1. Spirit Fanfics >
  2. Um recomeço >
  3. Capítulo III: Reencontro

História Um recomeço - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Hello!!! Como vão meu povo? Espero que esteja tudo bem. Como prometido, o capítulo da semana. Espero que vocês gostem. Chega de enrolação, vamos lá!

Capítulo 3 - Capítulo III: Reencontro


Nas primeiras semanas no novo lar, muitas novas sensações foram sendo descobertas aos poucos. Uma sensação de muita solidão em seu lar era presente. Um lugar tão quieto, quase tão pouco movimentado. 


Joice visitava seus pais diariamente. Era uma pequena caminhada, nada que atrapalhasse Joice. Lhe fazia bem, pois colocava seus pensamentos no lugar. 


Ao chegar na entrada de seu antigo lar, Joice se lembrou de bons momentos que tiraram um grande sorriso. Uma boa e velha amiga era a responsável por esses bons pensamentos.


Miss Lucky, uma senhora muito respeitada em toda a região. Ela ajudou Miss Maria a criar sua única filha por longos 18 anos. Miss Lucky não teve filhos, mas considerava Miss Joice como sua filha. Seu respeitável marido faleceu há muitos anos, o qual tinha imensa admiração e respeito. Não se casou novamente e decidiu se tornar governanta da família Woodhouse. Um temperamento alegre e dócio, Miss Lucky sempre foi elogiada por aqueles que tinham ela como amiga.


 Miss Joice chegará ao seu antigo lar. Em passos lentos, suas lembranças foram retornando de sua infância. Miss Lucky sempre brincava com ela por todo o jardim. 


  ~ Lembranças ~


" - Miss Lucky, me conte alguma história do seu passado. - Joice dizia animada.


-Ah! Hoje eu te contarei algo muito especial! - Lucky estava fazendo um enorme mistério, mas mostrava um enorme brilho em seus olhos.


-Então me conte! Não me deixe curiosa.- Miss Joice mostrava curiosidade.


-Acalme-se pequena. Eu vou lhe contar tudo. 


Miss Lucky me chamou para se sentar perto de uma grande árvore.


-Pequena Joice, essa história é sobre meu primeiro e único amor. Eu tinha meus 19 anos, quando recentemente havia se mudado com meus pais para uma média cidade na época. Muitos moradores vieram nos receber, e um deles foi o senhor Willian Wood, um jovem rapaz de 24 anos, bem sucedido, de classe alta. Willian era um rapaz muito bem humorado, tinha um tom de brincalhão, e não via mal algum nas pessoas. Com nossos encontros em eventos públicos em festas que grande parte da cidade se reunia. Dançávamos até sentirmos cansados; conversávamos até ficar sem assunto, e aos poucos, nossos sentimentos floresceram. Com pouco tempo, em questão de meses, começamos a namorar. Willian era um homem muito preocupado com minha pessoa. Ele sempre estava por perto, e me ajudou muito com meus medos pelas pessoas não aceitaram. No fim, ele pediu o consentimento de meu pai, e ele concordou sem nenhum receio. Eu aceitei seu pedido de casamento. - Miss Lucky mostrava muito ânimo em sua linda história.


-Enfrentamos muitos desafios juntos. Superamos muitos medos, problemas financeiros, mas no fim, nunca desistimos e íamos até o final. Willian, meu doce willian partiu muito cedo. Eu sempre o amei muito, desde nosso primeiro encontro. Por problemas de saúde, ele não resistiu a uma parada cardíaca. -Miss Lucky mostrou uma enorme tristeza em seu rosto.


-Miss Lucky, seu marido devia ser alguém muito incrível. Ele não quer lhe ver triste, porque tenho certeza que está cuidando da senhora o tempo inteiro! -Lucky abraçou sua amiga.


-Joice, meu marido sempre me compartilhou bons momentos, até mesmo em seus últimos dias. - Suspirou. - Eu prometi a mim mesma que cuidaria de pessoas boas como você. Willian me ensinou muito ao longo de nossos 30 anos juntos. 


Conversamos sobre outras coisas, andamos, e brincamos como todos os dias. "


  Eu entrei no local, e logo fui recebida por minha amiga. 


-Miss Joice, venha aqui me dar um abraço! - Ela correu feito criança; eu fiz o mesmo que a mais velha.


-Eu já estava com tanta saudades de poder lhe ver Miss Lucky! - Desfizemos o abraço. - Você está adorável.


-Joice, eu também senti muitas saudades. - A mais velha caminhou até o sofá, e fazendo gestos para me juntar ao seu lado. - Me responda Joice, você está se sentindo bem?


-Claro! Eu me sinto ótima. - Mentiu, mas o semblante de sua amiga demonstrava desconfiança.


-Joice, você não pode mentir para mim. Eu percebi que você parece diferente. - Miss Lucky se mostrou preocupada.


- Eu realmente não posso mentir para você. -Ela deu um pequeno sorriso. - Em saúde estou em ótimas condições, mas me sinto muito sozinha em minha casa. É uma sensação diferente, não me sinto confortável em minha própria casa.


-Querida, se sentimos assim quando estamos em um lugar totalmente novo. Quando me mudei com Willian, eu me senti assim por semanas, até me acostumar. 


-Mas é estranho Miss Lucky, eu já me mudei há semanas, e mesmo assim esses sentimentos de estranheza permanecem.


-Com o tempo você irá se acostumar, querida. - Miss Lucky confortou esses sentimentos estranhos. - Mudando de assunto, eu irei preparar para você tudo que quiser comer. Hoje o dia será especial.


 Joice agradeceu a gentileza que sua amiga está fazendo. Ela estava curiosa por onde seus pais estariam. Ao entrar na sala da biblioteca, seu pai ainda era o mesmo: continuava com seus livros.


-Com licença, sou bem-vinda? - Joice se aproximou de seu pai.


-Joice, finalmente veio nos visitar! - Senhor John rapidamente largou seu livro, e se levantou para abraçar sua filha. - Bem-vinda de volta! Estou muito contente de te receber novamente.


-Papai, estava sentindo muita saudades! Vejo que o senhor não mudou nada. Ainda com seus livros. - Ela disse em tom brincalhão.


-Eles estão sempre aqui para serem lidos e admirados. Sem você nessa casa, muita coisa mudou Joice. - Ele demonstrou palavras sinceras.


-Pai, eu fico feliz por lembrar sempre de mim aqui com você. Sempre virei ao nosso lar. - Joice prometeu isso a ela.


-Obrigado filha! Eu te amo muito! - Caiu uma pequena lágrima de seus olhos.


-Eu te amo mais que tudo. Sempre papai, para sempre. 


 Eles entrelaçaram suas mãos, e saíram da biblioteca. Sua mãe estava a sua procura, pois ouviu de Miss Lucky que Joice foi ver o pai. 


 Miss Maria ao ver sua filha, correu em sua direção e a abraçou. Miss Joice retribuiu, e mostrou um grande sorriso a sua mãe.


-Oh! Minha filha, como está bela! - Miss Maria admirava sua filha. - Bem-vinda novamente. 


-Obrigado, mamãe! A senhora está adorável também.   


-Por que não vamos ajudar Miss Lucky a preparar o jantar? - Miss Maria sugeriu. - Faz um bom tempo que não fazemos isso!


-Eu aceito, mamãe! 


-Eu você meu marido, aceita? - Mamãe mostrou-se curiosa. 


-Infelizmente terei de recusar esse convite. - Suspirou. - Irei dar uma volta pelo jardim. Confio em vocês e em Miss Lucky. 


 Eles se despediram, e as duas senhoritas partiram para a cozinha. 

 

                    ~ No Jardim ~ 


 Senhor John caminhava tranquilamente. Observando a bela paisagem em que se encontrava, logo ouviu ao fundo uma voz familiar ao lhe chamar. 


-Senhor John, me espere! - O estranho correu o mais rápido possível. - Bom dia…Senhor John! 


-Descanse um pouco amigo! - Eu gargalhei. - Mesmo sendo um jovem rapaz, já se sente cansado por correr um pouquinho? Precisa treinar mais, Elliott.


-Desculpe senhor, eu corri o mais rápido que consegui ao ver sua figura de longe. 


-Não precisa se desculpar rapaz, você chegou muito rápido aqui. - Eu imitei senhor Elliott, como uma pessoa totalmente descontrolada correndo desesperadamente. - Mas o que lhe traz aqui logo pela manhã?


-Eu decidi visitar o Senhor e Miss Maria. Uma boa conversa com meu grande amigo! - Explicou se de maneira simples.


-Hoje estamos com sorte Elliott. - Eu convidei Elliott a caminhar pelo jardim. - Minha filha, Miss Joice, está nos fazendo uma visita. Ela se encarregou, junto de minha mulher e Miss Lucky de fazer um bom café da manhã. O que acha de se juntar para tomar um bom café? 


-Isso seria ótimo, Senhor John. - Admitiu. - Faz muito tempo que não vejo Miss Joice. Será agradável revela. 


-Isso é verdade, Joice não mudou tanto. Ainda continua adorável. - O pai elogiava sua filha com tanto orgulho e respeito. 


-Então é melhor irmos logo. Não vejo a hora de podermos nós juntas com as damas. 


     ~ Na cozinha - uma hora antes ~


As senhoritas mostravam muito ânimos, e uma boa conversa rendeu entre o trio.


-Me diga minha querida Joice, como está indo seu relacionamento com Ethan? - Miss Maria questionou seriamente sua filha


-Mamãe, estou buscando melhorar. Ethan ainda é o mesmo homem admirável que eu conheci. Mas sinto que meu marido anda meio distante. 


-Mas o que seria esse distanciamento de Ethan? - Agora foi questionada por Miss Lucky, que a olhava séria.


-Ethan ainda se mostrava distante. Eu pensei que aos poucos, nossas intimidades finalmente iriam sumir por completo. Mas parece que Ethan ainda não se acostumou com essa vida nova.


-E onde ele está nesse momento? - Maria queria respostas pelo marido não estar com sua filha.


-Ethan sai todas as manhãs, em busca de trabalho, e volta muito tarde. Quase não vejo direito, mas confio nele. - Foi sincera.


-Torcerei para que ele logo consiga um emprego justo. Ethan é um homem muito inteligente! - Sua mãe sempre elogiava seu marido.


-Obrigado! Eu também confio nele. - Joice parecia satisfeita em falar de seu amado.


-As torradas estão quase prontas! - Miss Lucky alertou. 


-É verdade. Obrigado, Lucky! - Joice colocou as torradas na mesa.


-O café está com um cheiro muito agradável, Miss Maria. - Lucky foi sincera, o café parecia estar saboroso.


-Aprendi a fazer café com uma das minhas tias. Ela fazia um dos melhores café de toda a Inglaterra. - Maria se orgulhava por ter uma tia tão agradável e respeitável.


-Aqui está os pãos. Já passei manteiga. - Miss Joice colocou todos os pãos na mesa.


 Além disso foram colocados na mesa um bolo de cenoura, feita por Miss Lucky, algumas rosquinhas, frutas, entre outras coisas.


 Com tudo pronto, o trio se exalta, mas nem percebem a chegada de dois homens que observam com grande apreciação.


-Bom dia senhoritas! - O cavalheiro mais novo mostra respeito às damas.


-Bom dia senhor Elliott! - Miss Maria se pronunciou primeiramente. - É muito bom ter um convidado de honra para juntar a nós.


- Bom dia senhor Elliott e senhor John! - Miss Lucky acenou para eles dois.


-Elliott, há quanto tempo! - Joice se pronúncia de forma animada.


-É verdade, Miss Joice. Passou muito tempo desde que te vi pela última vez, há semanas. -Elliott concluiu. 


-Sim, estou feliz por te rever! - Ela se aproximou de Elliott e deu um pequeno tapa em seus ombros. - Devia ir me visitar em minha casa. Está convidado. 


-Agradeço o convite Miss Joice, fico honrado por me convidar. - Elliott retribuiu o tapinha nos ombros. - Eu quero lhe parabenizar por seu casamento. Muitas felicidades.  


-Obrigado! Irei aceitar suas humildes palavras. - Ela segurou em sua mão. - Mas da próxima vez, não aceitarei. Você me decepcionou por não ter aparecido em meu casamento. 


-Pensei que não guardava rancor. - Disse num tom sarcástico.


-Realmente, eu não guardo, mas só é um pequeno aviso. - Confessou um pequeno olhar maldoso, o que Elliott entendeu muito bem. 


Os jovens se sentaram próximos. Miss Lucky ficou ao lado de Senhor Elliott, e Miss Maria e seu marido sentaram juntos no outro lado da mesa.


-Espero que todos gostem de nossos preparos. Bom apetite! - Pronunciou Miss Maria.


Todos comeram as deliciosas guloseimas. Eles tiveram uma conversa agradável, mas nada muito importante.

                          

O tempo passou, Elliott e Joice caminhavam juntos pela grande casa. Os dois estavam em total silêncio. Joice finalmente pensou em algo. 


-Senhor Elliott, como tem passado em Londres? 


-Muitas correrias, senhorita. Resolvendo diversos problemas. Resolvi voltar um pouco para essa pequena cidade, o qual sou apaixonado. -Elliott confessou com um breve sorriso.


-E está se divertindo por enquanto? - Ela se sentiu no saber de ter a resposta.


-Sim. Aconteceram tantas coisas. Não imaginaria que encontraria você anos depois casada tão cedo. - Admitiu com sinceridade.


- Por que sentiu surpresa? - Parou por um instante. - Moças na minha idade já são comum estarem casadas com bons maridos.


-Eu compreendo o que quer dizer senhorita, mas pensei que você iria aproveitar melhor a sua vida livre sem compromissos tão cedo.


-Esse era o meu grande sonho, e já está sendo realizado. Eu amo meu marido. - Joice disse aquilo muito determinada.


-Eu entendo senhorita, espero que seja muito feliz ao lado dele. - Elliott queria ver a amiga sendo feliz. - Mas eu quero que me prometa algo, Joice.


-O que seria, Elliott?


-Me prometa que qualquer coisa ruim que acontecer com você, não tenha medo de contar para mim. Eu irei te proteger! - Elliott mostrou seu desejo de proteger sua amiga.


-Eu prometo, Elliott. Não esconderei nada de você! - Joice finalizou dando um abraço sincero no amigo, que retribuiu. 


 Eles caminharam até a saída principal. Elliott voltaria para casa cedo. Elliott se despediu das pessoas mais velhas, e sua amiga, o acompanhou até a entrada do jardim.


-Te vejo outro dia, Joice. - Ele acenou para a mais nova.


-Não se esqueça de ir me visitar. Eu te espero. - Ela retribuiu o gesto.


-Não esquecerei. Eu prometo. - A sombra de Elliott desapareceu por completo.


Notas Finais


Bem gente, finalmente terminei. Esse capítulo deu um enorme trabalho. Espero que tenham gostado.
Bjs! Espero vocês no próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...