História Uma Delicia na Máfia-Os Mafiosos - Capítulo 7


Escrita por:

Postado
Categorias Histórias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Aventura, Máfia, Romance
Visualizações 23
Palavras 1.081
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Saga, Violência
Avisos: Álcool, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - Vergonha


Fanfic / Fanfiction Uma Delicia na Máfia-Os Mafiosos - Capítulo 7 - Vergonha

Ellen Vitale

Mal levantei a cara do celular e Arthur me beija. Ele pede passagem com a língua, nem sou louca de negar. Escuto uns resmungos e me afasto antes que eu pule no colo dele. Ele sussurra no meu ouvido.

-Mais tarde a gente termina. -Arthur

    O carro estaciona no hospital Marcy’s West, Maria corre na direção de Cameron que está sentado com as mãos na cabeça.  Ele levanta o olhar triste e abraça Maria. Eu toco suas costas e ele se acalma.

-O que aconteceu, Cameron?

-Ela ainda não saiu da cirurgia. Eu estou desesperado. Não me deixaram entrar. Ela sangrava muito, eles farão o possível para salva-la. -Cameron

- Calma, tudo irá se acertar. Tenha fé, estamos com você.

Ele me abraça e cai no choro. Quando ele se recompõe é que nota Arthur, Alejandro e Elai no colo de Arthur dormindo.

-Quem são Ellen? -Cameron

- Arthur, meu namorado e nosso filho Elai. Alejandro, namorado de Maria e chefe de nós todos.

Ele me olha de boca aberta.

-Você tem um filho? Desde quando Maria desgrudou de Nicolae?- Cameron

-Eu conheci Arthur e Elai a cinco anos atrás. Namoramos e moramos juntos, Elai me pediu pra eu ser a mãe dele e aqui estou. Mas terminei com Arthur e vim pra cá. Entrei na faculdade, onde conheci vocês e aqui estou. Arthur me encontrou por acaso em uma boate que foi com seu primo Alejandro, só que teve uma treta que foram tentar me salvar e aqui estamos. Isso foi a umas horas atrás. Chegamos da boate, jantamos e você ligou.

-Credo Ellen, não demorou nem um dia pra pegar o ex. E você Ria?-Cameron

-Larguei do Nicolae quando peguei ele me traindo e ele me deu uma bofetada. Que por acaso ainda não revidei. Conheci Alejandro em no escritório, porém nos envolvemos mais na boate mesmo.-Ria

-Credo, vocês não perdem tempo mesmo-Cameron

  Eu observo Alejandro que pareceu acordar de um transe.

-Bofetada, Ria?-Alejandro

-Sim, odeio que me agridam. – Ria

    Alejandro voa pra cima de Nicolae e lhe dá vários socos.

-Homem nunca bate em mulher, ouviu seu cachorro?- Alejandro

Arthur me da Elai e separa a briga e coloca Alejandro sentado. Nicolae se encosta na parede  e limpa o sangue na roupa. Ria me puxa e sentamos. Elai continua dormindo. Uma enfermeira chega sorridente.

-São familiares de Hayle?-Enfermeira

-Sim.- Cameron

-A cirurgia foi um sucesso. Ela teve um menino e uma menina. Já estamos levando ela para o quarto. Ela ficará aqui por três dias para termos certeza de que está bem.-Enfermeira

    Quando ela sai, damos os parabéns a Cameron.

     Arthur pega Elai do meu colo, E decidimos voltar para o meu apartamento. Preparo os quartos para eles e vou para o meu.

     Tomo um banho e me jogo na cama. A porta se abre devagar e revela Arthur.

-Deveria estar dormindo, Arthur.

-Temos um assunto inacabado, senhorita Vitale.- Arthur

    Ele me puxa para a beirada da cama e me beija com intensidade. O beijo fica feroz e ele começa a me tocar, principalmente nas áreas sensíveis. Ele me deixa nua e despe. Eu monto nele e cavalgo sem dó e nem piedade. Não sei quanto tempo se passou, só sei que fui parar no céu. Quando acabamos, ele me deita no seu peito e ficamos em silêncio. Escutamos batidinhas de madeira na parede e eu caio na risada.

-Parece que Ria foi rápida.

-Ao contrário de você, só demorou cinco anos. -Arthur

 

Uma semana depois

Eu vou para o escritório, decidi sobre Arthur. Aquela farsa de Maria, me deu grandes dúvidas. Ele queria me prender, eu aceitarei isso novamente? Eu o amo, mas esse amor vale a minha liberdade? Eu vou lhe dar uma chance, afinal eu o amo. Fui cega por não perceber.

Eu tomo um susto quando Lis entra saltitante na sala. Ela me entrega um convite de viagem para o México, com hotel pago. Eu posso aproveitar e ver como está meu apartamento em Monterrey e pensar sobre meu caso com Arthur.

                 -Vem comigo? -Lis

-Claro, mas eu tenho um apê lá. Podemos ficar lá por um tempo. Tenho dinheiro o suficiente para ficarmos paradas por um tempo. O que acha? Vou ver com meu namorado se ele quer ir.

-Já imagino a gente bêbada, dançando as músicas latinas. -Lis

                  -Bora preparar as malas? O voo é amanhã de manhã as 6:00. Me encontre no café Sperry.

      Eu termino meu expediente e vou pro meu apartamento. Eu pego minhas correspondências e um envelope pardo me chama atenção. Abro e vejo fotos de Arthur com outra mulher aos beijos com a data e o horário de hoje. Há uma foto de um bebê, atrás da foto da menininha vejo a idade e o nome.

“Amy, 2 aninhos”

Eu levo um baque ao ver uma carta, endereçada a Arthur.

“Amor, sei que nosso casamento é em dois meses, mas já estou com saudades. A Amy está com saudade do papai, olha como nossa filha cresce a cada dia. Eu podia estar mandando um e-mail? Sim, mas quis ser romântica.  Sentimos sua falta, volte em segurança.

                                                          Com amor, Melinda”

 

    Eu entro por conta do samurai no meu apartamento e Arthur vem me beijar. Dou um tapa na cara dele e jogo as fotos na mesa, pega a carta e ergo na frente da vista dele. Ele pega a carta e se senta, coloca as mãos na cabeça.

-Você me acha trouxa? Escondeu de mim uma criança! Eu te dei amor e você me deu mentiras. Quero você fora da minha casa, da minha vida. Você não me merece.

 

    Ele levanta, chama Elai e sai do meu apartamento. Não deixou nem o menino se despedir de mim. Eu corro pro meu closet e faço as malas, Ria sai do quarto dela com Alejandro atrás. Ela me abraça e eu choro. Minhas roupas espelhadas pelo chão. Alejandro volta pro quarto e pega uma malinha.

-Pra onde vamos, Ellie?-Ria

-México, Monterrey. Bora Alejandro?

-To dentro, filhote de troll. -Alejandro

    Pego o carro e corro pro apartamento de Lis. Pegamos as malas dela e embarcamos em viagem as quatro horas.

As vezes quem mais amamos, são as pessoas que mais nos ferem. Foi uma semana com ele, mas foi maravilhosa. Eu fui dura em não ouvir Arthur? Mas ele fez pior em me esconder a noiva e uma filha, não sou amante de ninguém. Mas sei que um dia, acharei o homem da minha vida.


Notas Finais


Caro leitor, este capítulo foi modificado por conta de regras da literatura e escrita. Eu estou fazendo um original e vocês estão sendo os primeiros leitores. Obrigada por apreciar minha escrita.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...