História Uma caixa em minha porta - Capítulo 1


Escrita por:

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Personagens Originais
Tags Baekhyun, Chanbaek, Chanbaek Baby, Chanyeol, Exo, Lemon
Visualizações 601
Palavras 548
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Fluffy, Lemon, LGBT, Romance e Novela, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie amoras minhas!
Tia Miss voltou com mais uma de suas fanfics com crianças, desta vez uma ChanBaek cheia de clichês para vocês morrerem de fofura!

Espero que gostem, um beijo e boa leitura!

Capítulo 1 - Prólogo


Fanfic / Fanfiction Uma caixa em minha porta - Capítulo 1 - Prólogo

   Byun Baekhyun nunca considerou a ideia de ter Park Chanyeol batendo em sua porta de forma insistente às cinco horas da tarde de um domingo. Também nunca pensou que o veria em desespero com três bebês nos braços.

 

  Baekhyun era um jovem de vinte e quatro anos relativamente normal, cursava faculdade de Pedagogia Infantil e era bolsista em uma das maiores faculdades de Seoul, faculdade esta que também era frequentada por Park Chanyeol um aluno de Direito. Baekhyun e Chanyeol raramente conversavam, eram apenas conhecidos que concidentemente tinham amigos em comum e se esbarravam de vez em nunca.

 

 A vida é cheia de momentos surpreendentes, momentos que fazem a gente parar e perceber como somos miseravelmente pequenos e era desta mesma forma que Chanyeol se sentia naquele dia, naquela tarde de domingo em que ele deveria estar dormindo ou bebendo cerveja em algum dos incontáveis barzinhos que ele frequentava, mas na verdade ele estava parado na porta de um quase desconhecido com três bebês tão desconhecidos quanto nos braços.

 

-Preciso de sua ajuda Baekhyun- A voz do maior saiu rouca e afoita, o Byun notou a dificuldade do maior em segurar os três bebês nos braços e pegou um deles abrindo mais a porta para que o maior pudesse adentrar seu humilde apartamento. Chanyeol sentou-se no sofá pequeno de Baekhyun e olhou-o com suplica.

-O que está acontecendo?- Indagou confuso enquanto colocava o bebê no chão ao lado dos outros dois no chão.

 

 As palavras saíram pelos lábios grossos de Chanyeol como um tsunami, era tanta informação que Baekhyun se perdia entre elas como um filhote em um labirinto. Sua mente assimilou palavras chaves como “Bebês deixados em minha porta” e “O instituto da criança disse que eu teria que cuidar deles até eles encontrarem os verdadeiros pais”, mas o que mais pesara em sua mente foi a sentença “Eu preciso da sua ajuda”. Ele se viu então num labirinto muito maior do que as palavras atropeladas de Chanyeol, os olhos do Byun vagavam do grandalhão para os três bebês que engatinhavam por sua sala.

 

-Como você achou minha casa?- Foi tudo que conseguiu expressar ao se sentar de frente para o maior, as sobrancelhas bem feitas do Park se franziram.

 

-Luhan me deu o endereço, mas isso é realmente importante agora?- Ele indagou maneando a cabeça em direção aos bebês- Eu sei que para o TCC da sua turma você vai ter que participar da rotina de bebês por um determinado tempo... Eu assino os papeis dizendo que você me auxiliou com eles... Por favor Baekhyun, eu nunca peço a ajuda de ninguém, mas se você quiser eu rastejo nos seus pés... Eu detesto crianças, mas posso ir preso se não cuidar deles... Por favor- Baekhyun nunca foi a pessoa mais seca do mundo, também nunca soube dizer não, sua mãe sempre dizia que ele ia se encrencar por isso, ele só não pensou que a encrenca viria com três bebês e olhos pidões de cachorro sem dono.

 

 Baekhyun nunca segurava sua língua, falava o que lhe dava na telha e setenta por cento das vezes acabava se arrependendo depois de um tempo, ele sentia em sua pele que se arrependeria profundamente de ter dito um melodioso e decidido sim para Park Chanyeol naquela tarde de domingo...


Notas Finais


Eai, o que acharam?
Deixem seus comentários de amor!
E até semana que vem s2
~chu


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...