História Um faz de conta que acontece! (SwanQueen) - Capítulo 49


Escrita por:

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Capitão Killian "Gancho" Jones, Cora (Mills), David Nolan (Príncipe Encantado), Emma Swan, Henry Mills, Lilith "Lily" Page, Regina Mills (Rainha Malvada), Ruby (Chapeuzinho Vermelho), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Emma Swan, Era Uma Vez, Once Upon A Time, Queen, Regina Mills
Visualizações 84
Palavras 1.096
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, LGBT, Literatura Feminina, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 49 - Perseguição II


POV NARRADORA 

Emma andava pelos corredores de Harvard em direção ao refeitório. Havia conversado com a segurança da Universidade junto com Daniela, o chefe da guarda prometeu aumentar o patrulhamento na área dos alojamentos. Recebeu outra mensagem de Jasmine, estava com um sorriso bobo no rosto, quando um rapaz esbarrou em seu ombro, derrubando seus livros no chão. Com o susto, nem teve tempo de olhar o rosto do garoto que se desculpou e seguiu o seu caminho sem olhar para trás ou ajuda-la a recolher suas coisas. Depois de se recompor, olhou para o corredor e não viu mais o rapaz. Pensou que ele era de alguma sala próxima e o achou muito mal educado.

Encontrou com Daniela já no refeitório, a garota estava com alguns colegas do curso de Direito e acenou para Emma que chegava com sua bandeja para comer.

— Daniela, eu não aguento mais comer essa comida!

— Eu também estou com saudades do arroz e feijão.

— E ai, ouviu mais alguma coisa sobre o caso das meninas?

— Ih amiga! Bem lembrado, ouvi sim, disseram lá no campus de pesquisa que o corpo de uma das garotas apareceu essa noite há três quilômetros daqui.

Um calafrio subiu por sua espinha, Emma sentiu o chão abrir embaixo dos seus pés.

— Caramba, então aumentar a ronda não resolveu muito.

— Não.

— Que horas você sai hoje?

— Seis horas.

— Eu saio mais cedo, mas vou para o seu prédio te esperar, você não vai mais andar sozinha até pegarem esse maluco.

Emma concordou e se sentiu protegida por Daniela, os papéis se inverteram nessa viagem, as vezes é bom ser cuidada também.

Faltando dez minutos para as seis, Daniela estava na porta do prédio de exatas com mais duas amigas esperando por Emma, a contadora saia do prédio e avistou as amigas conversando, caminhou até elas e as cumprimentou. Passaram na lanchonete para comprar algo para comer e seguiram para o alojamento.

Em um certo momento, Emma reparou no mesmo rapaz que estava de pé ao lado de uma árvore no meio do caminho, instintivamente segurou o braço de Daniela que tomou um susto.

— O que foi Emma? – olhava para ela.

— O cara de capuz. – apontava com a cabeça.

Daniela olhou para o lado e chamou as amigas.

— Temos que avisar aos seguranças. Eu vou seguir com Emma, vocês vão atrás de um segurança.

As meninas saíram de perto e as duas continuaram caminhando lentamente, Emma estava tremendo não sabia o que ele poderia fazer, ou se era ele quem estava mesmo raptando as meninas. Mas o medo a dominava, ela acompanhava o rapaz que passou a andar ao lado das duas mantendo a distância.

Emma segurava mais apertado no braço de Daniela, que passou a caminhar mais rápido. As duas avistaram as amigas voltando com dois seguranças e ficaram mais calmas, ao olhar na direção que o rapaz estava caminhando não o viram mais. As duas pararam de andar perplexas e os seguranças as alcançaram, as quatro meninas contaram que o viram e os seguranças começaram uma busca ao rapaz de jaqueta com capuz. Mais uma noite trancadas no quarto com medo.

**************

Regina estava no apartamento de Elsa conversando com a amiga.

— Como está o namoro com a pirralha?

— Regina, não fala assim dela, ela tem a mesma idade de Emma, sabia disso?

— Mas ela parece ser muito infantil.

— Ela é uma graça, é só ingênua. E não implica com a garota.

— Eu não estou implicando. – deu de ombros.

— Está sim. – ria – Deixa a menina, nós estamos bem, ela me faz bem é disso que eu precisava agora.

— Eu fico feliz por você estar voltando a ser a Elsa que eu conhecia. – comia um amendoim.

— Vamos marcar uma noitada, você vai aprender a gostar dela. – voltava da cozinha com uma cerveja.

— Eu não sei se ela vai conseguir gostar de mim né. Toda vez que me olha parece que está vendo o Bin Laden.

— Poxa Regina, ela viu o sofrimento que Emma passou e sabe que foi tudo por sua causa, você tem que mostrar a ela que é diferente da imagem que tem.

Regina ficou em silêncio

— Elsa, eu estou fazendo terapia.

— Sério? Que bom , Regina! Até que enfim você resolveu me escutar. – servia um copo de cerveja.

— Pois é, uma hora eu teria que aceitar algum conselho. – sorveu um gole da bebida – Já tem três semanas.

— Isso tudo? Por que você não me disse antes? – cortava queijo para tira gosto.

— Eu queria ver primeiro se ia me adaptar para não te contar e depois você reclamar que larguei. – comeu um pedaço de queijo.

— Ai Regina, você não é fácil, até o relacionamento com a terapeuta ia abandonar? — ria — E como está indo? – bebeu um gole de cerveja.

— Está no começo, mas eu acho que vai ser bom para mim.

— Que bom, eu espero mesmo que você se organize para não magoar mais ninguém.

— Você tem notícias dela, Elsa? – servia mais cerveja.

— De Emma? – olhou desconfiada.

— Sim.

— Por que você quer saber? Falou na cara da garota que não sente nada por ela, agora está interessada em que?

— Eu não disse isso, eu falei que eu não a amava.

— Faz muita diferença Regina. – revirou os olhos.

— Você queria que eu fizesse o que?

— Que você falasse a verdade Regina , você ama Emma, eu até hoje não entendi por que voltou para Lívia. – colocava o queijo na mesinha de centro.

— Qual é Elsa, eu não estou te entendendo, você agora sabe tudo o que eu estou sentindo? Por que não me ajudou na época e me disse isso logo para me ajudar a esclarecer?

— Calma ai, não precisa brigar. Eu só estou dizendo o que acho, nós somos amigas o suficiente para te dizer isso.

— Eu sei, é que isso é muito confuso para mim. – olhava para o líquido dentro do copo — Eu ainda penso na Emma.

— Ela está bem, Ariel as vezes me fala dela, quando elas conversam.

— Ela já conheceu outra ruiva por lá? – dizia com desdém.

— Não Regina. Na verdade pelo que Ariel me falou, a morena arquiteta que está investindo pesado para conquistar a Emma, abre o seu olho hein! A hora que você perceber que se enganou, pode ser tarde demais. – levantou e foi pegar outra cerveja.

— Droga! – pensava alto.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...