1. Spirit Fanfics >
  2. Um Final Um Pouco Diferente... >
  3. Popotão Grandão

História Um Final Um Pouco Diferente... - Capítulo 1


Escrita por:


Notas do Autor


Tipo, eu sei que provavelmente ninguém vai entender o que caralhas tá acontecendo, mas eu quero estrear esta minha nova conta com uma fic super deprimente que eu tenho certeza de que muita gente vai se arrepender de ler!

É isso! Sejam felizes! :3

Capítulo 1 - Popotão Grandão


Fanfic / Fanfiction Um Final Um Pouco Diferente... - Capítulo 1 - Popotão Grandão

Por fim, os Crusaders se encontravam próximos de Dio. Depois de enfrentarem todos os seus capangas ao longo da sua longa jornada e de terem lidado com outros diversos problemas, era a hora de acabar com aquilo!

Polnareff foi o primeiro a subir os degraus da longa escadaria que levava ao quarto em que Dio se encontrava.

Com muita determinação, Polnareff subia, de peito aberto, preparado para invocar Silver Chariot a qualquer momento que o vampiro surgisse, o que não tardou a ocorrer. No topo da escadaria, Dio se encontrava posto de pé, virado de costas, imerso em sombras densas e sinistras, compostas de uma malícia congelante.

-Dio!- Polnareff rangeu os dentes, fechando as mãos em punho ao ouvir uma risada debochada sair dos lábios pálidos e carnudos daquela figura perfeita e maldosa.

-Polnareff...- Dio pronunciou o nome do francês de forma lenta e prazerosa, como se já estivesse saboreando o sangue do platinado. Se virou um pouco para o mesmo.- Então, vocês finalmente chegaram, huh!- Dio batucou os dedos nos próprios braços musculosos, exibindo um sorriso desdenhoso.- Deixe-me lhe dar um conselho, Jean Pierre Polnareff- Seu tom de repente se tornou grave. Ele descruzou os braços, e substituiu a expressão sarcástica por um rosto impassível.-, se você e seus companheiros prezam por suas vidas, rendam-se, e aceitem o seu inevitável destino de me servir!

-Nós não temos medo de você Dio!- Polnareff respondeu firmemente!

-Ho! Pois então, venham me pegar!- Dio abriu seus braços como um santo católico e começou a planar.- Eu tenho uma surpresa especial para TODOS vocês!

E dito isso, desapareceu nas sombras, deixando Polnareff sozinho.

O restante dos Crusaders vieram, ficando logo atrás do francês, que contou para os amigos o ocorrido.

-Pois bem, o que devemos fazer?- Kakyoin perguntou, guardando os seus óculos escuros super estilosos.

-Faremos o óbvio: vamos pegar aquele filho da puta!- Joseph ditou, fazendo todos os outros acenarem em concordância.

-Mas vamos ser cuidadosos. Nós ainda não sabemos do que Dio é capaz.- Avdol alertou, tendo o seu conselho automaticamente acatado pelos outros.

E assim, eles subiram as escadas em uma fila indiana, cuidando uns dos outros para o caso de haver alguma armadilha durante o trajeto.

Alcançaram o topo, que era composto de uma única porta que levava até a sala em que Dio estava.

Era agora ou nunca! Os 6 entraram de uma vez, sem hesitar!

Eles foram cobertos por sombras expessas, e tudo o que ouviram foi o baque pesado da velha porta de madeira batendo e, em seguida, sendo trancada. A risada maléfica de Dio ecoou pelo cômodo, deixando os Crusaders em alerta.

-Dio seu covarde, apareça!

-Eu avisei seus vermes miseráveis! Se vocês não se ajoelharem aos meus pés e jurarem lealdade à mim, vocês sofrerão!- Dio ria de puro deleite.

-Nos dê tudo o que você tem, Dio!- Joseph o confrontou, gesticulando o braço em um desafio mudo.

Eles invocaram os seus stands, se preparando para o pior, cada um imaginando um ataque diferente que poderiam receber do vampiro, mas ao invés disso, tudo o que eles receberam foi um silêncio frio e esmagador, que os deixava temerosos.

Uma chama arroxeada brilhou no meio da sala, se dividiu em várias pequenas chamas, que se espalharam pelo cômodo. Os Crusaders deram um longo passo para trás, se agrupando em uma posição defensiva. Então as chamas brilharam com mais força e aumentaram de tamanho, exibindo a cena mais bizarra que os mesmo tiveram o desprazer de apreciar em suas vidas.

Dio se encontrava no meio do cômodo, virado de costas para eles, e tudo o que o vampiro trajava era uma lingerie preta colada e salto-altos da mesma cor. Uma música sensual começou a tocar ao fundo. Dio se virou, lambendo os lábios tingidos de verde de forma provocativa, deixando os Crusaders desnorteados. Dio deu um sorriso satisfieto ao perceber o que causou aos seus inimigos, e já estava pronto para prosseguir com o seu "plano diabólico". Dio se agarrou a um bastão de metal que estava preso entre o chão e o teto, e começou a dar voltas pelo mesmo, girando feito uma modelo sexy. Quando se sentiu satisfeito, subiu na barra, e começou a rodar, raspando seus braços e coxas no metal frio. Seu ritmo era lento e erótico, e ele dava leves reboladas de encontro com a barra, como se estivesse quicando em um rola. Abriu as pernas, deixando a sua perna direita para cima e a esquerda apoiada no chão, esfregou o seu pau avantajado na barra, que ganhava vida pouco a pouco com a fricção e com o clima, e deu uma longo lambida na barra para finalizar a sua clara provocação, e se jogou no chão de uma vez, rebolando a bunda gorda e malhada. E tudo isso sem retirar os olhos carmesins de cima dos Crusaders.

Avdol enventualmente parou de pensar. Polnareff se segurou para não vomitar. Kakyoin estava tão vermelho quanto suas madeixas ruivas pelo embaraço que sentia, se arrependendo por alguns instantes de sua visão ter sido curada. Joseph ficou tão chocado que não conseguiu gritar "OH MY GOD!". Jotaro deu alguns passos para trás, amedrontado pela cena então presenciada. Iggy não achava nada, porque como ele é um cachorro, ele não compreende a "seduzência" humana, então ele só ficou com uma fucking poker face, questionando o "ataque" de Dio.

Dio se ergueu lentamente, fazendo questão de deixar a bunda bem empinada, esfregou uma das bandas com força e deu um tapa forte na mesma, mordendo os lábios.

-Quem quer provar primeiro?

Ninguém precisou responder.

Jotaro invocou Star Platinum e esmurrou Dio até a morte. Depois disso, os Crusaders queimaram o corpo do Dio com o auxílio da luz do sol, apenas o chutando para fora da janela do quarto, já que ninguém tava afim de por as mãos nele, então eles retornaram para o Japão, com o único objetivo de serem recebidos por todo o amor e compreensão de Holly, porque eles até podiam estar vivos, mas a suas sanidades e estados pacíficos de espírito se perderam.


Notas Finais


TCHARÃÃÃN!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...