1. Spirit Fanfics >
  2. Um Gangster Em Minha Vida 3 >
  3. Capítulo 12

História Um Gangster Em Minha Vida 3 - Capítulo 12


Escrita por:


Notas do Autor


Boa Leitura ❤❤❤

Capítulo 12 - Capítulo 12


Fanfic / Fanfiction Um Gangster Em Minha Vida 3 - Capítulo 12 - Capítulo 12

Zayn on:

E mais um corpo pra pilha a minha frente. Já estava todo sujo de sangue de tanto dar porrada nesses idiotas que achei pelo caminho. Todos eles fazem parte desse tráfico mais nenhum quis abrir a boca sobre em qual deles minha filha está. Passei a mão por baixo do queixo e fui até a pequena vasilha com água onde lavei as mãos, uma água que não adiantava porra nenhuma já que estava toda vermelha das vezes que vim lavando. Suspirei alto e fui até a janela onde acendi um cigarro pra ver se clareava mais minhas ideias. Já fui em vários locais só essa madrugada, daqui a pouco mais um dia amanhece e eu não consegui nada sobre o paradeiro da Zoey. Mas calma Zayn, você ainda tem muitos dias pela frente é só não dar PT agora, mantenha calma e mente fria, frieza é oque mais precisa agora.

-Zayn?- Me virei ao ouvir a voz do Louis, assenti com a cabeça o autorizando a continuar.- Encontramos mais 5 locais de prostituição e Streep, além de compra de drogas e entorpecentes, esses lugares também traficam pessoas de outros países até pra venda em leilões.

-Ja foram averiguar?- Ele assentiu.

-Ja, Niall, Liam e Nathan fora um em cada uma e eu vim aqui pra nós dois irmos nas outras duas que sobraram.- Assenti soprando a fumaça pra cima.

-Vamos nessa então.- Caminhei até ele e nós seguimos pra saida do barracão passando pela pilha de corpos humanos. Louis fez uma careta ao olhar pro monte de sangrento que havia ali.

-Cara, é bom limpar essa sujeira, não quero que sejamos os culpados pela poluição do planeta.- Disse ele num tom revoltado oque me fez soltar uma risada enquanto fechava as correntes do barracão.- Aliás, já tem poluição demais, só esse cheiro aí dá pra confundir com um lixão interplanetário de animais mortos.

-Tommo fecha o bico, quando chegarmos você limpa tudo isso.- Falei passando por ele que me olhava indignado.

-Que? Acha mesmo que vou tocar naqueles restos mortais?- Parei e o encarei por alguns segundos fazendo o mesmo arregalar os olhos e pigarrear em seguida.- ...hãm... devo queimar ou...

Não consegui manter a risada e segui pro carro ouvindo o mesmo atrás de mim dando opções do que ele podia fazer com a pilha do corpos dentro do barracão. 

Pra quem não queria, até que tá interessado né?

(...)

Leonard on:

As horas iam se passando e eu olhava pra vista a minha frente de toda a cidade. Eu e a miúda(como decidi chama-la agora por causa do seu tamanho) ficamos conversando sobre coisas aleatórias durante a madrugada, ela realmente achou que eu poderia fazer algum mal a ela mais depois dessa conversa ela relaxou mais. No começo ficou meio incomodada, não falava muito e mal me olhava nos olhos, mais aí tive a brilhante ideia de chama-la pra uma partida de sinuca, sem querer acabei acertando seu jogo predileto, até o desenho de uma flor ela desenhou com uma canetinha rosa permanente na bolinha branca.  Sorri lembrando de cada sorriso que a mesma dava quando ganhava uma partida de mim, ela ficava linda sorrindo.

-Me deve um cappuccino se contar oque tanto pensa.- Ouvi a voz dela atrás de mim me tirando dos meus devaneios. Sorri e bebi mais um gole do suco de limão que eu tomava, na verdade ela me fez tomar isso.

Na moral mano, eu prefiro Jack Daniels.

-To pensando em meu trabalho, daqui a 2 hrs terei que voltar pra Vision.- Falei desanimado.

-Não gosta muito de lá não é?- Disse ela sentando a minha frente.

-Eu preferia que meu pai não tivesse feito tantos lugares como esse.

-Seu pai?- Assenti e a encarei.- Seu pai é dono disso tudo?

-Infelizmente é.- Ela desviou o olhar do meu e logo vi a tensão que se formou ao seu redor. Que merda! - Ei calma, nao fica assim, deixe eu te explicar.

-Como me pede calma?- Disse ela saindo da janela nervosa, eu fiz a mesma coisa.- Seu pai é o dono disso tudo aqui Leonard, aí meu deus...aí meu deus eu entendi tudo agora.

-Tudo oque?- Perguntei confuso.

-Voce tá se fazendo de bonzinho pra que eu confie em você e faça oque vocês querem, oh céus, foi seu pai que mandou me trazer aqui não foi? É ele que me quer não é?- Perguntava ela já com a voz falha andando pra cima e pra baixo.

-Não, claro que não, a não ser que um morto tenha como mandar fax do inferno.- Falei me enconstando na mesa de jantar enquanto bebericava o suco em minha mão. Ela parou de andar e me encarou de testa franzida.

-Morto?- Assenti distraidamente olhando pro suco que era verde claro e agora parece que virou água de tão transparente, que coisa estranha.- Seu pai está morto?

-Sim está, ou quem sabe ele tenha reencarnado no corpo da Beatriz e tenha mandando te sequestrar - Falei pensativo recebendo um tapa no braço da mesma.- Aí miúda, sua mão é pequena mais dói.

-Zoey, meu nome é Zoey não miúda, e para com isso, sou pequena mais não tanto.-Disse ela respirando fundo.- Você...você também é dono de todas as filiais da Vision então?- Perguntou ela mais calma e eu assenti.

-Só porque sou filho dele, mais eu abri mão de todas elas e dei tudo a Beatriz.- Falei pra mesma que apenas me ouvia.- Eu pedi pra que me deixasse ir embora do país mais nem isso ela fez por mim.

-Ue, mais você é maior de idade, tem poder sobre sua vida.

-Não é bem assim Miúda.-Ela revirou os olhos ao ouvir o apelido novamente e eu ri por dentro. Passei por ela me encostando na parede que dava acesso a escada.- Sou herdeiro de um mafioso assim como você, eu nasci e cresci aqui na Vision, a Beatriz me criou como um bandido, e por eu ser filho de um, ela acha que eu indo embora posso me reerguer fora daqui e crescer mais que ela, então ela criou um pacto de sangue entre todos nós criando os sombras.

-Pacto?- Assenti e ela se sentou no sofá a minha frente.- Pode falar sobre esse pacto ou é proibido pra vocês?

-Proibido é, ela já deixou bem claro que isso nao poderia sair da SV, mais tem só eu e você aqui, não se preocupe quanto a isso.- Respondi e logo a mesma se levantou parando bem em minha frente de uma forma que me assustou um pouco pela aproximação repetina.

-Se é proibido tocar nesse assunto então não precisa falar, pode valer sua vida não é?- Eu apenas a encarava enquanto memorizava cada gesto que ela fazia ao falar. Seus olhos se mantinham firmes enquanto suas sobrancelhas se franziam algumas vezes. Sua boca formava um biquinho e as vezes ela abria os lábios e os fechava novamente, notei que faz isso todas as vezes que está nervosa com algo ou anciosa. Ah, também tem esses gestos que ela está fazendo agora com as mãos enquanto anda de um lado a outro em minha frente. Uma mão na cintura e a outra chacoalhando no ar, ela está nervosa agora, mas.... oque ela tanto tá falando? -...isso já aconteceu com você?

-Hã? Se já aconteceu comigo?- Ela assentiu e como eu não entendi nada confirmei com a cabeça meio aéreo.

-Ai meu deus Leonard, eu não fazia ideia disso, olha, eu prometo não tocar nesse assunto delicado tá?- Disse ela acariciando meu braço. 

Pera...ela tá com pena?

Pena de quê?

-Oque você me perguntou mesmo?- Perguntei a ela que me olhou normalmente.- É que eu quero ter certeza se te respondi corretamente sabe.- Falei com o copo na mão de frente a ela. (capa do capítulo)

-Ta, eu perguntei se você havia sido violado por alguns do sombras quando mais novo por contar desse pacto a alguém, e você disse que sim então...- Cuspi o líquido da minha boca na mesma hora enquanto uma crise de tosse me atacou. Ela se assustou e começou a bater em minhas costas.

-Ai meu deus, respira...respira.- Dizia ela até que após alguns segundos eu me acalmei e a olhei indignado.-Tudo bem?

-Não!- Falei ainda indignado.- Eu nunca fui...fui...vio....vi...Aah isso aí que você falou, nunca na minha vida, eu sou homem caralho.

-Ta mais você disse...

-Eu não ouvi oque me perguntou míuda, estava muito ocupado vendo como você fica linda nervosa e nem prestei atenção no que dizia.- Falei e vi a cara de surpresa dela. Porra, eu e minha boca grande. Puta que pariu Leonard olha essa boca.- Er...eu preciso ir pra Vision.- Falei após pigarrear.

-Mas era só daqui a duas horas.- Disse ela com a mordendo o lábio inferior meio sem graça e envergonhada.

-Mas é melhor ir mais cedo, assim eu volto mais cedo pra ca, e aliás a senhorita tem que ir lá pro saguão se juntar com as meninas as 8.- Passei por ela indo até o quarto mas a mesma segurou meu braço aproximando agente novamente.

- Desculpa se te chateei quando disse sobre você ter sido viola...- A-interrompi na mesma hora.

-Esquece...essa palavra! É estranho e...nojento.- Acho que falei algo engraçado pois a mesma começou a rir do nada.- Qual é a graça?

-É que...que eu imaginei isso acontendo com voce, me desculpa foi mais forte que eu.- Dizia ela tentando falar e rir ao mesmo tempo.- Imaginei você andando de perninha aberta, tipo assim óh.- Começou a andar na direção contrária a mim com as pernas abertas. Eu semicerrei os olhos.

-Ha Há que engraçado, muito engraçadinha você.- Falei e entrei na cozinha ouvindo sua gargalhada alta da sala. Soltei uma risada fraca ao chegar no comodo onde peguei meu celular.

 Ai ai miúda.

 Sai dali e a vi no sofá vendo TV. A mesma me olhou e antes que começasse a rir novamente eu apontei pra ela.

-Xiu, esquece esse negócio mulher.- Falei e ao ver a mesma segurando a risada eu também não aguentei e comecei a rir junto com ela.- Aaah eu desisto, desisto.

-Me deve um cappuccino senhor Rogers.- Disse ela apontando pra mim que levantei minhas mãos em forma de rendição.

- Terá seu cappuccino senhorita Malik.- Falei e subi as escadas pro meu quarto. 

No banho, eu pensei nessa minha rotina de agora e vi que ter a Miúda como companhia todas as noites durante esses 30 dias, não vai ser tão ruim, aliás, quando a mesma voltar na noite de amanhã eu vou conversar seriamente com ela sobre como iremos agir diante de todos da Vision.

Vesti aquela porra daquela roupa novamente e desci as escadas vendo que o dia já amanhecia. Miúda estava deitada no sofá. 

-Miuda, eu tô indo pra Vision, você...- Cheguei perto dela e a vi dormindo agarrada com a almofada.  Me abaixei e retirei uma mecha do seu cabelo que estava sobre seu rosto. Sorri já me xingando por dentro por estar gostando disso a cada minuto que passa. Tenho que faze-la confiar totalmente em mim, sei que não confia ainda, ela apenas está tentando se sentir a vontade comigo.

Me levantei e a peguei no colo levando a mesma pro meu quarto. Ao deita-la, cobri a mesma com meu cobertor e a observei por alguns segundos.

-É miúda, você até que é uma garota legal...e linda também.

Essa garota tá mexendo muito comigo, e isso tá começando a me assustar.




Notas Finais


Até o próximo capítulo ❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...