História Um Presente do Céu - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Abo, Alfa X Omega, Anjos, Bangtan Boys, Bts, Humanos, Jikook, Jimin!bottom, Jimin!ômega, Jungkook!alfa, Jungkook!top, Kookmin, Lemon, Long-fic, Mpreg, Romance, Soulmates, Taegi, Taehyung, Yaoi, Yoongi
Visualizações 206
Palavras 2.597
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, LGBT, Misticismo, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá! Eu disse que o próximo capítulo não demoraria né, então aqui estou eu com mais um capítulo. Espero que vocês gostem. Obrigada pelos favoritos e comentários, é muito gratificante saber que vocês estão gostando. Eu gostaria de dizer também que hoje postei uma fic nova, uma oneshot ABO também de Jikook, mas tem Taegi e Joohyuk também; está muito legal e divertida. Vou deixar o link nas notas finais para que depois vocês possam estar conferindo. Garanto que está muito boa rsrs. Então vamos ao capítulo de hoje. Boa leitura à todos!

Capítulo 2 - Um sonho.


Fanfic / Fanfiction Um Presente do Céu - Capítulo 2 - Um sonho.

No dia seguinte, por volta das quatro horas da tarde, Park Jimin foi liberado, e depois de realizar mais alguns exames apenas por precaução, os médicos lhe deram alta.

Como não conseguiram nenhuma informação a respeito de sua identidade, não podiam fazer mais nada a não ser lhe dar alta e torcer para que o jovem encontrasse seu caminho.

O confuso e desmemoriado Park ficou imensamente feliz quando Jungkook ofereceu sua casa para ele ficar, pelo menos até recuperar a memória ou ter notícias de algum parente. E mesmo que tenha ficado um pouco receoso com tanta generosidade, resolveu aceitar, afinal, não estava em condições de negar ajuda.

Depois que conversou um pouco melhor com Jungkook, pôde ver que ele era apenas um rapaz comum, que morava sozinho, estudava e trabalhava para poder se sustentar. Não era como se apenas com estas informações já soubesse tudo a respeito de Jeon, mas isto era o suficiente para não lhe fazer sentir medo dele.

Jungkook quando saiu da casa dos pais, trouxe tudo que era seu; desde sua coleção de HQs da Marvel, à suas roupas da época de adolescente; que agora aos vinte e três anos, já não as usava mais simplesmente por não servirem em seu corpo. O que para Jimin veio muito a calhar, pois agora teria pelo menos umas mudas de roupas para chamar de suas.

Jimin assim como Jungkook era jovem, e aparentava ter no máximo uns vinte e cinco anos. Entretanto, nem Jeon e nem o próprio Park conseguiam estipular sua idade, já que Jimin possuía um jeito meio estranho, horas no modo de falar, horas no modo de agir. Às vezes ele usava umas palavras meio esquisitas para tentar saber sobre alguma coisa, palavras que muitas das vezes Jungkook julgava nem conhecer.

- Olha Jimin, eu sei que aqui não é muito grande, mas eu tenho um colchão inflável, e se você preferir pode dormir na sala ou pode ficar aqui no meu quarto mesmo. – Jungkook ainda não sabia direito como falar com ele, ainda se sentia um pouco desconfortável por estar abrigando um estranho em sua casa. Mas algo dentro de si lhe dizia que não havia nada com o que se preocupar, pois Jimin não lhe faria mal algum.

- Obrigado, Jungkook. De verdade. – ele olhou para Jeon, e mesmo que não conseguisse dizer em palavras o quanto estava agradecido por seu gesto, seu olhar conseguiu dizer tudo que estava em seu coração naquele momento; toda a gratidão que não conseguia expressar.

- Eu vou separar umas toalhas pra você tomar banho enquanto eu preparo a janta. Vem. Vou te mostrar onde fica o banheiro. – assim ele pegou uma toalha de banho, entregando-a para Jimin e saiu do quarto para apresentar o banheiro que ficava no corredor.

- Só uma pergunta.

- O que foi?

- Como eu faço isso? – Jimin supostamente havia perdido a memória, então, muitas ações comuns do cotidiano foram apagadas de sua memória.

- Isso o quê?

- Isso! Tomar banho.

- Você não sabe tomar banho?

- Não.

- Tá, isso é meio estranho. – ele o olhou estranho. Tá que ele havia perdido a memória, mas não saber nem tomar banho? Era quase como dizer que não sabia falar. – Bom... você vai ter que fazer assim... – e depois do breve tutorial de como tomar banho, Jeon deixou que Jimin se virasse no banheiro e foi para a cozinha fazer a comida.

Enquanto preparava um lámen para eles, colocou umas músicas para tocar em seu celular, e nem percebeu em que momento Jimin aparecera ali já de banho tomado e de roupas limpas, com o cabelo molhado que lhe deixava com uma aparência ainda mais juvenil e incrivelmente bonito.

- Esse cheiro está magnífico. O que é isso que você está fazendo?

- Um lámen com frango, ovos e algumas verduras.

- Eu não sei o que é tudo isso, mas sei que minha barriga parece reagir a isso de alguma forma. Ela não para de doer e fazer uns sons estranhos. – ele riu e Jungkook também.

- Sua barriga está roncando; sinal de que você está com fome.

- Fome. Então isso que eu estou sentindo se chama fome?

- Sim Jimin. – ele riu soprado. – Você não lembra de nada mesmo, não é?

- Tem algumas que meu corpo já parece saber o que fazer, como se fosse uma resposta automática. Mas tem certas coisas que você fala que eu não faço a menor ideia do que sejam ou de como as fazer.

- Entendo. As pessoas quando perdem a memória geralmente passam por esse estado de confusão mental. Isso é normal. Daqui a pouco você já vai se sentir mais normal para fazer as coisas.

- Jungkook.

- Hum?

- Minha cabeça dói.

- Talvez seja fome. Tá doendo muito? – Jimin levou as duas mãos à cabeça, com uma cara nada boa. – Senta um pouco, eu vou ver se tenho algum remédio.

Depois de sentá-lo no sofá ele foi até sua farmacinha do banheiro verificar se tinha algum comprimido que ajudasse a passar a dor de Jimin.

- Toma. Engole isso com um pouco de água. – entregou o comprimido e um copo com água para o outro. Sendo rapidamente obedecido. – Agora fica quietinho aí que eu vou trazer a comida e depois você vai dormir um pouco, acho que ainda precisa descansar mais para se recuperar melhor.

- Tudo bem. – ele apenas jogou a cabeça para trás, encostando-a no sofá, enquanto fechava os olhos, na esperança de que aquela intensa dor diminuísse.

Jungkook o deixou ali e voltou para a cozinha para conferir o cozimento do macarrão.

Jimin permaneceu quietinho onde estava, de olhos fechados, de um modo tão compentrado que já nem podia mais ouvir o que estava ao seu redor, como se tivesse adormecido.

Naquele momento, ele começou a ter uns fleches de algo que tinha feito. Seriam suas memórias voltando ou apenas um sonho? Não. Jimin não estava sonhando porque não estava dormindo. Estava acordado, mas estava tão imerso nos próprios pensamentos, que já nem se lembrava mais onde estava naquele momento.

 

- Como vai sua patrulha de hoje Anael?

- Nada tão grave. Ele quase ía sendo atropelado, porque estava mexendo naquele aparelhinho e não viu que o sinal ainda estava aberto para os veículos, mas eu dei um jeitinho de impedir.

- Muito bem. Só não se esqueça que você não pode intervir para ajuda-lo se perceber que a vida da outra pessoa será prejudicada.

- Sim, eu sei. Fique tranquilo, ele é um pouco desastrado, mas é esperto.

 

- Jimin? – Jungkook foi até ele na sala e o chamou assim que a comida ficou pronta.

- Ham? O quê? O que foi? – ele despertou completamente assustado e desnorteado.

- Ei, fica calmo. – ele riu de leve do espanto do rapaz. – Só vim te chamar pra comer. Você tá bem? – perguntou vendo a cara de confusão e espanto que Jimin carregava naquele momento.

- Estou sim. Não foi nada, eu só acho que vi alguma coisa. – tentou explicar.

- Alguma coisa o quê? – Jungkook não estava entendendo.

- Na minha cabeça. Dentro dela.

- Um flash de memória. É isso?

- Eu não sei. Era como se eu fosse eu, mas não fosse eu. – tá! Aquilo na certa deixou Jungkook ainda mais confuso. Se antes já não entendia muito o que Jimin falava, agora então, ficou sem entender completamente.

- Calma. Explica direito.

- Eu também não sei Jungkook. Eu estava falando com alguém, mas essa pessoa não me chamava pelo meu nome. E o lugar não era como aqui. Parecia um vazio cheio de branco. – Jimin não se lembrava de estar naquele lugar, e desde que acordou no hospital, não viu nada que pudesse se comparar ao que viu em pensamento.

- Olha... muitas vezes nossa cabeça nos engana. – Jungkook sabia que toda essa fase era realmente cheia de confusão e incertezas, então tentou tranquilizar Jimin. – Talvez isso que você pense ser uma memória, seja na verdade só um sonho. Você estava cochilando quando cheguei aqui.

- Não me parecia um sonho. Era... tão real. – Jimin recordou a cena outra vez em sua cabeça. Ainda estava incrédulo que talvez fosse apenas um sonho, pois parecia real demais para ser uma pegadinha de sua mente.

- Eu sei como é. As vezes sonho que tô caindo e acordo de tão assuntado bem no meio da noite, de tão real que parece ser.

- É... acho que você está certo.

- Não se pressione, uma hora suas memórias vão voltar. Eu tenho certeza. – Jungkook lhe deu um sorriso que transmitia confiança, e Jimin se sentiu melhor só de poder olhar para algo tão sincero. – Vem comer, você ainda precisa repor as energias e depois descansar.

Assim, Jungkook o levou para comer. E como comeram. Jimin repetiu duas vezes e Jungkook também, a comida estava realmente ótima.

O dono da casa tentou conhecer um pouco mais de Jimin, mesmo sabendo que seria quase impossível, já que este não conseguia se lembrar de nada sobre sua vida. Então, a conversa que Jungkook iniciou acabou sendo para que Jimin pudesse o conhecer melhor.

- Eu gostava de jogar futebol, mas acho que nunca levei muito jeito pra esportes, daí os outros garotos da minha turma ficavam me zoando por não saber jogar. Você já me parece ser o tipo de garoto que era zoado por ser baixinho. – Jungkook não podia deixar de notar que Jimin não tinha muita altura.

- Eu até poderia dizer que não, se me lembrasse, mas como não lembro, acredito que sua especulação esteja correta. – mesmo que Jimin não se lembrasse de nada, conversar com o outro sobre tudo aquilo estava sendo extremamente agradável.

- Ei eu tive uma ideia. Você provavelmente não se lembra o que é assistir um filme, certo?

- O que é isso?

- Um filme é uma estória fictícia onde as pessoas fingem viver aquilo. Existem vários gêneros, os que te fazem rir, os que te fazem chorar, os que te fazem sentir medo... enfim, vários tipos. O que acha de assistirmos um? Vai ser bom pra você relaxar.

- Se você diz que é bom fazer isso, então por mim tudo bem.

- Vamos lá pro quarto. Vou arrumar sua cama e aí assistimos.

Jimin e Jungkook foram para o quarto. O maior fez conforme havia dito: arrumou a cama onde Jimin dormiria e em seguida ligou a televisão, para procurar algo que pudesse melhorar o humor do rapaz.

Vasculhou as opções da Netflix, em busca de algo que pudesse deixar o garoto mais leve, que o relaxasse. Acabou optando por uma comédia romântica.

Cada um se acomodou em seu cantinho, da melhor maneira que encontraram.

Jimin estava deitado em posição fetal, completamente encolhidinho e virado para a tv. Jungkook de sua cama, matinha um olho no filme e o outro em Jimin; para ver se ele estava bem.

Desde que ele encontrara Jimin, reparou em uma característica peculiar, que ele diferente das demais pessoas não apresentava: o odor característico de sua classe. Jimin não possuía o cheiro que indicava a qual classe pertencia, então, Jungkook não sabia dizer o que ele era. Até pensou no começo que isso fosse devido ao estado de quase morte em que o encontrou; mas agora já estava se recuperando, seu corpo parecia bem e ainda assim nenhum cheiro ele conseguia detectar vir de Jimin. Um fato um pouco estranho, mas que não teria coragem suficiente para questionar, por julgar não possuir muita intimidade com Jimin para isso e provavelmente por talvez já saber a resposta que receberia do Park.

Preferiu deixar aquele detalhe em off.

Jimin permaneceu quieto como estava desde que Jungkook passou a observá-lo. Mal sabia Jeon que o desconhecido havia pego no sono na metade do filme. Talvez pelo cansaço devido a situação que passara ou a sua dor de cabeça, ou a ambos os fatores. O maior só se deu conta quando o filme acabou e desligou a televisão, não ouvindo sequer uma palavra de Jimin.

Se levantou para se ele estava bem e viu que apenas havia dormido. De um jeito tão lindo e sereno, que sua visão era quase a de um anjo; um anjo bem ali na sua frente.

O pegou no colo e colocou em sua cama e em seguida o cobriu, para que o frio não lhe incomodasse. Deitando-se agora no colchão inflável que havia arrumado para que Jimin dormisse.

Ele não sabia o porquê de estar fazendo aquilo tudo, apenas sua compaixão para com outro ser humano talvez não fosse capaz de explicar por que estava ajudando tanto aquele desconhecido. Apenas sentia que devia fazer isso, seu coração dizia que era o certo, então apenas confiou nele.

[...]

Ainda era madrugada quando Jungkook acordou, com o som de um choro baixo ao seu lado. Não conseguiu ignorar, precisava saber se estava tudo bem com Jimin.

Devagar se levantou e foi até Jimin, com cautela colocando sua mão sobre o ombro do menor, que estava em colhido e virado para o lado oposto de seu colchão.

- Aconteceu alguma? O que foi? – ainda meio sonolento, lhe perguntou.

Jimin tentou secar suas lágrimas, enquanto pronunciava um “não foi nada”, na tentativa inútil de não deixar Jungkook preocupado.

- Como não foi nada? Você está chorando. Pode falar comigo; o que te deixou assim? – sua preocupação era tão genuína que seria injusto lhe esconder a verdade.

- É só que... eu estou com saudades de casa. Não sei onde ela fica, mas esse vazio no meu peito dói tanto que se eu pudesse iria agora mesmo. – as lágrimas silenciosas denunciavam seu sofrimento.

Jungkook só queria poder fazer algo para que elas cessassem, mas estava um pouco fora de seu alcance encontrar o lar do menor. Optou fazer o que achava que poderia ajudar, deu um abraço em Jimin.

Aquilo era estranho para o menor, que desconhecia aquele gesto, e ainda mais para Jungkook, que não era costumado a abraçar nem mesmo seus melhores amigos, quem dirá um estranho. Entretanto não viu outra opção para tentar fazer com que o choro de Jimin parasse. Mas bastaram alguns segundos naquele abraço para que ambos sentissem naquele ato um conforto que jamais experienciaram.

- Vai dar tudo certo. Nós vamos encontrar sua família e quando menos você esperar já vai estar ao lado deles. – talvez as lágrimas quentes de Jimin já estivessem molhando sua camisa, mas não se importou. – Vai ficar tudo bem.

- Eu só queria poder não sentir isso. Por que isso dói tanto Jungkook? – ver aquele ser tão delicado sofrendo daquele modo era de partir qualquer coração; e o de Jungkook agora também já estava angustiado, por ver o sofrimento do outro.

- Confie em mim; isso vai passar. Eu sei que agora está doendo bastante, mas vai passar. Amanhã é um novo dia; e você vai ver que as coisas serão diferentes. Mas você precisa acreditar em mim e parar de chorar, ok?

-  Tá bem. – ele voltou a secar mais algumas de suas lágrimas, saindo dos braços do maior.

- Eu vou voltar para o colchão, se precisar de alguma coisa é só me chamar.

- Obrigado. – voltou a deitar, encolhendo-se debaixo do cobertor novamente.

Jungkook de baixo, só conseguia desejar que o outro pudesse ter o resto do sono sossegado. Que a tristeza o deixasse para que pudesse assim dormir em paz. Fez até uma breve oração, pedindo a seu anjo da guarda que lhe fizesse um favor e apenas aquela noite, também zelasse por Jimin.


Notas Finais


Espero que tenham gostado. Deixem seus comentários, isso me ajuda a saber o que estão achando e me incentiva também >.< Beijos!

Esse é o link da oneshot que falei lá em cima. Espero que leiam e se divirtam: Sugar Free Party
https://www.spiritfanfiction.com/historia/sugar-free-party-13886230


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...