1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Army Completamente Louca (Jeon Jungkook) REESCREVENDO >
  3. A culpa é sempre da vítima?

História Uma Army Completamente Louca (Jeon Jungkook) REESCREVENDO - Capítulo 15


Escrita por:


Notas do Autor


Perdoem qualquer erro ortográfico, irei corrigir em breve🤗

Capítulo pesadinho, aborda sobre agressao física contra mulher, se você não se sente bem com esse assunto, por favor nao leia🙃🤗

Capítulo 15 - A culpa é sempre da vítima?


Fanfic / Fanfiction Uma Army Completamente Louca (Jeon Jungkook) REESCREVENDO - Capítulo 15 - A culpa é sempre da vítima?


Dia seguinte, 08:30 A.M

Preocupação, é a palavra certa que eu estou sentido. 

Não tenho nenhuma notícia de Victória,  me sinto mais inútil ainda por saber que tem algo de errado e não poder fazer nada a respeito.

Meu coração dói, minha cabeça dói, meu corpo dói.

A vontade imensa que tenho de chorar é muita. 

Cinquenta e cinco ligações que não fora atendidas, nenhuma mensagem foi enviada. Meu coração está apertado, estou prestes a ter um treco.

Andando de um lado para o outro, sem nenhuma resposta.

Victória López não dá sinal de vida á doze horas.

__ Victória, por favor! Me responde, eu te amo demais, dá sinal de vida, por favor...- murmurei entre lágrimas, respirei fundo, contei até três e levantei. 

Determinada a ir a procura de minha melhor amiga, peguei minha mochila com alguns biscoitinhos e sucos de caixinha caso ela esteja com fome quando a encontrar.

Andei três passos para a frente, coração acelerado, respiração falha, nervosismo.

1

2

3

Coloquei minha mão na maçaneta da porta, e girei. Ouvi um "tric" e a porta foi aberta, não por mim, por Victória.

__ Por céus...- abracei-a com tanta vontade que caminhamos abraçadas até sua cama. -- Onde você estava, minha pequena? - sussurrei, passando a mão em seu cabelo. - Fiquei tão preocupada....

Algo havia acontecido e me parte o coração não saber o que exatamente.

Ouvir o choro desesperado, enquanto ela me abraçava com tanta força, é a pior coisa que eu está na minha lista das coisas que odeio. Seu desespero vísil, procurando abrigo em meus braços.

Exatamente trinta minutos foi o tempo suficiente para Victória se acalmar. Fungou, passou a mão no rosto e sorriu, sorriso com medo.

__ Está tudo bem, Viih? - usei meu tom de voz calmo e dócil, prestando atenção nas mínimas palavras.

__ Está sim! - tentou sorrir, mas foi uma tentativa falha. Ela não está bem.

__ Por que está com esse moletom nesse calor? 

__ Estou com frio! - foi ágil ao responder.

__ Por que está mentindo para mim? - olhei no fundo de seus olhos, passando-a confiança.

__ S/N...- sussurrou meu nome e me abraçou.

Respirou fundo, me encarou e tirou seu moletom. Abri minhas boca em choque com o que via.

Marcas, marcas de mãos.

Seu pescoço tem marcas levemente roxeadas, seu braço não estava diferente, seu rosto...

__ Quem fez isso? -- trinquei meu maxilar, raiva, estou fervendo de raiva. 

__ Yuki, ele fez isso!

Desgraçado, filha da puta, corvade.

__ Você pode contar o motivo? - engolir seco, não estava preparada para ouvir a resposta.

__ Nós dois iríamos sair, como você sabe - concordei com a cabeça e ela deu continuação - Ele estava estranho desde cedo, porém achei que era coisa da minha cabeça - riu soprado - Iríamos sair a noite para uma boate, coloquei um vestido que tinha o decote "V", aquele que você me ajudou a comprar...e ele mandou eu trocar, eu disse que não iria, ele ficou agressivo do nada, puxou meu braço com força, jogou-me na cama e apertou meu pescoço...

Aquelas palavras foram um baque para mim.

__ Ele disse que nenhuma mulher iria dizer "não" a ele....me debati, chorei, gritei. Eu quase o matei, quebrei a taça de vinho na cabeça dele e fugi em direção a delegacia... chegando lá, fiz denuncia, assinei uns papéis...

__ E então? - perguntei eufórica, adrenalina percorria em meu sangue, ódio principalmente.

__ O delegado, é o pai dele!

Fechei meus olhos, mordi os lábios, apertei o travesseiro...

__ Ele disse que o filho estava com problemas, e que estava usando drogas, fomos até o apartamento de Yuki e ele estava acordado nos olhando com uma imensa interrogação na cara, ele havia ingerido drogas, pediu desculpas, suplicou, ajoelhou-se, mas eu sei que isso vai passar despercebido, ele me culpou pelo ato que fez, colocou culpa no meu decote... - desabou novamente em desespero.

__ Isso justifica alguma coisa, porra? - levantei puta, soquei a cabeceira da cama com tanta força, que fez um barulho alto demais.

__ Calma S/a, não se machuca! - me abraçou por trás, beijando meu ombro - Deixa quieto, não vale a pena... - tentou me tranquilizar.

__ Eu vou matar esse desgraçado, VICTÓRIA! - gritei com tanto ódio, que Vih se assustou, me pedindo para não fazer nada.

__ Relaxa, princesa! Não vou fazer nada - ainda. - Preciso fazer uma ligação, só um minuto.

A culpa sempre é da mulher, ao avaliar o crime, a denuncia feita contra o homem, a polícia quando procura compreender o motivo pelo qual um estupro ocorreu, a responsabilidade é dividida: a vítima deve ter dado motivo, usando roupas “inapropriadas” e andando desacompanhada pelas ruas à noite. Dessa forma, protege-se o agressor, corroboram-se ideias machistas e preconceituosas e legitima-se uma punição extra-oficial àquelas que ousam dizer não a um homem.

Acham que mulheres são submissas a homem? Somos objetos? Marionetes que devemos ser controladas por macho?

Sempre passa despercebido, depois de uns dias, esquecem o crime do agressor e soltam, tão simples né?

Engraçado que para eles é algo que pode ser esquecido, porém tem uma frase que definiu totalmente a situação das mulheres que sofrem com isso.

" Quem comete o crime, esquece rápido, entretando, quem recebeu o crime, nunca esquece, fica uma marca, um trauma em nosso corpo e principalmente, em nossa mente."

Peguei meu celular, disquei o número de Jungguk que não tardou a atender:

__ Oi Jungkook, está ocupado? Estou atrapalhando?

__ Não S/a, por que sua voz está estranha? Você quer chorar? Aconteceu algo? - Seu tom de preocupação era visível.

__ Estou bem - respondi friamente - Lembra daquele contato do professor que iria me ensinar a luta, me defender que você falou? Pode mandar pra mim? 

__ Posso sim, mas o que aconteceu?

__ Não aconteceu nada, Gukkie! 

Desliguei a ligação antes mesmo de ouvir alguma resposta, chequei o kakao e vi o contato que Jeon havia mandado.

Irei fazer justiça por você, Victória! Se a polícia nao será competente para prender ele, eu serei competente ao resolver.



Notas Finais


O capítulo foi pesadinho, peço desculpas! Porém, necessário. Estou cansada de ver mulheres sofrendo nas mãos de machos, casos de feminicídio aumentaram bastante nessa quarentena, casos preocupantes.

Para a maioria dos brasileiros, a mulher deve “dar-se ao respeito”. Ela deve obediência ao marido e só se sente realizada ao ter filhos e constituir família. A maioria ainda acredita que, “se a mulher soubesse se comportar melhor, haveria menos estupros”. Mais que isso: para a maioria dos brasileiros, “mulheres que usam roupas que mostram o corpo merecem ser estupradas”.

Fico triste, com dor no coração ao ver notícias no jornal que "mulher foi morta pelo marido" ou " mulher foi estu**** por negar a ficar com homem".

E isso aconteceu com alguém muito importante para mim, meu mundo desabou. É preocupante pq a polícia caga para os agressores, estupradores... esquecem muito rápido o crime deles.

Nós mulheres, ao andar na rua de noite, de manhã cedinho, a qualquer hora temos medo de encontrar algum infeliz e fazer maldade com nós.

Não podemos usar um short curto, ou uma roupa justa que já é alvo de assobios, de "fiu fiu, ô lá em casa", é desconcertante, traumático para nós.

Vamos lutar, meninas🌈✊ Isso um dia irá acabar.

Beijos e até o próximo capítulo.

Nao esqueçam de se amarem todos os dias, vocês são perfeitos 🤗 se cuidem,😭🌼


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...