1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Criança de Outro Mundo >
  3. Extra II He Xuan e Shi QingXuan- Parte II

História Uma Criança de Outro Mundo - Capítulo 10


Escrita por: Scar_Red e Projeto_HOB

Notas do Autor


Demorei, mas cheguei! A betagem demorou um pouquinho kk

Estou muito feliz pelos favoritos, muito obrigada,.vcs são demais!💞💞

Boa leitura 💖

Capítulo 10 - Extra II He Xuan e Shi QingXuan- Parte II


Fanfic / Fanfiction Uma Criança de Outro Mundo - Capítulo 10 - Extra II He Xuan e Shi QingXuan- Parte II

Tudo em silêncio.

Os olhos se abriram, e vagaram pelo cômodo escuro.

Shi QingXuan abriu e fechou os olhos, esfregando a testa, se levantou com cuidado, ainda sentindo o corpo dolorido.

“Onde estou?”

A voz baixa e rouca ecoou pelo quarto frio. Um lugar simples, com uma cama grande e confortável, uma mesinha ao lado com uma luminária, e uma cadeira.

As mãos passaram pela roupa de cama, sentindo a macies do tecido.

Com a cabeça baixa, o ex deus tentava se lembrar do que havia acontecido, porém, nada vinha a mente. Tudo que lembrava era do corpo fraco e da visão turva.

E...

O Cultivador Misterioso!

Shi Qingxuan deu um salto para fora da cama ao lembrar, só que as pernas fraquejaram e foram de encontro ao chão frio.

Soltando um gemido baixo pela dor, Shi QingXuan se apoiou na cama novamente, tentando se levantar.

“QingXuan, você é idiota!? Ai, ai, como doí!”, murmurou para si mesmo.

Nesse momento, a porta do quarto rangeu, revelando uma silhueta preta.

Shi QingXuan virou o rosto assustado, ao ver de quem se tratava, os olhos se arregalaram, uma sensação de espanto surgiu em seu coração. Ele se encolheu na cama, cobrindo-se com uma manta.

He Xuan nem se deu ao trabalho de se disfarça novamente, ele não queria continuar mentindo e enganado aquela pessoa. Este Supremo decidiu falar apenas a verdade, e que, jamais enganará o outro novamente.

He Xuan apertou os lábios em uma linha fina, apertando a bandeja de comida em suas mãos, caminhou com passos leves até a cama.

O fantasma se sentou na cadeira ao lado da cama, depositando a bandeja na mesa ao lado.

He Xuan olhou para aquele bolinho de lençóis sobre a cama atordoado, Shi QingXuan estava tremendo, isso o incomodou, muito.

A boca de He Xuan abria e fechava, tentando encontrar palavras certas para começar um diálogo.

“Por que me salvar?”

Quem quebrou o silêncio foi QingXuan, por um momento, He Xuan ficou sem reação.

“Por que está me perseguindo novamente? Por que me enganar? Por que fez isso?”

He Xuan foi bombardeado de perguntas, aquele montinho ainda tremia, a voz chorosa, porém, inesperável, não demonstrava medo.

O supremo esticou a mão para tocar QingXuan, mas parou no caminho, fechando os olhos, He Xuan disse com a voz grave:

“Coma e descanse”

Nada mais foi dito.

He Xuan se levantou e saiu sem olhar para trás, deixando no quarto um Shi QingXuan atordoado.

...

Os dias foram se passando. Todas as lembranças do ocorrido martelavam na cabeça de Shi QingXuan, junto com dezenas de perguntas.

“Porque He Xuan me salvou?”

“Porque se disfarçar de cultivador e ir me ver?”

“O que ele quer?”

“Porque não consigo dizer nada a ele? Só de pensar, minha voz falha”

“Estou com medo dele? Não. Não é esse o caso...ou seria?...”

*toc – toc*

“Entre”

Era He Xuan.

Este já é o quarto dia que Shi QingXuan está na Mansão Submersa do Demônio da água.

Todos os dias, He Xuan leva comida e água para QingXuan, ô limpa, troca os curativos e dá os remédios.

Mas tudo é feito em silêncio.

Ninguém toma a iniciativa de iniciar uma conversa.

Esses dois, estão a quatro dias nessa rotina.

Quatro dias sem trocar uma única palavra.

Como sempre, silenciosamente, He Xuan entra, fecha a porta, coloca a bandeja de comida na mesa, pega uma bacia d’agua e um pano limpo – para limpar os ferimentos – e depois se senta, olhando Shi QingXuan comer.

No começo, as horas das refeições eram desconfortáveis para Shi QingXuan, ficar sendo observado por He Xuan era no mínimo, constrangedor. Mas agora, ficou até que agradável.

O silêncio deixava Shi QingXuan inquieto, ansioso por saber o que acontecerá na Cidade Imperial, ou por saber, do por que foi resgatado por He Xuan.

He Xuan notou a inquietação vindo do outro à sua frente. Reunindo forças, o fantasma decidiu quebrar a calmaria daquele cômodo.

“Eu..”

“Eu..”

As vozes de ambos foram ouvidas.

“Eu queria dizer que...”

“Eu queria dizer que...”

Pela segunda vez, as vozes disseram ao mesmo tempo, deixando Shi QingXuan ainda mais inquieto.

He Xuan, constrangido, diz rapidamente para o outro constrangido:

“Diga você primeiro!”

Não querendo perder mais tempo, o ex deus já perguntou sobre o assunto que mais martelava em sua mente:

“O que aconteceu na cidade?”

He Xuan esperava por essa pergunta, porém não deixou de ficar chateado. Queria QingXuan não saber sobre ele?

Meio incerto se contava ou não, o demônio da água contou mesmo assim. Shi QingXuan merecia saber a verdade sobre o que aconteceu com os moradores de rua.

“Aquela praga que atingiu os mendigos, foi proposital”

Os olhos se arregalaram em espanto, “O que?!”

“Aqueles nobres e políticos decidiram, que o “melhor para a cidade” seria se todos os mendigos não existissem”

Os olhos se arregalaram mais, o corpo de QingXuan tremia, ele mal podia forma uma frase coerente, “Então...Então...”

“Todos os mendigos, estão mortos”

“Como...Como isso é possível?”

He Xuan suspirou, apertando as mãos, ele contou tudo que sabia. Desde as rixas que os nobres estavam tendo com os mendigos que os “incomodavam”, até a praga que foi lançada sobre os moradores de rua.

Shi QingXuan chorava, seu coração doía por tudo. Quantos bons amigos perderá? Muitos!

He Xuan mordeu o lábio inferior, se levantando, calmamente chegou à frente de Shi QingXuan sentado à beira da cama. O braço se esticou, acolhendo aquela cabeça em seu peito, em um abraço acolhedor.

Shi QingXuan não aguentou mais, ele agarrou as vestes negras de He Xuan e as molhou com suas lágrimas, QingXuan apertava tão forte como se sua vida dependesse disto, apertava como se fosse sua luz no final do túnel.

“Chore o quanto quiser. Estarei aqui”

A voz saiu calma, quase como um sussurro, mas Shi QingXuan ouviu, alto e claro.

Ele chorou mais.

Chorou até pegar no sono.

...

No dia seguinte, He Xuan não apareceu.

Quem havia aparecido para cuidar de si era uma das servas do Rei Fantasma.

E surpreendentemente, neste mesmo dia, recebera a notícia, que todos os nobres que haviam compactuado naquela matança amanheceram mortos, todos decapitados e suas cabeças em estacas penduradas no meio da cidade.


Notas Finais


Como falta poucos extras para terminar essa parte, postarei amanhã e no dia seguinte.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...