1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Dançarina Para Amar (reescrevendo) >
  3. A garota misteriosa

História Uma Dançarina Para Amar (reescrevendo) - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Ola pessoal,

Demorou mais chegou, eu mudei esse capitulo 15 vezes até ficar perfeito, e espero que eu tenha conseguido.

Não vou mais enrolar...

Boa Leitura!

Capítulo 4 - A garota misteriosa


Fanfic / Fanfiction Uma Dançarina Para Amar (reescrevendo) - Capítulo 4 - A garota misteriosa

 ## Sasuke Uchiha ##

 

Sou Sasuke Uchiha, tenho 19 anos e moro em Tokyo com o meu irmão mais velho Itachi Uchiha, agora que cheguei a maior idade recebi a responsabilidade de assumir a empresa da família, por isso meu irmão está me treinando para comandar a sede da Uchiha Construções já que ele será transferido para nova unidade que está sendo construída em Nova York. Eu nasci e cresci em Konoha, meus pais ainda moram aqui afinal minha mãe é dona da melhor academia de dança de todo o Japão, a KAAD e meu pai trabalha na unidade da construtora que temos aqui na cidade, mesmo minha mãe insistindo que ele se aposente ele não quer, vive dizendo que não está velho e que pode trabalhar por muitos anos ai, como condição, ele combinou com minha mãe de trabalhar na construtora que fica em Konoha para poder estar mais próximo dela. 

Terminei a escola cedo por ter a inteligência acima da média para minha idade, o que fez com que, aos 17 anos, eu mudasse para Tokyo ganhando um cargo avançado na empresa da família e assim, futuramente, assumir os negócios de meu pai. O próximo na linha de “sucessão” deveria ser o Itachi mas ele renunciou dizendo que eu seria a pessoa mais indicada para assumir a empresa. Após me mudar para Tokyo minha mãe estava reclamando demais dizendo que eu não vinha visitar ela e que eu só me importava com o trabalho, então decidi tirar uma semana de férias para passar com ela. E aqui estou eu, tendo que aturar quase 5 horas de audições para a admissão na academia de dança da minha mãe, ela me obrigou a vir usando a desculpa que queria passar mais tempo comigo e como eu prometi que essa semana seria para ficar com ela eu não tive como recusar. 

 

- Estou tão feliz que tenha vindo comigo meu filho. Passaremos mais tempo juntos e você pode observar os candidatos e depois me dar uma opinião, você sabe que eu nunca concordei por você ter abandonado…

- Mãe, não vamos falar  sobre isso está bem? Eu já te expliquei meus motivos.

- Está bem meu filho, mas eu ainda não concordo, e você ainda vai mudar de ideia.

- Como a senhora pode ter tanta certeza?

- Oras meu filho, eu sou sua mãe.

 

Ela me lança uma piscadela, um sorriso brota em seu rosto como se ela tivesse visto o futuro, e eu não duvido que ela tenha mesmo esse dom já que tudo que ela fala comigo acontece. Continuamos conversando trivialidades, ela falava toda empolgada enquanto dirigia, acho que ela ainda não percebeu que eu realmente não queria ir a essa audição. Decidi não falar nada para não estragar o clima alegre em que ela estava, era bom ver minha mãe sorri e eu não quero atrapalhar isso sendo rude por não saber usar as palavras ou demonstrar sentimentos.

Logo chegamos em frente a academia,o lugar continuava da mesma forma que eu me lembrava. Por fora o prédio é de uma construção mais rústica mas a pintura estava novinha e por dentro havia uma estrutura mais moderna em cores neutras e pastéis, dividido em várias alas de acordo com o curso. Lembro de dona Mikoto, vulgo minha mãe, me contando suas histórias de quando estudava aqui, da sua paixão pela dança. Me lembro o quanto ela ficou feliz quando conseguiu comprar esse lugar porque a antiga dona precisava vender para pagar algumas dívidas. Minha mãe nunca mais deixou de sorrir depois disso. 

Nos encaminhamos até o auditório onde seriam os testes, aquele lugar estava abarrotado de gente, já vi que vou passar horas sentado em um tédio total.

Entramos no auditório e na bancada do júri haviam mais 3 professores do Conselho estudantil da KAAD apenas aguardando minha mãe chegar para começarem.

- Filho pode se sentar em qualquer lugar, só peço que desligue o telefone e não faça barulho para não desconcentrar os alunos.

- Claro mãe. 

Eu, com toda certeza, não queria atrapalhar,  na verdade nem queria estar ali. Pra ficar o mais escondido possível decido me sentar na última fileira do auditório e como eu já imaginava que isso seria muito chato, trouxe meus fones de ouvido para ouvir uma música e poder cochilar até tudo terminar. 

- Então podemos começar. Podem chamar o primeiro bolsista.

Então minha mãe deu início àquela tortura.

***

Três horas se passaram e tudo aqui continua uma chatice, teve bailarinos dançando aquelas músicas que dão sono em qualquer um, gente tocando vários tipos de instrumentos diferentes, violino, piano, teve até harpa, foi inusitado mas não foi nada que me despertasse o interesse. Teve um casal que dançou tango e até que foi bacana, eles conseguiram prender minha atenção por quatro minutos mas, depois disso, tudo voltou ao tédio total.

Agora a pouco, teve uma garota dançando hip-hop, ela foi a mais autêntica que eu vi até agora mas sua apresentação ainda não foi digna da minha atenção ao ponto de me fazer interromper minha música favorita que tocava no meu celular.

Cansado dessa encheção de saco, começo a planejar uma fuga e se eu quiser sair sem ser notado a hora é agora, já que o auditório está completamente escuro. Levanto vagarosamente, tentando não tropeçar em nada para não fazer barulho, e me encaminho até a porta mas para no meio do caminho quando um único holofote é aceso iluminando uma figura feminina, com belos e longos cabelos róseos, no centro do palco de costas para a plateia. Misteriosa e linda, são as únicas palavras que consigo pensar no momento, seu corpo escultural e sua cintura fina me hipnotizam, sua vestimenta me chama a atenção, eu conheço apenas uma dança que usa aquele tipo de figurino. Seu corpo mexe indicando que a música havia começado, tiro meus fones apenas para ter certeza do que estava ouvindo e eu estava certo, realmente é uma música árabe, meu coração dá uma batida mais forte assim que aquela menina começou a dançar acompanhando cada nota da música. Eu conheço bem aquela dança afinal, eu via minha mãe dançar por horas nos estúdios daquela academia e, com toda certeza, essa garota essa garota tem a mesma paixão pela dança que minha mãe.

Minha mãe se vira e me olha com um enorme sorriso nos lábios, essa foi a única apresentação de dança do ventre, em todas essas horas de tortura, que faz os olhos da exigente Sra. Uchiha brilhar e que, pela primeira vez, havia prendido completamente a minha atenção. Mikoto Uchiha ama dançar mas ela ama ainda mais encontrar pessoas que tem paixão e talento para isso e essa misteriosa menina, no centro do palco, tem isso de sobra, um talento natural e uma paixão pelo que faz que ninguém demonstrou até agora.

Observo atento o seu quadril acompanhar a melodia suave da música com leves batidas, aquele som familiar das medalhinhas batendo me traz ótimas lembranças da infância, sinto a canção adentrar meus ouvidos arrepiando cada pêlo do meu corpo, ela fica na ponta dos pés e começa a remexer todo o seu corpo, seus movimentos me fascinam. Minha aflição aumenta a cada minuto, quero saber como é o rosto dessa jovem que dança tão graciosamente como se estivesse flutuando. Ela curva seu corpo todo para trás de forma que seus cabelos rosados se arrastem ao chão e eu consiga ver seu rosto que, para a minha infelicidade, está coberto por um véu deixando apenas seus olhos expostos mas que, por puro azar, estão fechados.

Ela levanta o corpo e finalmente se vira de frente para a platéia, meu coração acelera junto com a batida da música, seus olhos ainda estão fechados mas toda a sua paixão se manifesta em sua dança. 

A música fica mais lenta, seu corpo curvilíneo faz movimentos de ondas de uma maneira extremamente sensual me deixando boquiaberto e completamente a mercê dela. Ela abre os olhos lentamente levando seu olhar até o júri, meu coração acelera mais ainda ao ver aquelas belas orbes verdes como esmeraldas, brilhando intensamente, exalando luxúria e poder arrancando suspiros da banca do júri, um sorriso ladino surge em seus lábios evidenciando que ela está adorando ser ovacionada dessa maneira. Minha ansiedade vai às alturas quando percebo que, em um movimento lento e suave, sua mão vai até o rosto e ela retira o véu que cai sobre o ombro revelando uma face angelical, com lábios carnudos e perfeitamente desenhados pintados apenas por um brilho labial rosado.

Reparo cada traço delicado de seu rosto e, automaticamente, meu olhar desce admirando e memorizando cada centímetro do seu corpo que, mesmo sendo um corpo mais maduro como de uma mulher, suas feições indicam que ela não deve ter mais de dezoito anos, o que me deixa ainda mais intrigado já que ela dança como alguém que pratica há anos. 

Cada parte do seu corpo acompanha a música com maestria, sem sair um segundo do ritmo, vejo ela fechar os olhos novamente e uma lágrima escorrer pela bochecha e “morrer” no canto de sua boca, essa garota se entrega de corpo e alma para a dança, seus sentimentos são completamente expostos quando ela está absorta na melodia da canção, mas então uma dúvida me vem à cabeça: 

 

“O que a dança representa para ela ao ponto de se emocionar dessa forma?”

 

Eu nunca tinha visto uma mulher tão linda como ela. Seus cabelos rosados dão a ela um charme e a medida que ele balança ao ritmo da música, isso a deixa ainda mais sexy, ela abre os olhos e, pela primeira vez, nossos olhares se encontram. Um arrepio percorre a minha espinha, vejo a intensidade e o brilho daquelas esmeraldas transmitirem toda a sua paixão pela dança é como se dançar, para ela, fosse uma necessidade assim como respirar e isso está explícito em seu olhar sedutor que fez meu coração acelerar, meu coração bate forte como se quisesse fugir do meu peito. Dou um sorriso galanteador mas parece que isso não à abalou de forma alguma já que ela sequer quebrou o contato visual e nesse momento só um pensamento rondava em minha mente. 

 

“Eu preciso saber quem é essa garota! Preciso conhecê-la”

 

Não sei quantos minutos se passaram até o final da apresentação, eu estava mergulhado no verde dos olhos da garota de cabelos rosados, continuamos nos encarando por mais alguns segundos até que ela desvia o olhar e olha para a platéia como se estivesse procurando alguém. 

 

“Será que ela tem namorado?”

 

Fui tirado de meus pensamentos ao ouvir minha mãe falando com a linda moça.

- Muito obrigada pela sua apresentação Srta. Haruno, você receberá a resposta pelo correio no prazo de duas semanas. Boa sorte!

Agora já sei que seu sobrenome era Haruno, tenho a leve impressão de que eu já ouvi esse nome em algum lugar mas nao tive muito tempo pra pensar nisso já que a rosada saiu correndo do palco como se estivesse com muita pressa. Eu preciso falar com ela, saber o nome dela, quem ela é.

Saio correndo do auditório sem falar nada com minha mãe, começo a andar pelos corredores da academia procurando onde ela poderia estar. Decido esperá-la na porta da academia já que eu a estava procurando a mais de 20 minutos e ainda não encontrei. 

Corro pelo corredor em direção a portaria principal, espero que ela ainda não tenha ido embora. Nessa minha pressa acabei esbarrando em alguém derrubando a pessoa no chão.

- EEEEII!! Olha por onde anda seu mané.

Quando olhei para baixo para ver quem era petulante o suficiente para falar daquele jeito comigo, eu quase não acreditei. Era ela, a garota no palco que havia me hipnotizado da forma mais insana do mundo.

- A culpa não foi minha. Você que apareceu de repente e bateu em mim.

Estendi a mão para ajudá-la a levantar e quando ela me olhou eu vi suas bochechas coragem a deixando com um jeitinho ainda mais lindo e inocente. Ela bate na minha mãe recusando minha ajuda e depois se levanta sozinha.

- Claro que a culpa foi sua, você que estava correndo no corredor. Mas quer saber, deixa pra lá. Eu estou com muita pressa e não tenho tempo pra ficar discutindo com um babaca feito você, até nunca mais.

E sem dar tempo para que fale mais alguma coisa, vejo ela correr por aquele corredor e sumir após passar pela porta de entrada da academia. Eu estava sem reação, eu nunca acreditei em destino mas, depois de hoje eu não duvido mais que ele realmente exista.

Ainda querendo descobrir o nome dela, corri até a saída na esperança de encontrá -la mas já era tarde demais. Ela já havia indo embora, então decido voltar ao auditório. Já que eu saí sem avisar minha mãe, ela com certeza vai achar que eu fugi para não ver as audições e vai me matar. Minha mãe é um amor de pessoa, mas nunca a irrite porque ela irritada até o capeta tem medo.

Entrei no auditório e me sentei no mesmo lugar de antes, mas não consegui prestar atenção em mais nada pois só uma linda garota misteriosa de cabelos cor de rosa e olhos verdes como esmeraldas ocupava minha mente.

 


Notas Finais


Por hoje é isso pessoal..

Quero saber a teoria de vocês sobre o que aconteceu com nossa pequena sakura para ela estar tão apressada.

Eu pretendo, nos próximos capítulos, smepre indicar uma fic aqui nas notas finais.

E a fic de hoje é das minhas maravilhosas @NandaSK e @Kaah-chanUchiha

A fic conta a história de uma amizade, real, entre meninas que moram no mesmo condomínio e vivem varias aventuras a cada capítulo, eu simplesmente estou apaixonada pela escritas dessas duas amigas que amo de paixão. Super recomendo.

https://www.spiritfanfiction.com/historia/condominio-san-thomaz-18306541

Se vc soube dessa fic através da minha história, comente em um dos capitulos da fic delas #UDPA

Espero que tenham gostado desse capitulo, nos vemos no próximo capitulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...