História Um Triângulo Sem Pontas (Min Yoongi) - Capítulo 39


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Park Shin Hye
Personagens Kim Min-seok (Xiumin), Min Yoongi (Suga), Oh Se-hun (Sehun), Park Shin Hye, Personagens Originais
Tags Hentai, Imagine Suga, Min Yoongi, Nova York, Políamor, Romance, Sehun, Suga, Yoongi
Visualizações 15
Palavras 2.607
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, LGBT, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello, estou quase terminando de escrever a fic e garanto a vcs, os próximos capítulos são dms kk pelo menos senti isso!

Boa Leitura...

Capítulo 39 - As dúvidas


Fanfic / Fanfiction Um Triângulo Sem Pontas (Min Yoongi) - Capítulo 39 - As dúvidas

Pov Suga:

Eu sabia que não era para sempre, que não era definitivo, eu entendi completamente as intenções dela. Mas, mesmo assim aquelas palavras me atravessaram como balas, no começo fiquei bravo e em seguida triste, não soube como reagir, abri e fechei a boca várias e várias vezes, até conseguir prosseguir:

_Eu... Eu preciso ficar sozinho... -Foi tudo que consegui similar, não ia conseguir ficar bravo com ela me olhando melancólica daquele jeito.

_Suga, me desculpa! -Nish me mirou cheia de magoa e eu engoli seco.

_Não, tudo bem... Eu só preciso ficar um tempo sozinho! -Pedi quase sem voz, o golpe foi forte.

_Eu vou te explicar tudo, eu prometo! -A ruiva me garantiu saindo dali para atender meu pedido.

Fiquei com o espaço que eu queria, mas ainda me sentia como se estivesse sendo vigiado, talvez fosse os fantasmas das palavras dela me assombrando: "Eu não posso me casar com você" Ressoando com maldade entre meus pensamentos.

_Droga! -Passei as mãos sobre meu rosto e respirei fundo. Será que aquilo abalaria nossa relação novamente? Não, isso eu não podia aceitar. _Não, não quero passar por aquilo de novo! -Conclui analisando que outras opções eu teria._Ela precisa disso agora...-Cheguei a uma solução sozinho.

Deixei meus anseios e mágoas para trás, nosso amor era mais importante. Então, em pleno domingo nos despedimos do seus avós que não pareciam saber muito sobre nossa discussão:

_Oh, querida volte assim que possível! Adoramos receber suas visitas! -Vovó sorriu doce como sempre e abraçou a neta. _E traga essa mocinho, assim que marcarem a data do casamento eu quero estar lá! -Pediu me abraçando, fiquei um pouco rígido mas sorri com conforto para ela.

_Isso pode demorar um pouco! -Disse para senhora Wills.

_Não tem problema, eu e seu avô vamos aguardar ansiosamente esse dia! -Me garantiu afagando meu braço.

O senhor Wills também se despediu de nós com um abraço para minha completa surpresa, quando veio até mim ele disse algo ao pé do ouvido:

_Não pense que ela não quer se casar, ela quer e muito... Mas eu pedi isso a ela, pedi que não tivesse presa, então se ficar magoado com alguém fique comigo! -Falou sério vovô ao me soltar, o encarei e assenti, não esperava que ele falasse aquilo.

_Está tudo bem, eu não estou magoado! -Citei baixo somente para ele, como Nish e sua vó estavam na típica conversadeira não ouviram. _Eu percebi que não devo ficar magoado! -Informei, e era verdade eu não podia forçar Nish a se casar comigo só porquê era isso que eu mais desejava, se ela precisava ir devagar em relação a isso então eu podia aguentar, podia aguentar qualquer coisa por ela.

_Que bom, fico aliviado que você entenda! -O velho senhor me disse e tocou meu ombro. _Acho que você será um bom homem para ela! -Suas palavras simples eram firmes e orgulhosas como de um pai, fiquei emocionado pela confiança que o senhor Wills finalmente me deu, ele me aprovou para ser seu genro.

_Eu serei, não vou decepcioná-lo senhor Wills! -Citei sorrindo como um bobo.

_É melhor que seja mesmo, ela é minha única neta! É melhor cuidar bem dela! -Brincou ele, apertamos nossas mãos rindo e saímos da casa levando as bagagens.

No aeroporto onde o senhor Wills nos trouxe com sua velha caminhonete, eu e meu futuro sogro nos despedimos como velhos conhecidos, e esperando o embarque do nosso voo Nish se virou para mim séria:

_Eu ainda te devo explicações! -Disse pouco confortável a ruivinha me encarando.

_Tá tudo bem My Princess, não precisa me explicar... Eu meio que entendo! -Falei enlaçando nossos dedos.

_Eu vi você e o vovô muito próximos, ele por acaso...

_Não, ele não explicou muito, mas eu não preciso entender os detalhes, sei que está fazendo isso por eles e após pensar um pouco, se eu fosse você tendo essas pessoas que te amam tanto e que significam tanto para você...eu também levaria os sentimentos dele em consideração... Não podemos ser egoístas em tudo! -Sorri para ela confirmando que entendia sua negação ao meu pedido.

_Oh, Deus! Você parece um adulto falando! -Ela disse mais tranquila rindo de mim.

_Hey! -Aperto suas bochechas fofas. _Eu sou adulto! -Protesto rindo, era bom que nós não ficássemos completamente estranhos um com o outro. _Mas isso não significa que eu ainda não estou ressentido daquela rejeição! Vou deixar você pensar melhor sobre isso! -Declarei para ela.

_Sério?!-Nish pareceu bem surpresa.

_Sim, está na hora de você ganhar um tempo... Um tempo de tudo isso! -Finalmente finalizei aquele assunto.

Nish pareceu triste mas concordou, não seria fácil mas teríamos que lidar com isso também.

**

Voltamos para New York, a cidade estava barulhenta e agitada, idêntica como a deixamos, desprezando totalmente nosso retorno, por sorte isso não mudava em nada nossa vida, mas o sentimento de estar de volta sim, ainda era estranho mas percebi aos poucos que um murro invisível se criou entre mim e minha namorada, aquele assunto que eu queria tornar insignificante estava nos consumindo, criando barreiras, nos silenciando no carro enquanto eu dirigia.

Incomodado limpei a garganta e comecei um diálogo arrastado:

_Então... Nova Iorque parece idêntica, nosso retorno não fez ela brilhar mais, que coisa estranha! -Brinco sorrindo sem jeito, sabia que não era o clima certo, mas fiz mesmo assim, odiava o silêncio, odiava mais ainda o silêncio dela.

_Pois é... -Nish que mirava a janela suspirou e se distanciou do vidro olhando para mim. _Tudo parece igual... Menos nós! -Assumiu sem conforto, algo que eu não tinha coragem de dizer.

_Você precisa de mais tempo? -Perguntei sentindo meus nervos se contraírem, não gostava da ideia mas tinha que fazê-la por ela.

_Sim... Suga isso não é fácil, desculpa se estou demorando! -Falou triste me olhando com aquela carinha fofa, fiquei meio perdido, eu definitivamente não conseguia me zangar com ela.

_Tudo bem... -Ri fraco. _Já passamos por tudo, essa é fixinha!-Brinquei dando de ombros, é claro que não seria fácil mas fingir que era podia ser mais tolerante.

_Obrigado amor! -Ela disse aliviada, senti uma de suas mãos sobre a minha, soltei a mão direita a dando para ela.

_Eu te amo muito sabia? -Falei desviando um pouco da estrada e beijando aquela mãozinha entrelaçada com a minha.

_Eu sei! -Ela riu mais alto, quebrando uma das barreiras que tinham se criado entre nós. _Eu também te amo muito! -Nish me respondeu sorrindo doce.

Nish era tão linda, percebi que não precisava de mais para ser feliz, somente daquela garota, mesmo que não fosse agora nós casariamos um dia, e um dia essa hora tão importante ia chegar.

Resolvi deixá-la com seu "tempo" e segui dirigindo mais confortável pelas ruas cheias de NY, lembrando sempre que é preciso "dar tempo ao tempo" E não apressar o que devia ser bem pensado.

**

Chegamos em casa e logo fui bombardeado de notícias pelo meu irmão afobado:

_Hey, hey! Espera, explica do começo!-Pedi para Sehun que andava irritado de um lado pro outro na sala.

_É isso mesmo merda! William vai fazer uma revanche e me informaram que ele tem planos mais baixos para nos atacar dessa vez!-Sehun fala alterado, nitidamente as coisas estavam ficando piores rapidamente.

_E-eu vou deixá-los a sós! -Nish pregou indo velozmente pro segundo andar. Não disse nada só confirmei com a cabeça para ela que sumiu, Sehun pouco se importou com a presença dela antes, mas não o critiquei por hora, até entendia sua ignorância.

_Sério isso? Caramba, nosso tio tem sangue de barata então! -Digo cruzando os braços e me sentando no nosso sofá enorme.

_Mais que isso, ele tem sangue Turner! -Sehun fala sombrio, aquela frase me pega de surpresa.

_Espera, você acha que ele vai usar o fato de não sermos filhos de sangue de Lizzy para nos tirar do testamento?! - Quase berro sem crer em tal vigarice.

_Ele pode, golpes baixos Suga! Acorde, podemos sofrer qualquer coisa agora! -Meu irmão pragueja muito irritado. _William pode usar contra nós nosso sangue, nossas fraquezas, nossos defeitos... Nosso passado... -Sehun diminui o tom e me mira subentendido, aquilo me faz gelar o estômago.

_O meu passado você quer dizer... -Me remexo no sofá e sinto a camisa sobre minhas costas, onde tinham as feridas profundas contando aquele passado terrível. _Será pior se ele focar em mim... -Me explico em seguida.

_Vai mesmo, por isso precisamos estar preparados para tudo! -Sehun fala mais calmo e cruza os braços. _Vamos ter que lutar de novo irmão...

Ri brevemente e me levanto apoiando uma mão sobre o ombro de Sehun:

_Vamos provar para aquele velhote que não é só ele que é duro de queda! -Digo sorrindo confiante, se era para brigar de novo que fosse, eu não era de desistir tão fácil e muito menos de desistir de algo envolvendo Lizzy.

_Claro que vamos! -Sehun manteve a cara fechada mas concordou comigo.

Senti firmeza em meu irmão e isso me fortaleceu, estavamos jogando xadrez com um grande adversário e era melhor estarmos juntos do que sozinhos, éramos irmãos e uma pequena fraternidade pronta para atacar quem viesse tentar nos abalar.

***

Pov Nish:

Não queria ficar ouvindo a conversa deles, mas a minha curiosidade era tremenda, por isso antes de entrar pro quarto fiquei na beira da escada só ouvindo a discussão de Sehun e Suga.

O debate deles foi bem rigoroso, na parte que Sehun lembra Yoongi sobre suas cicatrizes eu sinto um soco no estômago, aquilo não podia acontecer, me recusava a crer que o tio deles seria tão maldoso, me neguei a pensar que qualquer ser humano fosse tão cruel. "Oh, acorde Nishmori!  Mundo real aqui! " Digo a mim mesma condenatória, droga, tinha que pensar nessa dura possibilidade.

_Não! -Prego baixinho cobrindo a boca. _Não façam isso com ele! -Pedi de olhos fechados entristecida, aquilo partia meu coração, as vezes eu queria colocar meu asiático num potinho e carrega-lo por aí protegendo de toda maldade do mundo.

Mas eu sabia que não podia fazer isso, e também sabia o quanto Suga era forte, ele tinha passado por tanta coisa e superado, isso até quando ele tentou suicídio e eu o impedi.

Sim, eu o impedi, eu mudei os planos do destino de Suga, tracei uma rota alternativa, o trouxe de volta a terra, a bons momentos, a novos sentimentos, a uma nova vida! E não podia dizer que não era o mesmo que ele tinha feito por mim.

Min Yoongi entrou na minha vida de repente, mas eu nunca quis que ele saísse dela, eu o amava e queria protegê-lo, mesmo que não conseguisse nem pensar em como nós dois nos casariamos.

Exausta limpei algumas lágrimas invasoras e fui pro quarto, finalmente eles lá em baixo tinham terminado todo papo, tal papo que perdi toda atenção depois daquela parte do passado.

No quarto chorei sozinha me recrimimando por nem conseguir dar uma resposta para Suga. Eu era uma estúpida e realmente me senti assim, abracei minhas pernas deitada na cama e chorei até dormir.

Mais tarde sinto alguém acariciando minha cabeça, acordo e vejo Suga sorrindo para mim:

_Dormindo cedo My Princess? -Indagou rindo da minha cara que provavelmente devia estar péssima.

_Suga... -Dito baixo, minha cabeça parece pesar toneladas e não consigo me mover muito.

_Xiu, eu sei que tem pensado muito na gente... Mas não quero vê-la triste, vai descansar My Princess! -Pediu fofo me fazendo aquele cafuné gostoso.

_Obrigado! -Disse fechando os olhos, os dedos dele sobre minha cabeça eram um carinho tão reconfortante que me entreguei de volta ao sono, dessa vez indo dormir mais feliz.

_Dorme meu anjinho... Temos mais batalhas pela manhã... -Ouço ele suspirando sozinho e me afundo em seu toque, não queria pensar no amanhã, não queria arruinar aquele momento com futuro, eu só queria o agora, o presente era o único que podia me deixar bem com ele, com meu único e eterno amor.

**

Acordei mais tarde naquele mesmo dia, pelo silêncio percebi estar sozinha em casa.

Suga e Sehun sairam cedo para voltar a ativa nos negócios, mesmo já deduzindo a rotina que se estabeleceu, eu ainda tive o prazer de ganhar um bilhetinho num guardanapo e um belo café da manhã do lado da minha cama explicando tudo:

_Meu namorado é incrível! -Ri boba na cama tomando o bilhete com a caligrafia bonita dele.

Resolvi me levantar, fazer minhas higienes e tomar aquele café da manhã com gosto, me senti menos aborrecida, mas isso não significava que seria fácil lidar com aqueles meus problemas ali a diante.

Percebi que é numa hora dessas que se deve ir atrás dos amigos, para receber conselhos e limpar a mente.

Então senti que devia ligar para Serena e pedir ajuda, após dois segundos ela atendeu e para minha sorte aceitou ir almoçar comigo, pois estava livre naquela tarde onde Ivy precisava trabalhar e Ariel tinha que ir pra escolinha, além de que Serena também estava de férias. 

Marcamos o almoço num restaurante mais perto do campus e afastado do centro disputado de NY.

Como ainda estava meio friozinho resolvi colocar uma leg preta, um sobretudo vermelho, e mais o moletom quentinho que Yoongi tinha feito para me dar no nosso "dia especial".

Ao chegar lá, eu e Serena já fomos logo comentando as milhares de novidades que típicas amigas sempre precisam por em dia:

_Hey, eu disse pra me ligar assim que você volta-se para o país!-Me deu bronca a morena com jaqueta de moletom e jeans, com uma calça de exercito, sentada a minha frente no badalado restaurante. 

_Desculpa...-Ri brevemente tomando um gole de vinho da minha taça._É que os últimos dias foram meio assim, complicados sabe...-Suprimi num sorrisinho falso, Serena também tomou seu vinho mas logo parou quando me ouvi falar daquele jeito.

_Ah não, qual é o problema dessa vez?-Minha amiga quis saber colocando a taça na mesa e me encarando séria.

_Suga me pediu em casamento, na frente dos meus avós...-Comecei o assunto fazendo Serena arregalar os olhos.

_Meu Deus, sério?-A morena perguntou inacreditada._Ual, isso é incrível! Até que enfim em!

_C-como assim?-Fiquei meio perdida com a última frase dela e quis entender melhor.

_Ué, vocês são hiper conectados, acho que além do meu casamento óbvio, eu nunca vi pessoas tão apaixonadas como vocês!-Disse Serena tranquila, fiquei um pouco apavorada, será que eu tinha distorcido as coisas?

_Então, você acha normal nos casarmos assim...quer dizer, casar agora?-Indaguei assustada com minhas próprias perguntas, depois de tantas pessoas me dizendo o contrário, era difícil acreditar que a ideia não era absurda. 

_Nishmori...-Serena se concentra em mim, provavelmente vendo meu desespero._O que foi?

_Eu...eu acho que cometi um erro!-Admiti mordendo firme os lábios.

_Hm, me conta então, agora eu to aqui amiga...pode contar pra mim!-Minha amiga pegou minha mão sobre a mesa me tranquilizando e foi nessa hora que eu espremi tudo que estava engasgado na minha garganta. 

_Ah, Serena eu estou tão perdida...eu o amo, mas eu não posso...simplesmente não posso...-Fiquei presa nos meus anseios, louca para chorar, mas Serena apertou meus dedos e me olhou com conforto.

_Fala amiga, já disse que vou escutar tudo!-Serena pediu novamente.

Respirei fundo e retribui o aperto de mãos nos soltando quando senti coragem:

_Vou te contar tudo que aconteceu na viagem, por favor seja paciente...-Pedi rindo fraco.

_Relaxa, miga a gente segura a peruca uma da outra esqueceu? Eu posso ouvir sua longa história assim como você sempre ouviu as minhas!-A morena piscou e tomou mais vinho sorrindo, eu realmente tinha uma boa amiga do meu lado e finalmente alguém que podia ouvir tudo que atormentava meu coração nos últimos dias. 

Continua... 


Notas Finais


Continua...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...