps do seu rabo, Festus colheu a pedrinha, jogando-a para cima e rebatendo quando caia. Deitou as patas dianteiras na areia e deitou a cabeça sobre elas, e ainda com o rabo erguida, jogou a pedra para cima e ricocheteou a pedra em direção a cabeça do Grace. E como se fosse o destino uma forte rajada varreu a praia, e graciosamente a pedra bateu na nuca do Grace.

— Ai merda!! — Jason gemeu, levando a mão à nuca. Leo que tentava segurar a toalha, olhou para o namorado.

— O que foi?

— Algo bateu na minha nuca — explicou acariciando a região, enquanto seus olhos azuis procuravam seu principal agressor.

— Hm, deixa eu ver. — Leo se pôs de joelhos ao lado do namorado — Ficou vermelho, foi uma pancada mesmo! — exclamou o Valdez.

— Acho que achei a agressora. — pegou a pedrinha e a mostrou para o namorado. Leo soltou uma risada. — Como que infernos o vento pode levantar uma pedrinha assim?

— Ué, você que deveria responder essa pergunta. — Leo deixou um beijinho lento na região e Jason sorriu — Pronto, bebê, vai passar!

— Valeu amor! — trocaram um rápido selinho e Jason olhou para Festus. Este fingia estar descansando, mas internamente queria muito rir. Após um tempo, Festus sentiu fome e revirou a bolsa, tirando um peixe qualquer. Olhou para o casal enquanto arrancava a cabeça do peixe e abria a barriga, comeu a parte interna e viu Jason Grace lhe olhar novamente, como se esperasse algo. E Festus realmente planejava algo. Com o uso das suas garras retirou a espinha do peixe e se livrando da mesma, serviu-se da carne. Lambeu suas patas, limpando suas garras e ouviu Leo rir. Ergueu o olhar e novamente viu o casal trocar mais um beijo. Ok, tinha que admitir, Leo era nojento. Mas não era como se o mesmo quisesse aquilo, tinha certeza que Jason Grace o obrigava ao ato.

Se pôs sobre as quatro patas, se esticando todo e devagar se aproximou do casal, e gentilmente mordeu o tecido da camisa do Valdez e o puxou para si.

— Ei, grandão!! O que foi?! — Leo indagou enquanto era arrastado pela areia, Festus o soltou e o Valdez riu — Que é, Festus?! — e como resposta viu o enorme dragão encolher as asas contra o corpo e sair correndo pela areia, parando e lhe olhando, esperando. Leo riu e olhou uma última vez para Jason, que apenas deu de ombros — Ok, Festus, eu vou te pegar!! — e com isso, correu até ao dragão. Festus ficou animado e parou de correr, ficando de frente para o meio-humano, esperando apenas que ele se aproximasse. E como um gato ágil, esquivou-se do semideus, fazendo este cair de joelhos na areia fofa da praia, ouviu-o rir e sem esperar voltou a correr, Leo lhe seguiu. E esta era parte do plano de Festus, só esperava não sujar a comida. Pisando forte na areia, correu na direção do Grace, com Leo bem atrás de si. E Jason ao perceber sentiu o corpo tremer e pôs-se rapidamente de joelhos sobre a toalha, qualquer coisa, iria correr. E estreitando os olhos, Festus fincou as patas na areia, forçando os corpo para o lado e erguendo uma “onda” enorme de areia. Aí está o plano. Só se esquecera de um pequeno, mínimo, detalhe. Jason afastou toda a areia com seus poderes, e Festus ao perceber bufou. Odiava tanto os filhos de Zeus!

— Wow, amor! Você protegeu a comida!! — Leo exclamou e aproveitou a distração do dragão e pulou em seu rabo comprido e escamoso — E eu te peguei Festus!! — Leo riu, Festus ergueu seu rabo, pendurando o Valdez que riu.

— Acho que o grandão aí quer acabar com o nosso piquenique, Leo — Jason comentou, casualmente. Festus rangeu os dentes e Leo estalou a língua.

— Deixe de besteira, Festus é só um pouco grande demais e bagunceiro também! Não vê que ele tentou parar? — Leo defendeu seu grande dragão, e Festus quis se gabar, erguendo a cabeça e sentando nas patas traseiras — Ótimo, garoto! Agora vá brincar! Eu fiquei cansado! — o dragão bufou e Leo riu.

— Que tal tomarmos um bom banho, Leo? — Jason sugeriu, batendo as mãos nas panturrilhas e tirando a areia dali.

— Hm é uma boa ideia. — Leo exclamou, sorrindo. 

Festus ficou observando os dois brincando na lagoa, um jogando água no outro. O que tinha de graça naquilo? Olhou para o céu azul vendo alguns pássaros voando e decidiu fazer o mesmo. Levantou-se e esticou as asas, quando algo chamou sua atenção. Eram as roupas do Grace. Rapidamente uma lâmpada acendeu em sua cabeça e olhando uma última vez para os semideuses que nem na superfície estavam, tratou de cavar um buraco fundo o suficiente e com suas garras arrastou as roupas para o fundo do buraco, e as enterrou. Bateu com o rabo na superfície, deixando a areia fofa e agitou as asas alegres. Olhou uma última vez para a lagoa, nenhum sinal dos dois. Abriu suas asas e pegou impulso com as patas, alçando voo. Vôo sobre a lagoa, procurando algum sinal dos dois, e logo viu a silhueta de Leo surgir na superfície.

— Ei, lembre do que eu disse, Festus!! Tome cuidado!! — Leo gritou, Festus apenas balançou sua enorme cabeça, como se afirmasse e continuou a planar, deixando que o vento o guiasse, mas nunca permitindo-o mudar sua direção. Leo continuava a observar seu dragão, quando sentiu duas mãos segurarem sua cintura e o erguerem. Um grito se engasgou em sua garganta ao ouvir a risada do Grace.

— Estava distraído, amor? — Jason indagou, abraçando-o.

— Estava vendo o Festus voar. — apontou para cima e Jason acompanhou o olhar, sorrindo fraco.

— Olha, eu só acho que o Festus não gosta de mim — beijou a pele molhada do ombro do menor e Leo lhe olhou feio.

— Isso não é verdade! — Jason arqueou as sobrancelhas.

— Ok, então, bora lá. Ele me derrubou esta manhã, me olha como se quisesse me matar, rosna pra mim mais do que a O'Leary quando eu chegava perto do Nico, tenho certeza de que foi ele que jogou a pedrinha em mim e propositalmente quis me dar um banho de areia. O que significa isso pra você? 

— Hm — Leo frisou os lábios e olhou novamente para o dragão — Festus só tem um jeito diferente de expressar seus sentimentos! — Jason não se aguentou e riu, em alto e bom som. O que atraiu atenção do dragão.

— Leo, Festus não gosta de mim. Talvez seja ciúmes, não sei. Só que cada vez que estou contigo ele se controla para não me queimar vivo! — Leo fez bico, e antes que falasse mais alguma coisa viu uma sombra negra paira sobre os dois e duas patas enormes e pesadas lhe pegarem, gritou alto e assustado e ouviu um rosnado. Olhou para cima, ouvindo o barulho das asas batendo e respirou aliviado.

— Não faça isso grandão! — pediu o Valdez, com o coração na mão. Festus balançou suas patas dianteiras e jogou Leo para cima, fazendo-o cair em suas costas. Leo olhou para baixo, em direção a água e encontrou seu namorado voando em direção a areia. Olhou para seu dragão e notou que este apenas planava com a ajuda do vento — Festus, você está com ciúmes do Jason? — indagou, realmente curioso. Viu o dragão agitar a cabeça e soltar um rosnado — Não gosta dele? — perguntou novamente, e um rugido respondeu sua pergunta. Riu — Ué, por que? Jason é um cara legal e me trata bem. Não precisa se preocupar — Festus não queria ouvir aquilo, por isso encheu a boca de fumaça e soltou uma enorme bola de fogo que logo explodiu, fazendo uma fumaça negra bater na cara de Leo — Tá, tá, entendi. Não quer falar sobre isso, não é? Mas eu só quero que saiba que ninguém vai tomar seu posto, grandão! Você é meu único e melhor amigo, o que sinto por ti nunca vai mudar! Ninguém é capaz de tomar meus sentimentos inteiros de ti, ou me pôr contra ti! Estaremos sempre juntos, eu e você. Não importa a ocasião! Seremos sempre eu e você. E nada mais. — ok, aquela declaração pegou o dragão de surpresa, e de princípio não soube o que fazer, logo sentiu o semideus deitar sobre si e apoiar seu queixo em sua cabeça — Então, em nome da nossa amizade, lealdade, confiança e amor, peço que seja mais carinhoso com o Jason, tá? — como resposta Festus grunhiu, e o Valdez riu — Não precisa se desculpar pelos seus atos levados, contanto, que não se repita. Ok? — Leo riu ao ver o dragão rosnar e cuspir novamente uma enorme bola de fogo — Vamos voltar grandão.

Ao chegarem na lagoa, Leo encontrou Jason perto de um buraco enquanto limpava a camisa cheia de areia.

— Ué, por que fez esse buraco? — Leo indagou, e Jason riu sem graça.

— Não fui eu quem fiz. Não foi, Festus? — o pretor lhe olhava sarcástico e Festus apenas lhe deu as costas como resposta.

— Não acredito! Festus que coisa feia! Você enterrou as roupas do Jason! — Leo lhe repreendeu, apesar de estar rindo — Desculpa por isso, amor. — Jason sorriu e beijou o pequeno.

— Está tudo bem. Mesmo que a areia fique me pinicando — resmungou, vestindo a camisa do Acampamento Júpiter, e logo se assustou ao sentir algo forte e pesado bater em suas costas. Olhou para o lado encontrando aqueles enormes orbes dourados lhe fitando. Franziu as sobrancelhas e Festus novamente lhe empurrou devagar com a cabeça.

— Acho que alguém está pedindo desculpas! — Leo sussurrou, dando tapinhas no pescoço do dragão, contente. Jason sorriu e receoso ergueu sua mão em direção ao focinho.

— Então, tá desculpado! — esperou a permissão do dragão de bronze, que fechou os olhos e permitiu que a mão fria do pretor lhe tocasse. O toque não durou muito, mas foi o suficiente para Jason sentir seu coração quase sair do peito. 

Festus se afastou, franzindo o nariz e soltando a fumaça presa ali. Jason recolheu a mão surpreso, e Leo sorriu, sentiu a asa de Festus bater em suas costas lhe empurrando em direção ao filho de Júpiter. E Festus empurrou Jason contra o seu semideus, e observou ambos se encararem. Apesar de não gostar do pretor, sabia que ele fazia Leo feliz, e para si, aquilo já era deveras suficiente.



Notas Finais


tô sumida? tô
devendo atualização de Punições? tô
já vou pedindo perdão, estou tentando me organizar pra concluir a segunda parte de Pernico
então, por favor, paciência com a minha pessoa ><

espero que tenham gostado, adoro o Festus, acho ele tão gracioso hushusshu
bye bye!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...