História Um simples dirvócio - G-Dragon - Capítulo 72


Escrita por:

Postado
Categorias Big Bang, G-Dragon
Personagens G-Dragon, Jennie, Lee Donghae
Visualizações 372
Palavras 825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 72 - Na mira


Fanfic / Fanfiction Um simples dirvócio - G-Dragon - Capítulo 72 - Na mira

Não sei por quanto tempo que fiquei ali olhando para aquela porta. Mas foi o suficiente para que eu ouvisse  vozes ressoar no lado de fora daquele quarto. Meus olhos marejaram quando vi Lee Donghae entrar naquele cômodo com o meu menino nos braços, Ravi vestia um lindo macacão verde claro. Me levantei da cama em um pulo quando escutei meu filho resmungar. Não pude segurar as lágrimas quando me aproximei daquele homem e peguei Ravi em meus braços.

Meu menino! — murmurrei com uma voz embargada. Enquanto beijava e sentia o cheirinho de Ravi.

— Cuidamos muito bem dele, meu amor. — não desviei meus olhos em nem um segundo do meu menino. Mesmo que eu quisesse não poderia negar,  que a garota de fato tinha cuidado bem de meu menino.

— Me deixe ficar com ele? — olhei para Donghae e antes que ele podesse dizer algo ouvimos um barulho vindo de trás de suas costas. Donghae deu um passo para o lado esquerdo saindo de minha frente. Meu coração martelou em meu peito quando vi a garota parada adiante da porta com uma pistola mirada para minha cabeça. Apertei Ravi ao redor de meus braços em uma tentativa de protegê-lo.

Me dê o menino. — dei um passo para trás o que a fez dar dois para frente e segurar mais firme aquela arma. — Me entrega o menino, agora. 

Jennie estava assustadora, com uma roupa azul escuro, seus olhos estavam fundos. Era como se ela nunca tivesse dormido em toda sua vida. Nada fazia sentido para mim, eu só conseguia pensar em tirar meu filho sã e salvo dali, meu coração começou a martelar mais forte em meu peito quando a garota tentou se aproximar de mim. Tudo estava acontecendo rápido, Donghae tentou se aproximar dela, mas parou ao ter a arma aponta para sua direção. Com as mãos para o alto o psicólogo pedia para a ex-amante de meu marido se acalmar. 

— Jennie, vamos conversar melh...

— Não! — disse ela em voz alta. Ravi resmungou em meus braços o que a vez desviar o seu olhar de Donghae para o meu menino, os olhos fundos da garota brilhavam, sua expressão era serena ao olhar para Ravi. A garota tinha se apegado ao meu filho. Ao meu menininho. Ao meu Ravi. Mas o seu olhar calmo e doce se transformou novamente em uma feição assustadora ao olhar para mim. — Não vou deixar que ela tire ele de mim. Ela já tirou a minha oportunidade de brilhar. Não posso deixar que ela me tire mais isso.

— Jennie ela não teve culpa. — Donghae parecia tentar convencer a garota de algo. Eu me encontrava confusa. — Não a culpa por algo que ela não fez.

— Não vou deixar que vocês tire meu menino de mim! Você me prometeu que Ravi seria meu, não pode voltar atrás de suas palavras. Não faça como Ji-Yong e ela.

— O que eu fiz? O que Ji-Yong fez? — perguntei com uma voz falha. Jennie voltou a mirar a arma em minha direção e olhou-me com odio. Sua risada arrastada fez todo o meu corpo se arrepiar. 

— Não se faça de igna, pois todos nós sabemos que você não é. Assuma que mandou Ji-Yong me reprovar naquela maldita audição, por eu ser mais bonita e mais talentosa do que você.

Não consegui raciocinar sobre o que estava acontecendo ali, minha cabeça girava.

Eu tinha um sonho, mas você e o merda do seu marido acabou com ele a dois anos atrás. 

— Por que tudo isso? perguntei e mais uma vez ela riu.

— Por quê? Tinha uma menina de apenas 19 anos. Uma menina que gostava de cantar e dançar em seu tempo livre, ela voltava de mais um dia de escola quando encontrou um anuncio de audições abertas para uma nova empresa de entretenimento, em um ponto de ônibus. Sabe, um anuncio que podia mudar a vida dela. Animada a menina seguiu o caminho para casa e mostrou para os pais aquele papel que para ela valia ouro, mas como sempre o pai dela não a apoiou e a xingou e a bateu, mas a sua mãe, sua mãe sempre teve o sonho de ser uma linda balarina e já que ela tinha engravidado cedo e não pôde continuar com esse sonho a apoiou e a levou para Seoul, escondida de seu pai, a garota se sentiu realizada só de pisar na calçada de onde ela iria fazer aquela audição. A menina tinha ficado ansiosa para mostrar a todos o seu talento, mas mesmo assim ela cantou e foi reprovada, foi reprovada pelo o CEO da tão conhecida Kwon Entertainment. 

— Eu não tenho culpa disso. Meu filho não tem culpa disso. 

— Não importa. O que me importa é que alguém vai sentir a mesma dor que eu sentir. Não posso ter me deitado com aquele homem por um ano para deixá-la sair livre disso tudo.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...