1. Spirit Fanfics >
  2. Um filho. >
  3. Capítulo 7.

História Um filho. - Capítulo 8


Escrita por:


Notas do Autor


Agora sim,este é o capítulo😅

Capítulo 8 - Capítulo 7.


Quando Itziar acordou na manhã de quinta-feira,levou vários segundos até lembrar o que acontecera.E acabou se dando conta que sonhou com Álvaro.O sonho foi intenso,era como se tivesse vivenciado tudo aquilo realmente.De repente,sentiu um calor doce percorrer pelo seu corpo,recordando perfeitamente o contato dos lábios dele contra a sua pele.Recordou a forma como ele fazia amor com ela,despertando sensações nunca antes sentidas.E no mesmo instante,um desejo súbito tomou conta do seu corpo.Desejando ser possuída por ele,mais uma vez para apagar esse fogo que a queimava por dentro.

Pulou da cama e foi tomar um banho.Precisava afastar esse homem de seus pensamentos, senão iria acabar enlouquecendo de amor e desejo.

Quando desceu para o café da manhã,encontrou Hada conversando com a sua secretária do lar.

– Bom dia bonita,atende o celular mais não?_ralha a cacheada,se levantando para abraçar a amiga._Caramba,o que esse panda fez com a minha amiga?.

Zomba Hada,provocando um levantar de sobrancelhas de Itziar.

– Não dormir essa noite não,queridinha?Deixa eu adivinhar esteve com o gostosão do Álvaro?

Itziar se sentou no sofá e deu um suspiro exasperado.

– Não,mas eu não consigo tirá-lo da cabeça,por isso que não durmo à noite...Quer dizer,ele apareceu no meu sonho ontem.

Hada arqueou as sobrancelhas e passou a língua nos dentes.

– Vocês ainda vão se encontrar?

– Se depender de mim pode ter certeza que sim.Eu ainda não estou grávida e não vou desistir tão cedo de estar._disse,dando um sorriso torto.Ao mesmo tempo que sentiu um formigamento dentro de si.

"E o mais rápido possível".

***

Final de semana se aproximando e Itziar não viu outra maneira a não ser na companhia de Álvaro António.Os dois ficaram de se encontrar em uma Chopperia no centro da cidade.Não queria chamar muita a atenção para si mesma,mas por outro lado precisava estar bem apresentável,vestiu um vestido bordado com brilho,manga ¾.O traje não possuía nenhum decote frontal,mas era sexy,devido ao decote que possuía nas costas.O cinto da mesma cor da peça dava o toque final,juntamente com o salto alto.Fazia alguns dias que não usava maquiagem,e brincos.Olhou-se no espelho e gostou do resultado.

Optou em pegar um táxi e chegou ao destino com quinze minutos de atraso.Álvaro António se levantou assim que a viu entrar no estabelecimento.Com um sorriso nos lábios,ela foi se aproximando da mesa.

– Nossa!_ele exclamou lançando um olhar guloso, admirando-a de cima a baixo.Sem ao menos tentar esconder o prazer que sentiu ao vê-la.Em seguida lhe deu um beijo no rosto._Você está muito linda.

Itziar sorriu de leve.Ele puxou uma cadeira para ela se sentar e se sentou ao lado dela.

– Escolhi uns drink's e petiscos para nós.Espero que goste.

– Está perfeito_concordou com outro sorriso.Observaram o lugar enquanto aguardavam o garçom encher os copos.Logo,Álvaro ergueu o seu sinalizando um brinde.

– Ao nossos encontros da semana.

Com um sorriso Itziar repetiu o gesto e em seguida tomou um gole.No momento em que depositou seu copo em cima da mesa,o homem segurou a mão dela e foi fazendo carinho com o polegar.

– Eu estou ficando fascinado por você.Tão exuberante e cativante.

Itziar arqueou uma sobrancelha.Deixando-o acariciar sua mão.O homem aparentava tentar procurar adjetivos mais leves diferente dos seus olhos,que mostravam a vulgaridade.

– Não vamos exagerar.

– Mas é a pura verdade.Você possui um corpo espetacular que deixa qualquer homem louco. Eu tenho muita sorte em tê-la aqui comigo.

Itziar ao invés de ficar incomodada com os comentários deselegantes da parte dele.Ela fez foi atiçá-lo,passando suas pernas na dele por debaixo da mesa.

– O que você mais acha que eu sou?

Diante da pergunta,Álvaro António se aproximou do ouvido dela e com os lábios roçando sua orelha,sussurrou:

– Privilegiada._ sorriu,segurando o queixo dela entre o polegar e o indicador_Esses seus lábios foram feitos para eu beijar.

Ai meu Deus,pensou Itziar.Olhou para o copo dele vazio e declarou que já poderia ser o efeito da bebida.Sem esperar,Álvaro capturou os seus lábios com os dele em um beijo suave.

– Ál-Álvaro,eu não gosto quando você me beija..._murmura na boca dele,e ele para._Espera,não é isso.Eu gosto dos seus beijos,só não gosto do fato deles serem tão urgentes e me deixarem sem ar.

– Silêncio._pede ele,continuando com o beijo.

Itziar se entrega a carícia tentando acalmar seu coração acelerado.Precisava manter-se  constante,embora desejasse que o órgão vital continuasse nessa frequência revelando o poder que Álvaro António tem sobre ela.

HORAS ANTES.

O homem dormiu muito bem,pela primeira vez em cinco dias.Talvez estivesse sentindo o encerramento dos compromissos da semana.Enquanto fazia a barba,o idiota no espelho o olha de volta com os olhos frios e cinzentos.

Mentiroso.

Porra.

Ok.Ok.

Ele ainda tinha um compromisso:dormir com Itziar,e aguardava o sinal dela.Desceu os degraus da escada animado acompanhado de seu cachorro,que não estava muito diferente do dono,pulava e abanava o rabinho como ninguém.

– O dia vai ser bom para você também,amigão?_perguntou Álvaro alisando os  pêlos negros do animal,enquanto colocava a sua ração no prato._É,vai ser sim.

Álvaro afastou-se e sentou-se no balcão da cozinha para comer suas torradas e o suco natural batido ontem à noite.

Perdido na leitura do jornal virtual tomou um susto com o aparelho tocando.

– Itziar?

Álvaro não esconde a surpresa ou prazer em ouvir a voz da mulher.O fundo é barulhento e parece que ela está em uma festa ou num bar.Brutus olha para o dono com a bolinha na boca quase que o obrigando a brincar com ele,Álvaro se levanta da banqueta para ficar fora do alcance visual do animal.

– Vamos sair a noite?Abriu um chopperia nova no centro da cidade.

Ela está pronunciando indistintamente as palavras,e uma onda de excitação passa pela minha espinha.

– Meu nome é pronto,sobrenome já estou lá

Itziar Martínez._brincou ele._Só preciso do nome do local,a data e o horário?

– Pois bem,Álvaro António;se localiza no centro de Madrid precisamente na esquina do supermercado Real Madrid,a data hoje e o horário 20:00 horas._respondeu._Mais alguma coisa querido?

– Não,nenhuma.Quer dizer,eu te busco ou você vai sozinha?

– Vou sozinha,ainda não estamos tão íntimos assim.

– Como não?_indaga ele,embabascado._Nós vamos ter um filho junto,não é nisso que estamos trabalhando nos três dia da semana?

– Sim,mas…

Ela desliga na cara dele.Álvaro fica olhando para o telefone descrente,ninguém jamais desligou na sua cara.O que deu nela?

Pressiona o botão de retorno de chamada, tentando conter seu temperamento e seu intelecto.

– Oi._diz ela,toda ofegante e tímida,e está num ambiente mais silencioso.

– Tudo bem,eu entendi.Não é pra te buscar na porta da sua casa,não precisa desligar na minha cara.

Sua voz é firme enquanto luta e desliga seu telefone

HORAS ATUAIS.

Para sua sorte o garçom se aproximou,servindo os aperitivos.

Durante a refeição,Álvaro António foi contando sobre suas últimas viagens de negócio para o México e o Brasil.Itziar foi se interessando,sempre fazendo perguntas a fim de conhecer os lugares citados.Contudo,ela estava com uns probleminhas técnicos embaixo.Hesitando por um momento quando o desejo inchava dentro de si,mas não vinha à tona,e sabe que é porque está assistindo ao hipnótico subir e descer do pomo de adãodeo homem.Por segundos,minutos,horas,não sabia,ela assistia.Enquanto o homem continuava falando,examinando cada bela polegada de seu lindo rosto.Seus cílios escuros tremulando enquanto piscava,seus lábios entreabertos,e vislumbrado por seus dentes brancos.Ele murmura algo ininteligível e sua língua se lança para fora e lambe os lábios.É excitante,muito excitante.

– Você mal tocou em sua comida!_ele a pega de surpresa,olhando para o prato dela.

– Desculpa!_falou,voltando a realidade._Acabei ficando com um pouco de dor de cabeça com tanta informação.

Álvaro franziu a testa,e sorriu.

– Não se preocupe querida logo pretendo fazer sua dor de cabeça passar.

“Caralho"Itziar lançou um meio sorriso.Seu coração voltou a se acelerar e o desejo começou a tomar conta de vez de si.Itziar pegou sua taça e terminou com restante do vinho.Logo o garçom voltou a encher novamente.Ela voltou a beber.

– Que tal irmos para um lugar mais aconchegante e sossegado?_ela sorriu tomando o último gole da bebida_Afinal nós dois temos coisas mais interessantes para fazer.

Álvaro passou a mão no cabelo e aproveitou a oportunidade.

– Talvez devêssemos marcar para um outro dia...

– Não..._negou rapidamente interrompendo-o_Não acredito que...Aí Álvaro,a gente tem um ciclo a ser cumprido_altera a voz e revira os olhos._Só estamos aqui para não ficar  apenas sexo e pronto.

Itziar Martínez fez um gesto com a mão e chamou o garçom,pagando a conta.Em seguida se levantou,o levando também e o puxando bruscamente para seu lado.

– Calma Itziar!_pediu._Você está rápida demais.Você agora pouco reclamava de mim por estar sendo apressado.

– Eu não reclamei...Só disse que seus beijos eram apressados,e isto não tem nada haver com a outra coisa.Está vendo como você nunca entende o que eu falo.

Quando Álvaro foi retrucar,a mulher perdeu o equilíbrio,e no mesmo instante torceu o tornozelo,caindo no chão,sentindo uma dor profunda no local.

Se a intenção dos dois era partir para uma briguinha boba,o grito de Itziar os fez parar no momento em que ela se encontra estendida no azulejo do bar.Álvaro agachando-se ao seu lado.

– Você está bem?_perguntou Álvaro,olhando-a com preocupação,ajudando-a a se sentar.

– Acho que torci o tornozelo_disse com uma voz baixa e fraca,ao mesmo tempo,tentando abaixar a saia do vestido para esconder suas coxas que estavam completamente amostra.

– Eu vou levá-la para um hospital_disse Álvaro,fazendo um gesto para pegá-la no colo.

– Não precisa.

– Precisa sim._rebateu elevando a voz.

Sem perder mais tempo,Álvaro a pegou em seus braços e a  levantou,começou a caminhar até seu carro.

– Merda!_disparou indignada.

– Desacelera mulher.Você está muito agitada_Parando ao lado do carro,Álvaro a colocou no chão,segurando-a pela cintura com uma das mãos e com a outra abriu a porta do passageiro para ela entrar._Por que você está assim?

Com um olhar cúmplice Álvaro ajudou a mulher entrar,deu um beijo na sua testa e fechou a porta dando a volta no carro entrando na porta do motorista sem ouvir a sua resposta.

– Eu não sei me comportar perto de você.

– Ah,então você está apaixonada por mim._dispara rápido e afiado,endurecendo a mandíbula,ao mesmo tempo em que se virou e a encarou,aguardando uma resposta.O impacto daquele olhar a fez tremer.Itziar engoliu em seco,ela podia sentir a expectativa dele.Enquanto aguardava uma resposta que não vinha.Álvaro foi tentando controlar sua euforia.Estava esperançoso demais,sendo que com certeza o tornozelo estava incomodando-a  e ela não conseguia raciocinar direito.

Praguejando baixinho,ele voltou a se virar,ficando de frente para o volante.

– Desconsidera essa pergunta._Álvaro olhou para ela com vergonha e ligou o carro,saindo do estacionamento.

Itziar ficou com vontade de perguntar se ele ainda queria ouvir a sua resposta,mas preferiu ficar calada.Sabia que ela não poderia dar uma resposta sem antes ter certeza se era verídica.Soltou um gemido baixo,e retirou os sapatos com os pés,levando uma das mãos até o tornozelo,começou a massagear.

O homem olhou para ela em silêncio,porém não disse nada e voltou sua atenção para a estrada. Alguns minutos se passaram,e Itziar descobriu que estava indo para um prédio que possivelmente poderia ser o apartamento dele.Poderia muito bem reclamar,quis reclamar.Mas não tinha forças para tal ação,seu tornozelo arrancara tudo.

Álvaro estacionou o carro na vaga da garagem, desceu e deu a volta,abrindo a porta do passageiro,estendeu os braços para pegar Itziar no colo,ela não fez objeção novamente,sabia que não adiantaria argumentar.Álvaro entrou no elevador e sorriu de leve para ela tentando tranquilizá-la.

Itziar escondeu a cabeça no ombro dele, captando o cheiro masculino,sentindo seu coração disparar e seu corpo estremecer. “Como aquele homem conseguia ter um impacto tão forte sobre ela”?

Assim que a porta do elevador se abriu,ele caminhou até a porta do seu apartamento, colocando Itziar de pé ao seu lado,mas sem afastar uma das mãos de sua cintura,com a outra tirou a chave do bolso e abriu a porta. Voltou a segurá-la nos braços,mesmo sobre protestos Álvaro a levou até o sofá,colocando-a com cuidado no assento,em seguida se agachou na frente dela,a fim de verificar o tornozelo.Com cuidado ele passou a ponta dos dedos e analisou o local inchado.Itziar prendeu a respiração quando ele levantou os olhos, encontrando os dela que estavam fixos nos dele.

– Vou buscar o gelo_disse sério,se levantando, caminhou até a cozinha.Itziar soltou o ar dos pulmões e voltou a respirar.O contato mesmo que suave das mãos fortes parecia mais um fogo ateando em sua pele.Álvaro retornou logo em seguida,ele segurava em uma das mãos uma bolsa de gelo,e na outra um comprimido e um copo da água,que lhe estendeu assim que se aproximou.Itziar pegou ambos,agradeceu, engolindo a aspirina,e em seguida tomou um gole.Álvaro ficou de pé ao lado dela, aguardando-a terminar.Itziar entregou o copo,e ele depositou em cima da mesa de centro.Logo voltou a se agachar na frente dela,segurando o tornozelo com cuidado,aplicou a bolsa de gelo em cima da parte inchada.

– Aaaai,isso está gelado_reclamou Itziar puxando a perna,quando sentiu o contato frio em sua pele.

Álvaro sorriu e voltou a puxar a perna dela, porém,seu olhar seguiu para outro destino.

Com o movimento brusco que ela fez,as pernas acabaram se afastando para os lados e como ele estava agachado bem de frente,foi impossível não fixar o olhar para o meio das coxas.

– Se comporte moçinha!_disse,desviando o olhar da calcinha preta.Segurando o tornozelo mais firme,voltou com muito esforço sua atenção para a compressa.

Itziar alinhou-se no sofá,ajeitando sua saia,se dando conta da besteira que acabou fazendo mesmo sem querer.Contudo,teve muita dificuldade para se manter imóvel.Seu sangue começou a ferver nas veias à medida que o tempo passava.Ela sabia que a compressa deveria durar entre cinco a vinte minutos, não mais que isso.Então,resolveu tentar relaxar, jogou a cabeça para trás,encostando no assento do sofá,fechando os olhos.Álvaro o observou por alguns segundos,sentindo uma vontade louca de afundar sua boca bem no meio daquelas pernas,buscando satisfazer o desejo que o consumia por dentro.Porém, assim que terminou ele apenas se limitou a sentar ao lado dela,apoiando os cotovelos nos joelhos a olhou de relance.

– Agora me conta.Por que você estava com tanta pressa para irmos embora.

Itziar abriu os olhos sobressaltada, e se endireitou no sofá.

– É...É um pouco embaraçoso,mas...eu sonhei com você._disse com uma voz tímida.

– Santo Deus!_exclamou surpreso._Conte-me como foi,teve sexo_a voz zombeteira de Álvaro fez Itziar revirar os olhos se irritando um pouco com a sua indelicadeza.

– Eu juro que não sei se teve sexo.Porém acordei estranha…_falou,se dando conta que poderia entrar em um campo minado._Acredito que coisas acabaram saindo intensas.E eu chamei por você.

Álvaro soltou uma gargalhada divertida e se levantou,caminhou até o meio da sala, desfazendo o nó da gravata.

– Deixa eu ver se entendi direito,eu apareci no seus sonhos e você quis torná-lo real.

Itziar respirou fundo,levantando a cabeça encontrando ainda divertimento nos olhos dele.

– Será que você não entende,eu não me excedi pelo sonho e sim...POR VOCÊ,você fica me provocando,me beijando daquela forma,me elogiando,me isso,me aquilo.

Itziar explodiu e o Álvaro calou-se na mesma hora.

– O negócio é mais sério do que eu pensei._fez um gesto vago com as mãos.

– Sim...não,sei lá.Estou confusa._retruca.

– Itziar…

– Oi?

Ambos respiraram fundo.

– Me desculpa,mas você também me deve desculpas.

– Por que?

– Por que?Porque ninguém resisti à você.Você tem todos aos seus pés,inclusive eu.

Itziar arregalou os olhos assustada.A maneira feroz com que ele falou a fez estremecer.

“Será que ele ao menos tem certeza disso?"

Foi então que ela se deu conta mais uma vez e tarde que estava sendo meticulosa.Inspirou profundamente e soltou o ar.

– Me desculpa.

Álvaro passou a mão no cabelo,e em seguida sentou-se ao lado dela,puxando-a, envolvendo-a em seus braços.Itziar aceitou o abraço aninhando-se ao peito largo e forte. Sentindo Álvaro depositando um beijo no topo de sua cabeça.

Ambos ficaram assim por um tempo, abraçados e em silêncio.Cada um submerso em seus próprios pensamentos.

– Vamos ficar juntos essa noite?_ele perguntou, afagando com carinho o cabelo dela.Itziar se afastou um pouco,levantando os olhos para encontrar com os dele.Que agora estavam cercados de calor e afeição.

– Não acho uma boa ideia.

Álvaro a olhou com desconfiança.

– O que foi está com medo de mim?_exibindo um sorriso sacana mais lindo que ela podia ter imaginado na vida,e foi difícil controlar quando ele pousou uma das mãos na cintura dela e pôs a outra em sua nuca e foi se aproximando,puxando-a para si,de modo que podia escutar a respiração irregular dela e aos poucos ele foi acabando com aqueles centímetros que separavam sua boca da dela. De início Álvaro a beijou com suavidade,num leve toque,numa carícia úmida e sensual. Ambos foram trocando pequenas carícias com os lábios e com a língua,até que uma chama ardente começou a se acender sobre os dois. Principalmente sobre Álvaro que já estava excitado,puxando-a para mais perto de si, envolvendo-a em seus braços.

Itziar cedeu por completo ao sentir a delícia daqueles lábios nos seus,pressionando seu corpo contra o dele,tão musculoso,forte e viril.

Com uma das mãos Álvaro inclinou o corpo dela,deitando-a em cima do sofá,ficando por cima,sustentando seu corpo com o braço, e sem se desfazer do beijo,foi passando a mão direita pelas coxas dela,chegando até a calcinha e por cima do tecido acariciou a intimidade com os dedos.Itziar gemeu ensandecida,arqueando as costas, suplicando por mais contato.

– Por Deus Itziar,me peça para continuar_sussurrou rouco,beijando o pescoço dela.

Ele precisava estar dentro dela urgentemente, pois estava com uma fome louca e inigualável como nunca antes sentiu.Itziar demorou um pouco para processar o que ele disse,e isso o deixou apreensivo com medo de uma recusa, uma vez que já não sabia se teria forças para parar.

– Continue por favor.

Itziar praguejou baixinho.Erguendo seu corpo, em um gesto rápido ele a pegou em seus braços e a levou até o quarto,deitando Itziar em cima da cama sem desviar os olhos dos dela. Itziar se desfez das roupas o mais rápido que pode.Ela ficou observando ele se despir e quando Álvaro se desfez da boxer,ela engoliu em seco assim que viu a ereção sólida apontando para ela.“Nossa como era enorme” pensou atônita,descobrindo que jamais iria deixar de se surpreender com o volume.Álvaro percebeu o olhar,deu um sorriso maroto subindo em cima da cama,e sem desgrudar os olhos dela,ele desprendeu a fivela do cinto que Itziar estava usando,jogando-o longe,e em seguida começou a levantar o vestido por cima da cabeça dela.Itziar o ajudou levantando os braços e logo ela ficou apenas de calcinha,pois não estava usando sutiã.Álvaro a admirou por alguns segundos,primeiro seus olhos se fixaram nos seios perfeitos,em seguida seu olhar avançou para abaixo.Santo Deus,ele pensou extasiado,se deparando com a minúscula peça preta e transparente.Uma sensação incrível o dominou e o sangue ferveu nas veias. Rapidamente Álvaro se inclinou sobre ela buscando e pressionando com força seus lábios contra os dela.Itziar entreabriu os lábios deixando que a língua dele explorasse todos os recantos de sua boca num beijo longo. Enquanto a mão grande e máscula cobriu maravilhado um dos seios e depois com apenas dois dedos ele começou a massagear o bico. Itziar gemeu ao simples toque,a sensação era inebriante, onde somente as mãos daquele homem conseguiam provocar nela tais reações. Álvaro interrompeu o beijo e logo em seguida levou sua boca até os seios e começou a beijar, mordiscar, massagear os mamilos enrudecidos completamente cheios de excitação.Em seguida sua boca foi avançando para baixo,dando leves lambidas nos locais por onde passava,barriga, coxas e até chegar finalmente na virilha.Com as duas mãos ele vai abaixando a calcinha dela, deixando sua intimidade exposta.Passando a calcinha pelos pés dela,ele joga a peça no chão e então, fica de joelho diante dela,separa um pouco as pernas dela,e beija a parte interna das coxas, sem pressa,aproximando-se do centro.

Itziar já se encontrava ofegante e ansiosa, e então ela sente a respiração e a temperatura da boca dele na sua intimidade.A língua permanece ali,lambendo,ela suspira alto jogando a cabeça para trás.Álvaro usa as mãos para afastar mais as pernas dela e fica beijando, chupando penetrando-a com a língua.Logo ele foi introduzindo dois dedos e foi fazendo movimentos suaves de vai e vem.Itziar gemeu, movendo os quadris,indo de encontro a sua mão.Enquanto a boca quente,úmida e excitante rodeia o clitóris, passando a língua e os lábios em volta com movimentos circulares em todos os lados e em volta dele.Itziar vai sentindo seu corpo em chamas,a língua,os dedos audaciosos a levam ao êxtase,a respiração começa a se acelerar e ela sente o prazer se aproximando. Seus músculos se contraem,sua mente gira e uma onda de pura endorfina toma conta do seu corpo, ela grita de puro prazer.Álvaro continua os movimentos com a língua e com os dedos, entrando e saindo do corpo de Itziar até vê-la perder as forças.Arqueando as costas, ajeitando-se entre as pernas dela,Álvaro segura seu membro com uma das mãos e se prepara para possuí-la,pois já estava em seu limite máximo de excitação,contudo para o movimento quando ouve.

– Como eu a tenho desejado Itziar!_falou suspirando,como se a voz estivesse estrangulada pela emoção que sentia.Voltou a se posicionar na entrada,mas desistiu.Em um movimento rápido,colocando-a de joelhos, puxando-a pelo quadril,obrigando a ficar de quatro.Então ele segura a cintura dela com as duas mãos e vai penetrando-a lentamente dessa vez para torturá-la.

Itziar agarrou os lençóis com certa força e abafa o grito contra o travesseiro ao sentir ele entrando e saindo e antes que saísse completamente,ele voltava com força e ficava se movimentando,entrando e saindo de dentro dela enquanto ela movia seus quadris, rebolando.

Álvaro foi acariciando as costas dela, depositando alguns beijos sobre a pele, fazendo-a se arrepiar.A medida que avançava com mais velocidade ele se tornava mais possessivo.

Descarregando todas suas emoções que já estavam no limite quando chegou na chopperia.Incapaz de se conter por mais tempo, embora desejasse prolongar sua excitação. Álvaro geme alto ao bombar dentro dela respectivamente e excessivamente sem tirar, ele continua assim até chegar ao clímax. Completamente extasiado Álvaro se afasta,e tira o pênis.Itziar permanece imóvel deitada de bruços no colchão,tentando se recuperar das investidas fortes e precisas,sentindo a tensão e fúria com que foi possuída.Álvaro deixa seu corpo cair sobre o dela,e distribuiu beijos suaves nas costas e depois relaxou ao seu lado na cama,puxando-a para seu peito.Os dois permaneceram imóveis,aguardando suas respirações voltarem ao normal.

Depois de um tempo e se sentindo mais calmo, Álvaro indagou com uma voz baixa e rouca, acariciando os cabelos dela.

– Algum sinal dos meninos?

– Não.Porque?

Itziar sente os músculos do corpo dele se retraírem.

– Pensei que você já estivesse esperando nossos meninos.

Ela levanta a cabeça e olha nos olhos dele.

– Ainda não,mas estamos seguindo arrisca.

Álvaro prende a respiração no mesmo instante e Itziar se afasta,sentando na cama,puxando o lençol para se cobrir.Álvaro se levanta,pega a boxer do chão e veste,em seguida para ao lado da cama e olha para ela.

Seus olhares se encontraram,os dela estavam temerosos,os dele frios.

– Qual foi a última vez que checou sua taxa hormonal?_quis saber sério,olhando-a com um olhar firme,fazendo Itziar estremecer no mesmo instante.

– E porque eu deveria te contar_questiona com uma voz embargada,abaixando os olhos envergonhada,sentindo que seu coração ia sair pela boca.

– Porque você falou naquele dia estava em seu período.

Itziar assimilou o que ele queria com tudo aquilo,arqueando uma das sobrancelhas.

– Eu não estou grávida se é isso que queria.

Álvaro começou a andar de um lado para outro do quarto,passando a mão pelos cabelos e bufando o tempo todo de nervoso.

– Você precisa fazer uns exames para saber o porquê não engravida.Eu estou fazendo o procssso direitinho.

Itziar pulou para fora da cama,sentindo uma pontada no tornozelo,que resolveu ignorar, pegando a calcinha do chão,vestindo.Álvaro acompanhava seus gestos,se não estivesse tão perdido em pensamento a impediria de continuar e voltaria a transar com ela novamente até suas forças se esgotarem de vez.

– Infelizmente não é assim tão fácil e rápido.É preciso fazer muitas coisas que vão do estar no período fértil,até a ingestão de alimentos apropriados e a não ingestão de bebidas alcoólicas._tentou justificar, prendendo o cinto na cintura,depois de ter colocado o vestido.

Álvaro deu uma risada nervosa.

– Poderia ter ao menos me alertado?_disse em um tom de deboche.

– Eu?_elevou a voz_Por favor,não só a única a ter vínculo com os meninos._bufou irritada, olhando em volta a procura dos sapatos.

– Ok.Já entendi.Tenho que procurar saber mais._rosnou,fazendo um gesto com as mãos desolado.

Em parte,a culpa era dele também,pois deixou de lado esse fato importante,achando que ela tomaria conta da geração do menino.Após ter dado apenas o esperma.Acabou se enganando totalmente.Atitude esta,que jamais passaria nos tempos atuais. 

– Não vou me esquecer disso da próxima vez...

– E quem disse que haverá a próxima vez? – Itziar o interrompeu,fuzilando-o com o olhar.

O seu corpo de ficou tenso,suas mãos se fechando em punhos.Álvaro engoliu em seco e o medo se apoderou dele.Deveria ter ficado de boca calada,Itziar já estava nervosa e ele acabou de piorar a situação.Em um gesto rápido ele a prensou contra a parede e seu corpo.

Sua respiração estava acelerada,suas mãos seguravam firmemente a cintura,e alguns gemidos baixos escapavam de seus lábios.

– Por favor não confunda as coisas Itziar_indagou entre dentes,pronunciando o nome dela de uma maneira muito intensa. Embora estivesse com um pouco de raiva da resposta dela,ele jamais poderia pensar na possibilidade de nunca mais vê-la._Eu só sou um pouco leigo nisso de gravidez,porque eu nunca engravidei ninguém.Sempre usei camisinha;mas como me propor a te dar um filho.Eu vou te dar,mesmo que isso demore.Entendeu?_Álvaro levantou a mão e segurou o cabelo dela,forçando-a a olhar para ele.Seu olhar continuava feroz e a respiração acelerada.Itziar o encarou-o de volta,confusa e temerosa com o tom no qual ele falava.

Praguejando baixinho,Álvaro atacou seus lábios e caminhou com ela até a cama.Delicadamente deitou-a na mesma e abriu suas pernas,mas não tão delicadamente lambeu sua vulva,sua língua percorrendo-a bem por dentro,adorando sentir de novo seu sabor.

– Ai...Álvaro._Estremeceu,fora de si, arreganhando mais as coxas.

Fechou a boca em seu clitóris e chupou forte, ansioso,embriagado,louco.Tomou tudo dela,até que despejasse seu mel em sua língua e ele o sugava,engolindo tudo,querendo mais.E Itziar o deu,se contorcendo e gritando em um gozo forte,intenso.Ele estava a ponto de gozar também,respirando irregularmente,até que desabou,lânguida.

Ergueu-a,posicionando-a ereta enquanto a mesma agarrava sua bunda,puxando-a para si, enfiando seu pau na boca feminina com gula,sôfrega,chupando forte.

– Ah,porra..._Rosnou,agarrando seu cabelo enquanto mamava nele forte e duro._Itziar...Que delícia.

Ela o trouxe mais para si,conseguindo pôr quase tudo na boca,esfomeada.Ele se perdeu.Era muita emoção,muito desejo,muito tudo.Esporrou em sua garganta gemendo e estremecendo,segurando firme sua cabeça, enquanto engolia tudo e sugava mais,até se esvair inteiro dentro dela,tremendo.

Então lambeu seu pau,não deixou nenhuma gota de fora,ergueu os olhos para si.Continuou duro,pronto,alucinado.

– Quero mais..._Murmurou rouco.

– Eu também..._Sussurrou,arfante.

– Vem aqui._Levantou-a e a fez sentar em seu colo,de frente para si.Abraçando-a,espalmando suas mãos grandes em sua bunda,beijando seu pescoço,cheio de lascívia e de paixão.

Itziar gemeu e buscou seu pau,que roçou na sua entrada molhada e inchada.Tentou se conter,murmurou rouco,tão ereto que doía.

– Preciso de você…

Era um desejo absurdo,dolorido,permeado por minutos,horas,dias,semanas e meses.Gemeu e mordeu seu ombro quando o pau a penetrou e foi entrando em todo o canal apertado e quente,até que sentou toda em cima dele e a acolheu mais fundo de seu corpo,latejando em volta dele,pulsando.

– Itziar..._permaneceu uma das mãos em seus glúteos,enquanto a outra subia em seus seios e os acariciava,maravilhado em como estavam duros e inchados,lindos.

Moveu-se devagar,penetrando-a,Itziar moveu os quadris,sugando seu pau,deslizando sobre ele,até que ele abria suas pernas e escorregava a mão e seus dedos brincavam com seu ser,deixando-a louca,encostando-se nele,gemendo baixinho.Beliscou seu mamilo,entrou mais fundo,murmurou em seu ouvido:

– Gostosa…

– Álvaro..._Choramingou,virando o rosto, buscando a boca carnuda dele.

Ele a beijou ferozmente,estocando em sua bocetinha tão apertada e molhada, masturbando-a,até que ambos queimaram,o desejo e o amor cobrando seu preço.Começou a miar e gemer em sua boca,já pronto,inchado e grande dentro dela.No primeiro espasmo que deu e sua boceta o apertou,ele gozou também.E assim foram,juntos de novo,voando alto,ainda melhor do que antes.

Saiu de dentro dela lamentando.Deitou-a com cuidado na cama,indo se deitar na ponta a seu lado,apoiando a cabeça na mão,a outra mão deslizando a sua boca inchada e pequena.

– Tudo bem?_Indagou,preocupado.

– Muito bem._Sorriu,satisfeita.

Ele também estava,mas o desejo era tanto,que já pensava em estar de novo dentro dela.

Mas se controlou,embora seu pau ainda estivesse semi-ereto.

Fitaram-se nos olhos e antes de piscar Itziar,disse baixinho:

– Não precisa me levar eu pego um táxi.

– Quem disse que você vai para casa?Está tarde e vai dormir aqui comigo.

– Na sua casa?Primeiro essa é sua casa?

– Também.

Ele se inclinou e saboreou os lábios pequenos de Itziar.Movendo as línguas em um beijo gostoso,carinhoso,cheio de volúpia.

– E outra coisa,eu te trouxe,eu te levo._respondeu apenas,e começou as carícias novamente.No entanto no meio delas,Itziar disse que queria queria tomar um banho.

Ele andou para encher a banheira sentando-se na borda,pondo-a de lado em seu colo, inclinando-a para trás em seus braços e enfiando um mamilo na boca e depois desceu mais massageando suavemente o clitóris até ficar inchadinho,apertando-o,manipulando-o.

– Álvaro..._Itziar gemia,mexendo-se.Desceu mais a mão e enterrou dois dedos em sua intimidade melada,passando a penetrá-la enquanto sugava o bico do seu seio até ficar bem pontudo e partir para o outro.Ela choramingava,muito excitada.

Ergueu a cabeça,seus olhos pesados,dizendo rouco:

– Vontade de fazer tanta coisa com você,Itziar…

– Faça…

– Com certeza._fitou-a arfante,enquanto estocava seus dedos na vulva feminina,que se contraía e palpitava.

– Vou te fuder duro.Vou espancar sua bunda.Vou fazer coisas que nem imagina.

– Ai..._Já estava fora de si,alucinada com os  dedos e as sacanagens que ele dizia.Tornou-se mais bruto,o polegar roçando o clitóris,lambendo devagarinho o mamilo e depois soprando-o.Ondulava,a boca entreaberta,os olhos desvairados.

– Vou foder sua boca,depois sua boceta e então seu ânus,gozando bem forte dentro dele.Pode ser?

– Sim …

– Então depois do banho vou enfiar meu pau todo nele,Itziar.Enquanto meus dois dedos vão estar assim,comendo você pela frente …

–Ah...Ah..._Começou a gozar,quase chorando, estremecendo,ondulando.Olhou-a fixamente, excitado,cheio de tesão,seu pau duro demais.

Deixou que seu orgasmo fosse longo,sem parar de meter os dedos e massagear o clitóris.

Até que Itziar desabou,corada,respirando irregularmente,olhos pesados.Ele a pegou com carinho no colo e colocou dentro da banheira. 

Itziar sorriu,satisfeita,lânguida,linda.

Ele entrou também,mas disse baixinho:

– Sente na borda,com as pernas dentro da água.

Sorriu,vendo seu olhar safadinho.Fez como disse.Itziar abriu as pernas de António e veio ajoelhada entre elas,da cintura para baixo dentro da água.

– Sabe o que vou fazer,Álvaro?

– Nem imagino._Disse,se fingindo de inocente.Itziar riu,seus olhos descendo por seu peito e barriga,até o seu pau totalmente ereto.

– Uma das coisas que mais gosto._Passou os dedos no saco,acariciando as bolas.

Cerrou o maxilar,apertando as bordas da banheira com força._Lamber e chupar o seu pau.

Ele a observou,em expectativa.

Sorrindo com malícia e passando a língua na cabeça.Gemeu baixo,na mesma hora seu lubrificante saiu da ponta.

Lambeu o líquido e o engoliu,erguendo os olhos lindos para ele.O homem sorriu,mas então desceu a cabeça e engoliu seu pau com tudo.Soltou um palavrão,pois se enterrou até o fundo de sua garganta.Abraçou seus quadris e mamou gostoso,forte,enquanto ele agarrava seus cabelos e se deliciava com a chupada esfomeada.

Itziar não queria o torturar,queria o levar à loucura.E conseguira.Moveu a boca para cima e para baixo em todo comprimento,apertava suas bolas,o deixando alucinado.

– Pare...Deixa eu te comer direitinho...Querida_Falou rouco.

Tirou os lábios e olhou-o, excitada.

– Depois.Agora quero que goze na minha boca.

– Porra...

Perdeu o controle de vez.Agarrou seu cabelo, bruto,forçando-a chupar forte.

Forçando,não,era o que ela fazia.Sugou tudo, até não restar nada.Puxou a cabeça,respirando e voltando de novo,mamando,babando seu pau inteiro.

– Isso,me chupa...

E ela chupou.Jogando a cabeça para trás e fechando os olhos,arrebatado,tanto prazer como aquele acabando consigo.Esporrou forte na língua,enchendo sua boca de esperma quente e ela engoliu,se lambuzou,lambeu,sugou.Gemeu alto,grunhiu rouco,até esvair todo,com o coração alucinado.Só então Itziar parou e o olhou,largando seu pau.Sorriu sensualmente.

Deslizou para dentro da água e ele a puxou sobre si,beijando sua boca.E ela acariciou seu cabelo e murmurou contra seus lábios:

– Estou com sono.

– Descansa um pouquinho._Álvaro oferece seu peito e seu corpo para ela dormir e assim ela faz.Fecha seus olhos e deixa a respiração ofegante passar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...