1. Spirit Fanfics >
  2. Um sonho de liberdade - Supercorp >
  3. Lena... Meu nome é Lena

História Um sonho de liberdade - Supercorp - Capítulo 3


Escrita por:


Notas do Autor


Volteiii!
Estou muito feliz que vocês estão gostando da história. Temos muita emoção pela frente. Aguentem firme até o fim e não matem a autora, sou fã dos finais felizes!

Boa leitura

Capítulo 3 - Lena... Meu nome é Lena


Fanfic / Fanfiction Um sonho de liberdade - Supercorp - Capítulo 3 - Lena... Meu nome é Lena

Pov Lena

Deixe-me contar a vocês como é a rotina da prisão: Os alarmes acordam você, as celas abrem e você tem que se levantar e se apresentar ao corredor. Se demorar, guardas estão gritando seu nome até você aparecer, e se não aparecer... É melhor que esteja morto lá dentro.
Eu descobri algo feliz nessa manhã no entanto, Kara Zor-El era praticamente uma vizinha. Nossas celas ficavam no segundo andar e apenas mais outra cela nos separava. Eu fiquei estranhamente feliz com isso, e dei como desculpa pra mim mesma poder ficar de olho nela.
Marchamos como robôs para o refeitório. Eu já podia ouvir comentários infinitos da Andrea sobre a aposta, o que não levou dois segundos pra acontecer contando o momento que eu me sentei.
- Bom dia pessoal! Linda manhã não é? E sabem por que é uma linda manhã não sabem? Vão entregando eu quero tudo aqui! Não precisa fazer fila haha
- Garota chata! – Alguém gritou
- Puxa Lena, foi uma pena seu cavalo ter chegado em último... Mas o que eu gostei mais mesmo foi do meu cavalinho vencedor! Eu vou dar um beijão nela quando ela voltar pra cá.
- Por que não dá uns cigarros pra ela?
- Maggie! Você estava trabalhando na enfermaria essa semana, certo? Como está o meu cavalo?
- Morreu. A Eve bateu demais na cabeça dela... O doutor já tinha ido até pra casa. E a pobrezinha ficou lá até de manhã! A enfermeira Danvers até tentou, mas não tinha nada que a gente pudesse fazer. (Maggie)


Silêncio


É incrível o momento em que a gente percebe que nossa vida não vale muito. Que não somos verdadeiramente nada... Felizmente Kara chamou a atenção de todos me tirando dessa espiral de pensamentos quando perguntou:
- Como era o nome dela?
- O que você disse? - Andrea perguntou
- Eu pensei que aqui alguém soubesse o nome dela.
- O que interessa peixe fresco? O nome dela não importa mais, está morta!
E foi aí que eu vi, provavelmente pela primeira vez na vida, a verdadeira compaixão. Kara Zor-el nunca tinha trocado uma palavra com essa mulher. Não sabia seu nome e muito menos o seu crime. Mas quando olhei em seus olhos não tinha nada além de solidariedade... Eu deveria ter visto naquele momento que ela valia a pena.
- Você vai comer isso? - Cat disse, e chamou a atenção de todos para onde ela estava olhando. Vocês imaginam pra quem certo? Isso mesmo, Kara! Aparentemente tinha uma lesma pequena no purê de batatas dela, e por um motivo totalmente estranho, Cat queria o animal?
- Bom, eu não estava pensando nisso - Kara disse e sorriu fraco. E uau, ela ficava ainda melhor sorrindo! Infelizmente para Kara eu não fui a única a notar sua beleza...

----//----
Pov Kara

Banheiros na prisão!
Talvez seja a pior parte da vida na cadeia.
Não existem divisórias, paredes ou portas. São simplesmente chuveiros, alguns apenas o cano, e você e mais 20 outras mulheres desconhecidas. Era uma situação estranha e competente desconfortável, mas ficou insuportável quando ouvi a seguinte frase:

- Alguém já deu em cima de você loirinha? - Eu literalmente paralisei, e acho que estava escrito em meus olhos de pânico que não, que aquilo era uma abordagem que eu não esperava.

- Ninguém ainda tentou te pegar? Bom, sorte a minha! Eu posso ser sua amiga. Todo mundo precisa de amigos aqui
Eu saí dos chuveiros antes de conseguir respirar de novo. E enquanto passava pela porta pude ouvi-la dizer: "Garota difícil. Eu adorei".
Rao, a minha vida teria como dar mais errado?


----///----
Pov Lena


Kara não se abriu muito no início. Acho que estava com a cabeça cheia tentando se adaptar a vida na prisão. Foi só depois de um mês lá que ela abriu a boca pra falar mais que três palavras pra alguém. E quando aconteceu, esse alguém era eu.
Estava no pátio jogando com Sam quando ela se aproximou de mim e se apresentou. Como se fosse possível não notar ela certo?

- Olá, sou Kara Zor-El

- A dona do banco que matou a esposa... Se não se incomoda em dizer, por que matou?

- Não matei já que perguntou

- Haha, então seu lugar é aqui! Todos são inocentes não sabia? Ei você! Qual foi o seu crime?

- Eu não fiz nada o advogado me ferrou! – Levantei a sobrancelha com aquele olhar que dizia “eu te disse”, mas continuei a falar: Estão dizendo que você é uma garota bem fria... Acha que vale mais que o resto daqui não é?

- O que você acha? – Ela sorriu de lado, parecia realmente interessada em minha opinião. Fui sincera

- Pra ser franca, ainda não sei

- Soube que consegue arrumar as coisas por aqui... – Ela foi direta, precisava de alguma coisa

- Eu consigo trazer umas coisas extras de vez em quando

- Será que me arruma um martelo de pedra?

- O que? Quer isso pra que?

- Por que quer saber?

- Se fosse uma escova de dente eu não ia perguntar é só dar o preço, mas uma escova de dente não mata ninguém não é?

- Okay tem razão! O martelo de pedra tem de 6 a 7 polegadas de comprimento. Parece uma picareta bem pequena, pra pedras. Tá vendo essa?

- Quartzo?

- Sim. Tem Mica, Xisto, Calcário... Eu era colecionadora lá fora e quero continuar aqui se possível.

- Sim. Ou talvez queira enfiar isso no pescoço de alguém

- Não, meu Deus! Não tenho inimigos aqui

- Não tem? Espere e verá. Todo mundo já sabe, as irmãs estão gamadas em você, principalmente a Leslie.

- Acho que não adiantaria se eu dissesse que não estou interessada

- Elas não ligam. Teriam que ser humanos primeiro para se importar... Elas te pegam a força, é tudo que querem e entendem. Melhor manter os olhos abertos

- Obrigada pelo Conselho!

- É de graça. Pode me prometer algo?

- Se eu tiver um problema não vou usar o martelo de pedra!

- Então está pensando em fugir? Cavar um túnel na parede... - ela riu. Na verdade ela gargalhou! E por mais que fosse o som mais fofo que eu já tinha ouvido em anos eu estava particularmente ofendida demais pra curtir o momento - Qual é a graça?

- Você vai saber quando vir o martelo de pedra!
Eu pensei um pouco antes de decidir que eu não me importava, ou estranhamente confiava em uma assassina condenada.

- Quanto custa normalmente lá fora?

- 7 dólares em qualquer loja de conveniência

- Minha comissão é 20%. Mas é uma mercadoria especial... O risco aumenta o preço aumenta. Faço por 10 dólares!

- É 10 tá bom.

- Dinheiro jogado fora em

- E por que?

- Por que o pessoal adora fazer inspeções de surpresa. Se acharem vão levar... E se pegarem você com isso não me conhece. Ou então não te arranjo mais nada! Nem um cadarço pro sapato e nem um chiclete entendeu?

- Combinado. Obrigado senhorita?

- Lena. Meu nome é Lena!

- Lena... É um lindo nome Lena. - Ela acenou com a cabeça, sorriu e saiu. Percebi que ela dizia meu nome com o se estivesse experimentando o som. É fraqueza minha dizer se achava que ele nunca tinha soado mais bonito? 

Eu entendi por que alguns achavam que ela era esnobe. Ela era quieta, e tinha um olhar e andar que não era normal por aqui.
E ela caminhava como uma garota no parque sem preocupação alguma, como se tivesse um escudo invisível que a protegesse desse lugar.
Kara era um raio de sol, como uma flor nascendo no meio do asfalto... É eu acho que posso dizer que gostei dela desde o inicio!


Notas Finais


Espero que tenham gostado da primeira interação das nossas garotas. Kara chegou chamando atenção na prisão...
Por favor comentem o que voces estão achando, eu adoro ler!!

Até a próxima


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...