História Um incubus no mundo humano - Capítulo 12


Escrita por: e Taetae1104

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin)
Tags Bangtan Boys, Bts, Jikook, Jimin, Jungkook, Namjin, Romance, Taegi
Visualizações 269
Palavras 1.474
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Comédia, Ecchi, Famí­lia, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, LGBT, Magia, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Briga feia


Já estava arrumado para sair, eu vou para a entrevista de emprego. Tae falou com o tal conhecido e ele disse que eu poderia ir lá falar com ele hoje. 

 

Passei pela sala e vi jungkook com uma cara amarrada, não me importo se ele estava com raiva, eu vou trabalhar e acabou. Quando ele me vê, ele se levanta e pega a chave do Carro em cima da mesa. Então ele vai sair também? Não dei importância e continuei seguindo para a porta de entrada da casa, e ele me seguia.

 

Saímos e ele trancou a porta. Eu já ia seguir meu rumo, andando em direção ao meu destino que o restaurante na qual não fazia ideia de como chegar, mas isso não interessa, eu não vou desistir e uma hora eu vou chegar lá. Comecei a andar mas fui interrompido por uma mão segurando meu braço, olho pra trás e jungkook me olhava irritado.

 

— você vai pra onde jimin?— será que ele é doido? Ele sabe muito bem que eu estou indo para a entrevista.

 

— obviamente vou para a entrevista de emprego— debocho dele e ele revira os olhos.

 

— isso eu sei, estou dizendo como você vai?

 

— então pergunte direito, eu vou a pé, ou você quer que eu vá voando?— ele parecia muito irritado por causa do meu tratamento com ele.

 

— você realmente quer me irritar mais do que eu já to irritado né— ele suspira— você com certeza vai se perder de novo se for sozinho para lá.

 

— é mas eu não posso fazer nada, vou ter que correr esse risco— me solto de sua mão que ainda estava no meu braço.— ah já sei, eu posso chamar meu querido amigo tae pra ele ir comigo— o provoco, era divertido vê ele com ciúmes.

 

— ah mas você não vai mesmo chamar ele— fala mais irritado ainda.

 

Ele segura meu braço e me arrasta pro carro, me joga no banco de passageiro e fecha a porta com força. Da a volta no carro e senta no banco de motorista. Era muito engraçado irritar ele, mas eu não iria demonstra isso, afinal ainda estou com raiva.

 

— oque você tá fazendo jungkook— falo indignado, já ia sair do carro mas ele segura mais uma vez meu braço.

 

— eu vou te levar e acabou, fiquei quietinho aí— coloca meu sinto e da a ignição do carro.

 

Não falei mas nada, nem ele. O caminho todo foi em silêncio.

 

[...]

 

Olhava a decoração do restaurante, ele não era tão grande, nem era chique mas era bonito. 

 

Jungkook me deixou e foi embora, ele disse que quando eu terminasse ligasse pra ele vir me buscar, mas eu sou rebelde e não vou fazer isso. Vou fazer ele se arrepender de ter brigado comigo.

 

Vi uma mulher de costas com um uniforme, ela provavelmente trabalhava aqui, resolvi ir falar com ela, para perguntar do dono do lugar.

 

Ela estava anotando alguma coisa no balcão, cheguei perto dela e toquei em seu ombro para chamar sua atenção, quando ela virou e eu pude ver seu rosto, não pude evitar de fazer uma careta, ela também faz. Era a garota metida do outro dia.

 

— oque faz aqui?— fala arrogante. Eu realmente não tenho sorte, vou ter que aturar essa garota, desse jeito vou acabar matando ela.

 

— não é da sua conta oque eu vim fazer aqui— ela fica irritada com oque eu disse— eu só quero saber onde está o dono daqui.

 

— eu também não tenho que te dizer— da um sorriso debochado e sai rebolando aquela bunda achatada, ela parecia uma tábua ambulante. Que vadia, ai que raiva.

 

Olhei ao redor mas eu não sabia como ele era, então não saberia quem era. Suspirei frustrado, que garota ridícula, nem pra me ajudar.

 

Senti alguém tocar no meu ombro, então me viro para vê quem era. Ele tinha um enorme sorriso e parecia ser simpático.

 

— você deve ser jimin né— eita, como esse desconhecido me conhece?

 

— sim... quem é você?— pergunto desconfiado.

 

— eu sou Jung Hoseok, taehyung me falou de você— continuava com seu sorriso, era tão radiante. Então ele era o dono daqui.

 

— ah prazer em conhecê-lo— me curvo, eu li que esse gesto mostrava respeito, então é bom fazê-lo para da a melhor impressão possível— e então eu posso trabalhar aqui?

 

— calma— da uma risada da minha impaciência— vamos pra minha sala, para podermos conversar melhor?

 

Eu assenti e ele pede para eu segui-lo. Adentramos em um corredor restrito para funcionários e fomos até a última sala. 

 

Era uma sala bem arejada, e tinha cores bem vividas como vermelho. Hoseok se sentou na cadeira em uma mesa e eu sento na cadeira de frente pra ele.

 

— então jimin— chama minha atenção— vamos começar a entrevista?

 

— estou pronto, pode começar.— ele sorri do meu nervosismo.

 

— porque você quer esse emprego?

 

— porque eu quero me divertir— assim que eu termino minha frase, ele começa a rir, eu nem falei nada de engraçado mas tudo bem.

 

— se divertir?— para mais a risada— você realmente é uma pessoa interessante.

 

— tá né... eu não falei nada de engraçado mas tudo bem.— ele ri mais um pouco e volta a fazer as perguntas.

 

— você tem experiência em algum outro lugar?

 

— nenhuma, na verdade nunca trabalhei— ele ri novamente, ele deve tá achando que eu sou um palhaço.

 

— eu to surpreso de você ter coragem de me falar essas coisas— fala brincando.— se fosse qualquer outro restaurante você já tinha sido rejeitado.

 

— então você vai fazer isso?

 

— era oque eu deveria fazer mas eu gostei de você— abre um sorriso— então vou te contratar.

 

— sério?!— fico feliz, ainda bem que deu certo— muito obrigado mesmo Hoseok.

 

— sério, pode me chamar de jhope, ou hobe, amanhã você já pode começar.— continua com seu sorriso.

 

Seguro suas mãos e ele da um pulo, acho que não esperava o contato. Pude sentir sua energia vital, era muito calorosa, era boa, mas a de jungkook é melhor.

 

— muito obrigado hobe, você não vai se arrepender de me contratar— solto suas mãos.

 

— eu espero mesmo— ele se levanta— você já pode ir, eu também já vou, tenho alguns compromissos.

 

— ah tá certo— me levanto também e estiro minha mão para ele apertar— mas uma vez obrigado, vamos nos dar bem.— sorrio

 

— de nada, com certeza vamos.— retribui o sorriso e aperta minha mão.

 

[...]

 

Hobe me ofereceu carona e só pra irritar jungkook, eu aceitei. Ele me acompanhou até a porta da frente da casa e antes que eu apertasse a campainha, jungkook abriu a porta e olhou feio para hobe. Jungkook e suas crises de ciúmes, ri no meu pensamento.

 

— olá, eu sou Jung Hoseok, prazer em conhecê-lo— hobe cumprimenta sorrindo jungkook.

 

— oi— fala seco e me olha— eu falei pra ligar pra mim quando terminasse não foi jimin? Para eu ir te buscar— ele tava irritado, esse era meu objetivo.

 

— foi mas o hobe me ofereceu carona, então aceitei— dei mais intensidade quando falei o apelido do meu chefe. Ele pareceu ficar mais irritado ainda.

 

— então eu já vou, até amanhã jimin— hobe fala meio sem graça, acho que ele percebeu o clima que se formava entre eu e jungkook.

 

— até hobe— mais uma vez intensifiquei o apelido, fui até meu chefe e dei um beijo em sua bochecha, só para provocar jungkook. Quando olhei pra ele, ele tava vermelho de raiva.

 

Só foi hobe ir embora que jungkook me puxa pra dentro de casa e me imprensa contra a parede.

 

— que porra foi essa Park Jimin?— fala irritado, me prendendo no meio de seus braços. Eu to me divertindo tanto.

 

— eu só estava me despedindo do meu chefe— me faço de inocente.

 

— então ele é o seu chefe...— falou mais pra ele do que pra mim— não precisava ser tão meloso pra se despedir dele.

 

— eu nem fui meloso, falei normal— continuava me fazendo de doido. Abro um sorriso sacana— que foi kookie, tá com ciúmes?

 

— claro que não— para de me imprensar na parede e se afasta— não seja ridículo, eu só acho que oque você fez foi muito vulgar.

 

— vulgar? Vulgar é o seu cu!— falo irritado.

 

— como é?!— fala indignado.

 

— isso mesmo que você ouviu.

 

Deixo ele lá com cara de cu e vou para meu quarto. Eu fiz aquilo para me divertir às custas dos ciúmes de jungkook, mas acabei me irritando por ele ter me chamado de vulgar. 

 

Já era a segunda vez que ele usava linguagens pejorativas comigo, eu deixei passar da primeira vez quando ele me chamou de pessoa atirada, mas dessa vez seria mais difícil para ele se redimir. Como ele pode falar essas coisas pra mim? Será que ele realmente me vê assim? Se for, eu realmente estou decepcionado com ele, parece que ele é só mais uma daquelas pessoas que me vê como um brinquedo sexual.


Notas Finais


Gostaram???


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...