História Uma família e um inimigo - Mitw e Cellps - Capítulo 11


Escrita por:

Postado
Categorias Alan Ferreira (EDGE), Aruan Felix, Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Felipe "Febatista" Batista, Felipe Z. "Felps", João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "Luba" Feuerschütte, Lucas "T3ddy" Olioti, Malena "Malena0202" Nunes, Marco Tulio "AuthenticGames", Pedro Afonso "RezendeEvil" Posso, Rafael "CellBit" Lange, TazerCraft
Personagens Alan Ferreira, Aruan Felix, Cauê Bueno, Felipe "Febatista" Batista, Felps, João Victor Negromonte Queiroz "Jvnq", Lucas "LubaTV", Lucas Olioti, Malena0202, Marco Tulio "AuthenticGames", Mike, Pac, Pedro Afonso Rezende Posso, Personagens Originais, Rafael "CellBit" Lange
Tags Cellps, Mitw
Visualizações 95
Palavras 1.529
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Crossover, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Adolescente, Hentai, Lemon, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi (Gay)
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpa a demora, estava sem criatividade.

Capítulo 11 - Escolhas


- Nova York – Mikhael

Eu estava em casa, cuidando dos meus assuntos, quando a porta do meu escritório foi aberta por Batista, em suas mãos havia um envelope. Ele se aproximou e colocou o envelope sobre a mesa, eu pego, o abro. Leio o papel. Teste de DNA.

-

Filho: Luiza Batista Linnyker.

Possível pai: Mikhael Linnyker.

Resultado: Positivo.

-

Assim que leio, olho para o Batista, que me olhava, eu o puxo para o meu colo.

- eu... eu quero dizer desculpas – digo a ele.

- não tem problema – responde.

- podemos continuar felizes? – pergunto.

- claro – fala.

Eu o beijo, seguro a sua cintura o puxando para mais perto de mim.

- eu te perdoo por ter me traído – diz – mas tem um porem.

- e qual é? – pergunto.

- você vai ter que escolher entre mim e o Tarik – diz.

- que? – pergunto.

- se você escolher o Tarik, eu pego a Luiza e vamos embora – fala – mas se me escolher, terá que deixar o Tarik e o seu filho.

- eu.... eu – eu estava sem palavras.

- então? – pergunta.

Eu não sabia quem escolher, eu amo os dois, agora que eu estou começando a me enturmar com o Maicon e o Tarik, não quero deixa-los, mas tenho uma família, Felipe e Luiza. Sinto que a minha decisão a 10anos estão me atormentando, me culpando e me punindo pelos meus erros. Se eu tivesse escolhido o pac naquele dia, nos três iriamos ser uma família feliz? Luiza ainda me aceitaria como pai? Meu Deus, o que vou fazer?

- quem você escolhe? – pergunta de novo.

- eu... eu escolho. – sou interrompido por batidas na porta.

- senhor Linnyker, desculpe interromper. Mas o senhor tem uma visita – diz o meu mordomo.

- eu já vou – digo.

- a gente continua mais tarde – fala Felipe se levantando e indo para fora do meu escritório.

- salvo belo gongo – falo e me levanto.

Vou até o andar de baixo, indo para a porta e abro, vejo que quem me visitava era Jv.

- Oi. Jv, há quanto tempo – falo o cumprimentando.

- ah, oi Mike – fala.

- quer entrar? – pergunto.

- claro – fala.

- onde esteve? – pergunto.

- trabalhando – responde.

- medico sem fronteiras? – pergunto.

- sim. Estou na linha do exercito – responde – como vai a Luiza e o Batista.

- vão bem, e a Clara? – falo.

- bem.

- a Clara tá gravida? – pergunto.

- não. Ainda bem – responde.

- por que? – pergunto.

- não quero nenhuma criança me perturbando – responde.

- ah.

- Jv? O que faz aqui? – pergunta Batista.

- eu estou visitando vocês – fala Jv.

- que bom, infelizmente a Luiza esta na escola – fala Batista.

- não tem problema. – fala Jv.

Percebo Jv olhar estranhamente para Batista, que descia as escadas, o mesmo também olhava para Jv. Será? Não, não pode ser. Ficamos conversando a tarde toda, Milena, a minha empregada, trás café e alguns biscoitinhos. Quando o relógio marcou 17:00horas, Luiza chega em casa e vai atrás do padrinho dela, agora olhando bem para os dois, posso ver que Luiza puxou um pouco ele. Suspeito.

Eu então saio da sala e vou para um lugar reservado, a cozinha, pego o meu celular e disco o numero de Tarik.

Ligação On:

Tarik: Alo?

Eu: Pac, sou eu.

Tarik: Mike? Aconteceu alguma coisa?

Eu: não, eu liguei para saber como vocês estão.

Tarik: ah, Maicon chegou da escola agora pouco. Eu estou tendo uns enjoos e vômitos. Mas estou bem.

Eu: tem certeza?

Tarik: sim, não se preocupe. E como você vai?

Eu: eu vou bem.

Tarik: que bom.

Eu: Eu quero falar (Batista: Mike?) eu preciso desligar.

Tarik: esta bem, amanhã você vai vim aqui?

Eu: sim. Adeus.

Tarik: adeus.

Ligação Off:

Desligo o celular e vou até a sala, vejo que Jv estava na porta com a Luiza.

- O Jv vai passar levar a Luiza para a casa dele – diz Batista.

- vai traze-la depois? – pergunto.

- claro, vamos Lu?  - fala Jv.

- vamos. Tchau papai, tchau pai – diz Luiza.

- tchau meu amor – falo.

Eles saem pela porta, deixando eu e Felipe sozinhos.

- Podemos continuar a nossa conversa? – pergunta ele.

- sim – falo e sento no sofá.

- e então? – pergunta ele se sentando a minha frente.

- eu escolho...... Você! – falo triste.

- que bom. – fala e se senta no meu colo – vamos aproveitar que a Luiza esta fora.

- vamos para o quarto – digo me levantando com ele no colo.

Vou para o quarto beijando o meu amor. Beijo ele com toda a minha força, pra falar a verdade, eu escolho o pac, mas para não me separar do Batista e da Luiza, eu falei que escolhi ele.

Jogo-o na cama, me ajoelho na frente dele, e com a minha boca, fico beijando e chupando o seu pescoço, o fazendo gemer. Deslizo as minhas mãos pelo seu corpo, apertando cada parte e sentindo ele se excitar. Eu tiro a sua blusa e ele a minha, trocamos de lugar, eu fico deitado e ele em cima de mim, nos beijamos de novo, minha língua passa por sua boca, fico a dominado. Tiro a sua calça, o deito na cama, deslizo a minha boca pelo seu corpo, dando vários beijos. Vou até a sua cueca, e dou um beijo no seu membro dura, que ainda esta coberto.

- Aha, Mike, por favor – pede Batista.

- claro meu amor – respondo.

Tiro a sua cueca, olho para o seu membro duro, pego-o e faço movimentos de vai e vem. Ouvia os gemidos de Felipe. Ponho ele na boca e começo a chupa-lo.

- M-a ma-is r-r-rapido – dizia com dificuldade.

Aumento mais, indo mais rápido e mais fundo, batata gemia casa vez mais rápido. Pero e vou até a suas bolas, começo a chupados, sugando-os. Paro. Me levanto da cama. Tiro a minha calça junto com a minha cueca, vou até a o criado mudo, que fica ao lado da cama, e pego uma camisinha e vou até ele. Me posiciono entre as suas pernas, o mesmo entrelaça elas na minha cintura. Coloco a camisinha e aponto para a entrada dele, eu o beijo e vou entrando, já faz algum tempo que não fazemos nada e não sei se ele sente dor, mas posso ver em seu rosto, dor, eu vou de vagar, o beijando e o masturbando. Alguns minutos passa e começo a bombar nele, a cada estucada minha era um gemido delicioso dele, mas não tão delicioso quanto a de Pac.

- Mike.... Mike..... Mais rápido – pedia ele.

- claro meu amor – digo e aumento mais.

Trocamos de posição, eu fico embaixo e ele em cima. Batata cavalgava em meu pau, que entrava e sai dele.

- vamos minha puta, mais rápido – falo e dou um tapa na sua bunda.

- sim meu m- mestre – fala

Começa a cavalgar mais rápido, enquanto eu o masturbava. Eu o giro e o coloco que quatro, eu seguro a sua cintura e vou mais forte, metendo mais forte que podia.

- aaaaaaaaaaaaa – gemia – aaaaaaaaaahhhhhhhh.

- geme! – falo.

- AAAAAAAAA Mike! – gemia.

Eu meto mais e gozo, ele também goza sobre os lençóis, eu saio dele, tiro a camisinha e a jogo no chão, me deito respirando com dificuldade, batista se deita no meu lado, nos olhamos e o beijo. Minha língua entra na sua boca, explorando cada lugar daquela boca, nossas línguas travam uma batalha pelo poder e domínio. Nos separamos, eu caio no colchão e apago.

- Residência Linnyker – Batista.

Assim que Mike apagou, me levanto, me visto e desço. Pego o meu celular e envio uma mensagem para Jv, falando que ele já podia voltar com a Luiza.

Vou até a cozinha e faço um café para mim, vou para a sala e assinto um programa, depois de uns 10minutos, eles chegam. Luiza já estava dormindo, a coloco na cama e vou até o Jv que esperava na porta.

- obrigado – agradeço.

- não há de que. Podemos fazer mais vezes? – pergunta.

- o que? De você me fuder ou de passar mais tempo com a sua filha? – pergunto.

- os dois – fala e me puxa.

- Mike – falo.

- ele não esta dormindo? – pergunta e assenti – ele não vai saber.

Nos beijamos, o empurro para o sofá, me sento em cima dele, Mike tem um sono profundo, não vai nos ouvir. Tiramos nossas roupas e fizemos bem ali.

Jv já tinha ido quando fui para a minha sala, me sento na frente de meu computador e o ligo, abro na pagina da Web e disco o meu endereço, abro o bate-papo e mando uma mensagem para ela.

-

Eu: Como vai o plano?

Ela: Bem, Alan concordou em fazer parte.

Eu: O meu bilhete já esta entregue?

Ela: Sim.

Eu: Ótimo. Ele aceitou fazer aquilo com as criança?

Ela: Sim, disse que os filhos querem ter prazer.

Eu: Ótimo. Até mais.

Ela: até.

-

Desligo o computador e me levanto, fecho a porta da sala a chave. Tem coisas ai que não quero que ninguém veja, principalmente o Mike. Vou para o meu quarto, me deito na cama e apago.


Notas Finais


Oq acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...