1. Spirit Fanfics >
  2. Um ninja em pedaços Kakashi Hatake >
  3. Sonho

História Um ninja em pedaços Kakashi Hatake - Capítulo 35


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei, espero que gostem 😀❤️

Capítulo 35 - Sonho


 

Kakashi descia as escadas, planejando sair de Jomae e ir direto para o esconderijo de Orochimaru, apesar de não estar em plena condição para aquilo. Logo atrás dele, Hanare o-seguia, pensando em alguma coisa que forçasse o garoto a adiar seu plano. 

 

Ele parecia focado, e mesmo estando mal fisicamente existia grandes possibilidades de que ele conseguisse o que queria. 

 

- Sabe Kakashi, você assim só diminuirá suas chances de ter êxito. É melhor você descansar um pouco, antes de ir. - Ela pronunciou, seguindo o rapaz. Mesmo sem querer concordar, ele parou por um momento para refletir sobre o que Hanare havia acabado de falar. 

 

Ela tinha razão, ele não poderia ir naquele estado para realizar uma missão pessoal tão complicada quanto aquela. Mas ao mesmo tempo ele não queria dormir na mansão. Depois de muito refletir e debater consigo mesmo mentalmente, ele finalmente encontrou um meio termo. 

 

- Eu não vou para lá agora... Estarei indo para Konoha, para me recuperar. - Sem dúvidas alguma, recuperar-se em sua casa era bem melhor, e além do mais, o esconderijo de Orochimaru ficava muito mais próximo de Konoha do que de Jomae, e por isso era mais lógico que ele melhorasse sua condição em sua própria aldeia, por mais que corresse o risco de seu sensei o-internar em um hospital "a força".

 

- Mas você não pode ir sem comer nada... O cozinheiro fez uma deliciosa torta de amora, acho que você poderia degustar um pouco antes de ir... - Ela sorriu, e por mais que Kakashi quisesse sair o mais cedo possível, ele tinha que admitir que estava faminto. A última vez que alimentou-se foi quando ainda estava no hospital de Amegakure. 

 

- Aceito. Mas não vou tardar. - Ele respondeu, e a-seguiu até a cozinha.

 

Em seu caminho até lá, ele gastou seu tempo observando cada característica da arquitetura do lugar.

 

O Hatake não lembrava do quão sofisticada a mansão era. Todos os seus detalhes eram extremamente bem feitos e moldados. Era normal para uma família de alto clero em uma vila que vivia de patentes e hierarquia, com um sistema completamente diferente de Konoha; Seu líder sempre foi escolhido pelo conselho, e depois aprovado pelo povo. 

 

Ele refletia as vezes, pensando como seria comandar uma nação. A única que ele pensou, logicamente, foi Konoha. Suas ideias eram radicais e um tanto quanto cruéis no imaginário popular, e por isso ele não considerava muito a possibilidade, afinal, por melhor que fosse, ele não seria querido pela Folha como o antigo Sandaime foi ou como seu próprio sensei é por exemplo.  

 

Kakashi sempre pensou que Konoha seria melhor se não tivesse preocupações com outros povos, afinal, a vila gastava diversos recursos ajudando o crescimento de outras aldeias, que por sua vez, nunca retribuíam. 

 

Mas ele logo descontraiu-se de seus pensamentos envolvendo politica, passando seus dedos sobre as teclas de um piano que ali estava. Pensando em si mesmo, o Hatake nunca se importou com músicas, mas ele imaginava que o instrumento que mais o-atraia era aquele. Talvez, quando ele estivesse livre de missões por alguns dias seguidos, ele pudesse aprender a toca-lo. 

 

- Aqui, prove. - Hanare falou enquanto cortava uma fatia da tora e colocava em um pequeno prato. Ela poderia mentir e dizer que foi ela quem fez, mas já havia falado que aquela iguaria teria sido preparada por um cozinheiro da região, então, ela desistiu, desapontada consigo mesma por não ter pensando nisso antes.

 

Ele provou, e como esperado, gostou.

 

- Está bom - Ele falou enquanto continuava a degustar. Mesmo não gostando de doces, aquela torta tinha uma boa textura, e um bom sabor também. 

 

- Obrigada... Se você vier aqui mais vezes, eu posso pedir para que ele me ensine, e ai eu posso preparar para você... Ou te ensinar também. - Ela colocou seus dois braços ao redor do pescoço do rapaz, completamente apaixonada.

 

Hanare possuía sentimentos pelo grisalho antes mesmo de conhece-lo, afinal, cresceu ouvindo histórias de que o seu noivo teria cabelos brancos como a neve e viria de uma aldeia distante, e ali estava ele. 

 

- Eu preciso ir agora, Hanare. - Ele afastou-se, colocando o prato já vazio da comida sob a mesa. Após isso, Kakashi olhou profundamente nos olhos da garota, perguntando-se como eles se viam tão pouco e ao mesmo tempo ela o-tratasse como um grande amigo, ou até mesmo o melhor, afinal, por mais que soubesse que a garota tinha várias amizades na aldeia, nunca a viu tratar alguém da mesma forma que ela o-tratava. 

 

- Tá, tudo bem. Quando pretende agir? Você sabe, roubar Orochimaru. - Lançou para ele a pergunta chave, pois se ele ia mesmo para Konoha, tinha de saber o dia que ele iria fazer aquilo. 

 

- Vou esperar uma semana em Konoha, até me recuperar por completo... Depois disso, eu farei. - Ele falou pela última vez enquanto dava as costas, indo em direção a porta em passos rápidos. 

 

A garota despediu-se pela última vez enquanto olhava a sombra do rapaz caminhando e descendo a colina, convicta de que ele seria seu. 

 

_________________________________________________________________________________________________

 

Cerca de um dia e meio já havia se passado após a saída de Kakashi de Jomae. A equipe sete, em Amegakure, já tinha conhecimento da ida do rapaz para a Folha. Rin no entanto entendia que as coisas não eram tão simples assim. Quando escutou de Pakkun que o garoto já estava a caminho de Konoha, sabia perfeitamente que na verdade, ele estava indo para Jomae. 

 

A Nohara logicamente ficou preocupada, afinal, sabia que o estado do garoto não era nem de perto estável. Mas no fundo, estava tranquila por saber que havia convencido o Hatake a pelo menos tentar sair de perto de Orochimaru. Seria difícil, mas seria libertador. 

 

- Rin? Você está bem? - Izumi falou sentando ao lado da amiga na mesa do restaurante. Ela percebeu facilmente que a garota aparentava estar receosa com algo. 

 

- C-claro, por qual motivo eu não estaria? 

 

- Eu te conheço perfeitamente... Inclusive sei sobre a marca na sua mão. O que significa? - Izumi resolveu perguntar, sendo direta. . Talvez perguntar tão rapidamente daquela forma, sem preparar devidamente o terreno antes não fosse o adequado a se fazer, mas ela estava um pouco cansada de tentar ser discreta e calculista como sempre. 

 

- Do que você está falando? - Rin, mostrou seus dois braços completamente nus, sem qualquer marca ou tatuagem. Naquela altura, ela já havia percebido do sumiço do selo, Kakashi havia conseguido resolver aquele problema. 

 

- O-ow... Eu podia jurar que tinha visto algo na sua mão... - Izumi falou um pouco confusa. Mas por mais que Obito chamasse-a carinhosamente de maluquinha, ela não era louca o suficiente para ver coisas. De alguma forma, aquilo havia sumido do braço dela, e provavelmente também no de Kakashi. 

 

- Acho que você se confundiu... - A Nohara respondeu, ainda demostrando estar ansiosa. 

 

- É... Talvez. - Izumi olhou para frente para ver Obito e Konan caminhando juntos, vindo em suas direções. Ele sentou ao lado de Rin, como sempre. Mas seu sorriso logo transformou-se em curiosidade, afinal, ele notou uma Rin apática e uma Izumi curiosa. Suas feições lhe entregavam. 

 

- Tá, aconteceu alguma coisa? A última vez que vi vocês duas assim foi quando eu levei uma facada. - Ele falou, tirando risadas de Konan. Izumi e Rin no entanto não riram. 

 

- Não, não aconteceu nada. Falando nisso... Vocês dois não desgrudam? - Izumi perguntou, olhando para o Uchiha e a azulada. Konan pareceu um pouco tímida com aquilo, mas não chegou a ficar vermelha. Obito também ficou tranquilo, ele não viu segundas intenções na frase de Izumi. Por mais que já fosse maturo, ele não era bom quando se tratava em relacionamentos

 

- Ela está me mostrando a aldeia. Eu pensei que aqui fosse apenas um lugar chuvoso e chato como o Bakashi, mas é uma aldeia alegre, e bonita também. 

 

- Eu falei que você ia gostar. - Konan respondeu olhando de lado para o Uchiha. 

 

Rin não prestou atenção em nada ao seu redor, pois ainda estava com seus pensamentos ocupados pela apreensão. Já Izumi distanciou-se um pouco de seus pensamentos anteriores e já estava dialogando normalmente com Obito e Konan. 

 

O garoto Uchiha, logicamente, ficou triste por ver a garota que tanto ama fora do diálogo, mas logo ignorou, afinal, ela deveria estar preocupada com algo mais importante. 

 

E estava.

 

Longe dali, depois de um dia e meio interrupto de caminhada, o rapaz de cabelos brancos já se encontrava em território do país do fogo, de frente ao portão principal de Konoha. Entrando na vila, ele mais uma vez teve que lhe dar com olhares, só que estes bem diferentes do que ele recebia na outra vila.

 

Mesmo assim, ele ignorou tudo aquilo com facilidade e foi direto a sala do Yondaime. 

 

Entrando na sala logo após a autorização verbal, Minato sentiu-se surpreso pela presença de seu aluno. Ele esperava que Kakashi retornasse junto da equipe sete, mas entendeu que diferente de Obito, Rin e Izumi, Kakashi não era uma pessoa que se preocupava em conhecer lugares e pessoas novas. 

 

- K-Kakashi? Você já está aqui? Estou surpreso... - Ele sorriu enquanto coçava a nuca

 

- Eu perdi minha máscara na luta, e não encontrei meu colete, por isso estou sem a farda da corporação. Peço desculpas. - Ele referenciou o Hokage, e logo voltou a ficar de pé. Minato já havia sido comunicado por Itachi sobre tudo que havia acontecido, e por isso resolveu não falar daquele assunto no momento. 

 

- Você precisa repousar, aparenta estar péssimo. Itachi contou-se todas as informações que você apurou, sua missão foi dada como completa. Parabéns, Kakashi. 

 

- Eu não a-completei exatamente... Ele ainda está vivo. 

 

- Sim, completou. Sua missão se tratava em saber o paradeiro de vários ninjas que haviam desaparecido, e saber também do perfil de quem era o responsável por aqueles sumiços. Você completou a tarefa com êxito total... Agora precisa descansar. - Minato ordenou, e por mais que o Hatake discordasse totalmente da ideia de ficar parado, ele teve que concordar. Além do mais, missões só adiariam seu plano de invadir o laboratório de Orochimaru. 

 

- Tudo bem... Vou repousar. Mas peço que me priorize em missões que envolvam Hidan. Ele é um novo problema para a vila, e nós temos assuntos inacabados. Itachi não precisa se intrometer nisso. - Kakashi falou, com um pouco de ódio. Fazia tempo que não sentia aquele sentimento de frieza corroendo suas veias. A convivência com Obito e as garotas sem dúvidas o-distanciou um pouco de sua impureza. 

 

Mas a Anbu tratou de trazer aquilo de volta. 

 

- Bom... Você lutou contra ele, então é o que mais o-conhece. Tem uma lógica em te mandar para reencontra-lo, mas não vai ser agora. Quando chegar o momento, terei uma reunião com você... Mas deixando isso de lado, eu tenho me comunicado por cartas com Jiraya, e penso que ele seria um bom mestre para Naruto, assim como está sendo para os três jovens de Amegakure. Você chegou a conhece-los? 

 

- Dois deles. Talvez eu não tenha sido tão amigável... Mas tenho certeza que eles se deram bem com Obito e Rin. Izumi sempre foi um pouco mais difícil, mas também acho que ela os-vê com bons olhos. 

 

- Entendo... O que pensa disso? Acha que é uma boa ideia colocar um garoto da idade do Naruto em treinamentos pesados? Digo... Você já era um ninja quando tinha a idade dele, treinando com o seu pai que era tão bom quanto os três sannin's... Eu sei que essa deverá ser uma decisão minha, mas você passou por isso na idade dele, pode me dar algum conselho? - O Yondaime falou simpaticamente.

 

Kakashi nunca pensou que um dia poderia dar um conselho para seu próprio mestre... Mas bom, a vida sempre pregava peças afinal.

 

- Acredito que o ideal fosse que o senhor o-treinasse, mas como o cargo de Hokage lhe tira muito tempo eu acho que deveria colocar a pessoa que mais confia para isso, então acredito que Jiraya é uma boa opção... Apesar de ser um pouco brincalhão de mais. 

 

- Entendo... E quanto a você? Itachi me falou que o Sasuke te vê como mestre, e está treinando todos os dias para tentar te impressionar. 

 

- Ele é exagerado. 

 

- Pode até ser, mas te admira muito. Acho que deveria dar mais atenção para ele. Se você quiser eu posso te afastar um pouco da Anbu para que possa acelerar o desenvolvimento de Sasuke. Ele é irmão de Itachi, tem tudo para poder supera-lo... É o futuro da vila. - Minato sugeriu, escondendo seu principal motivo de falar aquilo: Tentar aproximar Kakashi do clã Uchiha pacificamente. 

 

- Eu sou um assassino melhor do que um professor, mas não sou eu quem decido as coisas aqui na vila. - O grisalho respondeu rapidamente. 

 

- Entendo... Você ainda é uma peça chave na Anbu, então te manterei na corporação por enquanto. Mas mesmo assim tenho que lhe dizer que o futuro da aldeia são os jovens, por isso veria com bons olhos se você pudesse ajudar no crescimento mental e físico de Sasuke... Enfim, isto é algo que deve ser debatido com mais atenção outra hora. Tenha um bom descanso Kakashi... E se quiser, estará sempre convidado para um jantar.

 

- Tudo bem. Quando eu tiver um tempo livre, eu posso continuar auxiliando Sasuke em algumas coisas... - Kakashi finalizou, Minato sorriu e logo o-dispensou.  

 

Saindo dali, o grisalho agradeceu aos céus por não receber a intimação que o obrigaria a repousar em um hospital, sendo assim, ele poderia recuperar-se em casa como esperado. No caminho, ele refletiu sobre Sasuke. Mesmo não gostando de perder tempo treinando outra pessoa, ele imaginava que ter alguém que pudesse repassar adiante suas ideias era algo interessante.

 

Por mais que fosse um Uchiha. 

 

Depois de alguns minutos, finalmente entrando em casa exausto, Kakashi cambaleou pela sala, até chegar na cozinha. Mas para sua surpresa, ele não estava sozinho em casa. 

 

- Você é completamente louco! O que pensou que estava fazendo? - A ruiva bateu o pé com o Hatake, com os braços cruzados olhando para ele, que por sua vez assustou-se levemente, afinal, não esperava que ela estivesse ali. 

 

- Da um tempo, eu só quero descansar na minha casa. 

 

- Deveria me agradecer por você estar pisando na sua casa agora. Se não fosse por mim, você estaria morto! Sinceramente, você não pode sair por ai pensando que pode vencer todo mundo. Você não é alguém invencível, não ainda.  - Ela respondeu. Kakashi não sabia o que o "ainda" poderia significar, mas ignorou. 

 

- Eu não sabia que ele era imortal, se não fosse por isso, eu teria vencido. Agradeço por me salvar, o que mais quer? Que eu pague de alguma maneira? - O Hatake respondeu despreocupado. 

 

- Esquece. Bem, o problema agora é simples, a garota que te beijou, Rin, ela sabe sobre mim, ou seja, eu não estou mais anonimamente nesta vila... Por isso não vou me arriscar mais. - Ela falou enquanto escorou suas costas na parede

 

- M-me beijou? - Kakashi questionou surpreso

 

- Own... Você não lembra? Coitada. Na verdade ela tecnicamente beijou a sua máscara. Você sabe, ela é mocinha de mais, não sabia se você iria gostar de beija-la e blá blá blá. 

 

- Tudo bem, eu não ligo. É bom lembrar que ela também me salvou. - Ele falou, agora entendendo o que era aquela coisa que Rin não quis o-falar na cama de hospital. 

 

- Mas enfim... Onde você estava? Demorou muito para voltar... Não que seja da minha conta. 

 

- Tive que passar em Jomae para resolver uma coisa. - Ele respondeu enquanto tirava sua camisa e ia em direção ao banheiro, pois precisava de um banho gelado para relaxar e poder dormir. Sono era algo que ele não havia tido em boa quantidade nos últimos dias. 

 

- Jomae? - Ela sabia que o Hatake indo até lá, com toda certeza havia algo envolvido com Hanare, e por isso ficou surpreendida. Independente do que fosse, ela precisava informar Orochimaru sobre aquilo.

 

- Pois bem, estou vazando. Vê se toma cuidado na próxima. - A assassina falou pela última vez antes de rapidamente sair da casa pela janela. Kakashi estranhou, mas sentiu-se aliviado por ela ter saído. Precisava de um tempo sozinho em sua casa. 

 

Enquanto a água gelada caia sob seus cabelos de prata, ele pensava no que lhe convinha faziam dias: Seu objetivo de vida. Kakashi nunca teve um sonho, e isso nunca lhe preocupou com o passar do tempo. Entretanto, quanto mais experiente ele ficava, realizando missões mundo afora, ele percebeu que via várias coisas erradas no seu ponto de vista. 

 

Em todo este tempo na Anbu, Kakashi percebeu que a maioria dos crimes no país do fogo nunca eram cometidos por pessoas de Konoha. Tudo acontecia por uma simples razão: A facilidade de um estrangeiro para entrar nas terras dali. 

 

E ele sabia também, que aquilo iria perdurar por anos pelo simples motivo de que seu sensei era uma alma bondosa de mais para impedir que pessoas de outro lugar entrassem na Folha. Kakashi sentia-se incomodado com aquilo.

 

Desde cedo ninjas da Folha são ensinados a ganhar inimigos com as palavras e discursos, de nunca mata-los. Era completamente difícil receber uma autorização de assassinato na Anbu, mesmo todos sabendo que os inimigos nunca pensariam duas vezes em elimina-los. 

 

O Hatake sabia também que Obito não era um fracassado como antes ele pensava. Aos poucos ele teve que aceitar e até admitir que Obito era forte o suficiente para tornar-se Hokage um dia, como sempre foi seu sonho, e caso isso acontecesse, Obito seria mais um hokage que proclama a paz, mesmo sabendo que o seu povo está morrendo nas mãos sujas de nukenins ou ninjas de nações adversárias. 

 

Mas Kakashi não tinha o que fazer. Nos últimos meses ele percebeu que vivia melhor no anonimato, sem preocupações além de treinar e realizar missões. 

 

O problema era saber se viver bem valia mais a pena do que ver seu povo sentir-se seguro. Além do mais, talvez Kakashi possuísse sim um sonho. Talvez seu sonho fosse ser querido por sua aldeia, e ele sabia que não conseguiria aquilo sendo apenas mais um ninja da black ops. 

 

Ele poderia ser um futuro opositor de seu melhor amigo um dia, quem sabe. Mas antes de qualquer coisa, ele precisava quebrar as correntes de Orochimaru que o-aprisionava.

 

Ele precisava da fórmula do remédio, e tentaria toma-la nos próximos dias. 

 

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado 😊❤️❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...