História Uma alma... Diferente?! - Capítulo 40


Escrita por:

Postado
Categorias Undertale
Personagens Alphys, Asgore Dreemurr, Asriel Dreemurr, Chara, Flowey, Frisk, Grillby, Mettaton, Muffet, Napstablook, Papyrus, Personagens Originais, Sans, Toriel, Undyne, W. D. Gaster
Tags Chariel, Charisk, Drama, Romance, Yuri
Visualizações 16
Palavras 1.453
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Passou-se quase um ano que eu comecei está história, vivemos muitas situações, momentos de raiva, tristeza, felicidade, ódio e amor...
Eu gostaria de terminar as notas finais dizendo "até semana que vem, pessoal" e colocar uma carinha aleatória, mas, infelizmente, isso não vai ser assim.
Para aqueles que seguiram está história desde o início, muito obrigada por tudo.
Boa leitura :3

Capítulo 40 - Mas, talvez, o fim seja só um começo.


Fanfic / Fanfiction Uma alma... Diferente?! - Capítulo 40 - Mas, talvez, o fim seja só um começo.

(PV Frisk):

Eu ouvi Asriel me contar toda a história, foi a primeira vez que alguém me explicou o que estava acontecendo naquele lugar.

Eu não fazia ideia do quanto o povo deste subsolo sofria. Eles sempre estão sorrindo, sempre estão brincando e se ajudando, mas... Na verdade, eles sofrem de um jeito que talvez eu não tivesse aguentado.

Chara- Eu me recuso.

Asriel- Chara?

Chara- Você não vai conseguir me trazer de volta Asriel. E não vai matar a Frisk.

Então ela estava fazendo aquele escudo. Por isso era tão forte! Ela estava... Usando o amor.

Asriel- Chara!

Chara- Asriel... Eu também sinto a sua falta... Por favor, pare com isso.

Asriel- Eu... Eu estou tão feliz.

Chara- Eu... Eu também estou... – Ela começou a chorar, fazendo Asriel chorar junto.

Aquele enorme monstro intimidante se tornou uma criança, Chara deixou de ser um fantasma e passou a ser uma humana de carne e osso mesmo.

Asriel- Eu... Senti tanta a sua falta- ele mal conseguia falar em meio a tantos soluços.

Chara também soluçava. Eu estava me segurando para não chorar também.

Asriel- Frisk.

Chara- Vem conosco – ela disse sorrindo.

- E- Eu?

Asriel- Sim- ele sorriu e abriu os braços junto com Chara para me dar um espaço para poder participar do abraço.

Eu entrei em meio aquilo, me senti acolhida. O subsolo me propôs amor, carinho. E pela primeira vez eu senti que tinha um lugar para chamar de lar.

E este lugar era nos braços de Chara.

Asriel- Huh? – Ele olhou para suas próprias mãos, elas estavam desaparecendo aos poucos.

Chara- Azzy?

Asriel- Acho que é minha hora de ir...

Chara- Não- ela disse chorando, mas desta vez de tristeza.

Asriel- Foi bom te ver novamente Chara- ele sorriu enquanto seu corpo se desfazia.

Chara chorava em meus ombros.

Asriel- Frisk vai cuidar bem de você, não vai Frisk?

- V- Vou...

Asriel- Mas antes eu vou destruir a barreira, sejam livres. Espero que todos os monstros possam sentir como é ver aquela luz bater no rosto enquanto o vento, mesmo que gelado, aquece nossos corações.

Chara- Asriel!- Ela segurou a camisa dele, suas pernas e mãos já haviam sumido- Asriel seu idiota!

Asriel- Chara, lembra? Não importa o que aconteça, quanto tempo se passe, ou quem você seja. Eu sempre vou te amar, você sempre vai ser minha melhor amiga.

Mas, talvez, o fim seja só um começo.

E assim, Asriel virou pó novamente. Voltou a ser aquela flor sem sentimentos. A barreira foi quebrada, mas eles não haviam reparado uma coisa.

Uma das almas usadas, era a de Chara.

Chara- Eu nunca pensei que eu fosse voltar para a superfície novamente, muito menos que eu iria gostar de voltar para cá.

- Chara... O que vai acontecer com você? Você vai virar uma flor igual Asriel?

Chara- Azzy não virou uma flor, Frisk. Asriel se libertou. Agora ele está no reino de todas as almas que se foram.

- Então?

Chara- Sem uma alma, eu não tenho capacidades para manter um corpo... Eu vou me juntar a ele Frisk...

- Mas... E eu?

Chara- Eu também quero ficar com você- ela segurou minha mão- eu quero ser livre com você! Quero deixar este mundo com você! Eu quero você...

- Eu... Também quero estar com você.

Chara- Infelizmente nós não podemos ter tudo que queremos.

- Mas... O que eu farei?

Chara- Eu sei que você vai ficar bem sem mim Frisk. Cuide da mamãe, cuide do papai, cuide de todos. Eles precisam de você mais do que você precisa de mim.

- Eu não quero te deixar- corri para ela e a abracei. Pela primeira vez em minha vida eu queria estar com alguém para sempre.

Chara estava rindo e sorrindo de um jeito que em todo este tempo no subsolo eu nunca havia visto ela, nem ninguém, fazer igual.

Chara- Adeus Frisk. Eu te amo. - Com isso ela beijou minha testa e começou a sumir.

- CHARA! E- Eu também te amo Chara! NÃO VÁ!

Eu nunca havia chorado tanto deste jeito em toda a minha vida, não queria deixar Chara, mas ela sorria.

Chara- Adeus. – E com isso, todo seu corpo sumiu.

Os monstros foram começando a aparecer e eu estava jogada no chão, gritando e chorando como se algo me matasse... Mas realmente tinha algo me matando.

Uma dor infernal que corria todo pequeno pedaço de meu ser e me fazia implorar por ajuda. A dor, que em minha opinião, é a pior dor de todas, a dor da perda. Sabe por que ela é a pior? Porque ela é a única dor que você sabe que nunca vai passar.

Porque aqueles que um dia se foram, nunca mais vão voltar.

Meu coração queria parar de bater, eu queria parar de viver. Quando eu finalmente sinto que encontro o amor a vida o tira de mim igual ela tirou minha mãe.

“Mas, talvez, o fim seja só um começo”.

Levantei-me, olhei aquele por do sol de cima da montanha, os monstros também o olhavam sem dizer nenhuma palavra. Às vezes o silêncio é a única comunicação necessária. Com o coração na mão, eu o entreguei ao mundo. Decidi que iria viver minha vida com os monstros, decidi que iria ajudá-los a viverem como humanos. Decidi que ia fazer aquilo que Chara não conseguiu.

Minha jornada estava apenas no início.

DEZ ANOS DEPOIS

Olá, meu nome é Frisk Dreemurr. Eu vi minha mãe ser assassinada pelo meu pai no meu aniversário de cinco anos. Desde então aquele cara se garantiu de transformar minha vida num inferno completo.

Um dia, quando eu tinha uns 15 anos, eu me vi na chance de poder fugir. Pulei a janela e fui direto para o Mt. Ebott, na esperança de me matar.

Joguei-me daquele lugar enorme, mas, por ironia do destino, eu não morri. Conheci monstros diversos com piadas estranhas, nomes estranhos, tratamentos estranhos. Aprendi a amá-los e a gostar de estar perto deles, graças a uma garota que, assim como eu, tinha ido àquele monte na esperança de terminar com seu sofrimento.

Andamos juntas por todo aquele lugar, nos conhecemos melhor e conhecemos os outros melhor. E então, nós nos apaixonamos.

Esta menina, Chara, acabou dando sua vida para salvar a minha e a de todos os monstros junto com seu irmão adotivo, Asriel, que acabou sendo perdido naquele dia junto com ela.

Exatamente hoje faz dez anos que os dois partiram desta para melhor, por isto estou aqui, na frente de seus túmulos, com 25 anos, para me lembrar daqueles que mudaram minha vida.

Asriel finalmente foi libertado, a barreira entre monstros e humanos finalmente foi quebrada e, depois de muita dificuldade, acabamos finalmente sendo aceitos pela sociedade.

Agora, ambos vivem em harmonia.

- Eu não desfiz minha promessa, Chara- eu disse enquanto jogava uma flor dourada em seu túmulo, e no de Asriel também.

?- O que está fazendo? – Disse uma menininha, se aproximando de mim.

- Ãh? Ah... Eu estou colocando uma flor no túmulo dos meus colegas.

?- Eles morreram? Que triste- disse a menina, finalmente vi seu rosto.

Suas bochechas eram rosadas e seus olhos grandes e vermelhos como maçãs do amor, ou como o amor... Seu cabelo tinha a mesma tonalidade que barra de chocolate ao leite.

- Posso te fazer uma pergunta garotinha?

?- Sim.

- Qual seu nome?

?- Chara.

- Chara?

Chara- Papai me deu este nome porque sua antiga filha havia morrido.

- Como assim?

Chara- Meu pai teve uma filha, disseram que ela era um demônio. Então tentaram matá-lo, mas ele fugiu. Ele tentou proteger sua filha, mas ela acabou sendo pega mesmo assim. Ele se casou com outra mulher, já que sua ex-esposa foi morta e me teve. Então me homenageou com o nome de sua antiga filha.

- Sabe, eu conheci uma garota muito parecida com você.

Chara- Sério? Será que era minha irmã? Papai me diz que eu sou muito parecida com ela.

- Eu não sei. – Menti-, mas ela era idêntica a você.

Chara sorriu, não podia acreditar no que estava acontecendo... Então Chara ainda tinha uma esperança, mas ela viveu uma vida muito bem vivida.

(PV Frisk off):

E assim, Frisk e Chara andaram de mãos dadas para longe dos túmulos. Asriel as observava de longe enquanto pensava:

“Está menina, Frisk. Ela nasceu há exatamente dez anos atrás. Neste mesmo dia. Chara não veio para o mesmo lugar que eu, ela voltou à vida, para ter a chance de te conhecer de novo e te amar de novo. E para você amá-la de novo”.

“Você estava certa Frisk. No final você estava certa. O fim é só um começo”.

FIM


Notas Finais


Novamente, muito obrigada a todos por favoritarem e comentarem, cada um foi guardado dentro deste meu coração.
"Isso é tudo, pessoal"
Espero que tenham gostado desta história que eu escrevi com tanto carinho para vocês.
Com amor,
SVBdSV.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...