História Uma alma corrompida pode encontrar a felicidade. - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Chara, Doggo, Error Sans, Flowey, Frisk, Grillby, Ink Sans, Mettaton, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne
Tags Drama, Fantasia, Ficção, Luta, Romance, Suspense, Tragedia, Undertale, Universo Alternativo
Visualizações 25
Palavras 1.358
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, aqui está mais um cap.

Eu espero que gostem, Boa leitura.

Capítulo 13 - Quem é ela!?!


Eu corri até a casa da minha mãe. Ela me recebeu com um sorriso meigo e eu contei tudo para ela.

Toriel − Eu vou ser avó?

Frisk− Sim!

A Toriel gritou chamando o Asgore que o mesmo veio correndo e contei tudo para ele, ele teve a mesma reação.

Asgore− Eu vou ser avô?

Frisk− Sim!

Toriel e Asgore− Ele vai ser menino ou menina? Qual vai ser o nome dele ou dela? Por Quanto tempo você está grávida? − ambos faziam várias perguntas.

Frisk− Ela vai ser menina; não, ainda não decidimos qual irá ser o nome dela; estou com 4 meses de gravidez.

Toriel− Nós temos que comemorar, Asgore chame os outros!

Asgore saiu apressado para convidar os outros.

Frisk− Eu vou ver aonde o Sans está.

Toriel− Ok filha, volte no almoço para comemorar.

Frisk− Está bem.

Quando sai para procurar o Sans, eu o vi com uma Monstra que parecia com uma lebre, me aproximei com sangue em meus olhos, minha vontade era matá-la, ela me olhou com ódio e foi embora.

Sans− Oi meu amor.

Frisk− Ahn... Oi...

Sans− O que foi? Você está bem?

Frisk− Claro, eu estou ótima. – falei com o estresse a flor da pele.

Sans− Hummm... Ok então. Vamos para casa?

Frisk− Vamos! − tentei esconder minha raiva.

Eu não conseguia o perguntar quem era ela, mas também não me importava. Fomos para a casa e arrumamos as coisas, depois disso fomos para a casa de Toriel e lá comemoramos a notícia de eu estar grávida.

Na comemoração

Eu contei a todos que estavam lá presentes.

Undyne − É sério?

Frisk− Sim!− Peguei na mão de Sans.

Todos sorriram felizes com a notícia.

Undyne− Vai ser menino ou menina?

Frisk− Menina.

Alphys− E-E qual vai s-ser o seu nome?

Frisk− Er... Ainda não decidimos...

Toriel− Vocês ainda vão ter muito tempo para decidir isso.

Mettaton− Então que tal comemorar com um baile?

Frisk− Mas já estamos comemorando.

Toriel− Na verdade Frisk, essa comemoração era apenas para você dar a notícia. Nós estávamos pensando em fazer um baile para comemorar, vocês concordam?

Sans− Por mim está tudo bem.

Frisk− Ahn... Para mim também.

Toriel− Ok, então amanhã a noite vai ser o baile.

Sans e Frisk- Amanhã?!

Toriel− É claro, não temos o porquê adiar.

Frisk− Mas e os preparativos?

Alphys− O-O Mettaton já e-esta cuidando disso.

Frisk−Anh... Ok. – falei meio receosa.

Terminamos o almoço e continuamos conversando até chegar a hora do jantar. Na hora do jantar, eu e o Sans decidimos ir para casa, para jantar, ficar um pouco a sós.

Eu pus a mesa e o Sans fez a comida. Enquanto a gente comia, Sans falou:

Sans− Então qual nome você vai querer dar a nossa filha?

Frisk− Você decide isso, eu vou gostar de qualquer nome que você dê.

Sans− Ok, então que tal... Flor?

Frisk− Recusado.

Sans− Fran?

Frisk− Recusado.

Sans− Bianca?

Frisk− Recusado.

Sans− Sandra?

Frisk− Recusado.

Sans− Então o quê?

Frisk− Ah... Você escolhe.

Sans e Frisk− Pff! Ha!Ha!Ha! - gargalhamos.

Tok! Tok!* - batida na porta.

Sans− Deixa comigo.

Frisk− Ok.

Quando o Sans abriu a porta é imediatamente abraçado por aquela vadia, meu coração dói na hora, enquanto observo ela o abraçar. Ela me olha de uma maneira debochante.

???− Oi professor!

Sans− Oi Lisa.

Lisa− Eu passei aqui para te ver − falava tocando no cabelo.

Sans− Ah! Obrigado.

Lisa− Ela é sua esposa?

Sans− Sim, é ela sim.

Lisa− Oi− falou olhando para mim com um sorriso falso.

Frisk− Oi. − falei desviando o olhar para o lado.

Sans− Ahn... – fez uma cara de interrogação para mim.

Lisa− Desculpe por incomodar. − falou fingindo um olhar triste.

Sans− Não se preocupe.

Lisa− Tchau Sansy− falou o abraçando e dando um beijo na bochecha dele.

(Eu não acredito que essa vadia beijou o meu Sans! E ainda por cima deu um apelido! Eu vou matar essa Desgraça!!!)

E então ela foi embora.

Sans voltou para a mesa e o clima estava muito tenso.

Sans− Heh... Heh... A comida está meio boa, não esta? − falou tentando puxar assunto.

Frisk− Hum...

Sans on

Mas que merda é essa? Por que a Frisk está assim? Será que...

Frisk− Quem era ela?

Sans− A Lisa?

Frisk− Sim...

Sans− Ela era minha aluna.

Frisk on

Ah! Agora me lembro. Sans dava aula na escola da Toriel, isso foi a muito tempo.

Sans− Frisk, você está com ciúme?

Frisk− Hã? É claro que... Sim. – eu não consegui mentir para ele.

Sans se levantou e vai até onde eu estou sentada ele se ajoelhou em meu lado e falou:

Sans− Frisk, você é a única prÓSSEO marido.

Frisk− Hummm... – continuei a fazer cú doce.

Sans− Frisk, eu te amo até os OSSOS.

Frisk− Pff, Hahaha! Pará Sans assim você vai fazer com que eu chore e isso vai ser bem OSSO. – não consegui resistir.

Sans− Hahaha! Isso foi OSSO DURO DE ROER.

Frisk− Hahaha! Meu Deus Sans.

Sans− Agora você perdoa o seu marido?

Frisk− Hummm... Claro, você sabe que eu te amo até os OSSOS.

Sans− Hahaha!

Sans riu até os seus olhos lacrimejarem.

Sans− Essa foi OStacular.

Frisk− Hahaha!

Sans me pegou no colo

Frisk − Hã?

Sans − O que foi não quer ficar com seu marido mais?

Frisk − Claro que eu quero... − eu corei violentamente.

Ele me levou até o quarto, me deitou na cama e ficou sobre mim.

Frisk− Esse é o seu jeito de me fazer o perdoar?

Sans− Heh... Sim, por que você não gosta?

Frisk− É claro que eu gosto, pois acho isso SANSacional.

Sans− Hahaha!

Sans me deu um beijou, quando...

Tok! Tok!* - batida na porta

(Mas que merda é essa?!?)

Frisk− Ah... − suspiro

Sans− Eu vou ver quem é! – Sans parecia irritado e foi quase quebrando o chão de tão pesado que ele pisava.

Frisk− Eu vou contigo.

Fomos ver quem era e quando Sans abriu a porta era aquela vadia novamente.

Lisa− S-Sans E-Eu estava indo embora, Quando vários monstros me perseguiram, e-eles tentaram... − falou enquanto chorava.

Sans− Lisa...

Aquela vadia se jogou nós braços do meu Sans.

Frisk− He-hey − falei tentando afastar ela de Sans.

Sans se virou e gritou:

Sans− Frisk! Você não vê que ela está sofrendo! Pare de ter esse maldito ciúme!

Frisk− Ahn... Eu...

Sans percebeu que foi grosso e tratou de se redimir, ele a soltou e foi até mim, me abraçando.

Sans – Desculpe, é que... eu não quero que você fique assim toda as vezes que eu falar com uma mulher, isso meio que machuca... você não confia em mim?

Frisk− É claro que eu confio!

Sans – Não se preocupe eu vou voltar antes que você perceba.

Ele me soltou e foi levar aquela piruá para casa, ela abraçou o braço dele e enquanto ele saia, ela me olhou com um sorriso de vitoria. Eu fiquei muito puta, mas comecei a ficar triste, pois aquela foi a primeira vez que ele havia gritado comigo.

Eu fui para o meu quarto, peguei o travesseiro e o joguei na parede dizendo:

Frisk− Idiota! Idiota! Idiota! Sans seu idiota! – falei empresando o meu rosto no travesseiro. – Por que não percebe que aquela vadia te quer?! – eu parei um pouco e fiquei pensando do que aquela maldita podia fazer, eu pensava em me levantar e sai correndo que nem uma doida, mas acabei desistindo, não quero que ele pense que não confio nele, eu só não confio naquela vadia.

Acabei adormecendo, pensando em mil maneiras de métodos para matá-la.

No dia seguinte

Ao abrir meus olhos, Sans não estava em meu lado, mas parecia ter dormido lá, quando olhei pro lado, lá estava uma bandeja, cheio de comidas. Levantei-me e corri para ver se ele estava no sofá, mas nada. Foi aí que ouvi um barulho de água no banheiro, alguém estava tomando banho, corri para o banheiro e lá estava o Sans de costa. Me aproximei tirando minha roupa em silêncio, abraçei-lo enquanto estava de costa.

Sans – Oi meu amor. – ele se virou para mim.

Ele me viu nua e ficou um pouco corado.

Sans – Você tomou o café da manhã que eu botei na bandeja no lado da cama?

Frisk – Então aquilo tudo é para eu comer... você quer me transformar em uma baleia? – Falei entre risos.

Sans – Claro que não, só quero que você e nosso bebê fiquem saudáveis.

Eu o abracei e ele corou, caçando a cabeça envergonhado, falou:

Sans – Eu posso... – ele estava extremamente corado.

Frisk – O quê? – eu já sabia o que ele ia falar, mas mesmo assim estava curiosa de como ele iria falar.

Sans – F-Ficar... Com você... De novo...

Eu mesmo sabendo o que ele iria falar corei.

Frisk – Sans... Meu corpo e minha alma pertencem só a você. – eu o beijei apaixonadamente.

Ele contribui e começou a fazer o ato com muito cuidado para não me machucar e nem a nossa filha que estava crescendo na minha barriga.


Notas Finais


Eu espero que tenham gostado e até o próximo cap!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...