1. Spirit Fanfics >
  2. Um pai para o meu bebê >
  3. 33. Amigos, amigos, segredos a parte.

História Um pai para o meu bebê - Capítulo 33


Escrita por:


Notas do Autor


Quase um ano depois eu volto para cá. Primeiro quero pedir desculpas por toda a demora, e por ter deixado vocês na mão, nunca me atrasei tanto para escrever um capitulo, mas foi o tempo necessário para que eu pudesse me reconectar com essa fanfic e trazer ela de volta de um jeito que fosse bom para vocês.

Segundo, quero dizer que ela está em reta final. Isso mesmo, reta final. Os próximos dois capítulos são bem decisivos, prometo algumas surpresas para vocês, e acho que antes mesmo da quarentena acabar, Um pai para o meu bebê terá sido finalizada.

Terceiro: Essa talvez seja minha última long fic, então quero deixar aqui para todos vocês um agradecimento imenso por terem me acompanhado durante toda essa minha jornada, e continuado a ler minhas fics e favoritando. Eu perdi muito a vontade de escrever, e perdi um pouco do brilho que eu tinha em relação ao fandom de SasuSaku, é tanto que até mesmo parei de ler por inumeros motivos, e não sei se um dia retornarei.

Quarto: FIQUEM EM CASA, POR FAVOR <3

Segue o capítulo fresquinho, fiquem atentos que ao longo dessa semana talvez tenhamos os dois últimos e talvez uma One surpresa na coletânea Dear, talvez tenhamos o tão pedido Dear CEO, ou que tal: Dear Uber... Em tempos de quarentena, aproveitem e quem quiser falar comigo é só mandar mensagem por aqui mesmo ou então no nosso grupo do wpp: https://chat.whatsapp.com/FBMHMfZfOS31nR72MoxPlW

Capítulo 33 - 33. Amigos, amigos, segredos a parte.


— Eu acho que tenho que contar tudo isso para minhas amigas, Ino já está estranhando, eu ainda não ter sentado com ela para nos embebedar de vinho agora que ela já pode beber.

 — Você não é muito boa em guardar segredos, me espanta que você tenha conseguido segurar por tanto tempo.

 — Eu sei disso, mas agora eu tenho que dizer a elas que estou grávida, noiva, oh meu Deus, eu ainda nem contei para meus pais, Yahiko vai matar você. — Sakura comentou brincando

 — Por ter engravidado você? Ou por não ter casado com você primeiro?  — Sasuke soltou uma gargalhada gostosa, enquanto seu corpo estava entrelaçado com o da noiva em cima da cama. 

Sakura estava perdida em seus pensamentos enquanto admirava a brilhante pedra em seu anel.  — Eu imagino que tenha gostado do anel.

 — Eu amei, ele é tão perfeito. Nossa, eu sinto que tem tanto sentimento contido nele. Eu amo você, mas eu tenho que contar meus amigos, então que tal se fizermos um jantar para eles hoje à noite?

 — Hoje à noite? Não acha que tivemos muita emoção por um dia? Dois pedidos de casamento, por exemplo?

 — Sim, é claro. Mas eu preciso contar a Ino, e principalmente Karin, ela está gravida, ela vai entender, e Hinata vai me dar dicas de como ser uma boa mãe, ela é uma ótima mãe, Boruto é um garotinho maravilhoso.

— Karin já sabe que você está grávida. — Sasuke resolveu que aquele era o momento perfeito para revelar o pequeno incidente daquela manhã.

— O quê? — Sakura se desvenciliou das pernas do homem e ficou sentada na cama em uma pura reação de choque. — Como? Onde? Quando?

— Ok, muitas questões. — Sasuke respondeu, enquanto encarava fascinado as expressões de surpresa e desespero da mulher. — Ela acabou me encontrando na sala de espera de Tsunade, dai ela simplesmente formou várias teorias na cabeça dela até que me pegou numa expressão incriminadora

— Ela vai casar com um jornalista, é claro que ela iria ler suas expressões, Sasuke. — Ela deu uma tapa leve no braço do rapaz e se levantou da cama.

— Eu vou fazer questão de questionar o casal Hozuki hoje à noite, pois sim, nós iremos receber todos os meus amigos e os nossos pais para um jantar informal e será assim, simples.

 — Simples. – Sasuke conteve mais uma risada, e saiu do conforto da cama direto ao banho.  — E o que senhorita proponha que eu faça para o jantar, já que eu imagino que esta tarefa irá sobrar para mim.

 — Como você adivinhou? – Ela fingiu uma surpresa, e depois procurou o telefone para fazer as ligações apropriadas.  — Eu não sei, talvez você possa preparar algo surpreendente.

— Tem um cordeiro no congelador, acho que se eu tirar ele agora dará tempo de termos um excelente jantar.

— Você tem alguma preferência? — Sasuke já tinha se levantando da cama e ido em direção a porta quando Sakura fez a pergunta fazendo com que o rapaz se virasse.

— Preferência de? Cordeiro? — Falou com ironia.

— Menino ou Menina? Quer dizer, nós não discutimos muito sobre como vamos criar nossos filhos no meio de toda essa euforia.

— Sei que a resposta mais plausível que com tanto que venha com saúde, o sexo não importa, mas tenho uma fantasia secreta de ver uma menininha correndo por aí com seus olhos.

— Eu queria um garoto que fosse idêntico a você, mas ao mesmo tempo queria muito uma menininha para poder mimar.

— Não se preocupe, faremos um de cada. — Ele correu e depositou um beijo nos lábios da noiva e seguiu em direção a cozinha.

Alguns minutos depois de começar a preparação para o jantar, Sasuke escutou Sakura conversando com alguém no telefone.

— Até agora nós temos 8 convidados, fora as nossas famílias, onde vou acomodar todas essas pessoas? Nós só temos uma mesa com 8 cadeiras, e dois sofás com três lugares. — Enquanto Sasuke se matava na cozinha tentando cozinhar um jantar para mais de 20 pessoas, Sakura dava ordens no telefone para alguém.

— Com quem você está falando? — Ele perguntou, distraindo a mulher da conversa.

— Com Ino, claramente. Ela adivinhou o motivo da reunião assim que eu fiz o convite no grupo, mas ela ainda não sabe da gravidez. — Sakura respondeu tapando o microfone do celular, e logo em seguida voltando a conversa animadamente.

— Eu acho que pode ser uma boa ideia, vou tentar organizar a sala da maneira que você disse, talvez eu possa usar os sofás na entrada, e usar os bancos da ilha para contribuir com o número, mas voltando ao assunto mais importante, você vai trazer o meu afilhado? — Perguntou esperançosa, Sakura não tinha tido muito tempo livre nas últimas semanas para ir visitar o pequeno Inojin que já estava prestes a completar dois meses.

Pela cara que a mulher fez em seguida, a resposta tinha sido negativa, o que o fez rir e pensar que em alguns meses, essa seria uma discussão que eles teriam, porém sendo os pais que dariam a resposta, e não os amigos doidos para ver um bebê que não fazia nada além de comer, dormir e sujar a fralda, porém de uma maneira extremamente fofa.

— Certo então, nós vemos hoje a noite. Eu te amo, dê um beijo no meu afilhado por mim, por favor. — Elas se despediram em uma longa sessão de declarações de amizade, amor e felicitações pela situação.

— Eu imagino que isso seja apenas uma amostra do que devo esperar hoje a noite, sua mãe, minha mãe, todas as suas amigas vão ter exatamente a mesma reação, só que duplicada, pelo casamento e pelo bebê. — O rapaz começou a rir, e Sakura mostrou a língua em um sinal de deboche.

— Ironicamente vi que você não citou os rapazes, devo presumir que você está preocupado com a reação dos meus amigos, meu pai e meu irmão?

— Principalmente seu pai, ele não vai ficar feliz com o fato de que te engravidei antes de ter casado com você, ele pode ser bem tradicionalista, um grande exemplo é o fato de que ele me ligou todos os dias durante sua recuperação e me fez perguntas um pouco embaraçosas em relação a maneira como eu mantinha “casto” nos dias em que cuidava de você.

Sakura quase não conseguiu segurar a água que continha em sua boca durante a fala do noivo. — Não se preocupe! Com essa belezinha aqui, você pode escapar de qualquer situação envolvendo a legalidade do nosso relacionamento. — Apontou o anel e voltou a fazer ligações.

— Para quem você está ligando agora?

— Para alguém com força o suficiente para trazer a sua mesa para esta sala.

— O quê? Para que você vai trazer outra mesa para cá Sakura? — Perguntou.

— Contando com nossas famílias e meus amigos, nós temos 18 convidados, contando conosco temos 20. Onde você espera acomodar todas essas pessoas? Sendo que só temos uma mesa com 8 cadeiras, 4 bancos e dois sofás? Eu prefiro trazer a sua mesa, e aí fechamos exatamente os 20 lugares, e todo mundo pode ficar próximo, podemos até colocar mais duas cadeiras aqui e dá tudo certo. Já conversei com a Ino e ela me explicou como encaixar.

— Ok, não me deixei ficar no seu caminho querida. — Sasuke sabia melhor do se intrometer em todos os planejamentos da mulher.

Então simplesmente a deixou fazer todas as ligações possíveis e em menos de duas horas, a sala de jantar do apartamento dela tinha virado praticamente um restaurante chique com tudo bem organizado e preparado para um jantar com 20 pessoas.

 

— Agora depois de todo esse trabalho, eu vou tirar um cochilo, tomar um banho, e me preparar para esta noite, quer se juntar a mim? — Este era um convite que Sasuke não desejava recusar, mas a importância daquele jantar tomava precedente no momento.

— Talvez eu me junte a você depois do cochilo, esse cordeiro ainda precisa de uns 30 minutos de forno e estou terminando de cozinhar o resto das coisas. Talvez dê uma passada no mercado para escolher alguns vinhos para essa noite.

— Tudo bem, se é assim que você quer fazer, mas poxa, que calor... — Ela tirou a blusa que estava usando, ficando apenas de short enquanto caminhava em direção ao quarto, o deixando completamente excitado e um pouco mais nervoso do que alguém cortando coisas deveria estar.

— Jogo sujo Haruno, muito sujo. — Retrucou irritado.

... Algumas horas depois

— Ok, vamos alinhar nossa conversa. — Sakura estava se arrumando em sua mesa, enquanto a conversava com Sasuke.

— Nós vamos falar primeiro que estamos noivos, não precisam saber que ficamos brigados durante quase um mês, e por fim, só contamos da gravidez no fim da noite.

— Você não acha que alguém vai suspeitar quando eu servir vinho para todas as pessoas da mesa, exceto você? — Ele se aproximou gentilmente por trás do banco em que ela estava sentada, suas mãos acariciando a barriga com cuidado e seus lábios encostados no pescoço dela, fazendo uma trilha sensual até as costas nuas da mulher.

— Nós acabamos de fazer isso Sasuke, você acha que pode se controlar um pouquinho esta noite? — Ela sabia que o rapaz tinha sido o exemplo de controle nos últimos dois meses, devido ao fato de que seus hormônios o estavam deixando louco, principalmente quando ela o via sem camisa.

— Depende, você vai usar esse vestido a noite toda? — Ele perguntou.

— Sasuke! — A bronca fingida só o atiçou ainda mais, ele a puxou para um beijo profundo e controlador, e aquilo não foi um simples beijo, foi uma posse. Ele a tomou totalmente, a língua quente investindo dentro dela, privando-a de qualquer reação a não ser a de total correspondência. O cheiro masculino misturado com a colônia favorita dele preencheu suas narinas. Eram sensações demais para assimilar de uma só vez... a boca macia, as mãos firmes segurando seu cabelo, os contornos masculinos bem definidos. Sakura sentia em cada beijo uma razão a mais para se apaixonar por ele.

Quando eles se separaram, Sasuke pode ouvir claramente um gemido ofegante e descontente dela, o que fez ele abrir um sorriso confiante. — Vamos deixar isso para uma próxima vez, certo?

— Depende, você vai usar essa ereção a noite toda? — Ele não tinha percebido que seu amiguinho tinha ficado tão excitado com apenas aquele beijo. — Não se preocupe Sasuke, talvez ele vá embora antes que meus pais cheguem aqui.

Por coincidência, a campainha tocou no mesmo instante que Sakura terminou de falar, é claro que as chances de os pais dela serem os primeiros a chegar eram baixíssimas, mas o foi o suficiente para que o Uchiha se jogasse na cama de bruços tentando aliviar a sua situação.

Sakura, que já estava pronta e perfeitamente em controle dos seus órgãos genitais — ou assim, ela pensava, foi atender a porta, recebendo seu irmão, cunhada e sobrinho com abraços calorosos. O menino que insistiu em ficar no colo da tia teve que ser retirado a força pelo pai e distraído com o Ipad nas mãos da mãe.

Sasuke saiu do quarto e cumprimentou o trio de maneira extremamente amigável, o que surpreendeu tanto Sakura quanto Yahiko. — Desde quando vocês conseguem conviver no mesmo ambiente sem ofender um ao outro?

— “Naquele dia” — Sasuke falou se referindo ao dia em que eles fizeram as pazes. — Eu e Konan sentamos para conversar e decidimos acertar nossa situação, nenhum de nós merece ficar remoendo passado, principalmente porque ambos estamos em relacionamentos estáveis e somos mais felizes agora do que jamais fomos juntos.

— Fico feliz que tenha feito isso, tanto por mim, quanto por você. — Ela depositou um beijo na bochecha do rapaz e o enviou para abrir a porta ao ouvir a campainha tocar novamente.

Dessa vez, quem estava na porta era a família de Sasuke. — Olá meu amor. — Dona Mikoto abraçou o filho com carinho, e depositou beijos em seu rosto, e logo em seguida lhe deu um tapa no braço. — Dois dias sem me ligar, e do nada você me chama para jantar? Não pude nem preparar um pratinho para trazer. Sakura querida, terá que perdoar a minha intromissão, não pude preparar nenhuma das minhas receitas no pouco tempo que o Sasuke me deu.

— Não se preocupe, Dona Mikoto, foi algo bem espontâneo da nossa parte, não precisava trazer nada além da sua presença. — A aura de Sakura era simplesmente algo reluzente e que agradava muito a sua sogra.

— Oi para você também mãe, não se preocupe, eu quem cozinhei todo o jantar.

— Você cozinhou? Sakura me diga que você tem o número da pizzaria mais próxima em discagem rápida no seu celular? — Seu irmão mais velho se pronunciou ironicamente, arrancando um sorrido debochado de Sakura.

— Itachi, não seja maldoso, seu irmão é um excelente cozinheiro. — Disse Izumi o cumprimentando.

— Pai, seja bem-vindo. — Fugaku foi o último a entrar, carregando seu neto no colo enquanto o distraia com suas chaves.

— E quem é esse bebê tão lindo do tio, vem cá vem. — O menino ao ver Sasuke imediatamente começou a chorar, arrancando risadas de todos os presentes.

Os amigos de Sakura foram chegando aos poucos, enquanto seus pais foram os últimos a chegar e antes das oito da noite, todos estavam reunidos ao redor da mesa enquanto Sasuke e Sakura serviam o jantar e o vinho respectivamente, pensando igualmente em quão longa seria aquela noite.

O jantar foi regido por longas conversas sobre crianças, adultos, casamentos, empregos, e tudo aquilo que resumia a vida das pessoas presentes. O pequeno Hideki se comportou perfeitamente, enquanto seu futuro primo Yato o distraia com os vários brinquedos que ele possuía na casa da tia.

— Bom, já que estamos todos bem alimentados, e bem servidos de vinho, Sasuke e eu temos duas notícias para compartilhar com vocês, e eu espero a compreensão de todos. — Sakura olhou apreensiva para todo mundo, principalmente seus pais, mas decidiu soltar toda a bomba de uma vez. — Sasuke me pediu em casamento, e eu disse sim, e eu estou grávida. É isso, obrigada e boa noite.

— Eu sabia. — Karin gritou e logo depois se calou.

O seguinte momento foi de puro silêncio, as reações contidas não eram exatamente o que o casal esperava, então Mikoto e Mebuki foram as primeiras a gritar, o que iniciou uma sequência de gritos e abraços de todas as amigas, porém Yahiko e Kizashi ficaram sentados durante toda a euforia, encarando o Uchiha mais novo.

— Quantos meses? Quando vai ser o casamento? Você quer se casar antes ou depois? Já sabe se é menino ou menina? Como foi o pedido? Ele se ajoelhou? Cadê o anel? — Essas foram algumas das perguntas feitas para Sakura que foi arrastada para o meio das mulheres, enquanto apenas os homens ficaram sentados na mesa, assistindo cuidadosamente cada movimento de Sasuke.

— Então você pretende casar com a minha filha? — Kizashi foi o primeiro a falar. — Interessante, essa é a primeira vez que escuto falar nisso, não houve nenhum pedido a mim, sequer uma consulta sobre o que eu achava sobre isso.

— Senhor Haruno, com todo o respeito, não foi minha intenção fazer isso sem consulta-lo antes, porém Sakura é uma mulher adulta, e acho que seria um pouco desrespeitoso a ela se eu tivesse que pedir sua permissão para que pudesse me casar com ela.

— Eu estou apenas brincando rapaz, fico feliz por vocês dois, sei que a minha primeira impressão pode não ter sido das mais amigáveis, mas em respeito a situação, minha filha tinha acabado de sofrer um acidente que aparentemente tinha sido sua culpa, então me perdoe.

Sasuke sentiu como se um peso enorme tivesse saído de suas costas, o que fez com ele finalmente pudesse respirar, mas então Yahiko soltou uma indagação.

— Então você engravidou minha irmã? — E mais uma vez, Sasuke prendeu a respiração e sentiu o suor frio escorrendo por sua testa.

— Acredite em mim, foi tudo ideia dela. — Yahiko não conseguiu manter o teatrinho de irmão irritado por muito tempo, e logo soltou uma risada junto com todos os homens presentes na mesa, que foram se levantando de um a um, e também parabenizando o rapaz.

Na sala de estar, todos estavam reunidos enquanto Sakura e as amigas faziam planos para um possível casamento pós-gravidez, porém a garota já tinha decidido que não seria assim que as coisas iriam acontecer.

— Eu quero me casar antes da criança nascer, o que significa que temos em torno de 6 meses para arranjar tudo.

— Mas querida, você não precisa apressar as coisas, eu acredito que Sasuke não teria problema em se casar depois que o bebê nascer, não é Sasuke? — Perguntou Kizashi.

— Não, claro que não. — Respondeu imediatamente, o que gerou uma risada de deboche de Sakura, visto o quão medroso ele era diante do pai dela.

— Mas isso não tem a ver com o Sasuke, tem a ver comigo e com o que eu quero. Eu quero me casar em fevereiro, antes do bebê nascer, e essa decisão tem que ser minha, e eu preciso que vocês concordem comigo ou então que pelo menos me apoiem.

— É claro que iremos concordar, mas por que a pressa amiga? Você deveria curtir a sua gravidez sem todo o estresse que envolve organizar um casamento, e não correndo de um lado para o outro atrás de coisas, por exemplo, onde vai arranjar um vestido de casamento para uma grávida de 9 meses em apenas 6 meses?

— Ino, por favor. Eu já tomei essa decisão a muito tempo, desde antes do Sasuke sequer fazer a proposta. E eu vou precisar da ajuda de todos vocês para que isso aconteça, ok?

— Eu não acredito que a minha bebê vai finalmente se casar e me dar um netinho. — Mebuki se levantou e abraçou a filha com carinho, segurando as lágrimas. — Ninguém nesse mundo torce tanto pela sua felicidade quanto eu, meu amor, então se o que você precisa para ser feliz é um casamento em 6 meses, é isso que você vai ter.

— E todos aqui vão se esforçar para isso aconteça de maneira impecável, não vão? — Mebuki deu praticamente um ultimato a todos os presentes, que simplesmente acenaram positivamente em concordância. — Viu, deixe tudo nas minhas mãos, que mamãe vai lhe dar o casamento dos seus sonhos, mas você tem alguma data em mente?

Sakura que também estava segurando suas lágrimas olhou para Sasuke e teve sua resposta. — Dia dos namorados — Responderam em uníssono.


Notas Finais


Leiam as notas iniciais, tem alguns recadinhos importantes para vocês <3

Ou então, entrem no nosso grupo no wpp: https://chat.whatsapp.com/FBMHMfZfOS31nR72MoxPlW


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...