1. Spirit Fanfics >
  2. Um problema que começa com Bang e termina com Chan-Changchan >
  3. Capítulo 25.

História Um problema que começa com Bang e termina com Chan-Changchan - Capítulo 25


Escrita por:


Notas do Autor


Esse capítulo contém cenas +18 então se você se sente desconfortável, quando chegar nessa parte apenas pule.

Capítulo 25 - Capítulo 25.



4 meses depois.

Nesse meio tempo comecei a frequentar a academia depois de muita insistência vinda do Bang Chan, no começo reclamei mas depois que meus braços e abdômen começaram a ficar definidos passei a gostar.Não que eu não me sentia confortável com meu corpo antes mas sempre quis ter um pouco de músculos e também faz muito bem a saúde para um sedentário como eu.Kihyun começou a trabalhar na loja de Wonho, com isso, conseguiu alugar um apartamento junto com Minho e agora os dois moram juntos.Mas ele passa a maior parte de seu tempo em minha casa já que diz que não quer ficar de vela dos minsung.Não tenho conversado muito com Changkyun mas amanhã ele vira ficar um tempo na casa de seus pais, não vejo a hora de vê-lo.Ah quase me esqueço, Chan passou a ir no psicólogo e isso o está ajudando bastante.

Agora nos estamos na casa de Wonho, todos reunidos.Conheci Minhyuk e Hyunwoo, eles são bem legais e divertidos.Quando estamos juntos viramos um trio que demos o nome de " Todos contra Bang Chan " ele sempre fica emburrado quando estamos juntos chega a ser divertido.

No começo do ano eu tinha apenas Changkyun, agora estou rodeados de amigos.Eu espero que o grupo nunca se separe.

- Quando que você tem corrida marcada? - Minho pergunta para Hyunjin.

- Não sei, não me lembro. - Responde pensativo.

- Como assim você não lembra? - Pergunta novamente.

- Eu estava bêbado. - Sim,Hyunjin começou a beber.Ele é fraco demais, com três copos já está capengando para algum canto. - De qualquer forma eu estou de castigo, as únicas pessoas em quem minha mãe confia são o Wonho e o Changbin.Por isso consegui sair de casa hoje.

- Viu pelo menos alguém me acha responsável. - Wonho fala orgulhoso.

- É que ela não te conheceu de verdade. - Bang Chan fala e todos caem na risada.

Meu celular vibrou no bolso de minha calça e o peguei.Tinha uma mensagem de Hyunjin e olhei para o mesmo que estava sentado do outro lado da sala, ele fez um gesto com as mãos para que eu lê-se a mensagem e assim fiz.Dizia que queria conversar comigo a sos sobre algo importante e que deveria ser agora.Eu me levantei indo lentamente em direção a cozinha, ninguém havia notado que eu estava saindo até escutar a voz de Jooheon.

- Onde estão indo? - Olho para trás e vejo Hyunjin que estava quase próximo de mim.

- Vamos...comer algo, já voltamos. - Falei e puxo Hyunjin para a cozinha, atravessamos a porta que dá acesso para os fundos e nos sentamos proximo a piscina.

- Agora me conta, o que aconteceu?

- Tem haver com Jooheon, desde que ele soube que Changkyun está voltando ele está estranho comigo.

- Estranho como?

- Ele não me dá atenção e fica só no celular sorrindo todo bobo.Quando pergunto o que ele está fazendo, fala grosso comigo e sai de perto de mim.Sabe eu sei que ele está conversando com Changkyun e o mesmo não tem culpa e nem tenho raiva dele. - Olha para um canto ficando pensativo e volta a falar. - Mas eu estou pensando em terminar com ele.

- O que? - Pergunto assustado. - Você tem certeza disso?

- Não sei, eu gosto dele mas não posso ficar em um relacionamento onde os sentimentos só vêm de uma pessoa.Eu só sirvo para ser usado. - Seus olhos estavam cheios da água.

- Pode chorar, não precisa segurar. - Ele me abraça pelo pescoço e começa a chorar. - Você não serve para ser usado, não pense sobre você dessa forma.Mesmo que seja difícil acreditar. - Afoguei seus cabelos com minhas mãos.

- Depois de 4 meses ele ainda gosta de Changkyun, o que estou fazendo de errado? - Ele diz com uma voz chorosa e abafada.

- O que está acontecendo? - Viro um pouco minha cabeça olhando para trás vendo Jooheon nos olhando preocupado.

- Nada, sai daqui.Você nem se importa mesmo. - Hyunjin fala limpando as lágrimas de seu rosto.

- Por que está falando comigo assim? O que eu fiz?

- O que você fez? - Ri soprado. - Esquece não quero discutir com você. - Ele se levanta pronto para sair mas Jooheon pega em seu braço.

- Vamos conversar. - Jooheon pede.Mas pelo olhar de Hyunjin ele não estava muito afim. - Por favor, vamos para minha casa e assim conversamos com calma.

- Está bem. - Ele desvia seu olhar que encontra o meu. - Tchau Changbin. - Aceno e eles saem me deixando ali sozinho.

Eu tirei meu tênis e me sentei na borda da piscina, coloquei meus pés devagar na água já que estava gelada e meu corpo se arrepiou por inteiro.O que está acontecendo com Hyunjin me fez lembrar de Bang Chan, ele de alguns dias para cá vêm me escondendo algo.Antes eu não suspeitava de nada, até que ontem estávamos juntos em minha casa e ele foi embora a tarde dizendo que iria para o hospital trabalhar.Ele acabou esquecendo seu notebook e o liguei para avisa-lo, mas quem atendeu foi sua mãe e a mesma disse que o loiro não ia trabalhar e saiu não especificando onde.E Pedi para que a Sra.Bang não dissesse que eu tinha ligado.Por que ele precisou mentir? Não conversei com ele ainda sobre isso porque queria evitar um clima chato hoje, Wonho ficou tão animando com a ideia de passarmos o fim de semana em sua casa.

- Está fazendo o que aqui sozinho?Jooheon e Hyunjin foram embora estavam meio estranhos. - Escuto a voz de Chan e sinto ele se sentar ao meu lado colocando seus pés na água e entrelaçando sua mão com a minha.

- Eles precisam resolver algumas coisas não se preocupe. - Falei sem olha-lo, fitando meus pés balançaram sobre a água.

- Me conte o que está te incomodando.

" Odeio quando não consigo esconder o que estou sentindo "

- Você tem alguma coisa para me contar? - Pergunto indo direto aonde quero chegar.

- Tenho...mas eu não posso agora.É uma surpresa, certeza que irá gostar.

- Surpresa? Você estava estranho esses dias por causa dessa surpresa?

- Ficou tão óbvio assim? - Pergunta rindo.

- Ficou mais que óbvio, mas só passei a desconfiar ontem, quando eu te liguei para avisar que esqueceu seu notebook e sua mãe atendeu dizendo que você saiu para algum lugar.Fiquei bem chateado quando descobri que você mentiu, já estava criando paranoias em minha cabeça.

- Me desculpe por mentir mas não tinha outra solução.Relaxe okay? Fique animado porque essa surpresa e A surpresa. - Disse dando ênfase no " A. "

- Quando vou ver essa famosa surpresa?

- Hoje a noite.Vamos mudar de assunto antes que eu acabe falando de uma vez o que é.

- Estava pensando aqui e se eu fizesse isso... - Eu o empurro na piscina, ele tenta se segurar mas acaba caindo, eu espero ele na superfície mas nada até que sinto duas mãos geladas em meus pés me puxando para a água.

- Agora estamos quites. - Disse, me encosto no azulejo e ele se aproxima.

Antes de conseguir chegar até mim eu desvio e começo a nadar para longe do mesmo.Escuto o barulho da água atrás de mim e começo a nadar o mais rápido que conseguia.Fui até a escada e a subi rapidamente, olhei para trás vendo um Bang no meio da piscina frustrado.

- Haha não conseguiu me pegar.

- É mas a vista daqui de baixo está sendo ótima. - Disse, percorro meu olhar para mim mesmo e noto que a camiseta estava grudada em minha barriga, marcando meu abdômen e a bermuda colada marcando minhas coxas.

- Você é bem descarado mesmo.

- O que é bonito tem que ser apreciado. - Da de ombros.

- Pois o bonito aqui vai ir tomar um banho.

- Ei me espera!

Não dou ouvidos e paro em frente a porta da cozinha gritando o nome de Wonho para que venha me emprestar uma toalha.

Wonho nos emprestou suas roupas também.Ficarem bem largas em mim, o rosado nos deu uma bela de uma bronca o que fez os garotos rirem.

- Se vocês ficarem doentes...

- Wonho a gente já entendeu meu deus. - Falei irritado.

- Não precisa falar assim também!

- Você está faz tempo repetindo isso, até eu estou ficando irritado. - Jisung fala.

- Eu só estou preocupado. - Disse manhoso.

- Tudo bem papai eu vou me cuidar. - Falei e fui até ele o abraçando.

- Por isso você é meu filho favorito.

- Mas ele acabou de falar bravo com você. - Minho exclama indignado.

- Favoritismo é foda, nem me surpreende. - Jeongin fala. - Antes você me dava atenção agora só é changbin para lá, changbin para cá.

- Jeongin com ciúmes essa é nova. - Woojin fala.

Wonho chamou jeongin para o abraço e com muito esforço ele veio, ficamos assim por um tempo e depois os garotos começaram a fazer piadinhas para o lado de Jeongin.

- Posso ter dois filhos favoritos? - Wonho pergunta para Jeongin que concorda. - Pronto, agora chega de ciúmes.

Decidimos que íamos assistir um filme, como estamos em 12 pessoas foi um pouco difícil organizar onde cada um ficaria.No sofá do meio ficaram: Kihyun, Wonho, Minhyuk e Hyunwoo.No sofá da direita ficaram: Eu, Chan, Minho e Jisung.E na esquerda ficaram: Woojin, Seungmin, Jeongin e Hyungwon.

Escolhemos um filme de suspense, quando tudo estava pronto Minhyuk deu play no filme e me aconcheguei no colo de Chan.

...

Point of view - Hyunjin

Para a minha surpresa e a de Jooheon, assim que chegamos em sua casa os seus pais estavam lá.O seu pai passou mal com a comida do restaurante e tiveram que voltar, eles queriam que ficássemos na sala junto com eles para jogar conversa fora.Os pais do Lee me amam, as vezes eu saio com a Sra.Lee para fazer compras.São como segundos pais para mim.

- Mãe, vamos para o meu quarto estamos cansados. - Jooheon fala se levantando e faço o mesmo.

- Ah, tudo bem.Juizo vocês dois.

Assim que entramos em seu quarto fechei a porta, nos sentamos na cama de frente para o outro.Tomei coragem e comecei a falar.

- Quero que me escute sem interrupções. - Jooheon concorda meio tenso. - Eu amo você.Mas está sendo difícil, você vêm agindo diferente comigo, eu sei que é por causa do Changkyun porque ele está voltando.Achei que você o já tinha superado, o que ele tem que eu não tenho?

- Eu não fui totalmente sincero com você, nem com Changbin.

- O que quer dizer?

- Teve uma época que eu e Changkyun começamos a ficar.Foi bem antes de você chegar.Ele disse que queria tentar esquecer Kihyun e deu a ideia de começarmos a ficar, nem gostava dele.Ficamos em segredo por um tempo mas ele disse que não estava dando certo e paramos, ficou tudo bem entre a gente porém comecei a sentir falta do carinho e dos beijos e me dei conta de que estava nutrindo sentimentos por ele.Foi então que você chegou e pedi sua ajuda e a de Changbin para conquista-lo mas Kihyun se confessou, foi aí que meu mundo acabou.

" Eu estou em choque, como ele pode fazer isso comigo? "

- O que Changkyun fez com você, você fez comigo.A diferença é que ele parou porque percebeu que não estava dando certo.Mas você não, fez eu nutrir sentimentos por você, começamos a namorar e depois de 4 meses juntos, me vêm falar isso? Você não me ama muito menos gosta de mim. - Pego o anel que ele me deu e jogo no mesmo. - Eu ainda te amo mas vou fazer de tudo para esse sentimento se transformar em ódio. - Segurando as lágrimas saio correndo escutando os pais do Lee me chamarem mas ignoro e saio da casa pensando em como o amor pode machucar tanto.

...

Estava anoitecendo, eu e o Bang vestimos nossas roupas já que estavam secas e nos despedimos dos garotos.Eles irão dormir na casa de Wonho, também iria se não fosse essa bendita surpresa do loiro que fiquei pensando o dia todo sobre.Conclui que não faço a mínima ideia do que pode ser.

- Vou ter que vendar seus olhos. - O loiro diz quando entramos no carro.

- É sério? Não é mais fácil me contar o que é logo, estou me corroendo por dentro.

Ele negou e não protestei, colocou uma venda preta sobre meus olhos e senti o carro começar se movimentar.

Como não estava enxergando nada e havia um silêncio entre nós, o sono começou a surgir.Tentei diversas vezes espiar para tentar ver a onde estávamos indo, mas parecia que Chan estava de olho em todos os movimentos que fazia e sempre dava um tapa em minha mão quando ia de encontro com a venda.

- Chegamos. - Escuto ele falar. - Não tire a venda, vou te guiar.

- Estou me sentindo radical por confiar em você.

- Eu te amo, mas as vezes me questiono o por que.

- Deve ser porque você não resiste a mim.Vamos logo! Vou morrer de ansiedade.

Escuto o som da porta bater e a do meu lado se abrir.O loiro pega em minha mão e saio do carro.Pelo alto barulho de carros suspeitei que estávamos em alguma parte da cidade, começamos a andar e me agarrei no braço de Chan.Não demorou muito e paramos, escutei ele conversar com alguém por um interfone acho e um barulho de porta automática foi escutado e voltamos a andar.O clima agora não estava gélido como antes, agora está quente o barulho dos carros está bem longe e um cheiro de café está contaminando o lugar que estamos.

- Você comprou uma cafeteria para mim é isso? - Perguntei e ele riu.

- Quase isso...

- Comprou duas cafeterias?

- Não seu bobo, tem haver com comprar algo grande.

Desisti de pensar em algo.Paramos novamente e escutei um som de elevador, demos um passo a frente e escutei o som da porta ser fechada.

Ficamos talvez uns 10 minutos ali, a porta abria e fechava e sentia pessoas entrando e saindo.Fico pensando no que elas achavam quando viam um loiro tatuado com um ser vendado agarrado ao seu braço.

Finalmente saímos do elevador andamos mais um pouco e paramos novamente.

- Diz que chegamos. - Falei choramingando.

- Chegamos.

Escuto barulho de chaves e uma porta ser destrancada.Sou puxado pela mão para entrar em um lugar desconhecido por mim, Chan pede para eu tirar a venda e sem pensar duas vezes faço o que pediu.

Olhei em volta, era um apartamento muito lindo como aqueles que vimos em filmes.Estavamos na sala, tinha um grande sofá azul que chegava a fazer uma curva, uma televisão na parede e a cor das paredes eram em um tom pastel.Logo atrás tinha a cozinha em um estilo americano e a minha frente havia uma bela parede completa de vidro me dando a visão perfeita do céu estrelado.Estavamos num andar alto, talvez no mais alto.

- Você não... - Comecei a falar.

- Sim!

- Não!

- Sim!

- Não! - Corri em sua direção pulando em seus braços. - Tipo esse apartamento é nosso? - Ele concorda com um sorriso no rosto. - Bang Chan eu não acredito! Ele é tão...

- Perfeito. - Completa minha fala. - Gostou mesmo?

- Eu amei! Ainda nem acredito.Eu te amo muito. - Falei e deixei vários beijos por seu rosto.

- Parece que vou ter que comprar mais apartamentos para ser mimado desse jeito. - Dou uma mordida em seu ombro. - Gostava mais dos tapas não vou mentir.

- Desde aquele dia quando brigou com seu pai e falamos sobre morar juntos não tirou isso da cabeça não foi?

- Sim, fiquei decidido que iria fazer isso.E agora estamos aqui.

- Mas sabe não estou pronto para sair de casa ainda. - Mal tenho um emprego e nem completei minha maior idade.Bang Chan também não, mas vivemos em realidades diferentes.

- Relaxe, não vou te pressionar eu sabia que iria dizer isso.Mas você pode as vezes passar um tempo aqui comigo, sua mãe até separou algumas roupas suas para deixar aqui.

- Espera! Meus pais sabiam? - Perguntei surpreso.

- Eles e os meus claro.Prometi para os seus pais que não vou roubar o bebê deles tão cedo.

" Qual é a deles de ficarem me chamando de bebê? Não sou um! "

- Vamos eu quero ir ver o resto. - Falei o puxando.

Passamos pela cozinha e entramos num corredor extenso dos dois lados.

- A esquerda tem três quartos de hóspedes e um banheiro.A direita tem um escritório, mais um banheiro e o nosso quarto. - Ao ele dizer nosso quarto, várias emoções se apossaram de mim. - Vamos ao quarto depois vemos os outros cômodos.

O quarto era cinza, tinha uma grande cama ( quando digo grande, é grande mesmo. ) de casal no centro, consegue caber 5 pessoas ou mais.Um grande guarda roupa preto a esquerda e seu computador do outro lado onde também ficava a janela.

- É tudo bem gótico.

- Bom, não podia te chamar para escolher se não iria entregar tudo.Mas se você quiser mudar...

- Não quero, para mim está perfeito.Acho que se eu tivesse ajudado não iria mudar muita coisa. - Dou uma risada e vou até o guarda roupa o abrindo. - Por isso senti falta de algumas camisetas. - Vejo que tinha várias roupas minhas mas a maior parte era do Bang.

Vou até a cama me jogando nela, era como se eu estivesse nas nuvens.Senti um peso em cima de mim e vejo que era o loiro, ele segurou em minha cintura e se aproximou iniciando um beijo necessitado.

Desde aquele dia em minha casa não tivemos momentos mais quentes como esse, foi como se meu corpo tivesse criado um bloqueio.Mas isso não me impedia de ter o desejo de ter o Bang, porém eu ficava com medo e com vergonha só de pensar.

- Acho que dessa vez não vou conseguir me controlar e ficar só nos beijos. - Disse me olhando. - Estamos sozinhos...você quer?

- Eu quero muito. - Falei convicto o que fez surgir um sorriso malicioso em seu rosto.

Ele tira sua camiseta e faço o mesmo.Suas mão vão para a lateral de meu corpo se fixando ali, seu rosto vai de encontro com meu abdômen, começa a deixar beijos, chupões e mordidas.Uma das mãos vai até aos meus mamilos os apertando e deixo escapar um gemido.

Minha bermuda é retirada junto com a box e ele fica entre minhas pernas.Sua boca vai até o meu membro começando a lamber a cabecinha que já estava inchada com o tesão acumulado, seu olhar se encontrou com o meu deixando tudo mais excitante.O Bang abocanhou o membro por inteiro fazendo movimentos rápidos, segurei em seus cabelos o puxando forte ajudando com os movimentos.

- Channie...

- Se você ousar em gemer de novo irá ser punido.Você não quer isso, quer? - Um tapa foi transferido em minha coxa, nego. - Ótimo.

Ele voltou a dar atenção ao meu membro mas dessa vez o masturbando.Os movimentos eram rápidos e já sentia minhas pernas bambas, coloquei minha mão sobre a boca para conter os gemidos e lágrimas escorriam do meu rosto.Sentia que meu ápice estava próximo e foi quando o Bang parou com os movimentos.O loiro levantou e começou a tirar o resto de suas roupas e enquanto isso levei minha mão até meu membro começando a masturba-lo, eu precisava muito gozar.Tombei minha cabeça para trás enquanto fazia movimentos rápidos, meu corpo estava quente e suado.Eu não sei o que Bang Chan estava pensando naquela momento mas sabia que estava gostando.

Do lado onde estáva deitado o colchão afundou, o Bang se sentou encostado na cabeceira, puxou uma de minhas mãos livres e parei o que estava fazendo se sentando em seu colo.

- Você quer gozar não quer? - Pergunta e respondo que sim. - Mas isso só irá acontecer quando eu estiver te fudendo fundo e forte.

Fui em direção ao seu pescoço distribuindo beijos molhados escutando loiro arfar, comecei a rebolar em cima de seu membro.

- Eu quero você dentro de mim. - Falei em um sussurro, talvez ele nem tenha escutado.De onde tirei coragem para dizer algo assim?

- Você quer? Quer meu 'pau indo bem fundo em você? - Digo que sim e ele segura forte em minha cintura fazendo eu parar de rebolar.

Ele leva seu membro ate o meu buraquinho e vou descendo devagar pela sua extensão, cravo minhas unhas em suas costas assim que entra por inteiro.Eu sabia que iria doer, mas não achei que fosse tanto.

- Vai passar. - Disse e começa a afogar meus cabelos, deixo minha cabeça apoiada em seu ombro. - Quando estiver pronto avise okay? Ah e agora você pode gemer.Foi um ótimo garoto.

Ficamos por breves minutos assim, não sentia mais dor e sim prazer.Comecei a me movimentar, e o loiro entendeu que eu já estáva pronto, apoiei meus braços em seu ombro e tomei seus lábios.Nossas línguas brincavam entre si, hora ou outra um de nós gemia deixando tudo mais gostoso.

Comecei a cavalgar, com a ajuda de Chan os movimentos foram ficando mais rápidos.Sempre que seu membro entrava e saia sentia que estava cada vez mais perto do seu ápice, e foi quando seu quadril começou a se chocar com o meu que senti seu líquido me preencher.

- V-Você é tão apertadinho. - Disse sem parar com os movimentos. - Que tal você ficar de quatro para mim hum?

Saio de seu colo e sinto porra escorrer entre as minhas coxas.Um pouco envergonhado fiz o que me pediu, foi para trás e entrou com tudo dentro de mim.

As estocadas eram rápidas e fundas, eu enterrei meu rosto no colchão, já não tinha forças para sustentar meu corpo então deixei que fizesse o que quiser comigo.Foi em uma dessas estocadas que acertou o meu ponto e dei um belo de um grito, o loiro passou a socar ali brutalmente e foi então que gozei e o maior chegou ao seu segundo ápice me preenchendo novamente.

Meu corpo foi virado e com os olhos meio fechados pude ver Chan acariciando meu rosto, tirando alguns fios de cabelo grudados em minha testa.

- Vamos tomar um banho, eu te ajudo.

- Estou morrendo de sono, vamos deixar isso para amanhã. - Falei sonolento já me aconchegando na cama.

Não escutei mais nada depois disso mas senti braços me envolverem por trás e assim dormi.

...

Escutei meu nome ser chamado, abri os meus olhos e pisquei algumas vezes para poder focar.Bang Chan estava com a cabeça em meu peito e quando notou que o olhei sorriu.

- Bom dia, dormiu bem? - Perguntou com a voz rouca.

- Dormi muito bem, só estou um pouco dolorido. - Falei envergonhado e ele apertou minhas bochechas.

- Vem vamos tomar um banho eu te carrego até o banheiro.

Assim que se levantou abri os meus braços e ele me pegou no colo.Fomos até o banheiro e quando me colocou na banheira pude ter uma visão melhor do cômodo.É um banheiro gigante, a banheira fica do lado esquerdo e a direita tem uma box com um chuveiro, à um espelho em forma oval, a pia e o armário de mármore.A uma privada e o pequeno lixo ficam bem ao lado.

- Vem aqui. - Chan fala sentado do outro lado da banheira.Vou até o mesmo me deitando em seu peito. - O que você achou de ontem a noite?

- Eu amei de verdade, não poderia ter sido melhor.Mas acho que essa dor não vá passar tão cedo. - Escuto ele rir.

- Wonho me ligou, disse que Changkyun já esta em casa e que está indo para a casa dele.

- Estou tão ansioso para vê-lo.Alias que horas são? Já está acordado faz tempo?

- São 10 horas, e não estou muito tempo acordado. - Na prateleira acima da banheira pega um shampoo e começa a passar em meus cabelos.

- Cuidado com meus olhos. - Avisei.

- Vou tomar todo o cuidado com o meu bebê. - Disse e jogo água em seu rosto.

- Pode parar de me chamar assim. - Falei emburrado batendo minhas mãos sobre água.

- Todo manhosinho assim e não quer ser chamado de bebê? Brincadeira isso. - Eu o encaro com um olhar mortal e ele deixa um selinho em meus lábios.

- Só não te afogo nessa banheira porque está me dando banho.

- Como você pode ser tão carinhoso algumas horas e depois cruel desse jeito?

- Fica quietinho e se concentra em lavar meu cabelo.Olha foi quase no meu olho. - Passo a espuma em seu nariz fazendo ele espirrar e eu soltar um riso.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...