História Um pouco sobre nós - Capítulo 12


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Bts, Jhope, Taehyung
Visualizações 77
Palavras 2.542
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 12 - Capítulo 12


Era segunda feira novamente, o tempo continuava frio, de modo que Ana saiu de casa com cachecol, luvas e um gorro, todos cor de creme, combinando com seu casaco enorme e cor de caramelo. Ela ainda não se acostumara completamente com o frio, apesar de já estar na Coréia há algum tempo, sempre se perguntava se era normal sentir aquele frio todo ou se ela era mais sensível que a média, talvez por ser brasileira e estar acostumada com o calor infernal que fazia praticamente ao longo do ano todo no Brasil.

            Caminhou até a empresa como normalmente fazia, não podia negar que estava mais ansiosa que o normal para alguém que ia ao trabalho, mas é claro que a expectativa de rever Taehyung tornava tudo mais interessante, a fazia esquecer dos momentos em que pensava em desistir de ser maquiadora, em que se sentia desmotivada ou coisa do tipo. Bom, a fazia esquecer quase completamente...

            Mas Ana sabia que sua ansiedade não era mera vontade de vê-lo, no fim das contas, era devido à decisão que ela havia tomado pela manhã. O domingo inteiro ela passou tentando evitar aquela ideia, por isso talvez tenha se ocupado tanto com a limpeza do apartamento, e tenha evitado quase completamente pegar no celular, sequer trocou mensagens com Taehyung, ela tentava ignorar, mas sabia que mais cedo ou mais tarde teria que contar a ele sobre as mensagens que recebera. Torcia um pouco para que não fosse tarde demais, para que ele não ficasse preocupado ou pior, com medo de se envolver com ela, afinal, ela mesma tinha um único medo em relação àquilo tudo: machucá-lo, de alguma forma.

            Ana diminuiu os passos sem perceber enquanto pensava no assunto, o que lhe rendeu um esbarrão e reclamação da pessoa que vinha caminhando atrás, Ana não tinha certeza, mas era bem provável que fosse um xingamento em coreano. Ela bufou enquanto caminhava devagar, a fumacinha branca de inverno se formava à medida que ela respirava pesado. Parecia ter se esquecido completamente do que ela começou a chamar de “problema das mensagens” na última semana, e agora se repreendia por ter sido tão descuidada com aquilo tudo, o medo de que aquilo pudesse afetar Tae voltava a assombrá-la. Ainda mais depois de descobrir que ela não era a única a ser ameaçada, lembrou-se da mensagem que Jhope pressionou contra o nariz dela acusando-a. O pensamento de que as coisas pudessem estar relacionadas martelava em sua cabeça, o que contradizia totalmente o fato das mensagens terem partido do mesmo número de celular de Caio, qual seria a relação daquilo tudo com Jhope? Para Ana, nenhuma... Mas ela sabia o quanto aquilo podia ser assustador, por isso também estava decidida a ir conversar com Jhope a respeito, descobrir o que ele sabia, pelo que ele estava passando e se poderia ter algo a ver com o que aconteceu com ela, talvez eles pudessem se ajudar, talvez ele tivesse alguma ideia.

            Ana finalmente chegou à empresa, ainda contrariada pelos próprios pensamentos, mas achou melhor assim, achou melhor ir direto conversar com ele. Chegou ao andar habitual onde trabalhava, hoje era um daqueles dias que antecediam shows, por isso ela tinha um trabalho prioritário que consistia em ajuntar o material necessário para as maquiagens do dia seguinte e demais itens para o show, já que o estilo que os meninos usariam já havia sido definido previamente. Encontrou apenas Sun He na salinha e pôs-se a ajudá-la na esperança de que algum dos meninos eventualmente passasse por ali, indicando que eles haviam chegado para que ela pudesse se preparar para ir atrás de Taehyung.

O celular vibrou bem rapidamente, quando Ana o alcançou para poder atender, já haviam desligado. No lugar, havia uma mensagem na tela, da mesma pessoa que tentara ligar: Caio.

“Descobri a verdade, não precisa mais se preocupar”

            Ana levou um susto. Estava pronta para ligar para ele e perguntar se era verdade, se ele não estaria brincando com ela, mas a próxima mensagem dele foi mais rápida.

“Estou no trabalho, não posso falar agora. Mais tarde te procuro. Apenas não se preocupe, Ana, eu resolvi as coisas, como te prometi”

            Ana teve dificuldade de processar as coisas, ele havia descoberto, finalmente. Devia ser verdade, não havia por que ele mentir, certo? Ana deu de ombros frente a parte do “não posso falar agora”, discou o número dele e ligou. Não queria nem saber, como ele podia jogar uma informação dessas e não se explicar? Depois de três tentativas, a menina desistiu e preferiu esperar que ele retornasse à ligação mais tarde. Se conteve em acreditar que agora não havia mais perigo.

Demorou algumas horas para que ela se acalmasse, mas enfim, quando um dos meninos apareceu, Ana lembrou-se de seu plano original de encontrar e conversar com Tae. Jhope entrou na sala:

            - Oi, Hoseok! – Sun He foi a primeira a se pronunciar, soou um pouco mais esganiçada que o normal.

            Hoseok sorriu e curvou-se, ao que ambas fizeram o mesmo.

            - Precisa de alguma coisa? – Sun He perguntou logo em seguida, falando baixinho como era seu costume.

            - Só algumas coisas que deixei aqui ontem – Ele começou a responder, mas foi prontamente interrompido por Sun He que, pelo visto, estava mais do que disposta a ajuda-lo.

            - Eu posso pegar para você, o que-

            - Está tudo bem, eu mesmo pego, não se preocupe – Ele disse e lhe dirigiu um sorriso simpático. Sun He ficou sem jeito e Ana pôde jurar que viu a moça corar, provavelmente por causa do sorriso de Hoseok.

            Ana continuava a mexer com suas coisas, dessa vez organizando alguns papéis no canto, Hoseok foi até um dos armários onde os meninos geralmente deixavam as coisas que não queriam levar para o dormitório, pegou uma mochilinha vermelha e saiu. Tudo normal, Ana pensou, queria conversar com ele, mas precisava fala com Tae antes. Aproveitou a deixa de Jhope e disse a Sun He que precisava resolver algumas coisas com uma das outras maquiadoras.

            Ana saiu da sala aos tropeços para ver onde Jhope ia com aquela mochila, provavelmente o mesmo lugar onde Tae estaria. Seguiu-o à distância até o estúdio no fim do corredor, “bem óbvio” Ana pensou, esperou ele entrar e espiou pela porta para ver se tinha mais alguém na sala, alguém como o diretor, que provavelmente acharia bem estranho ela interromper o ensaio dos meninos e seu próprio trabalho para chamar Tae para uma conversa particular. A questão é que precisava ser feito agora, o quanto antes ela resolvesse isso melhor, e a única outra opção era a hora do almoço, que, era bem provável, seria inútil para qualquer coisa a não ser ouvir o diretor falar incessantemente sobre os planos para o show seguinte, a turnê seguinte, etc.

            Infelizmente, lá estava Min Su, na sala junto com os meninos e alguns coreógrafos. Não pareciam estar fazendo nada demais, Tae estava jogado em um dos sofás, olhando para o teto enquanto esperava um dos fisioterapeutas largar do pé dele, literalmente; Junkook também estava na mesma situação. Jimin e Jhope conversavam no canto, sentados em outro sofá e Jin conversava com o diretor. Namjoon e Suga, pelo visto, não estavam na sala. Ana observou o fisioterapeuta terminar seu trabalho no pé de Tae e então enviou uma mensagem para ele.

“Está ocupado?”

            Ana ficou feliz ao observar que Tae prontamente pegou o celular para respondê-la.

“Não muito, porque?”

“Estou aqui fora”

            Ela respondeu e viu Taehyung girar a cabeça confuso, olhando em volta, procurando-a. Logo ele identificou a mexa de cabelo dela que aparecia pela fresta da porta, levantou-se e foi até a menina.

            Taehyung fechou a porta atrás de si e aproximou-se de Ana. Disse-lhe um “oi” seguido de um sorriso, Ana instintivamente olhou para os lados, para ver se havia alguém mais no corredor, Taehyung percebeu seu gesto e interpretou como se aquilo fosse um sinal para que ele se aproximasse. Tae não olhou para os lados como fez Ana, ele continuava olhando para ela.

            - E então, alguém a vista? – Perguntou com seu habitual sorriso e uma pontinha de malícia.

            - Eu acho que não – Ela respondeu, o rosto já bem próximo do dele, foi inevitável olhar para os seus lábios, que logo estavam pressionados contra os dela.

            Taehyung segurou a lateral do rosto da menina e pressionou um beijo contra os lábios dela, mas logo se separaram, afinal, estavam ainda dentro da empresa.

            - Será que a gente pode ir naquela salinha de novo? O estúdio do Namjoon... – Ana sentiu as bochechas ficarem vermelhas ao se lembrar que foi lá que beijara Taehyung pela primeira vez, mas o que ela podia fazer? Aquela era uma das salas mais reservadas que ela conhecia, seria ideal para conversar com Tae sem que fossem vistos. Taehyung provavelmente havia entendido o convite errado, a julgar pelo sorriso malicioso que ele começava a mostrar enquanto Ana falava.

            - Eu, han... preciso falar com você – Ela completou a frase. O sorriso de Tae imediatamente deu lugar a uma expressão preocupada. Ana odiava aquela frase “Eu preciso falar com você” sempre a deixava desconfortável, e o pior de tudo era quando alguém dizia aquilo e depois sumia, a deixava aflita, mas não encontrou forma melhor de dizer a ele, a frase escorregou impulsivamente de seus lábios.

            Taehyung balbuciou alguma coisa que parecia ser um “ok” e rapidamente pegou a mão de Ana para conduzi-la à salinha. Tae abriu a porta lentamente, para se certificar de que nenhum dos meninos estava lá, acendeu a luz e entraram.

 

***

            Taehyung mirava o chão sentado em uma das mesas da salinha, apesar de Ana estar em pé bem a sua frente.

            - Eu posso ver? – Ele perguntou.

            Ele estava sério como Ana nunca havia visto antes, mas não era só isso, estava um pouco decepcionado também. Constatar aquilo magoava Ana, mas ela entendia o porquê.

            Ana puxou o celular do bolso e entregou a ele. Ela havia contado sobre como tudo começou, como ela descobriu que o número era o mesmo do ex-namorado dela e tudo o que aconteceu depois. Por fim, disse que agora já estava tudo sob controle, que Caio havia descoberto a razão por trás de tudo. “E o que seria?” perguntou Taehyung, Ana se enrolou na resposta, afinal, nem ela sabia, “ainda”, ela enfatizou.

            Taehyung não falou nada por alguns minutos, o que deixou Ana ainda mais nervosa, o garoto lhe devolveu o telefone e agora mal a olhava. Ana achou melhor explicar porque exatamente ela decidira contar tudo para ele agora, e tinha a ver com Jhope.

            - Na verdade, tem um tempinho que não converso com ele – Taehyung respondeu – Ele ficou uns dias fora na casa da irmã dele, ela veio visitá-lo, lembra?

            Ana fez que sim com a cabeça, lembrava-se que Jhope não estava em casa quando fora se encontrar com Tae.

            - É que ele me mostrou algo, uns dias atrás, no celular dele e eu... Eu fiquei preocupada, Tae – Ana começou a explicar. Taehyung franziu a testa por um momento, depois se lembrou daquela cena nada agradável em que os dois eram interrompidos por Hoseok um tanto quanto furioso. Ele logo se deu conta do que ela estava falando, mordeu os lábios e voltou a olhar para os lados.

            - Então você sabe? – Tae perguntou, surpreendendo-a.

            - Sim, quer dizer, ele jogou a mensagem na minha cara, isso é tudo que eu sei. Vocês conversaram a respeito? – Ana perguntou.

            - Hoseok comentou que havia alguma coisa, mas disse que resolveria, que não queria envolver a empresa, sabe como é. Ele não entrou em detalhes, depois foi para a casa da irmã e não ficamos sabendo sobre nada – Tae respondeu sério.

            - Bom, eu acho melhor eu conversar com ele, Tae. Ele acha que a culpa é minha e eu não faria nada para machucar ele, ou alguém – Ana pôs-se a falar. Ela sabia exatamente como Hoseok deveria se sentir naquela situação, afinal, ela havia passado por algo parecido, e a ideia de que ele pensasse que ela era capaz de fazer aquilo com alguém a magoava. Isso aliado ao fato de que Ana acreditava também ter magoado Tae, ao contar sobre tudo, a deixou ainda mais insegura.

            - Eu não sei porque, Tae. Você sabe que eu não faria isso com alguém – Ana prosseguiu, já tropeçando nas palavras em coreano, sentia suas bochechas esquentarem e tentava segurar as lágrimas que se formavam no canto do olho.

            Tae notava o desamparo da menina, antes que ela continuasse falando e acabasse chorando, ele rapidamente puxou-a contra si, envolvendo-a em um abraço. Tae ainda continuava escorado na mesinha, de modo que ficava quase na altura de Ana, segurou firme as costas da menina e apoiou a cabeça em seu ombro, fechou os olhos, era bom ficar assim.

***

 

            Saíram da salinha minutos depois, ambos precisavam voltar ao trabalho. Ana respirou fundo e voltou ao encontro de Sun He, depois de se despedir de Taehyung. Primeiro mandaria uma mensagem para Jhope, perguntando se ele poderia conversar com ela, depois ligaria incessantemente para Caio, até que ele atendesse e pusesse um fim definitivo a isso.

            Ana se deu conta de que não tinha o telefone de Jhope. Olhou para Sun He, que mexia com papéis e um computador na mesa ao lado da sua, ela estava lá há bem mais tempo, provavelmente teria o telefone dos meninos a essa altura, de vez em quando eles sumiam ou se atrasavam e elas precisavam correr para terminar a maquiagem em dias de show.

            - Sun He – Ana chamou – Você por acaso tem o telefone do Hoseok?

            Sun He pareceu empalidecer quando ouviu a pergunta. Gastou um tempinho para processar o pedido, então pôs-se a procurar seu celular dentro da bolsa. Tirou-o lá de dentro e passou o número para Ana. Enquanto Ana digitava a mensagem que mandaria para Hoseok, Sun He perguntou, aleatoriamente:

            - Pra que você han...precisa falar com ele?

            - Só resolver algumas coisas, da empresa, nada demais – Ana respondeu prontamente, mentindo, é claro.

            Ana percebeu que Sun He não se satisfez com a resposta, mas fingiu não ter percebido, afinal, como explicar?

            Assim que saíram para o almoço, Ana tentou ligar para Caio, na terceira tentativa ele atendeu. Ana nem considerava mais a possibilidade de ele atender, por isso, quando ele disse que iria até a casa dela contar o que descobriu, Ana se apavorou e disse que não ia ser possível, que ela ficaria até mais tarde na empresa. Caio insistia em contar pessoalmente, pois era tudo por culpa de um celular, afinal das contas, que as coisas aconteceram, e ele, no fundo, só queria que ela acreditasse nele.

            - Então eu vou até a sua empresa – Ele respondeu.

            Ana definitivamente não estava preparada para aquela solução que ele deu.

            - Ana? – Caio perguntou novamente, já que ela deixara de responder – Eu preciso desligar, passo aí no fim da tarde, te mando mensagem, me encontra na porta, ok?

            E foi praticamente isso, ela não conseguiu pensar em nada melhor, apesar da ideia de ter Caio na porta de seu trabalho não fosse das melhores, pelo menos ela ficaria sabendo logo o que de fato aconteceu. Não aguentava mais ficar naquela situação.


Notas Finais


Comentários são bem vindos
(me digam se estão gostando pelo amor do spirit hahaha)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...