História Um nome na neve - parte 1 - Capítulo 4


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Visualizações 10
Palavras 767
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Fantasia

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - Um nome na neve - parte 4


Fanfic / Fanfiction Um nome na neve - parte 1 - Capítulo 4 - Um nome na neve - parte 4

Eu segui os rastros de Apollo por quase meio dia, o frio era cortante e se não fosse a minha barba talvez eu já estivesse com dor de garganta. Eu segui uma trilha de sangue até encontrar um corpo de um alce totalmente dilacerado eu analisei a profundidade das feridas e as marcas das pegadas e notei que o urso era grande bem maior que o meu pai ele devia ter quase três metros e devia pesar ums trezentos ou quatrocentos quilos. Eu continuei no rastro do urso e andei por mais dois dias até que finalmente eu o encontrei dormindo em uma caverna, eu fiquei contra o vento para que ele não notasse o meu cheiro, e o observei por uma hora e quando ele finalmente saiu de sua caverna eu pude reparar melhor nele. Ele usava uma armadura de couro em suas costas e adornava a armadura com ossos e suas patas e presas estavam sujas de sangue. O animal era enorme como eu suspeitava ele era maior que o meu pai e pelo geito era inteligente, um dos seus olhos era cego em seu lugar ficava uma grande cicatriz que lembrava um sol.

Ele começou farejando o ar e andando de um lado ao outro parecia estar procurando algo eu ainda estava escondido esperando uma chance de atacar e de súbito o urso rugiu ferozmente e olhou na minha direção, eu a principio não entendi o porque mas então eu notei, o vento havia mudado denunciando a minha presença e o urso veio em uma investida feroz, eu saltei para o lado evitando o ataque do animal e depois me virei para encara-lo, o urso ficou andando a minha volta lambendo os dentes parecia satisfeito com a minha presença eu saquei a minha espada ficando em guarda Apollo deu um sorriso como se achasse interessante eu o desafia-lo, e a nossa luta começou.

Apollo veio pra cima de mim com suas garras poderosas fazendo uma chuva de ataques eu utilizei o meu tamanho ao meu favor me esquivando e defendendo quando ele chegava perto demais, quando ele abria a guarda eu desferia um golpe e outro, e mais outro mas era difícil ultrapassar a armadura e a carne do animal, pois ele era grande demais e eu precisava atingilo aonde a carne era mais macia e passei a mirar na barriga. Apollo notou isso e mudou a sua estratégia passando a dar mordidas vorazes, eu conseguia me esquivar mas isso mudou quando eu tropecei em uma pedra que estava oculta pela neve e Apollo conseguiu morder o meu braço me sacudindo como se eu fosse um mero boneco de pano, eu pude sentir o meu braço quebrar e por fim o urso me arremessou para longe eu bati as minhas costas com tudo em uma árvore fraturando assim mais três costelas eu sabia que iria morrer e Apollo só estava se divertindo eu podia ver isso em seu olhar. ele se preparava para o golpe final arranhando a terra sobe as suas patas e naquele momento eu lembrei de tudo o que os orcs e xamãs viviam me dizendo, que eu era um erro que o meu pai era um tolo de ter conseguido uma prole tão fraca e que eu morreria sem ter um nome pois eu nunca seria um orc de verdade e no calor da batalha eu pude sentir a raiva crescer dentro de mim e se espalhar pelo meu corpo e pela primeira vez eu fui tomado por uma sede de sangue despertando assim a minha fúria.

Apollo veio em minha direção com as suas presas amostra e um dos meus braços jazia inútil mas a fúria que queimava em meu peito me deu forças e eu pude erguer a espada com uma das mãos e ataquei sem pensar o urso gigantesco a lâmina encontrou uma das patas de Apollo e sangue verteu da ferida o urso deu alguns passos para traz e depois atacou com a outra pata e eu contra ataquei mas desta vez a lâmina se partiu, Apollo viu a oportunidade perfeita para acabar com o combate e se ergueu ficando em pé e atacou com as duas patas ao mesmo tempo, eu não pensei muito e deixei os meus instintos me guiarem e quando o urso desceu com o seu golpe eu usei a lâmina quebrada e enterrei no pescoço de Apollo até o cabo mas o golpe me acertara me deixando caido no chão. Apollo gorgolejava sangue lutando para respirar mas era em vão e no final o urso caiu inerte afogado no próprio sangue.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...