História Um híbrido (Não) tão feliz (Sekaiyeol) - Capítulo 4


Postado
Categorias EXO
Personagens Chanyeol, Chen, Kai, Sehun, Xiumin
Visualizações 37
Palavras 1.222
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Fluffy, Hentai, Lemon, LGBT, Luta, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi pessoas lindas do meu kokorooooo.... Olha eu aq com nais uma att... EEEEEEEE👄👄👄 kkkkkk parei.

É isso, espero que gostem do cap de hj. É só a historia de como o Nini se tornou um hibrido.

Aqui é a ArmyFofahExo-L

Boa leitura Mochis💖💖

Capítulo 4 - A história de Jongin


Fanfic / Fanfiction Um híbrido (Não) tão feliz (Sekaiyeol) - Capítulo 4 - A história de Jongin

A historia de como Kim Jongin se tornou um hibrido não é nada bonita e fofinha, como muitos por ai podem imaginar que Jongin nasceu assim, na verdade, a historia de como Jongin se tornou um híbrido é um pouco perturbadora.


Vou lhes contar como tudo começou.


Em 2001, foi no exato dia 16 do mês de Maio, que o pesadelo de Jongin começou, o pesadelo que passou nas mãos de Jay Park, o homem que destruíu sua vida, em todos os sentidos.



 Antes de tudo, Jongin era um garotinho muito doce com as pessoas e animais, o garotinho tinha uma beleza descomunal para uma pessoa de apenas quatro anos de idade, tinha cabelos castanhos, bochechas salientes, olhinhos acastanhados e uma linda e macia pele amorenada.


Jongin voltava de sua escolinha junto com a sua mãe, a mulher não era muito boa, sempre queria o mal das pessoas, nunca estava realmente satisfeita com o que tinha, apesar de possuir uma fortuna em milhões e milhões de wons.


E a senhora Kim, uma mulher muito bonita e elegante, sempre vestida com os mais belos e caros vestidos e jóias, não gostava do filho que tinha, ela sempre fez questão de jogar na cara de Jongin que ele era um erro, que ele foi fruto de uma gravidez indesejada, fruto de estupro. 


O pequeno chorava todas as noites, lembrando das palavras da mãe, mas no dia seguinte, dizia que amava a mesma, como se nada tivesse acontecido, pois o Kim, apesar dos defeitos e grosseria da mãe, amava a mulher mais que tudo em sua vida.


Na noite que sua mãe contou para si que estava noiva de um homem muito rico, chamado Park Bogum, Jongin realmente achou que teria alguem para brincar com sigo, além de sua avó.


Mas Park Bogum era igualzinho a sua mãe, em versão masculina, era um homem frio e arrogante, apesar de ser o homem mais bonito que Jongin já viu em sua vida.


O garotinho não sabe como Park Bogum conseguiu convencer sua mãe de o vender para um cientista maluco,  mas conseguiu.


Jongin lembra até hoje da cena que eles, os três, sua mãe, que se chamava Thalisa, mas todos a chamavam de Lalisa, seu padrasto Bogum, e ele, jantavam calmamente na enorme mesa de mármore escuro, na sala de jantar da mansão onde viviam, quando a empregada chegou dizendo "Senhora, ele chegou." e se retirou da sala, olhou para sua mãe e a mesma não se importou em abrir um sorriso que mais parecia o de uma psicopata, o Kim mais novo se assustou um pouco, mas nada perguntou.


Um homem que com toda certeza era bem mais novo que sua mãe, musculoso e alto, entrou na sala de jantar.


Sua mãe o comprimentou com um aperto de mão, e Bogum repetiu o ato. O pequeno só observava a sena se desenrolar a sua frente, foi tudo muito rápido, viu sua mãe recebendo um envelope, que certamente continha algumas notas de wons dentro. Sua mãe apontou para sí, e o homem se aproximou e o avaliou de cima a baixo, o que deixou a criança um pouco assustada, e o homem pegou o menino a força o arrastando para fora de casa.


Já no jardim, sua mãe e seu padrasto se beijavam intensamente enquanto o homem o arrastava para dentro de um carro vermelho, que o menino não fez questão de saber o modelo, pois estava mais preocupado em gritar para sua mãe o ajudar, coisa que não veio. 


Ele só ouviu uma coisa antes de ser jogado com certa força dentro do carro, e essa coisa veio de sua mãe, ela falou em um tem alegre "Conseguimos nos livrar dele.", aquilo doeu muito no pequeno que chorou desesperadamente para que sua mãe o ajudasse. Mas não ajudou.

 

O homem dirigiu por longas horas, enquanto o menor chorava e o mais velho gritava com o pequeno.


Depois o tal homem dirigiu até uma área afastada da cidade, onde se encontrava um laboratório cientifico, e lá Jongin descobriu que o nome do homem era Jay Park, um cientista muito procurado pela policia coreana, acusado de torturar e fazer esperimentos muito doentios com as pessoas.


Jongin passou  um longo tempo, dez anos para ser mais exato, com Jay Park, isolado das pessoas, com um Jay todo esse tempo, removendo amostras de sangue do moreno, o torturando para testar seus limites, foi quando Jay viu em um noticiário que cientistas americanos estavam testando DNA de animais em pessoas, e teve a "Brilhante" ideia de pegar amostras de DNA de gatos e injetar em Jongin, esse procedimento causou muitos danos físicos, quanto psicológicos no pequeno Kim, que ficou com problemas de respiração e uma anemia fortíssima.


Depois de uma semana de sofrimento extremo, sem comer e beber apenas um copo de água por dia, o Kim sentiu algo rasgano aos poucos os dois lados superiores de sua cabeça e  algo rasgando um pouco acima de seu ânus, oque causou uma dor infernal, oque fez o garoto de quatorze anos desmaiar de fraqueza e dor.



                        [...]




Jongin só acordou uma semana depois, sentia muitas dores pelo corpo, havia vários hematomas pelo seu corpo magro. Estava em um ambiente diferente do habitual. Estava em um hospital. Se assustou quando sentiu orelhinhas e calda felpudos em seu corpo pequeno.


Médicos estavam ao seu redor, perguntando se ele estava bem, afirmando que ele agora era um hibrido de gato, que agora entraria no cio e poderia engravidar, ficou assustado,  claro,  com tantas informações, quem não ficaria? Mais esse susto passou quando, surpreendentemente, viu sua mãe ali, ela chorava e dizia estava arrependida de tudo, disse que ela era culpada de tudo oque seu filho passou, que não conseguia nem imaginar as coisas pela qual seu filho viveu,  falou que Bogum havia se arrependido. Agora a mulher antes loira, estava ruiva.


Sua mãe chorava desesperadamente pedindo perdão,  Jongin chorou nos braços de sua mae, dizendo que a perdoava e perdoava Bogum também.


Depois de receber alta e sua sua mãe responder a Justiça pela venda ilegal de uma pessoa, eles finalmente voltaram para casa, Jongin estava usando cadeira de rodas temporariamente, por conta das vezes que Jay Park bateu em suas pernas com barras de ferro.



                       [...]




Pasaram-se dois anos, Jongin já havia voltado a estudar, por ser muito inteligente, sempre pulava os anos, com seus dezesseis anos,  já estava no segundo ano no ensino médio. Mas o moreno ia ao psicológico de dois em dois dias, para superar o trauma que passou e viveu nas mãos de Jay Park, e a depressão que ficou por sofrer preconceito por grande parte da sociedade por ser um híbrido, e foi nesses tempos que Park Bogum começou a tocar em lugares estremamente íntimos do garoto, quando Jongin estava lavando pratos, Bogum chegava por trás e começava a passar a mão em suas nádegas, não passava disso, mas era motivo o suficiente para o Kim se aprofundar mais ainda com a depressão.




                     [...]. 





Finalmente Jongin foi aceito em uma universidade de literatura. O hibrido já estava com seus vinte e cinco anos, mas com carinha de de dezeseis, ele era lindo.


Sua mãe, a medida que os anos iam passando, foi voltando a tratar Jongin com a friesa e desdém, nem ligava quando Bogum o assediava na frente dela, voltou a ser má e rancorosa, e, aos poucos, Jongin ficou frio e triste.... Mas isso iria mudar...










Notas Finais


oOOOOIIIIeeeEEEE GALERAAAAA.... Gente que capitulo mais triste não é? Eu quase chorei só de imaginar o nosso Nini passando por essas coisas, mas é isso, o cap foi curtinho pq eu to com muito sono. O capitulo ta revisado e obrigada mesmo pelos favoritos e comentários que vcs estão deixando a autora muito flz... Bjs e ate Quinta (ou Antes) bey bay💜💜✌😍


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...