História Um Motivo Para Viver - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias 50 Tons de Cinza, Uma Linda Mulher
Personagens Anastasia Steele, Christian Grey, Personagens Originais
Visualizações 6
Palavras 615
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Crossover, Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Estupro, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capitulo Dois



Pego minhas chaves, e confiro minha bolsa mais uma vez, tudo certo, agora posso pegar estrada.


❤Uma Hora E Meia Depois❤ 


A viagem foi cansativa, mas finalmente cheguei a Grey Enterprise, que empresa, esse homem deve ter sessenta anos para ter algo desse porte.


Saio do carro com dificuldade, o bebê já tem um certo peso sobre mim, ele está se desenvolvendo a medida em que eu engordo, acho que eles combinaram isso, pois eu não estou aguentando mais.


Minhas costas doem, e minha barriga também, principalmente quando o pontinho chuta, e que chute, o pai nunca superará o pontinho nesse quesito.


Ainda assim, não decidi o nome do pontinho. Não quero nada que lembre Paul, nem nada que seja exótico... Algo bonito e charmoso, mas não sei ainda.


Entro pela porta giratório e pessoas entram e saem, altas, baixas, gordinhas, ruivas, loiras... Todas vestindo cinza.


Associo, isso ao nome do dono "Grey" Ele leva o nome tão a sério assim? Se fosse eu teria vergonha, ter um nome de lápis de cor. Grey. Soa tão, ridículo. Mas é tão atraente... Deve ser os desejos de grávida, isso já está me deixando louca, acho que é isso.


Eu sou a única de azul, que vergonha. Uma moça loira gentilmente aparece sorrindo, bem vestida ela pede para que eu espere alguns minutos antes da entrevista, porque o chefe, está em reunião.


-- E ai, de quantos meses está o garotão? Ela pergunta e eu fico assustada, como ela percebeu? Espera se ela percebeu ele também vai perceber... Droga!


-- Do que você esta falando? Pergunto fingindo não saber do que se trata.


-- Do bebê. Ela fala sussurrando: Eu sei que você não quer contar para o chefe, mas não pode ocultar sua barriga por muito tempo.


-- Eu sei. Digo cabisbaixa.


-- Então, é melhor não esconder nada, do que depois você ser expulsa por ocultar isso, ou ficar desempregada com o bebê.


-- Eu não tenho condições de cuidar dele, nem de mim. Digo bufando.


-- Conta para o chefe, aquela carinha de safado, não tem muito haver com os sentimentos dele, ele é um homem maravilhoso.


-- Você namora com ele? Pergunto curiosa sorrindo, estou maluca para conhecer esse tal "chefe"


Ela gargalha. -- Obvio que não, o chefe, nunca namora, há rumores que ele goste de pessoas do mesmo tipo dele.


-- Ah, entendo. Digo rígida mas logo também solto risadas, será?


-- Marta, mande a senhorita entrar. Diz uma moça ruiva, de blazer e saia azul marinho, me olhando de cima o baixo, e claro que eu não vou perder essa oportunidade de estragar o dia dela.


-- Perdeu alguma coisa aqui? Digo e a loira ri.


-- Ah, desculpe. Diz a ruiva corando e eu mantendo me, rígida, olhando para o fundo dos olhos daquela mulher.


A loira ri, e me acompanha, até uma porta, de vidro, ela está embaraçando o que está por dentro da sala, não consigo 

vê-lo direito, mas imagino pelo que já vi.


-- É só abrir. Ela diz se retirando.


-- Ok, eu consigo abrir essa porta. Digo confiante.


É então quando giro que ouço um estralo, oque? Não acredito, quebrei a maçaneta, ai meu Deus, deve custar o olho da cara.


-- Senhorita. Uma voz masculina me assusta, minha boca, fica aberta, quando meus olhos vêem, aquele belo homem rindo de mim, no final da sala, ele ri sem pudor ou medo, ele ri sem vergonha, e isso me fascina, aquele sorriso me fascina.


-- Sr Grey, me desculpe. Digo quase chorando, eu não queria... O bebê chuta. Não pontinho, isso dói... Cubro minha barriga e ele fica assustado, abrindo a porta da sala imediatamente por dentro.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...