História Um Sentimento Utópico - Naruhina - Itasaku - Capítulo 15


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Guren, Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Jiraiya, Karin, Konan, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shion
Tags Ação, Hentai, Hinata, Itachi, Itasaku, Luta, Naruhina, Naruto, Reconciliação, Sakura, Sasusaku, Universo Alternativo, Uzumaki
Visualizações 348
Palavras 5.670
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Ecchi, Festa, Hentai, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Eai galera, olha só quem deu as caras.

Gente o cap devia ter saído sexta mas... Eu decidi que ia tomar umas cervejinhas pra comemorar meus 18 anos e... A noite acabou ficando longa demais. Enfim, trouxe um cap de 12 páginas também, pra tentar me redimir com vocês. Tô de férias agora, e posso dar um enfoque para minhas histórias, o que creio que seja bom para vocês.
Sem enrolação, bora pro cap.

Boa leitura, espero que gostem!

Capítulo 15 - Som da madrugada


Hinata 


“Então... Agora você admite que gosta de mim?” a frase ecoava na minha mente sem parar, como um disco repetido. Então... Apertei os olhos ignorando as mãos de Naruto envolta a minha cintura. Meu senhor. O que havia acabado de acontecer...? O que eu estava pensando...? Era Naruto... Apertei mais ainda os olhos.

Nunca iria dar certo.

— Ãããh... — abri os olhos sentindo então o peso daquele simples ato nos ombros.

Um flash de realidade com tudo que havia acontecido me atingiu como um tapa. Não poderia ter realmente pensado que aquilo fosse o certo... Onde estava minha consciência? Ah sim... Na puta que pariu.

Não é real.

Não podia me deixar levar apenas por sua aparência ou o fato dele ser divertido e simplesmente esquecer que Naruto era mulherengo, temperamental, explosivo, brigão, cabeça quente... entre outros mil adjetivos que prefiro nem citar no momento... e outra, eu ainda por cima estava drogada, deveria ter me deixado levar pela emoção. Com certeza, esse era o motivo daquilo ter acontecido.

Me desvencilhei de Naruto, percebendo sua expressão que acabou se fechando. O sorriso convencido que a poucos instantes o acompanhava foi trocado por apenas um par fino e rente de lábios.

— Isso... — fui interrompida sendo obrigada a engolir a seco.

Difícil continuar com ele me encarando daquela maneira. Seus olhos estavam mais escuros por conta da falta da falta de claridade mas por incrível que pareça estavam com o mesmo brilho de sempre.

— ...Isso foi só um beijo e não vai mais acontecer. — não consegui manter o contato visual até o final da frase.

— Como é? — o loiro desviou o olhar do meu olhando perplexo nossa volta, com as sobrancelhas franzidas e as mãos apoiando a cintura como se alguém tivesse acabado de lhe pregar uma peça e ele estivesse muito puto por conta disso.

Seu tom de voz também não estava mais carregado com a mesma tranquilidade. Não sei se teria reparado nessa mudança sobrea, mas por incrível que pareça, louca, eu havia percebido. Eu estava percebendo tudo, na verdade.

O vento gelado da noite fazia com que sua camiseta branca, balançasse, além de compor uma sintonia com as folhas das árvores indo de uma lado para o outro na estrada. Na minha cabeça, aquilo intensificava o clima ruim e estranho que havia se instaurado ao nosso redor.

— Eu não devia ter falado aquilo Hina, desculpa... — Naruto disse me fazendo voltar a atenção para seus olhos.

Sua mão foi indo em direção a minha mas recuei antes que seus dedos me encostassem. Me doía vê-lo tentando se justificar, no entanto... Não podia esquecer o que havia rolado a cerca de dez minutos.

— Naruto... Não é pelo que tu falou, mas tenta me entender, eu já namorei alguém como você e as coisas não acabaram bem. Não quero passar pela mesma coisa. — dei de ombros.

Seus olhos não saíram nem por um segundo de cima dos meus o que acabou atrapalhando minha tentativa de tranquilidade na fala. Eu não conseguia encara-lo por muito tempo.

— Hinata. — chamou minha atenção. — Olha pra mim, sério.

Ele se aproximou de novo, utilizando a mão para posicionar meu rosto de frente para o seu. Mesmo comigo tentando impedir suas mãos acabaram vencendo minha força.

— Tu realmente não sente nada, por mim?

Não consegui evitar a surpresa com aquela frase. De repente, encara-lo ficou ainda mais difícil mas continuei. Naquela altura minhas bochechas já deviam estar mais que coradas e pela primeira vez, não deixei aquilo falar mais alto. Era muita coisa para processar ao mesmo tempo. Só consegui dar risada.

— Não. — tentei soar calma mesmo não tendo dito exatamente a verdade.

— Não? — me questionou.

— É, não...

— Então o que foi aquele beijo? — sua expressão pareceu se suavizar pôr um segundo.

Dessa vez, inevitavelmente senti o efeito familiar que as bochechas vermelhas causam.

— Eu sei que tu sentiu alguma coisa, porque eu também senti.

Fechei os olhos apertando eles com força. Okay. Dessa vez eu não conseguiria parecer tranquila.

— Eu não sou o cara que fez alguma merda contigo! Olha para mim. — me forcei a encara-lo. — Por mais estranho que possa soar pra ti, eu tô falando o que eu sinto! Eu gosto de verdade de você. — uma de suas mãos passaram lentamente por toda extensão de sua cabeça e então seu olhar desviou do meu. — E também não ta sendo tão fácil assim, admitir isso pra mim mesmo...

Uma risada brotou na minha mente e com ela soltei um riso nasal carregado de sarcasmo. Ele estava realmente esquecendo o que havia acontecido mais cedo. Toda minha dúvida foi trocada por raiva.

— Gosta de mim Naruto? Sério? Como tu pode gostar de mim e sair por aí beijando a boca de qualquer uma? Me explica então. — cruzei os braços lembrando da cena dele agarrado com a tal Guren.

Sem perceber, já estava batendo a ponta de um dos meus pés freneticamente no chão.

 

Naruto


Puta merda... Ela estava puta por eu ter beijado Guren, era isso! O que mais eu poderia esperar de Hinata... Ao menos, sem perceber ela havia respondido minha pergunta. E eu estava mais que satisfeito com a resposta.

— Aquilo não foi absolutamente nada! — disse a verdade mesmo sabendo que não seria o suficiente para a morena.

Mulheres são realmente complicadas e se tratando dela, claro que isso aconteceria... Era CLARO!

— Ah sim! Super normal quase engolir uma pessoa... Nossa, faço isso direto! — a baixinha era quem estava com o tom alterado agora.

Seus sarcasmo me atingiam? Sim. Me irritavam? Pra caralho! Mas era melhor não piorar as coisas e deixa-la desabafar mesmo. A memória do nosso beijo ainda estava fresca na minha cabeça e mais uma vez tomou conta da minha mente. Seu corpo quente em contado direto com o meu, serviu quase como um transmissor de uma corrente. Tive que ignorar a mesma sensação excitante que brotava por de baixo das minhas calças. Por um momento tive a prova do que tanto queria e que no funto... Ela queria também. Então, por que não deixar rolar? Simplesmente? Eu nunca trataria ela como as outras.

— Eu quis dizer que não representou nada para mim! Exatamente como todas as outras mulheres que peguei antes de você! E outra, não estávamos juntos. Tu tava lá se rebolando toda pro Yahiko. Eu não fiz nada de errado.

Por mais que apenas os faróis da moto nos iluminassem, pude ver claramente a vergonha ser substituída por irritação. E lá estava a Hinata defensiva de sempre.

— Eu não tava me rebolando toda...! Só tava dançando!

Sim, sim... Só dançando... Eu poderia insistir, poderia mesmo, mas já estava aprendendo a lidar com aquela garota. Parei, percebendo o rumo que a conversa estava tomando. Eu já sabia o que importava.

— Isso não vem ao caso agora, eu só quero que tu me entenda Hinata. Eu nunca falei nada parecido com o que eu te disse para outra pessoa! Só me da uma chance de te mostrar o que eu sinto? Pelo menos. — tentei ser o mais sincero possível dizendo aquelas estranhas palavras.

Se ela não quisesse tudo bem, eu deixaria a ideia toda de lado. Eu também não morreria por isso. Ainda tinha meus princípios. Entretanto, pela primeira na noite, Hinata pareceu levar a sério o que eu estava falando. Seus olhos não estavam mais me julgando.

— Naruto, eu...

Não disse nada, apenas foquei meu olhar no seu, lhe esperando terminar. Ela desviou, mirando nos próprios pés e por alguns instantes apenas o som distante da eletrônica prevaleceu, até o vento pareceu dar uma acalmada.

— Me deixa pensar... Isso ta tudo indo muito rápido...

Aquelas palavras por mais insignificantes que fossem, já me trouxeram um certo ânimo de volta.

Levantei as mãos em rendição.

— Beleza, como tu quiser.

Vai dar certo.

— Sem pressa? — estendi a mão em sua direção mas a morena não pareceu muito familiarizada com a proposta.

Puxei a mão de volta. Sem pressa imbecil!

— Uma carona então?

Seus olhos voltaram na direção dos meus.

— Bem... Uma carona seria bom.

— Só não vou te oferecer um casaco porque tô sem. — comecei a caminhar em direção a Ashi.

— Não... Isso é o de menos. — deu de ombros e começou a me acompanhar em silêncio.

O clima pareceu ter ficado meio estranho para Hinata, depois daquele beijo... Mas eu daria seu tempo. Daria tudo que fosse necessário para tê-la.

— Ashi vai adorar que você monte nela com esse vestido.

Eu também adoraria. Apertei os olhos tentando desviar certos pensamentos. Eles estavam mais acentuados depois do que aconteceu.

Ela me deu um pequeno empurrão no ombro e as coisas pareceram se normalizar.

— Sempre tem que ter um comentário né...

Sorri olhando na sua direção.

— O que tu esperava?

Dei um largo sorriso antes de por o capacete.


Itachi


Perto das quatro horas da manhã, em frente a fraternidade das garotas. Desliguei os faróis do carro, pronto para deixar Sakura em casa. A noite havia sido ótima, Sakura era muito engraçada, saia com cada piada que nem ela mesmo se aguentava. Havíamos bebido praticamente todas as duas garrafas que Yahiko comprara e estávamos, digamos... bem animados. O ruivo, por sua vez nem deu mais as caras na mesa. Ele parecia estar bem arranjado com seus “produtos” sintéticos.

— Então... — disse apertando com força os punhos no volante.

Estava tudo tão bom que era triste saber que terminaria.

A não ser que você estenda a noite...

A rosada me lançou um olhar segurando o riso, me fazendo rir e esquecer o que estava pensando. Ela me fazia amolecer um pouco, mas isso não era assim, tão ruim.

— Acho que ta na hora de eu descer... Já ta beeem tarde. — falou me lançando alguns olhares um tanto atraentes.

No som do carro tocava baixinho You Are The Right One – Sports em um programa de rádio da madrugada. Uma música que de fato combinava com a madrugada e com aquele nosso momento.

Apenas nos encarávamos, como se nenhum dos dois quisesse ir embora e pudéssemos talvez passar a noite daquela forma. Sentados um de frente para o outro sem dizer nada. Era melhor do que ficar sozinho, isso não dava para negar...

Beije ela.

Simplesmente fiz o que estava na minha cabeça, tirei uma das mãos do volante subindo ela lentamente pela perna de Sakura, parando sobre a sua palma que estava apoiada na coxa. Seus olhos verdes acompanharam os meus naquele movimento lento e mesmo que eu não fosse o mais profissional no assunto, estava me sentindo bem confiante.

O toque a fez estremecer um pouco. No primeiro momento meus dedos gelados se chocaram com o calor da sua pele criando um contraste porém, quando fui subindo eles até o seu rosto a temperatura começou a mudar. Começou a esquentar. Fiz alguns movimentos circulares com o polegar acariciando a pele próxima ao seu lóbulo. O toque era macio e suave e internamente comecei a querer intensifica-lo. Uma série de pensamentos começou a girar em torno da minha mente e com Sakura me fitando com aqueles lábios entreabertos e a respiração forte, acabei não me segurando.

— Sakura... — me ajeitei melhor no banco deslizando meus dedos pela extensão de sua nuca. — ...eu... — fitava seus lábios que pareciam gritar meu nome.

Eu não sabia exatamente o que dizer para ela. Nunca fui o maior pegador e admitia isso tranquilamente porém, eu sabia agir. Comecei a ir em direção ao seus lábios, sem tirar os olhos deles. E para minha surpresa, Sakura foi quem acabou com a nossa distância entrelaçando seus dedos envolta a minha cabeça, me puxando para si.

Começamos com um beijo um pouco agitado, nós dois estávamos ofegantes, queríamos aquilo e isso estava claro pela forma rápida que nos movíamos mas, ao decorrer do tempo criamos uma sincronia mais suave, minha língua deslizava sobre a sua de uma forma lenta e molhada. Ela deu uma pequena mordida no meu lábio inferior, puxando ele lentamente. Com esse movimento outra coisa começou a dar as caras, um pouco mais abaixo da minha cintura. Suguei sua língua dando pequenas mordidas apenas para provocá-la. Eu estava gostando do jeito de Sakura, ela não me deixava fazer o trabalho inteiro sozinho, enquanto eu a beijava, suas mãos já desciam pelo meu abdômen parando sobre o volume grande que havia se formado nas minhas calças. Sakura estava realmente mais fogosa do que qualquer outra noite que tivéssemos passado juntos e... Eu estava gostando muito desse seu lado perverso. Puxei um pouco seu corpo, sentando a garota no meu colo, com uma perna de cada lado. Ela estremeceu quando pus a mão em sua coxa e comecei a subi-la lentamente em direção a bunda, mas não recuou em nenhum momento e sim, começou a me beijar com mais intensidade.

— Sakura... Você está começando a me tirar do sério.

Falei, tentando dar a entender o que estava prestes a acontecer. E foi quando a rosada começou a rebolar sobre a minha ereção. Relaxei um pouco a cabeça com o movimento.

— Essa é a minha intenção... — disse ofegante roçando os lábios na minha orelha.

Ela continuou com os movimentos, pressionando sua calcinha sobre o volume das minhas calças. Naquele momento já não era mais o Itachi tranquilo que dominava aquele corpo, mas um cara que só quem chegou aquele ponto comigo, conhecia.

Acariciei a bunda de Sakura com uma das mãos, dando alguns apertões em alguns momentos. A respiração forte dela me excitava e seus movimentos, ainda mais. Levantei um pouco seu vestido, abrindo espaço para minhas mãos percorrerem sobre sua calcinha e então comecei a fazer alguns movimentos circulares com apenas dois dedos por cima do pano macio, massageando levemente seu clitóris. Senti meus dedos úmidos, apenas com aqueles movimentos e não haveria uma resposta melhor de Sakura, sobre estar bom ou não o ato. Mas eu não queria só aquilo. Não mesmo... Queria ela entregue completamente para mim, me querendo da mesma forma que eu.

Puxei sua calcinha para baixo, abrindo caminho com os dedos pela sua intimidade, ela estava quente e úmida e não conseguiu evitar um gemido que soou como uma música para os meus ouvidos.

— Nossa... Como você ta molhada...

Disse, fitando os olhos esverdeados daquela garota com um sorriso malicioso nos lábios. Suas mãos envolveram minha cabeça e então ela me beijou, pressionando os dedos por entre meus cabelos na mesma intensidade que eu pressionava os meus nos movimentos que estava fazendo. A música que estava tocando parecia ter sido feita para aquele momento, era tranquila e ao mesmo tempo intensa, como o que estávamos fazendo. Continuei com os movimentos em seu clitóris, aumentando gradativamente a velocidade na medida que seus gemidos indicavam querer mais. Sakura estava começando a chegar perto de seu ápice, suas pernas tremiam sobre as minhas. Encontrei a posição que parecia agrada-la mais e investi meus movimentos ali, circulando suavemente com apenas um dedo.

Sakura aumentou um pouco o tom dos gemidos na medida que minhas mãos também se agitaram, ela estava quase gozando. Sua respiração estava muito mais agitava e se fundia com os gemidos. E o fato de eu não tirar os olhos dela nem um minuto, pareciam lhe dar ainda mais prazer. Ela iria se entregar completamente para mim.

— Itachi...! Eu vou...

Aumentei um pouco mais a velocidades e então os gemidos de Sakura abafaram a música e todo o resto, acabei tendo que por uma das mãos sobre sua boca, afinal, estávamos no estacionamento da fraternidade, mas aquilo não me impediu de vê-la de olhos fechados, ainda tendo alguns espasmos por conta do recente orgasmo. E nem me impediu de deslizar o dedo por entre sua intimidade e ainda sentir algumas contrações do seu interior. Quando seus olhos se abriram deram de cara com os meus. Ela estava mais linda do que antes, com o rosto levemente vermelho por conta do esforço e os cabelos não tão arrumados cobrindo o rosto.

Sakura respirava com força, apoiou a testa na minha por um momento e aquilo acabou sendo um gesto muito agradável.

— Gostou? — perguntei com o mesmo tom calmo de sempre.

A garota levantou a cabeça, me encarando com aqueles incríveis olhos esverdeados e deu um mordida no lábio antes de dizer.

— Vamos para o meu quarto!


Sakura


Eu havia acabado de conhecer um Itachi totalmente diferente do que conhecia. E não tinha absolutamente nada para reclamar desse seu outro lado, mas sim, queria mostrar para ele que também tinha uma outra Sakura dentro de mim. Abri a porta saindo agilmente do seu colo e fui o conduzindo pela mão até fora do carro. Itachi havia feito sua parte muito bem e agora eu o recompensaria por tal ato.

O levei até meu quarto, sentando o rapaz na ponta da cama, ficando em pé, de frente para ele.

— Agora é minha vez... de retribuir o que você fez.

Me virei indo até o meu pequeno e antigo aparelho de som, colocando a música L$D – A$AP ROCKY para tocar.

Me aproximei de novo de Itachi o suficiente para que ele me tocasse, mas ainda de costas, abri o zíper do vestido e fui descendo o tecido até o chão. Eu não estava mais de calcinha então ele estava presenciando a imagem de como eu havia vindo parar na terra mesmo. Comecei a fazer movimentos com o quadril de um lado para o outro no ritmo da música, apenas para provoca-lo, do mesmo jeito que ele havia feito comigo pouco antes.

— Sakura... — ele sussurrou envolvendo minha cintura com suas mãos grandes e quentes, acompanhando meus movimentos.

— Shiiw... — sussurrei me virando, dando a Itachi a total liberdade sobre meu corpo.

O moreno me encarava com um sorriso tão malandro, que ninguém diria que era o mesmo cara de sempre. Ele era muito mais que isso. Estava claro. Só para mim.

— Você é muito linda...

Tive que sorrir com o elogio e então me inclinei um pouco em sua direção, tirando, com sua ajuda, a camiseta que ele vestia. Fiquei de joelhos por entre as pernas de Itachi. E em um movimento ágil, abri o zíper de sua calça, liberando o membro duro que praticamente pulou para fora. Ele pulsava, mostrando o quão excitado seu dono estava. Dei uma olhada para o moreno que apenas me observava com a boca um pouco aberta e então passei a língua por toda extensão de sua glande. Pude ouvir um singelo suspiro que soou quase como um gemido e me animei com o gesto. Sem pensar duas vezes, comecei movimentos lentos de vai e vem. Mantive o contato visual com ele o tempo inteiro, eu sempre gostei de ver o que meus atos causavam nos outros e em Itachi, isso era ainda melhor. Fui até o fundo algumas vezes, fazendo com que a mão do moreno pousasse sobre a minha cabeça, acompanhando meus movimentos, então chupei apenas a cabecinha do seu membro, deixando ela cheia de saliva e mais fácil de se manusear. Pude ouvi-lo suspirar quando seus dedos deslizaram por entre meus cabelos. Ele devia estar perto de gozar.

Continuei os movimentos na cabeça, dessa vez estimulando o restante do membro com as mãos, aumentando a velocidade gradativamente. Um gemido parecido quase com um uivo, saiu de sua boca e então ele me puxou, me colocando sentada sobre suas pernas, de frente para os seus olhos.

— Coloca. — sussurrou no meu ouvido, aproveitando para dar algumas mordidas no meu lóbulo.

Realizei o seu pedido sem contestar, eu também estava querendo muito aquilo. O calor que brotava entre minhas pernas não me deixaria dizer o contrário. Posicionei o membro dele no lugar certo e fui sentando devagar, sentindo Itachi dentro de mim. Um gemido entrecortado saiu quando senti que já estava com tudo dentro, então comecei movimentos cavalgando sobre o moreno. Eu sempre gostei de me sentir no controle e ele também parecia estar gostando. Seu olhar estava diferente, estava ainda mais intenso. Seus lábios começaram a percorrer meu pescoço depositando beijos quentes, até se encontrarem com os meus, então começamos um beijo lento e molhado, mas que ao mesmo tempo poderia se tornar frenético a qualquer instante, pois nós dois queríamos e nós dois sabíamos disso. Eu chupava toda sua língua, sem parar com os movimentos do quadril. Cavalgava bem encostada em Itachi, de maneira que meu clitóris fazia uma fricção gostosa com a sua pele. O formigamento anterior voltou a atormentar meus pés, seguido daquela sensação maravilhosa que percorrida meu corpo inteiro como uma corrente elétrica.

— Eu vou... Eu vou gozar...! — arfei.

Inclinei a cabeça para trás, apertando seu peito e diminuindo aos poucos os movimentos, não conseguia evitar as contrações do meu interior e pelo jeito foram elas que Levaram Itachi ao clímax comigo. O moreno arfou com a boca levemente aberta, manteve os movimentos por um tempo e então, só o silêncio se estendeu pelo quarto. Desabei sobre o peito de Itachi, sentindo seu corpo subir e descer rapidamente e sentindo também o calor que ele emanava. Suas mãos percorreram por todo meu corpo lentamente parando na minha cabeça, ele me colocou de frente para seus olhos e então me deu um longo selinho.

— Sakura...

Ele foi o primeiro a dizer algo. Eu não sabia exatamente o que falar, apenas comecei a acaricia-lo com o polegar.

— Gostou? — repeti a pergunta que ele havia me feito mais cedo.

Um sorriso brotou no lábios de Itachi, mostrando seus dentes brancos e inviavelmente um sorriso brotou nos meus lábios também. Nós estávamos extasiados. Pousei minha cabeça sobre seu peito e ele me envolveu com os braços, como se eu fosse por um momento, a sua amante. Gostei do carinho, Itachi não demonstrava ser assim. O que acabou se tornando uma surpresa maravilhosa.

Depois de tanto tempo esperando por um Sasuke que eu havia criado na mente, acabei percebendo que o que procurava estava bem na minha frente e ainda carregava o mesmo par de olhos do cara que antes eu sonhava.

Soltei um riso. Fazendo o moreno ficar curioso.

— O que foi? — me perguntou, afastando um pouco minha cabeça para nos olharmos.

Eu não sabia exatamente o que responder.

— Sei lá... Eu tô me sentindo... tão a vontade contigo.

Um sorriso singelo brotou nos seus lábios.

— Engraçado... — me deu um selinho. — Eu também tô me sentindo assim.


Naruto 


Uma sirene de bombeiros alta, começou a tocar desesperadamente na minha cômoda, me obrigando a abrir os olhos e levantar para desliga-la.

— Porra... — murmurei, me virando de barriga para cima, lentamente.

Se o barulho não fosse tão chato, eu até ficaria naquela posição por mais algum tempo, garantindo pelo menos, mais um ou dois minutos de sono. Mas a parada era realmente irritante, eu teria que para-la. Esse deveria ter sido o motivo para eu ter escolhido ela na verdade e pensando bem, estava me odiando por isso. Levantei de vagar me sentando na ponta da cama, esticando a mão para parar o despertador. Já eram sete e meia, eu havia dormido três horas que pareceram mais, três minutos. Minha cabeça latejava por conta do excesso de bebidas e o fato de já ser segunda feira... não estava contribuindo em nada.

E você ainda vai ter que estudar... Bem lembrado. Eu ainda tinha que rever a porra do conteúdo da prova. Ótimo! Estar de ressaca e ter que estudar... Que beleza! De repente a memória de Hinata me veio na cabeça. Suas mãos agarrando minha cintura e... Foda-se! Eu teria sim uma tarde de estudos com ressaca. Depois do que havia rolado na noite passada, acho que até mesmo bêbado eu tentaria sentar na mesa e estudar, o que seria uma dorzinha de cabeça? Estava cada vez mais próximo do que queria.

Tomei uma ducha rápida para ficar mais disposto, me vesti com meu conjunto básico, um jeans e uma camiseta e fui tomar um café. No entanto, quando vi aquelas fatias de pão e queijo na geladeira, o enjoo falou mais alto. Não estava com fome. Mas sabia que o jejum também não iria me ajudar a ficar melhor. Uma ideia surgiu na minha mente.

Acendi um dos meus baseados no quarto, dando algumas bolas antes de comer, só para abrir o apetite e dez minutos depois, o enjoo havia passado e minha barriga roncava. O pão como queijo desceu saborosamente e acabou não sendo suficiente, só sai da mesa quando estava completamente satisfeito, com quatro fatias de pão com queijo, três ovos fritos, duas bananas amassadas, um pote de iogurte de morando e um copo de achocolatado para arrematar.

Depois do meu simples café da manhã, sai a caminho da faculdade como um bom garoto, com a barriga cheia. Andar de moto também contribuiu para meu humor melhorar. Quando cheguei na faculdade já estava bem mais relaxado. Caminhei apressado direto para a sala, tinha me atrasado por conta da demora no café, (que havia sido muito bom então eu não iria reclamar...).

Pela primeira vez as aulas passaram de pressa. O que foi estranho e aliviam-te ao mesmo tempo. Eu acabei ficando o tempo inteiro revendo o conteúdo da prova que teria no dia seguinte e fazendo exercícios. Nem vi o tempo passar. O conteúdo parecia estar cada vez mais fixado no meu cérebro. O que era algo muito bom.

Eu havia mandado um bilhetinho perguntando para Hinata se estudaríamos a tarde e depois de um cu doce, (que eu sabia que ela faria), a morena aceitou. Eu não queria nem saber se estava sendo chato e ocupando o tempo dela... se ela não topasse eu iria insistir até que ela acabasse cedendo. Mas como Hinata era uma ótima garota, ela só fez um draminha e aceitou.

Quando a aula terminou, sai acompanhando a garota pelo corredor. Eu tinha percebido que o clima entre a gente havia ficado meio estranho para ela, (o que não tinha motivos para acontecer), então o tempo inteiro me preocupei em deixa-la confortável. Tínhamos decidido que iríamos almoçar no refeitório da faculdade mesmo e depois ir lá para casa estudar, então fomos em direção a mesa do canto, perto da janela, que costumávamos sentar.

— Tu vai querer o que? — a morena me perguntou se aproximando da mesa, fazendo meus olhos correrem na direção dos seus.

— Tu vai pagar pra mim? — perguntei, com um sorriso debochado no rosto.

A morena revirou os olhos, soltando um riso nasal carregado de sarcasmo.

— Óbvio que não! Eu só ia pe-gar pra ti!

— Que pena... — apertei os lábios um contra o outro enquanto procurava meu dinheiro no bolso da frente da calça..

Entreguei uma nota de cinquenta euros para ela.

— Nossa...

Olhei para a garota surpreso.

— O que foi?

Ela me mostrou a nota de cinco que segurava na outra mão. Tive que rir.

— Pode comprar com meu dinheiro se quiser.

Deslizei minhas mãos pela extensão da cabeça dando mais um dos meus sorrisos convencidos para Hinata.

— Não, valeu... Tô legal. — negou, não dando bola para o dinheiro.

— Ta, pega um hambúrguer pra mim então. — disse analisando suas coxas que ficavam bonitas naquela calça coladinha.

— Beleza! — ela se virou, indo em direção a umas das lanchonetes que vendia hambúrguer no refeitório.

Apenas aproveitei visão de Hinata de costas, caminhando. Ela era linda demais, puta que pariu... Parecia desfilar naquele refeitório. Acho até que se vestisse uma sacola, ainda ficaria a maior gata. No dia, a roupa escolhida foi uma calça bege com um suéter branco e um tênis da mesma cor. Me pergunto se ela gosta de moda, ou só se veste bem mesmo... Aquelas roupas claras faziam um contraste com o seus cabelo preto e... Eu não conseguia tirar os olhos daquela morena. Não alteraria meu foco de visão até que ela voltasse, se duas intrometidas não aparecessem na minha frente, acabando com minha programação.

— Naruto! — Tenten e Shion falaram ao mesmo tempo, parecendo duas gazelas.

Afastei um pouco a cabeça, tentando olhar para Hinata de novo mas Shion já deu um jeito de dar um passinho para o lado, me obrigando a ver o seu shortinho curto e sua camiseta decotada cor de rosa. Aquele parecia ser o padrão de roupas daquelas meninas. Elas não sentiam frio não?

— O que foi?! — não liguei pela frase ter soado meio rude, não estava com paciência para aquelas duas.

— Não fala assim Naru, parece até que não gosta da gente. — foi a vez de Tenten falar, com um sorrisinho malicioso no rosto, dando uma mordidinha no lábio inferior.

Fui obrigado a dar risada, ignorando toda sua pose. Naru? Porra mano... Cadê o senso do ridículo dessa gurias? Me recompus tentando segurar o riso, mas estava difícil.

— Afinal, o que vocês querem? — eu queria logo chegar no ponto da conversa.

Sabia que se Hinata visse aquilo, não entenderia nada e já criaria mil coisas na cabeça... Eu não queria dar motivos para discussões.

— Como assim o que a gente quer... Não queremos nada ora... — Shion falou já se aproximando de mim, sentando sem autorização nenhuma, no meu colo.

No exato momento em que a loira fez o movimento, Hinata inventou de olhar, lá de dentro do estabelecimento na minha direção.

— Puta que pariu! — pensei alto.

Ela tinha que olhar justo agora?

Simplesmente abri as pernas fazendo a loira cair toda desajeitada no chão. O impacto do seu corpo batendo na superfície produziu um som engraçado, se não fosse aquela situação, poderia ser até excitante. Olhei de novo para Hinata mas ela parecia estar pagando as comidas no caixa. Não olhava mais para mim.

— Porra Naruto! Ta ficando doido? — Shion gritou nervosa, sendo levantada pela mão, por Tenten.

Me irritei com as duas. Então agora eu é que estava doido?! Agir daquele jeito era o normal?!

— Eu não me lembro de ter chamado nenhuma de vocês duas aqui. — as duas fizeram bicos exatamente iguais para mim, lembrando até duas cópias, com apenas as cores das roupas diferentes. — E eu também não pedi pra ti sentar no meu colo Shion, então... Por que vocês não vazam daqui? — arqueei um pouco as sobrancelhas ao dizer.

Eu realmente não queria ser mal educado...

— Nossa... Você é um merda mesmo! Vamos Tenten!

Tive que dar risada mais uma vez. “Vamos Tenten”. Imitei sua voz fina e irritante mentalmente. Nem acredito que já havia pego aquela garota. A bebida as vezes nos coloca em algumas enrascadas.

As duas saíram rebolando pelo refeitório. Eu estava cagando para a opinião delas sobre mim. Minha cabeça estava totalmente voltada para quando Hinata voltasse. E eu tivesse que explicar aquela maldita cena...

A morena saiu da lanchonete, andando em direção a mesa com duas sacolas nas mãos. Até então eu não sabia se ela estava brava ou não. Ela não estava mais sorrindo... A balança começou a pender mais para o lado “puta da vida” do que para o lado “tô de boa” o que não era bom sinal.

Hinata sentou na mesa sem dizer uma palavra e praticamente arremessou o Hambúrguer em mim.

Certo. Ela estava puta.

— Pra que toda essa agressividade? — perguntei pregando o hambúrguer que havia batido no meu braço e caído no chão.

Ela não respondeu nada, apenas me lançou um olhar que por um segundo quase fez eu me arrepender de ter perguntando e continuou abrindo seu sanduíche natural em silêncio.

— Hein? — insisti.

— Que agressividade o que Naruto?! Não tô com porra de agressividade nenhuma não! — arregalei os olhos.

— Huhum... — arqueei as sobrancelhas observando seu sanduíche, segurando a vontade de rir. — Tô vendo...

A morena sem perceber havia quase destruído o sanduíche.

— Olha aí a merda que tu me fez fazer Naruto! — ela tentava remontar o sanduíche com as mãos.

— Certo... — era melhor eu ficar quieto.

Dei a primeira mordida no hambúrguer, só esperando a hora que ela tocaria no assunto. Pouco antes de eu chegar na metade do lanche, ela falou:

— Tu é mesmo um mentiroso!

Não consegui me segurar.

— Como é...? — perguntei com a boca cheia.

— Isso mesmo que tu ouviu, ontem me disse um monte de coisa e agora tava ali com aquelas duas... — ela murmurou alguma coisa que não consegui entender.

Não consegui evitar um largo sorriso.

— Então tu ficou com ciúmes de mim?

A morena corou, ficando com uma mistura de raiva e vergonha na face. Era engraçado demais ver Hinata com raiva, suas veias pareciam ficar mais evidentes. A parada devia estar fervendo por de baixo daquela carinha bonita.

— Pfff... — soltou uma risada nervosa. — Ciúmes... não é ciúmes, são apenas os fatos!

— É sim. Os Fatos de quem ta com ciúmes...

Ela me lançou novamente aquele olhar e ficou em silêncio. Talvez fosse a hora de eu explicar...

— Eu não chamei elas aqui! — só eu olhava em sua direção.

— Ata... Aham... Ela vieram sozinhas! — deu uma mordida no sanduíche evitando me olhar.

— Exatamente! — não contive o riso.

Foi exatamente aquilo.

— Aí ta bom Naruto, esquece...

— Não anjo... — tentei pegar na sua mão mas ela recuou.

— Não me toca!

Puxei a mão de volta. Hinata era demais quando estava brava. Era melhor eu não piorar as coisas.

— Ta certo então... nervosinha.

Continuei comendo meu hambúrguer analisando a morena. Parecia que a nossa tarde de estudos não seria muito produtiva. E eu ainda teria que me preocupar com a prova do dia seguinte.


Notas Finais


Então, o que acharam??

Provinha chegando o que significa que ta chegando o final da aposta. E aí? Será que nosso loirinho tira um nove? Complicado, mas não impossível...
O que acharam de ItaSaku? A parada esquentou ali, espero ter agradado vocês! ❤ Beijos! Já estou providenciando o próximo cap! Me digam o que acharam. É nois!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...