1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Canção de Sakura e Tomoyo: Finalmente juntas >
  3. A Sakura só tam as cartas pra se defender

História Uma Canção de Sakura e Tomoyo: Finalmente juntas - Capítulo 38


Escrita por:


Capítulo 38 - A Sakura só tam as cartas pra se defender


Capítulo 36

A Sakura só tem as cartas pra se defender


Toledo, Espanha

1 de fevereiro de 2016


Era o dia do julgamento de Sakura por crimes contra os comuns.

Três juízes, dois homens e uma mulher, olhavam para Sakura, frios e impassíveis. Atrás dela, Kero e Yue acompanhavam o julgamento, cabisbaixos. 

— Juiza Adriana Lastra, me confirma pra mim o depoimento daquele comum… — disse o primeiro juiz.

— O comum do hospital ou o comum da rua de Bilbao? — perguntou a mulher.

— Foram dois comuns? — indagou o terceiro juiz.

— Quem dera se fossem só dois comuns, Juiz Miquel Iceta, foram dois locais diferentes, os autos estão separados por locais… Em média, a gente teve que mudar a memória de quarenta comuns… — disse o primeiro juiz.

O terceiro juiz, um homem já idoso e rechonchudo, olhava Sakura com severidade. 

Ela passou doze dias presa numa cela especial, longe do trabalho, da faculdade e das amigas, só aprendendo como se comportar no mundo dos comuns. Nem mesmo uma visita de Chitatsu pôde receber. As autoridades não queriam que o menino soubesse do que estava acontecendo e manteve tudo em segredo, para evitar prejudicar seu “desenvolvimento saudável” depois de tantos traumas. A desculpa que o Ministério de assuntos especiais inventou, tanto para sua família, quanto para suas amigas, foi a de que Sakura estava muito doente. Quem a conhecia de verdade, sabe que o problema era outro.

— Sakura Kinomoto, já temos a sentença, você tem alguma coisa a dizer, além de se sentir uma esposa traída defendendo a sua honra? Pois até mesmo uma mulher comum pode pegar uma arma, apontar para o marido e isso seria considerado crime de todo jeito! — disse o Juiz Miquel Iceta.

— Não apenas isso, Juiz Iceta, ela quase matou três mulheres em Bilbao… — disse a Juíza Lastra.

— Sim, a Gotzone, a Lore e a Usoa, três encrencas que a gente vai lidar mais tarde! Mas essa denúncia de tentativa de homicídio não consta nos autos, Juíza Lastra… — disse o primeiro juiz, um senhorzinho baixinho de cabelos brancos.

— Elas não constam nos autos porque não foi feita denúncia, Juiz Manuel Castells… — respondeu a Juíza Lastra.  

— Que bela briga de bar que vemos aqui! — comentou o Juiz Iceta, folheando a papelada à sua frente.    

Sakura não entendeu o porquê, mas sentiu um peso saindo das costas escutando aquilo e também sentiu um pouco de pena das duas mulheres que machucou naquela luta de quase duas semanas atrás. Os juízes ainda esperavam a resposta dela.

— Tudo o que eu fiz foi pra me vingar do chifre que eu levei, senhores juízes… Não tenho outra desculpa pra inventar… — disse Sakura.

— Motivo fútil… — disse o Juiz Manuel Castells, escrevendo num papel. 

— Você tem consequências dos crimes que você cometeu? — perguntou o senhorzinho.

— Sim, tenho sim… — respondeu a cardcaptor. 

— Pense bem, Sakura! Modificar memórias é uma violação gravíssima! Não pense que a gente faz isso com prazer! Quarenta e três pessoas viram você usando as Cartas Clow! Isso é muito vergonhoso para um mago! toda vez que você usa magia na frente de um comum, nós somos obrigados a quebrar esse tabu! Você pensa que é fácil? — repreendeu o Juiz Manuel Castells.

— Eu acho que ela já entendeu o que ela fez… Consigo sondar toda a mente dela… — disse a Juíza Lastra

— Todos de pé! — o Juiz Castells bateu o martelo na mesa e todo mundo se levantou. — Sakura Kinomoto, a senhora é culpada de usar magia na frente dos comuns, com agravante de ser por motivo fútil e provocar outros danos mais! A pena é a suspensão das Cartas Sakura por dois anos, a ser executada imediatamente. Ressalto que essa sentença não têm caráter restritivo, podendo ser flexibilizada sempre e quando o Ministério achar conveniente, dado à gravidade do adversário que estamos enfrentando.  

— Mas que suspensão é essa, maluco? A Sakura só tem a gente e as cartas pra se defender! — questionou Kero. 

— Por isso mesmo. Sakura não sabe usar outra forma de magia a não ser as Cartas Sakura. Ela só vai poder usar essas cartas sempre e quando a Ministra Dona Beatriz achar conveniente, no combate contra a Ordem do Dragão! Sem mais, nem menos! Isso também é válido para vocês!

Kero e Yue ficaram chocados.  

— Mas… Mas… — Kero insistia.

— Sem mais! Vocês estão plenamente seguros com as tropas do ministério à paisana. Não precisa das cartas. — disse o Juiz Iceta.

Kero queria continuar a protestar, mas Yue colocou a mão no ombro dele. Sakura, resignada, tirou o livro rosa das Cartas Sakura de dentro da bolsa e entregou para os soldados de farda branca. Ela abriu uma última vez para ver as cartas queridas antes de trancá-lo, com lágrimas nos olhos. Os soldados colocaram o objeto mágico numa maleta prateada e saíram pela porta lateral do tribunal. 

No fundo, Sakura sentia que estava tendo um braço arrancado. 


Continua…       



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...