História Um futuro sombrio - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mega Man
Tags Complemento, Drama, Mega Man X, Revelaçoes
Visualizações 17
Palavras 1.424
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Sci-Fi, Seinen, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Fala molecada, eu sei que demorei, mas tenho três estórias, dá um desconto, e no capítulo de hoje continuamos relatando fatos importantes sobre o futuro de Hilbert e como esses fatos vão afetar eventos futuros.
Espero que gostem.
Boa leitura.

Capítulo 2 - A recuperação de Alia e a decisão de Zero


Zero acordo numa cama de hospital, ao olhar ao redor se encontrar com uma enfermeira chamada Helena:

Helena: Ainda bem que acordou Zero.

Zero: Helena! Onde estou?

Helena: Alguns hunters foram enviados por Signas para convencer você e Zero de retornarem para a base, todavia quando chegaram encontraram X morto e você estava quase sem vida, então eles recuperaram o cadáver de X e trouxeram você para cá.

Zero ficou refletindo por um tempo, até escutar passos vindos em sua direção, então alguém pega na mão dele e escuta uma vozinha:

Ginger: Papai.

O loiro olha para o lado e ver sua esposa e sua filha adotiva:

Íris: Já sabemos o que aconteceu com o X.

Ginger: Estávamos preocupadas com o senhor, pois você ficou desacordado durante dois dias.

Zero: Depois dias!

Íris: O que Ginger falou é verdade.

Zero: Eu estava tão mal quando cheguei?

Íris: Acredite estava, com o corpo todo ferido e sangrando muito.

Zero fechou os olhos por um instante e durante esses momentos pensou para si mesmo:

Zero: X morreu, surgiu uma nova ameaça, eu quase morri e agora não sei o que vou fazer. (pensou o loiro)

Então o caçador se lembra de Alia e antes de perguntar sobre ela, Íris se antecipou e já foi dando a resposta:

Íris: Alia está extremamente inconsolável.

Zero: Eu posso entender ela, afinal perdeu o namorado, que por sinal era meu irmão.

Íris: As coisas são muito piores do que pode imaginar.

Zero: O que aconteceu?

Íris: Quando Alia soube da morte de X, quase teve desmaiou e derramou muitas lágrimas, mas o pior veio depois quando ela desmaiou, levamos ela até aqui na enfermaria e o médico falou que a gravidez dela é de risco.

Zero: Meu Deus do céu!

Íris: E do jeito que as coisas estão se encaminhando, tudo promete ficar mais crítica a situação dela.

Zero: Só espero que tudo fique bem com minha cunhada.

O loiro fechou os olhos novamente e Íris pediu para Ginger sair do quarto, a morena deu um beijo na testa do marido e também saiu do local, enquanto isso Zero pensou:

Zero: O que falta ainda acontecer? (pensou)

Já haviam se passado um mês e meio depois do aparecimento dos cybers humanos, desde então eles começaram a destruir cidade após cidade, ninguém era capaz de para lós, o único que seria oponente para eles era Zero, porém o loiro estava muito ferido, mesmo assim ele ainda teimava em voltar a treinar, mas seu corpo ainda não recuperado complicava as coisas para o lado dele.

Para se ter uma noção de como a situação ficava pior a cada dia, Alia havia perdido seu filho um mês depois da morte de X e isso quebrou o psicológico da loira por completo. Mesmo com o apoio da família e amigos, ela continuou sofrendo por tudo o que aconteceu.

O que mais irritava Alia era o fato de não poder buscar vingança tão cedo contra os cybers humanos tão cedo, pois ela não estava no mesmo nível deles, a única forma de alcança lós seria se ela conseguisse o Ultra Reploid, mas no estado atual dela, treinar era a última coisa em que iria pensar.

Todos os dias chegavam notícias de mais caos e mortes geradas por causa da dupla de cyber humanos, isso era como uma sessão de tortura para Zero e Alia, afinal eles não podiam fazer nada pelo momento. Mesmo assim o loiro estava focado em destruir os assassinos de seu irmão, independente se ele estivesse muito ferido devido ao primeiro encontro com os dois vilões.

Finalmente se completou dois meses depois da primeira aparição dos cybers humanos e Alia junto de alguns hunters foram mandados para uma cidade, com fim de resgatar os sobreviventes.

Industrial City:

Alia andava pelos escombros e via muitas pessoas e reploids mortos pela rua, àquilo era quase como ter uma visão do inferno:

Alia: Eu fico imaginado qual o tamanho da crueldade desses dois marvericks. (pensou a loira)

Então ela começou a escutar um choro, ela caminhou na direção do som e viu que ele sai de debaixo de alguns escombros. Sem rodeios ela retirar um grande pedaço de concreto daqueles destroços e ver uma visão horripilante.

Tratava-se de um reploid masculino que estava abraçado a um bebezinho, o pequeno chorava descontroladamente e o seu responsável não se mexia. A loira mexeu o corpo do reploid, porém como não obteve resposta ela pensou na única possível:

Alia: Ele morreu! (pensou)

Ela então voltou seu olhar para o bebezinho e vendo que ele continuava com vida, o retirou dos braços do homem:

Alia: É tão triste isso, um pai morto e sua filha sozinha no mundo.

Ela então reparou melhor e viu que o bebê na verdade era uma menina de apenas quatro meses de vida:

Alia: Você não tem mais ninguém nesse mundo né?

Retornando para a base a loiro levou a bebezinha até a enfermaria improvisada e procurou saber se ela estava em perfeita saúde. De acordo com os médicos, ela estava bem, talvez um pouco assustada e faminta, não era para menos, ela e seu responsável poderiam ter passado um bom tempo embaixo daqueles escombros.

Alia pensou um pouco e resolveu adotar aquela bebezinha, a nomeou com o nome de Andrey. Nisso a loira conseguiu aos poucos esquecer o sofrimento que passou com a perda de seu futuro filho, ela agora tinha um consolo, mas ela também iria ser a mão dessa menina que perdeu seus pais para os assassinos de X, ambas iriam precisar uma da outra nos próximos anos.

Poucos dias mais tarde, Zero tinha acabado seu treinamento da tarde, quando retornou para o quarto que compartilhava com Íris e Ginger, ele ficou sabendo através de outro Hunter sobre um ataque dos cybers humanos num local não muito distante da base:

Zero: Essa é minha chance! (pensou o caçador vermelho)

Ele imediatamente correu para o local, mas antes de sair da base, ele foi neutralizado por Ginger:

Ginger: Aonde o senhor vai papai?

Zero não iria esconder o que iria fazer, pois se mentisse estaria levantando falsas esperanças de regressar com vida:

Zero: Eu vou ir atrás dos cybers humanos.

Ginger: NÃO FAÇA ISSO!

A pequena abraçou com força a perna do pai adotivo, ele não podia negar está triste com o que via, mas ele precisava colocar um fim em tudo o que estavam passando, mesmo que para isso tenha que arriscar sua própria vida novamente:

Zero: Eu preciso acabar com isso Ginger, eu posso deixar que os assassinos do seu tio fiquem impunes, preciso ir atrás deles, colocar um fim no nosso tormento e vingar aqueles que mataram tantas vidas inocentes.

Ginger: Mas...

Zero: Eu prometo que vou voltar de uma forma ou de outra para você e para sua mãe.

O loiro pegou a filha no colo e olhou nos olhos delas:

Zero: Você confia no papai?

Ginger: S...Sim.

O loiro deu um beijo na bochecha da filha e depois a colocou no chão, ele voltou a correr, mas poucos metros depois, olhou para a pequena uma última vez, então deu um sorriso amoroso e em seguida foi em direção de seus adversários:

Ginger: Boa sorte.

Minutos mais tarde, Zero chegou numa pequena vila perto de um rio. O local estava todo destruído, com vários corpos espalhados pelo chão, envoltos em poças de sangue:

Zero: Isso acaba hoje.

Então o caçador escutou passos atrás dele e ao se virar reparou que Ripley caminha em direção dele:

Ripley: Olha só quem está aqui!

Zero: Onde está seu amigo?

Ripley: O Duma está meio ocupado com os últimos membros dessa vila.

O caçador vermelho se transformou em Ultra Reploid e em seguinte com os olhos cheios de fúria falou:

Zero: Já que esse é o caso, acho melhor destruir você primeiro e depois ir atrás de Duma.

Ripley: Tente me matar se puder.

Enquanto isso na base dos hunters:

Íris: Zero fez o que?!

Ginger: A senhora não escutou errado.

Íris: Ele por acaso deseja se matar, pois não é possível que não tenha percebido que não pode ir enfrentar os cybers humanos agora.

A morena caminhou de um lado do outro do quarto enquanto refletia:

Íris: Zero ainda está machucado e não será capaz de fazer frente a um dos cybers humanos, imagina dois.

Então ela parou abruptamente e se virou para a filha:

Íris: Vou deixar você e Hilbert com Alia.

Ginger: Por que mama?

Íris: Eu e seu tio Colonel vamos atrás do seu pai cabeça dura.

CONTINUA


Notas Finais


A batalha de Zero contra os Cybers humanos será relatado no próximo capítulo, quem acompanha MMXND já sabe o que deve se suceder. Mesmo assim tem muita coisa que o Hilbert não falou na minha outra que eu foi mostrar.
Se possível comentem e até logo meu povo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...