História Um verão inesperado, uma pessoa inesperada. - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Romance
Visualizações 137
Palavras 1.124
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 2 - Voz de anjo.


Fanfic / Fanfiction Um verão inesperado, uma pessoa inesperada. - Capítulo 2 - Voz de anjo.

Acordei com o sol entrando pela sacada, me espreguiço na cama e levanto indo direto para o banheiro fazer minhas necessidade e lavar o rosto, volto para o quarto  tiro a roupa e visto uma roupa para correr. Amaro meus cabelos, desço as escadas e pego uma banana, como e vou para fora da casa apenas fecho a porta e começo a me alongar, ponho uma música animada e saio correndo pela estrada que ficava logo em frente da casa. Estava calor mesmo sendo de manha então vesti uma leging curta e uma camisa de manga cumprida... Senti meu corpo esquentar cada vez mais conforme corria, senti meus músculos rígidos e meus pulmões arderem conforme minha respiração se intensificará, apos uns trinta minutos correndo passo em frente a uma mansão que não estava ali á quatro anos atrás, na verdade avia uma casa mas não chegava nem perto dessa. Era uma mansão não exageradamente grande com uma estrutura moderna, fora de meus padrões. Observo o lugar enquanto descansava, percebo que avia alguém em uma das janela, quando a pessoa me percebe ela entra. Não deu para ver bem se era homem ou mulher mas isso não importava.... Segui meu caminho correndo por mais meia hora, parei perto de um bosque meio escuro com arvores altas, o sol atingia a copa das arvores dando uma iluminação esverdeada ao chão, me sento próxima de uma das árvores e observo esperando o sol terminar de nasce. Alguns minutos depois me levanto e corro até em casa, não olhei mais para casa vizinha pois não queria parecer uma esquisitona.

Entro na casa e vou para meu quarto, tiro a roupa e tênis, vou para o chuveiro e deixo todo suor sair com a água que escória pelo corpo, lavo o cabelo e depois me lavo, saio do banho enrolo uma toalha envolta do corpo e outra no cabelo. Vou para cozinha e preparo uma tigela com frutas e cereais, subo com a tigela para o quarto e coloco sobre a escrivaninha, solto a toalha visto minhas roupas intimas e um vestido largo meio curto de manga cumprida, dobro as mangas e sento na cama pegando a tigela e devorando o conteúdo que continha dentro. Me deito e obcervo o céu que era azul através da sacada, me levanto e vou em direção a mesma apoiando minhas mãos sobre a grade de madeira, observo a paisagem e ao longe era visível a casa do qual avia passado em frente. Volto para dentro e desço as escadas vou  na área que ficava em frente  da sala, cento em uma balança e fico olhando para a paisagem sem movimento, apenas arvores, mato e campos. Pego um livro que ficava na estande da sala e volto a sentar...." Lago dos sonhos" estava escrito na capa, era a cara dela aquele livro, fólio as paginas e começo a ler...

Me distrai e quando olhei para o relógio já passava do meio dia, levantei e fui para cozinha prepara algo para comer, estava com fome e não era atoa. Preparei um peito de frango e ovos cozido, com uma salada de tomate e alface. Terminando de comer deito no sofá e tiro um cochilo... Quando acordo já era seis da tarde então vou para o quarto coloco um tênis e pego uma jaqueta, saio para dar uma caminha. No campo em que ficava minha casa e a outra "casa" era totalmente vazios em uma grande extensão, porem avia um única arvore na parte de trás das casas que se destacava em sua solidão, em meios a tanta terra sem arvores ou qualquer outra coisa. Sigo em sua direção dando uma caminhada de uns vinte minutos, já estava escuro e poucas partes do céu ainda avia nuvens avermelhadas pelo sol que se iria em poucos minutos, me aproximei do tronco e sentei encostando na madeira que estava morna, fiquei olhando as arvores ao longe e o céu que se escurecia dando visão as estrelas e a lua que estava quase cheia... Fiquei alguns minutos observando o céu pois estava escuro demais para ver qualquer outra coisa, ouvi algum barulho na grama... Fiquei parada tentado descobri o que era e percebi que só se aproximava, o barulho era de passos então me mantive em silêncio até que parou. Alguém estava do outro lado do tronco e provavelmente não avia me visto lá, senti uma curiosidade me tomar pois queria saber quem era mas uma adrenalina percorria meu corpo só não sabia o porque.

De repente ouso sua voz em uma melodia, nisso descobri que era homem mas ele consegue atingir um tom agudo, sua voz era linda, depois de aquecer a voz ele começa a cantar... Era lindo tanto a música quanto sua voz, fiquei apenas ouvindo... Quando terminou ele começou outra e depois outra, poderia ficar a noite toda ouvindo sua voz, me sentia estranha em ficar ouvindo ele cantar sem saber que eu estava lá, não sei ao certo se era errado mas era tão lindo... mesmo se for errado estava disposta a pagar o preço. Segundos depois senti algo rastejar em minha mão na mesma hora projetos meu corpo para frente e sacudindo a mão, não devia ter dito àquilo com certeza foi uma lição divina. O rapaz virou em minha direção logo se afastando e levantando, me levantei e comecei a pedir desculpas eu me curvo descontroladamente sem saber o que fazer, o rapaz apenas cobriu o rosto logo fazendo perguntas.

???- Quem é você? O que está fazendo aqui ?

- Me desculpe! Moro em um casa próxima daqui... Estava sentada aqui e você chegou, eu apenas fique em silêncio... Sei que não justifica o que fiz mas não foi por quere.

Ele me encara por um momento e eu sabia o porque...

???- Não faça mais isso. Quase me matou de susto.

O silêncio pairou sobre o lugar então tentei falar algo já que foi eu quem estragou tudo.

- Me chamo Anna Sophia. E  você?

???- Me desculpe mas prefiro não falar por motivos pessoais.

Estranhei mas ele se curvou em forma de desculpas e respeito então deixai pra lá.

- Tudo bem então. Me desculpe novamente pelo incidente, estou indo. Tchau.

???- Tchau.

Pego meu celular e jaqueta que estavam no chão e vou em direção a minha casa, no caminho pensei no motivo dele não pode dizer seu nome. (Seria porque fiz algo estranho ou por ser estrangeira?.... Ou os dois?... Ou por outra coisa?.... Talvez ele seja um assassino...) Meu pensamento me causa arrepios (Mesmo se fosse seria muito estranho um assassino ficar cantando por ai).

Chego em casa e vou comer algo, depois subo e tomo um banho, coloco minhas roupas intimas e deito, tinha que dormir para acordar cedo e ir correr. Não demorou muito e cai no sono.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...