1. Spirit Fanfics >
  2. Um Único Destino - Beauany >
  3. Capitulo 23

História Um Único Destino - Beauany - Capítulo 23


Escrita por:


Notas do Autor


Não sei vocês estão preparades para esse capitulo Kkkkkkkkk pq eu nao tô...

Boa leituraaaa!!

Capítulo 23 - Capitulo 23


Hina POV

Após algumas falhas tentativas de tentar ajudar Any com a maquiagem, a porta do apartamento dos meninos se abrem e eu fico em sua frente para que ninguém a veja chorando.

- Está tudo bem ai? – pergunta Sabina.

- Sim, só estou ajudando Any a retocar a maquiagem – digo alto e saio da frente dela.

- Podemos ir? – pergunta Any para todos enquanto se levanta e segue até o elevador.

Ninguém responde, porém estamos todos atrás dela. Adentramos o elevador e ele fica em total silêncio até chegarmos no térreo.

Sabina, Any e Josh andaram um pouco a frente de mim e de Noah. Ele me puxa suavemente pelo braço me fazendo desacelerar os passos.

- Ela estava chorando? - me pergunta enquanto andamos lado a lado.

Olho para Any lá na frente com Sabi e para Josh um pouco atrás delas. Sinto que não deveria contar, mas assinto para Noah.

- Ela está muito magoada, Noah. Você pede um tempo para ela, logo você e Josh brigam e aqui estão vocês sem nos avisar nada. Ela se culpa.

Ele abaixa a cabeça e nós paramos de andar, o olho.

- Eu não queria que ela se sentisse assim.

- Mas ela se sente, e a cada dia piora - espero alguma reação dele, mas não recebo nenhuma então apenas continuo: - Ela não tem culpa de amá-lo, Noah, se ela pudesse com certeza pararia. Mas ela não pode. Ela não escolher isso. Tente entendê-la.

Ele respira fundo e eu o puxo um pouco para voltarmos a andar.

- Talvez eu entenda e só não queira aceitar.

Não entendo sua frase e espero explicações.

- Any é uma das pessoas mais importante para mim, Hina, mais do que você pensa. Eu nunca tive uma mãe e sempre me sentia sozinho quando meu pai trabalhava, lembrar que eu a tinha me trazia conforto. Por anos eu vi o jeito que Any tratava suas bonecas, como uma mãe deve tratar uma filha; com amor, carinho e tudo de bom que uma criança merece. Eu a olhava e queria que meus filhos e filhas do futuro fossem tratados daquela forma, eu desejava que a Any fosse a mãe dos meus filhos. Eu quero ter filhos, Hina, quero um monte deles - rio abaixando a cabeça. -, mas não quero que eles cresçam sem uma mãe assim como aconteceu comigo. Não foi culpa dela, estava na hora, mas mesmo assim eu fiquei sem mãe.

Engulo aquilo tudo que ele disse e entendo todo o significado que Any tem para ele.

Ele não a vê como mais uma paixão, ele a vê como a mãe de seus filhos e isso é... lindo.

- E depois que o Josh chegou, tudo não ficou melhor? Você não se sentiu mais sozinho, né? - pergunto e ele sorri sincero.

- Tudo mudou... para melhor. Eu nunca mais me senti sozinho. Mas eu o perdi, eu fiz merda, Hina.

O olho confusa, não tinha sido o Josh que havia vacilado em ter mentido?

- Como assim 'fez merda'?

Na hora que ele ia abrir a boca para responder, Sabina chega na porta - que está a poucos metros de nós - e diz:

- Se forem para vocês demorarem mais um pouco, me avisem que ai eu sento, tomo um café e espero a boa vontade de vocês.

Rimos com todo aquele deboche.

- Estamos no carro já, só esperando o príncipe e a princesa - ela diz saindo e seguindo para trás do muro onde encontrava-se seu carro.

- Melhor irmos antes que ela volte e nos mate - digo e rimos novamente.

Começo a caminhar um pouco apressada, mas não tanto por conta do salto.

- Só mais uma coisa - Noah diz segurando delicadamente minha mão e me fazendo parar.

Ele a levanta e dá uma volta com meu braço pelo ar, me fazendo girar no mesmo lugar lentamente.

- O que é isso? - pergunto rindo.

- Estou apenas te admirando - diz firme.

Quando paro de girar e fico frente a frente com ele, seus olhos descem rapidamente para meus pés e vai subindo pelo meu corpo vagarosamente. Cada lugar que seus olhos passam eu sinto um calor, como se eu pudesse sentir sua energia em mim.

Ele levanta novamente meu braço e me põe de lado para ele, me girando bem devagar.

Noah se aproxima passando a mão de leve pela minha cintura, desenhando ela toda. Sua mão para em minhas costas, ele se aproxima mais um pouco colando sua boca em minha orelha inspirando meu perfume pela minha nuca, ele faz esse movimento lentamente, parece que é de propósito.

Meus olhos se reviram de uma forma boa antes de fechar completamente para eu sentir mais ainda aquele momento, meu corpo se esquenta todo, meu peito sobe e desce rápido e minhas mãos suam.

Eu imaginei que seria impossível colar mais ainda nossos corpos, mas Noah faz exatamente isso me deixando sentir cada gomo de sua barriga contra meus seios. Ele chega sua boca mais perto do meu ouvido, fazendo-me sentir seu hálito quente bater contra meu pescoço e realizando um arrepio por completo em meu corpo.

Noah sussurra as seguintes coisas:

- Está cheirosa...

Mordo meu lábio inferior e sorrio.

- Você também, Jacob.

Levanto levemente minha cabeça fazendo com que nossas bochechas fiquem quase coladas.

- Você está uma gata, Hina - sussurea suavemente. 

Me afasto um pouco dele para eu possa respirar e olho fundo em seus oceanos verdes que não desviam do meu olhar. Pego seu rosto com o polegar de um lado e o indicador do outro, o trago para mais perto e lhe dou um beijo na bochecha; calmo e suave.

- Você também está um gato, Noah, não pensei que poderia ficar mais - volto meu olhar para ele e começo a caminhar para o carro onde o pessoal nos esperava. Não olhei para trás para vê-lo, mas acredito que ele ainda esteja parado.

Bingo.


Noah POV

Fico no mesmo lugar observando-a caminhar calmamente até perde-la de vista.

Saio do meu transe, mas ainda continuo olhando por onde ela sumiu.

Solto um suspiro fundo e sinto meu corpo relaxar e esfriar depois de parecer que ele estava pegando fogo.

- Nossa, o que foi isso? - repito para mim enquanto volto com a cena em minha cabeça e penso malicioso. - Caraca...

Depois de alguns segundos me dou conta de que estão esperando por mim e vou correndo até o carro.

Adentro o carro e Sabina dá partida. Any está na frente com ela e Hina está no meio separando eu e Josh. O clima está pesado e tenso entre todo mundo, menos Sabina que parece estar super animada.

- Posso colocar uma música? - pergunta e eu concordo na hora.

Música sempre melhora o ambiente, assim feito.

Começo a cantarolar a música baixo e percebo Sabina me acompanhando e aumento minha voz. Quando está prestes a chegar o refrão, todos abre a boca e cantamos em coro:

- I'm just a kid and life is a nightmare, I'm just a kid I know that it's not fair. Nobody cares 'cause I'm alone and the world is having more fun then me... Tonight.

Todos rimos alto e aquele ar pesado que estava no carro, não está mais. Abro a janela do meu lado e fecho os olhos sentindo a brisa desse novo lar. Abro-os novamente e admiro toda a beleza daquele lugar, Los Angeles é linda e eu estava extremamente feliz de estar ali.

- É diferente, né? - Hina comenta, volto meu olhar para ela que mira tudo de mais iluminado que há lá fora.

- Muito. Tem muito mais pessoas aqui - rimos.

- Confesso que não gosto muito dessa parte.

Reviro os olhando e sorrio com a sua fala.

- Você tem que superar isso, Hina.

- Sem chances. Esquece.

Rio de sua fala e do modo com que ela realmente não gosta de pessoas.

Eu pensei que o clima entre nós dois ficaria estranho depois daquela cena de tensão sexual, mas acho que nossa amizade é muito mais forte do que isso.

Continuo olhando para fora e pensando na frase que Hina me disse; não pensei que poderia ficar mais.

O fato de eu achar ela e Any perfeitas como princesas, não era novidade, mas ela me dizer que me acha bonito? Isso nunca tinha acontecido, confesso que fiquei surpreso e mexido com isso.

- Chegamos, gente, chegamos! - Sabina diz animada enquanto estaciona.

Era um local enorme que tinha uma faixa com as palavras: Bem vindos, calouros!

Não tinham muitas coisas do lado de fora - em quesito de decoração -, apenas algumas pessoas conversando e bebendo.

Saímos do carro e Sabina se anima ainda mais para entrar, já gostei dessa menina.

- Já vou avisando que eu não volto dirigindo, quando eu entrar nessa festa ninguém me segura - comenta fazendo todos nós rirmos.

Any e ela abrem a enorme porta e nós damos de cara com uma multidão de gente. Hina da um passo para trás após ver tantas pessoas juntas, confesso ter arregalo um pouco meus olhos após ver todos lá.

Sabina pega nas mãos de Hina e Any e as puxam para o meio, levando-as para uma bancada onde há um monte de bebida. Eu e Josh nos olhamos rápido e logo fomos atrás delas.

- Nem tenta, Sabina, eu terei que dirigir e não vou beber.

- Só um gole, Any - ela nega. - Ótimo, vou beber sozinha.

- Eu te acompanho - digo rápido e ela me puxa.

- Ótimo. Não estarei sozinha.

Rio de sua frase enquanto ela derrama um pouco de vodka em seu copo e no meu.

Entorno o líquido na minha boca e ele desce queimando pela minha garganta. Coloco um pouco mais, desejando que eu esqueça de todos os problemas enquanto bêbado. Eu precisava daquilo depois de tudo o que aconteceu.

- Olha só quem eu encontrei aqui.

Um menino que eu nunca vi na vida se aproxima de nós cinco e para ao lado da Any.

- Caramba, oi - ela diz enquanto sorri.

Ninguém entende aquele encontro, por isso nos olhamos estranhando tudo aquilo.

- Any, né? - ele pergunta e ela assente rindo.

- Enzo, né? - os dois riem enquanto ele responde a ela que sim.

- Então você vai estudar na Los Angeles Arts?

- E pelo jeito você também - ele ri.

- Sou veterano.

Ainda olhamos estranho para eles e meu olho quase revira com aquele encontro.

- Quer dançar? - ele a pergunta e Any assente.

Eles vão para a pista e nos deixa lá confusos.

- Não entendi nada - comenta Hina.

Dou de ombro bebendo mais um gole do meu copo.

- Vou dar um rolê pela casa - Josh diz se afastando de nós e sumindo na multidão.

- Eu e Hina vamos dançar também. Quer vir, Noah? - faço uma careta para ela.

- Vou ficar por aqui bebendo mesmo.

Elas riem e se afastam de mim. Coloco um líquido desconhecido no meu copo e o bebo novamente.


Hina POV

- Por que você me arrastou para cá, Sabi? Você sabe que não gosto do contato humano.

Ela ri.

- Por isso mesmo. Apenas curte, Hina.

Reviro os olhos e acabo concordando com aquilo.

- Sabe a hora em que estávamos vindo? - ela começa e eu assinto. - Vocês estavam demorando de novo e eu ia chamá-los novamente. 

Arregalo meus olhos e suspiro fundo, que bom que ela não nos chamou de novo.

- Mas, quando eu vi vocês dois próximos, apenas voltei e esperei o tempo de vocês.

Tenho certeza que eu estou parecendo um pimentão de tanta vergonha.

- Nós estávamos em um momento... complicado.

Ela ri enquanto dançamos.

- Complicado e quente né - fecho os olhos envergonhada. - O que estava rolando lá?

Nesse momento eu percebo que Sabina é uma pessoa maravilhosa e que será uma boa amiga para mim, então não vejo problema em falar as coisas para ela.

- Nem eu sei - sorrio besta e ela se anima. - Estávamos indo para o carro quando ele me parou e ficou me admirando de cima a baixo enquanto me girava. Teve uma hora que ele passou a mão pela minha cintura e parou em minhas costas, ele chegou mais perto e disse que eu estava cheirosa.

Ela abre a boca e vira a cabeça para o lado em sinal de animação, eu rio com aquilo.

- E aí? - pergunta curiosa e quase gritando.

- Ele disse que eu estou uma gata - Sabi arregala os olhos esperando que eu continue. - Eu dei um beijo na bochecha dele e disse que ele também estava e que não pensei que poderia ficar mais.

- Hina, cacete - ela prolonga o "e" e me faz rir mais. - Não sei nem o que dizer.

Sorrio besta ao lembrar daquele momento e meu coração bate mais rápido.

- Oi princesas - diz Any se aproximando.

- Quem era ele, hein? - pergunta Sabina levantando e abaixando suas sobracelhas me fazendo rir dessa expressão.

- Eu passei com o carrinho de malas em cima dele no aeroporto - ela ri.

- Então é ele? - pergunto e ela anui. - Gatinho.

- Concordo.

- Eu também - diz Any fazendo nós três rirmos. - Agora, Sabi... lésbica?

A olho junto com Any me lembrando da fala dela mesma.

- Vocês tem algum problema com isso?

Nos entreolhamos e respondemos em coro que não.

- Eu fiquei curiosa porque você vive falando de tudo que já fez com os meninos e... - ela ri antes de Any completar sua sentença.

- Eu não sou, gente, só para dar um fora no Noah.

Não sei porque, mas eu estava muito feliz com aquilo. Ela poderia apenas continuar com o jogo dele, afinal, quem não se encantaria por Noah?

Meu coração se alivia e meu peito se acalma.

- Pode sorrir, Hina - diz me dando permissão e eu fico sem graça. - Não vai rolar, ok? Eu gosto de vocês e eu não vou estragar essa amizade por causa de um menino que nem conheço.

Por instinto, vou até ela e a abraço e logo ela retribui fazendo Any se aproximar junto a nós.

- Vocês viram o Josh por ai? - pergunta Any após saírmos do abraço e negamos. - Eu vou procurar ele.

Ela sai de perto de nós e logo atrás dela avisto Noah sentado em um sofá, sozinho.

- Sabi, eu vou...

- Pode ir, vou ficar aqui - sorrio e sigo até ele.


Any POV

Depois de procurar um pouco pela casa por Josh, não o acho.

Vou para o jardim respirar um pouco de ar puro, essa festa está muito cheia e eu to começando a ficar sem ar.

Encontro um banco de frente para um sacada ao qual dá vista para o mar. Eu nunca o tinha visto e eu me surpreendo de estar o vendo agora.

Apesar de estar escuro, consigo ver perfeitamente as espumas formada pelo sal.

- Ele é lindo, né? - Josh pergunta ao se sentar ao meu lado.

Assinto com a cabeça e me afasto um pouco dele.

- Você sumiu, estava te procurando - digo.

- Estava me procurando e se afasta de mim quando me acha? - ele diz se aproximando mais um pouco.

- Foi você quem me achou - me afasto mais, porém percebo que estou no final do banco e quase caio.

- Te peguei.

Ele agarra meu braço e me puxa de volta rapidamente, antes de eu bater contra o chão.

- Obrigada...

Quando ele chega mais perto, me arrependo de ter ido atrás dele.

- Aconteceu algo, Any?

Engulo a seco e nego com a cabeça.

- Você não sabe mentir e eu te conheço mais do que ninguém. Me fala...

Fico quieta, mas logo o olho.

- Eu vou voltar para festa - me levanto, contudo paro com sua voz.

- Você me procura para depois sair de perto? - torno meu olhar para ele.

- Eu queria conversar porque até agora você não estava ao menos olhando para meu rosto. Pensei que poderíamos consertar o que estivesse de errado, parece que você resolveu conversar comigo de uma hora para outra. Acontece, Josh, que as coisas não são no seu tempo.

- Any, eu quero conversar.

- Eu também, Joshua, porque eu não consigo ficar bem em uma festa com vocês sendo que não estou falando com nenhum dos dois! Eu não consigo ficar em um ambiente com você porque todas as vezes que te olho eu lembro que nunca vou te ter, lembro que sou uma idiota por gostar de alguém que nunca vai gostar de mim. Eu não posso ficar perto de ti, está me fazendo muito mal e isso é cruel... Eu te amo, Josh, eu te amo demais, e isso me machuca.

Mesmo sendo a coisa errada a se fazer, me aproximo dele e olho um pouco para cima para que eu posso o encarar bem no fundo do seus céus azuis, que agora estão escuros por conta da noite.

Ele não desvia o olhar e eu continuo perto dele. Miro minha cabeça para baixo e pego nas suas duas mãos as admirando. Solto-as delicadamente e coloco as minhas em seus ombros empurrando-os para baixo, fazendo ele ficar do meu tamanho.

Aproximo meu rosto e, por incrível que pareça, ele não recua. Apenas fica parado. Dou um beijo molhado em sua bochecha e me afasto novamente.

- Eu não posso mais fazer isso, não aguento mais ficar reprimindo esse sentimento para mim, não aguento mais chorar... Me desculpa...Se cuida, por favor.

Me afasto mais e saio de lá de coração completamente apertado após minhas palavras.


Hina POV

Após eu me sentar do lado de Noah, ele disse que estava se sentindo mal e me contou tudo o que disse para Josh.

Eu estou há alguns segundos olhando para todas àquelas pessoas dançando, tentando digerir tudo.

- Hina, por favor, diz algo... - o olho.

- Por que você fez isso? - sinto ele respirar fundo. - É muito grave.

- Eu sei... - diz virando sua cabeça para o lado afim de não me olhar. - Ele sabe muito bem o que a mentira fez com a minha vida, o que eu tive que abandonar e perder por causa dela. Quando tínhamos quinze anos, ele me jurou que nunca iria mentir para mim e todo ano refaziamos essa promessa porque isso é a minha maior insegurança, Hina. Por causa da mentira eu quase morri, mais de uma vez e você sabe. Eu sei que errei, eu sei que estou errado agora, mas eu não consigo ficar tranquilo sabendo que a pessoa que eu mais amo nesse mundo mentiu para mim por algo que parece ser tão bobo para todos, porem é muito importante para mim. Muito mesmo. Eu só queria entender o porquê dele ter quebrado uma promessa de anos por algo pequeno. Era só ele me falar sobre a droga da mensagem. Eu juro que eu só queria entender...

Não sei se é por causa da bebida que já tinha atingido seu cérebro, mas Noah agora chora e eu sinto uma vontade enorme de abraça-lo, então o faço.

Ficamos assim por alguns minutos até eu o afastar e limpar suas bochechas.

- Eu não vou te colocar como vilão, porque você não é. Mas também não irei te vitimizar, porque também não é vítima. Você errou nas palavras e em invadir a privacidade do Josh, e ele errou em não te escutar e te magoar. Foi uma troca de erros, e você precisa consertar. Isso tem que partir de você, Noah, pois você o afastou.

- Eu tentei conversar, mas... - o calo.

- Dê um tempo para ele, aposto que deve estar passando um milhão de coisas em sua cabeça. Vocês vão se acertar - ele sorri fraco e assente para minha frase.

- Obrigado, Hina, você sempre me acalma.

Sorrio besta tentando não demonstrar muitos sentimentos, mas sinto que foi em vão.

Ele vira seu corpo de lado para mim e me encara. O sofá em que estamos fica em um canto que não há quase ninguém e eu não sei se aquilo me tranquiliza ou me assusta; estar sozinha com Noah sempre me assusta.

Sua mão escorrega para a borda do sofá e para em meu cabelo, ele me puxa para perto até eu deitar em seu ombro. Seus dedos massageam minha cabeça e logo descem para minha orelha.

Ele sempre teve afeição em mexer nelas, eu estranho aquele fato desde sempre, mas já havia me acostumado. Eu até que gosto.

Suas mãos voltam para meu cabelo e descem para meu rosto, fazendo-me levantar de seus ombros. Seu dedo indicador passava levemente por todo o meu rosto, desenhando minha boca e parando em minha bochecha, apertando-a levemente.

Me perguntava o quê ele estava fazendo, ou o que ele quer fazer, porém as palavras estavam entaladas na minha garganta e eu não tinha coragem de reagir; nem me mover ou muito menos sair dali.

Seus dedos estavam completamente em meu rosto, ele movimenta sua mão trazendo minha boca para perto da sua, tão perto que podia sentir sua respiração quente em meu buço.

Sem mais enrolação ou provocação, Noah cola nossos lábios em um selinho e logo volta a grudá-los com um beijo calmo e quente.

Eu queria muito parar aquilo, mas agora já foi. Não havia volta. Ou eu não queria que houvesse.

Por anos fiquei imaginando como seria o beijo de Noah; calmo, quente e com um gosto muito, muito bom. Mas nada se comparava aquilo. Nada se comparava ao que realmente era; inexplicável.

Ele segurava minha nuca de uma forma delicada, fazendo com que nossos corpos ficassem ainda mais juntos. Minhas mãos iam completamente em seus cabelos, os puxando para mais perto de mim.

Depois de alguns segundos naquele beijo, sua mão esquerda começa a deslizar de meu pescoço e ir para minha coxa exposta. Por mais prazeroso que esteja, decido parar.

Colo nossas testas e inclino minha cabeça para baixo deixando nossas bocas afastadas.

- O quê estamos fazendo? - sussurro calma tentando pegar meu fôlego de volta.

- Hina, eu... - ele responde no mesmo tom, me dando a tentação de voltar a beijá-lo.

- Não, Noah - me afasto completamente dele, me levantando -, você a ama. Eu não quero ser apenas uma cobaia.

Antes que ele pudesse falar qualquer outra coisa, saio de perto dele olhando para todos os lados tentando encontrar Any.

- Preciso ir embora - ela diz me assustando quando chega atrás de mim.

- Eu também - olho um pouco mais para trás dela e vejo Sabina.

Puxo-a indo até a mexicana.

- Sabi, eu e Any... precisamos ir embora. Josh e Noah ficarão na festa, você pode ir com eles depois no táxi e nós levamos seu carro.

- Não tem problema, eu vou com vocês.

- Não queremos estragar sua festa, você estava muito animada - comenta Any e eu assinto.

- Não se preocupem, eu já fiz isso sozinha - estranhamos. - Vou avisar os meninos que já vamos, podem ir indo para o carro.

Assentimos e finalmente saímos daquela festa. Logo após, Sabina aparece entrando no banco do carona.


                                 •••


Ficamos em silêncio até chegarmos em casa, quando saímos do elevador e nos deparamos com as duas portas, Any se vira e diz:

- Melhor conversarmos amanhã.

Eu e Sabi assentimos, precisamos colocar as ideias no lugar. Ela adentra sua casa e nós, a nossa.

Cada uma vai para seu quarto e após meu banho, me jogo na cama e comento para mim mesma:

- O quê foi esta noite?


Notas Finais


Alguém mais em surto???

Eu sei que esse capítulo está mais dedicado a Hinoah, mas logo tem Beauany KKKKKKK beijinhossss e ate o próximo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...