História Um Infinito de Verão - Capítulo 25


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amizade, Amor, Drama, Novela, Romance, Traição
Visualizações 3
Palavras 2.189
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 10 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção Adolescente, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Heterossexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 25 - "Às vezes é um jogo sobre dar e receber."



Skylar

"2017. 20 de Outubro.
             Querido diário, sei que já faz um tempo desde a última vez... Eu estava feliz, acomodada e tudo parecia estar certo. Acho que acabei esquecendo que era a tristeza, de fato, que me fazia procurá-lo. Sinto muito. Sei que você foi meu único companheiro quando eu estava só, e sinto muito por agora, porque tudo está desmoronando e aqui estou eu. De novo.

Dylan e eu brigamos, eu o expulsei de casa porque, acredite ou não, ele mesmo disse amar outra mulher. A ex-namorada do irmão. O mesmo irmão que ele disse idolatrar um dia... Eu estou devastada de novo, Dylan era meu Porto Seguro, ele era meu protetor e achei que fôssemos inabaláveis, mas bastou uma mulher chegar e tudo se desfez, e sinto que não posso fazer nada.
Ele ligou na terça- feira, por cinco vezes. Eu não o atendi.

Quando cheguei no trabalho, Alayne já havia voltado ela percebeu como eu estava e perguntou o que tinha acontecido, acabei contando à ela, e acabei chorando. Na quarta-feira, Katherine veio em casa, conversamos um pouco, desabafei com ela, mas não quis contaminá-la com minha tristeza. Kat está feliz demais com sua nova vida. Casada com o homem que ama e futura mãe da filha dele. Será uma garotinha... Tratei logo de mudar o foco da conversa. É o momento mais feliz da vida dela e ela merece isso. Não vou deixar que meu desastre que eu chamo de vida a deixe para baixo. Passamos a noite toda cogitando nomes para a bebê. Chloe, Clair, Zoe, Alyah... Kat sugeriu Rose, mas eu detestei. Eu sugeri Hope, mas ela disse que era nome de velho, então desistimos. Ela foi embora depois da meia-noite e eu quase chorei de novo.
Na quinta-feira acabei saindo mais cedo do trabalho, Dylan deixou uma mensagem de voz logo cedo.

"Oi, Sky... Sou eu, você não atende minhas ligações, mas isso você sabe muito bem... Podemos conversar? Ou nos encontrar onde você quiser? Por favor... Somos uma família, nós dois... Isso não pode ficar assim. Apenas retorne minha ligação. Amo você. Sempre amei..."

Eu não retornei, ele ligou de novo à noite. Kat sugeriu que fizéssemos a Noite das Garotas. Então nos reunimos na lanchonete da minha mãe, todas as mulheres da família: Kendall, sua melhor amiga Karen (a ex do seu namorado), Leilah, Kat, mamãe e eu. Jake ficou com meu pai, Josh, Matt e Ed em casa, assistindo futebol. Na verdade foi bem legal. Tivemos Karaokê, bebemos e rimos bastante.

Ainda não contei para meus pais sobre Dylan e eu. Não tive coragem. O que eu iria falar? "Mamãe e papai, vou me divorciar. Desculpem, não me odeiam, mas é porque eu levei um belo par de chifres." . Apenas comentei com Kend e Josh... Minha irmã ficou visivelmente decepcionada, não comigo, com Dylan, e Josh... Bom, ele ficou bastante chateado com ele também.
Estou criando coragem para comunicar meus pais. Na verdade, quero ter certeza que rumo minha vida vai tomar. Se é realmente isso que vai ser.

Tenho chorado bastante, mas do quê deveria e gostaria, na verdade. Choro no trabalho - principalmente quando Rennie pergunta por "Seu tio Dylan"N choro em casa, choro no carro...

Dylan veio hoje cedo em casa. Quando abri a porta para trabalhar, ele estava sentado no corredor, sabe lá Deus à quanto tempo. Tentei ignorá-lo, ele tenteu me parar, falar comigo, mas não conseguiu. O tratei com frieza, mas senti pena dele. Seus olhos estavam fundo e cansados. Tive vontade de beijá-lo, de dizer que poderíamos esquecer tudo e recomeçar. Era o que meu coração queria, mas não consegui. Simplesmente não consegui.

Ele me levou até o carro, pedindo desculpas e que precisávamos ser adultos e resolver nossas vida. Acho que ele tem razão. Não disse nada, mas acho estou reconsiderando. Acho que mais tarde vou mandar um torpedo para conversármos. Talvez.

Hoje, sexta-feira, fui trabalhar, cheguei cedo e sai cedo. Fiz uma faxina em casa, mesmo não precisando. Arrumei o quarto, lavei o banheiro, dei um jeito na cozinha... Não tenho sentido muita fome... A ausência dele tem me custado isso e o sono. Bom, eu estou de pijama, são 20:05 da noite. Na volta para casa, Johnny me ligou pedindo para me ver. Disse que ele e Christian precisavam conversar comigo, achei bem estranho, mas aceitei. Eles vão chegar em dez minutos, preciso vestir algo descente."


Fecho o diário e o guardo na gaveta da escrivaninha. Escovo os dentes, o cabelo, coloco uma bermuda e um blusão cinza. A campainha toca. É Johnny e Christian.

Abro a porta e os dois me olham de um jeito estranhos. Penso no quanto eles são lindos e parecidos...

- Querida... ____ Christian entra e me abraça gentilmente.

É a vez de Johnny, dou passagem para eles entrarem.

- Skylar, como vai? ____ ele me beija o rosto.

- Bem e vocês? Entrem, por favor.

Os dois entram e ficam em pé em frente ao sofá.

- Bem, muito obrigada. ____ responde Christian.

- Sentem-se, por favor. Querem algo para beber?

- Não, não. Não se incomode, por favor. Estamos bem. ____ Christian resoonde de novo. Aponto para o sofá e os dois se sentam. ____- Desculpe não ter vindo mais cedo. Tivemos problema com um dos nossos fornecedores de carne...

- Tudo bem.

Os dois se entre olham. Christian aperta os lábios como se dissesse para Johnny começar. Johnny limpa a garganta.

- Bom. ____ ele começa. ____- Queremos conversar com você. Sobre... você e meu sobrinho. Sei que não temos nada a ver com a vida de vocês...

- Que isso, Johnny. Vocês são a família dele, eu também os considero da minha família, então...

- Obrigada, Sky. ____ fala Christian.

- Bom... ____ Johnny olha novamente para o irmão.____- Dylan nos contou... sobre... Vocês... e... ele se recusa a ir para casa. Está dormi no Freedom... em um antigo cofre que fez de quarto...

- Ele contou? ____ pergunto.

- Contou. ____ responde Christian.

- Contou sobre... Margot?

- Sim. ____ os dois respondem ao mesmo tempo.

- Então vocês sabem que eles... andam se... tendo algo mais que uma amizade, não é?

Christian se remexe no sofá, limpa a garganta e aperta os lábios em desconforto.

- Skylar. Sente aqui. ____ Johnny aponta para o lado esquerdo e eu me sento ao seu lado. ____- Jennifer ainda não sabe nada sobre isso. Não contamos. Dylan não contou... Meu irmão não sabia sobre isso. E ninguém sabe, na verdade, que eles estavam saindo ou fazendo sabe Deus o quê. ____ ele respira fundo. ____- Amamos você e queremos ser sinceros com você. Você entende?

-Entendo.

Eu acho.

Isso não está me cheirando nada bem. Não acho que o que eles vão me dizer é algo como unicórnios realmente existem. O que vem por aí não é nada bom.

- Na terça-feira, meu irmão e eu tínhamos saído para resolver umas coisas, quando voltamos... Bom... Margot já estava lá, como sempre. E Dylan... bom... eles...

- Eles estavam se beijando, Skylar. ____ Christian fala duro. Ele me olha com pena. Johnny olha para os lados.

Aquilo me atinge como uma flecha. Apenas balanço a cabeça e sinto minha garganta se fechar.

- Você está querendo me dizer que logo depois que me ligava pedindo perdão, ele ficava com ela?

- Sky...

- Eles estavam junto menos de vinte quatro horas depois da nossa briga?

- Sky... Não queremos mentir pra você... Não sabemos ao certo quanto tempo isso vem acontecendo... ____ Christian tenta manter a calma.

- Você não sabe. Mas eu já disse que aquela bruxa joga o veneno contra Dylan há muito tempo. ____ O pai de Dylan olha com advertência para Johnny. Eu levanto e fico de frente para a porta, e de costas para os dois. Coloco a mão na cintura e olho para cima, tentando impedir que as lágrimas saiam.

Por favor, Deus, não me deixe chorar na frente deles... por favor, tá?

- Sky... aquela meretriz que atende pelo nome de Margot tem... uma espécie de poder sobre meu sobrinho. Sério, eu não me surpreenderia se alguém me dissesse que ela jogou feitiço nele ou algo assim.

- Johnny... Não fale assim da moça. ____ Christian o repreende.

- "Moça"? ____ ele gargalha. ____- Você só pode estar de brincadeira...

- Skylar... sei que é difícil... as coisas são complicadas, eu sei. Mas escute, por favor... Não comente nada com minha esposa, por favor. Ela tem aquele problema, seu coração não tem tanta força quanto parece, mas... ela gosta de Margot. São amigas, há bastante tempo, na verdade... Não sei como ela reagiria se soubesse do caso... do... do que está rolando. Então, por favor, não comente nada, vamos conversar com ela com mais calma.

- Não se preocupe, Sr. Evans, eu não diria. ____ respiro fundo.

- Obrigada. ____ ele sussurra.

Johnny se levanta e me vira para frente.

- Olhe, é tudo culpa dela, sabe? É ela! Eu sei que Dylan ama você, todos sabemos, mas ela... Aquele dragão sabe como prendê-lo. Por mim eu já teria deportado ela para outro país, melhor, outro continente, longe da nossa família... mas meu irmão... ____ ele olha para Chritian. ____- é gentil demais para fazer isso. Então ela simplesmente ainda continua em casa, sob o mesmo teto que nós.

- Johnny! Ela não cometeu um crime... Ela errou, sim, errou, mas... Ela é amiga de Jennifer, seus pais são amigos nossos... Eu não poderia simplesmente expulsá-la de casa!

Johnny revira os olhos.

- Infelizmente a casa não é minha... ____ ele sussurra pra mim. ____- Então... O que vai fazer?

Eu também gostaria de saber, Johnny.

- Não sei...

- Olha Skylar... Dylan ama você. Ele ama. Não sei o motivo de estar agindo assim, mas me desculpe. Eu também fiquei... bem surpreso quando vi os dois naquele momento e mais surpreso ainda quando Johnny me contou tudo. Desde quando... Alex estava vivo... Eu gostaria de poder mudar as coisas... Você é uma ótima garota, faz bem para meu filho e... você faz parte da nossa família... Não posso e não vou pedir para que esqueça tudo e perdoe Benjamin apenas por ser meu filho. Não seria justo com você. Não mesmo, mas apenas... pense bem, okay? ____ Naquele momento vi o quanto Christian lembrava seu filho. O jeito de olhar e o modo calmo de falar... Ele estava com a mão no meu ombro e a figura dos dois ali, de alguma forma representavam algo que eu ainda não havia percebido: que tudo estava de fato acontecendo e o quanto aqueles dois traziam o fantasma de Dylan consigo. E foi nessa hora que eu sinti tanto a falta dele. Uma saudade imensa, como se ele estive à décadas do outro lado do mundo. ____ - Apenas  reflita sobre cada atitude a ser tomada e como tudo pode mudar um futuro inteiro. Vocês são jovens e se amam. Nós erramos, todo mundo erra, somos seres humanos e sempre cometeremos err...

Christian não terminou de falar porque foi interrompido quando eu simplesmente me joguei e o abracei como uma criança faz sem motivo algum. O abracei forte e chorei, solucei alto e apertei meus braços ao redor dele.

Ali estava o pai do homem que eu amava. Sim, eu amei Tyler Price, infelizmente amei, mas Dylan foi o que me mudou, era Dylan o dono de todos os meus bons e fortes sentimentos. Ele foi meu primeiro amor de verdade, o único em que eu fui feliz um dia, e agora estava tudo acabado, e eu sentia tanto a falta dele. Abraçar Christian era como se eu estivesse abraçando Dylan, como se eu estivesse sendo consolada por ele mesmo.

Christian se assustou no início, mas depois me abraçou gentilmente.

- Tudo bem, tudo bem, querida... ____ ele sussurrou. ____- Shhh...

Ele me abraçava como um pai abraçava sua filha com o coração partido pela primeira vez.

Mesmo de olhos fechados, podia sentir sua ternura. Ele acariciava minha cabeça e balançava lentamente como em consolo.

- Tudo bem, tudo bem... ____ ele repetiu.

Ainda de olhos fechados, tentei tomar fôlego para falar:

- J-j-johnny?

- Sim?

- Liga... liga pra ele. Perguntei onde ele está...

- Por que?

- Apenas ligue. Eu vou até ele... Não diga nada, por favor. Apenas pergunte onde ele está.

- Tudo bem...

Ouvi Johnny se afastar. Soltei Christian e limpei o rosto. Ele me olhava preocupado.

- O... o que vai fazer?

- Eu... sinto muito... eu nem sei. Só acho que preciso falar com ele. Dependendo do momento... Ah, Christian. Eu não sei... ____ ele balançou a cabeça.

Pela primeira vez em todo esse caos eu tive medo. Tive porque sabia, sentia que estava perdendo ele. Sentia Dylan se afastando de mim lentamente.

Eu estava perdendo para ela.

Eu podia sentir, mas não sabia exatamente o que fazer. Eu só precisava vê-lo. O futuro, nem minhas atitudes me pertenciam mais. Eu não saberia se chegando - onde quer que ele estivesse - terminaria tudo, ou o perdoaria, só queria vê-lo... Entreguei esse momento nas mãos de Deus. Independente de qualquer coisa, nos resolveríamos isso.

Isso poderia ser um fim, ou um recomeço.

Talvez eu devesse dar uma chance para nós dois. Para nossa pequena família. As pessoas cometem erros o tempo todo, não é? Eu também não sou perfeita, infelizmente Dylan também não...

- Ele está no Freedom. ____ Johnny se vira para nós e desliga o celular.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...