História Uma Flor de Pessoa (VHope, JiHope, JiKook)- Em Revisão - Capítulo 18


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Tags Ação, Bts, Comedia, Jihope, Jikook, Romance, Vhope, Violencia
Visualizações 212
Palavras 6.655
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Famí­lia, Ficção Adolescente, Fluffy, Lemon, Luta, Romance e Novela, Violência, Yaoi (Gay)
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


(*^﹏^*) ultimo capítulo da minha bebê - agora é sério.

Capítulo 18 - Minha florzinha


Fanfic / Fanfiction Uma Flor de Pessoa (VHope, JiHope, JiKook)- Em Revisão - Capítulo 18 - Minha florzinha

****** JungKook******

 

- Que vista mais linda!

Escutamos Suzy exclamar, enquanto olhava a paisagem da janela panorâmica do difícil em que nos hospedamos. E ela tinha razão quanto a isso. De fato, a vista da cidade era maravilhosa de onde estávamos, no difícil Umeda Sky. Escolha do Jimin, ele era nosso guia nesta viagem. Olhei para ele, ao lado de Suzy, observando a paisagem, e fiquei feliz ao ver sua expressão serena. Ele estava mais relaxado agora.

Nada de faculdade ou trabalho, somente diversão.

- Sabe porque o Jimin escolheu Osaka? – perguntou Zelo, parando ao meu lado e olhando para os outros na janela.

- Por que é um lugar bonito, cheio de atrações turísticas e comida boa? – sugeri.

- Também – disse com um pequeno sorriso e um olhar melancólico. – Mas, acredito, que seja por uma outra razão.

- E qual seria? – perguntei curioso.

- Hoseok – olhei para ele sem entender o que o meu irmão, que já não estava mais conosco, tinha a ver com aquela viagem. – Teve uma época, bem antes de você chegar, que quando o Hobi ficava nervoso ou frustrado com alguma coisa, ele começava a dizer que quando completasse a maioridade iria fugir para Osaka e sobreviver dando aulas de dança para as joponesinhas fofinhas.

Sorri ao ouvir aquela história e fiquei me perguntando se o Jimin, de fato, pensou neste país porque era o sonho do Hobi fugir para cá. Não sei, mas fico feliz por estarmos aqui.

- Vamos pessoal – os chamei para sair.

Jimin sorriu para mim e ao se aproximar segurou em minha mão. Suzy também segurou na mão de Zelo e ambos foram esperar os outros na porta.

- Eu posso ficar? – Xiumin perguntou, ainda deitado no sofá e com a cabeça apoiada no colo do Baek, que pareceu estar em outro mundo com o gesto do outro.

- Não, você vai vim também! – disse Jimin. – Deixa de ser preguiçoso!

- Mas eu só irei para segurar vela.

- Segurar vela? – disse Zelo, rindo. – Olha você aí com o Baek.

- E ainda tem o Chen – emendei, o fazendo levantar do colo do Baek com visível raiva.

- Não estou achando graça nenhuma nisto! – reclamou Xiumin. – Eu vou embora.

- Para com isso, MinSeok – disse Jimin, já impaciente com o primo. – Ande logo, se não vou te colocar de castigo.

Todos riram com as palavras do Jimin, e, mesmo a contragosto, Xiumin veio até nós. Olhei para o Baek, ainda no sofá, e fiquei me perguntando o que ele tinha.

 Era impressão minha ou estava faltando alguém?

- Cadê o Chen? – perguntei para o Baek. Ele levou um pequeno susto e olhou para nós.

- Ele já está voltando, só mais um pouco.

Que estranho, porque o Chen sumiu assim?

 

****** Chen ******

 

Chefe: Aonde vocês estão?

Eu: Estamos no edifício Umeda Sky. Alugamos um carro grande e iremos sair daqui a pouco.

Chefe: Entendi. De qualquer forma, irei passar uma missão para você e o Baek.

Eu: Pode passar.

Chefe: Em hipótese alguma deixe esse grupo ir para o bairro comercial de Shinsaibashi, entendeu?

Eu: Entendi, mas se permite perguntar, porque não podemos ir para lá?

Chefe: Porque o Tae, com outros sócios, tem uma grande loja neste bairro. Se os garotos o verem ele pode se safar fácil, mas tem um problema que se chama Hoseok. De vez em quando, o Hoseok vai para a loja e fica esperando o Tae para os dois irem almoçar ou passear juntos pela cidade. Portanto, já sabe.

Eu: Sei, entendi. Darei um jeito de falar para o Baek e vamos evitar esse bairro. Mas caso os outros não nos deem ouvidos podemos tentar evitar a loja, como ela se chama?

Chefe: Faça o possível e o impossível para enviar o bairro, se eles verem o nome da loja com certeza, todos, irão até ela.

Eu: Por que?

Chefe: Você chegou a conhecer o Sr. Goblin? Um bonequinho azul claro, com pequenos chifres na cabeça, de terno azul escuro, capa velha e uma expressão de que esconde algo.

Eu: Acho que me lembro de tê-lo visto no hospital com o Tae.

Chefe: Pois bem, eles vão para a loja porque na frente dela há um desenho enorme do Sr. Goblin. E para ficar melhor, o nome da loja é Sr. Goblin Kawaii. Entendeu o tamanho do problema?

Eu: Perfeitamente. Nada de bairro Shinsaibashi.

Chefe: Conto com vocês dois.

Eu: Pode deixar.

 

Uau, eu não esperava por isso, pensei enquanto saia do banheiro e seguia para a sala.

 Mais do que estar surpreendido por saber que o Tae e o Hoseok estavam morando aqui, em Osaka, era saber que o NamJoon sabia muito sobre a vida deles, o que é muito estranho. Será que o Chefe ainda os vigiava? Por que isso?

Bem, agora não é hora de fazer perguntas e sim, de agir. Não deixar que o grupo chegue perto do bairro Shinsaibashi. Eu e o Baek não vamos deixar isso acontecer. Mandei uma rápida mensagem para o mesmo, antes de entrar na sala, e expliquei em resumo o que tínhamos que fazer.

- Vamos, Chen! – JungKook me chamou.

Todos eles já estavam na porta, prontos para sair. Olhei para o Baek, que estava ao lado de um Xiumin com mau humor – muito fofo, por sinal – e o vi assentir para mim.

Ele já tinha entendido qual seria nosso trabalho.

 

****** JungKook ******

 

Em quatro dias de viagem nós visitamos vários bairros, museus e ainda fomos no Aquário de Osaka. Foi muito divertido e a comida era maravilhosa. O nosso guia, amor da minha vida, vulgo Jimin, nos guiou por todos os lugares. A felicidade que ele carregava, ao visitar cada lugar, nos deixava mais alegres ainda. Até mesmo o Xiumin, que estava de mau humor antes, estava se divertindo só por ver o primo animado daquele jeito.

Hoje era mais um dia de diversão e estávamos esperando para onde Jimin nos levaria naquele dia. Percebi que ele sempre carregava um pequeno caderninho verde na mão. Para onde nós íamos, aquele caderno estava sempre com ele.

- Jiminnie? – o chamei ao meu lado, ele tinha a cabeça apoiada em meu ombro esquerdo enquanto observava os prédios do lado de fora.

- Oi – respondeu, depois de um tempo.

- Por que Osaka? – perguntei o que tinha mantido para mim desde que o Zelo falara sobre a escolha do Jimin. Nem sei porque demorei a perguntar.

Ele se sentou direito e levantou o pequeno caderninho para mim olhar bem.

- Ele queria vir para cá. Estou... – o vi engolir em seco, com dificuldade para falar.

- Jimin, nós já sabemos – Zelo disse. Ele estava sentado a nossa frente, com a Suzy ao seu lado e o Xiumin do outro. Seu semblante parecia triste. – Essa viagem é pelo Hobi, não é?

Vi Jimin assentir.

- Por que não me disse antes? – perguntei.

- Achei que você pudesse, de alguma forma, ficar desanimado por pensar que o Hobi não está mais aqui. – Jimin confessou, com um pequeno sorriso. – Me perdoe.

Sorri para ele e o puxei para os meus braços.

- Não precisa pedir perdão. Essa viagem está sendo muito divertida e tenho certeza que o meu irmão está muito feliz por nos ver nos divertindo por ele.

- Eu diria que ele estaria reclamando – disse Xiumin, nos fazendo rir. – Mas, realmente, ele deve estar feliz por nós. E acho que ele ficaria mais feliz ainda se o meu primo pudesse pagar o lanche para mim, de novo.

- Só depois desta viagem – Jimin disse para ele, o fazendo escorregar no banco desanimado.

- E para onde vamos? – perguntei para ele.

- Bairro Shinsaibashi!

Quando ele disse isso o carro freou de repente, e se eu e o Jimin não estivemos com o sinto de segurança teríamos caído em cima dos outros, a nossa frente. Todo mundo olhou para os dois, que estavam no banco do motorista e do co-motorista, Baek e Chen.

- O que aconteceu? Batemos em algo! – perguntei preocupado.

- Não, me desculpe. – Chen disse e o carro voltou a se movimentar.

 Mesmo assim todos ainda estavam assustados com o que acabara de acontecer.

- Baek? – Jimin o chamou, já que ele que estava dirigindo o carro.

- Sim?

- Nos leve para o bairro Shinsaibashi, por favor.

- Não seria melhor irmos para o bairro Dotonbori? – Chen, estranhamente, sugeriu.

- Nós fomos para ele a dois dias atrás – falei para ele.

- Que tal...

- Eu quero o bairro Shinsaibashi! – disse Jimin, o interrompendo. Olhei para ele e segurei sua mão, para que o mesmo se acalmasse.

- Quando ele fica assim me lembra uma certa pessoa – escutei o Xiumin “sussurrar”, Zelo e a Suzy assentiram, e eu entendi a quem eles estavam se referindo.

- Baek – o chamei.

- Entendido – ele respondeu baixinho. Ainda escutei o Chen suspirar exaspero.

 Era impressão minha ou eles estavam evitando o bairro ao qual queríamos ir?

 

****** Hoseok******

 

- Yuki, quando tudo estiver pronto, você será a primeira a saber – falei para a pequena que me seguia pela loja.

 Era para a princesa estar trabalhando, mas ela preferia me perseguir para saber mais sobre a pequena escola de dança que eu iria abrir futuramente.

 Eu me sentia extasiado sempre que me lembrava que aquilo de fato iria acontecer. Eu seria dono de uma escola, eu iria dar aula de dança, eu influenciaria pessoas, eu dominarei o mundo futuramente! Mama com certeza ficará orgulhosa de mim. Pensando na mulher da minha vida, ela não curtiu muito meu noivado com o Tae. Para ela, nós somos muitos jovens ainda, deveríamos noivar quando fossemos idosos e casarmos quando fossemos fósseis. Não que ela tenha dito isto, mas interpretei assim. Quem gostou mesmo da notícia foi o Pad e a Tia Irina. Aposto que a Tia Irina até fez uma festa para comemorar.

- Ne, senpai – Yuki disse atrás de mim. – Eu falei para minhas amigas sobre sua escola e elas estão ansiosas.

- Eu também estou! – falei para ela, me virando e apertando suas bochechinhas fofas. Ela sorriu visivelmente envergonhada.

Yuki era uma de nossas funcionárias, eu posso dizer que é nossa, já que o Tae é meu namorado.... noivo! E dono da loja também. Meu noivo é empreendedor e trabalha muito para sustentar nossa família. Voltando para Yuki, ela é uma mocinha fofa e esperta que trabalha na loja, e agradeço a Kamisama por ela saber minha língua também. Não que eu esteja reclamando da lingua japonesa, longe de mim. É uma língua muito linda e magnifica. Mas dependendo do dia, eu posso acordar com uma super preguiça de abrir a boca e falar japonês, ou ao menos tentar, porque não sou nenhum fluente. E esse é um dos dias em que eu não quero falar nada em japonês. Apenas estou esperando o Tae para o almoço e, enquanto isso, estou com a pequena no meu pé.

- Hora de voltar ao trabalho, Yuki, não quero te atrapalhar – falei para ela.

- Já estou indo, mas antes que te dar isso, senpai – ela me mostrou uma coroa de flores de sakura, que estava escondida em suas mãos, atrás das costas. Uma cora de flores, aquilo me lembrou algo. – Quando te vi pela primeira vez tinha uma cora de flores na sua cabeça e achei aquilo muito fofo, então fiz essa para você.

- Arigatou, Yuki-chan – falei abaixando minha cabeça e ela colocou a cora em minha cabeça.

- Kawaii! – disse batendo palmas.

Eu estava sorrindo para ela, mas naquele momento, algo dentro de mim, queria chorar.

A uns anos atrás, em uma sala de aula, em uma escola cara pra caralho, em um turma qualquer, uma garotinha fofa, de cabelo curto, colocou uma coroa de flores rosas e vermelhas em minha cabeça. Eu gostava muito dela. E naquele mesmo dia eu conheci o idiota, que agora é meu noivo. Que nostalgia...

Respirarei fundo e engoli a vontade de chorar.

-  Trabalho, Yuki-chan – falei, a empurrando levemente. – Depois conversamos um pouco mais.

- OK, senpai. Maté – ela acenou para mim e foi atender os clientes que estavam chegando na loja.

Apoie em uma parede, cheia de bonequinhos fofos, e ao tocar naquela coroa de flores me lembrei dos meus amigos. Por causa do trabalho e da correria do dia a dia, eu nem sabia como eles estavam naquelas últimas semanas. Possivelmente bem, e se divertindo. Assim espero.

Meu celular tocou no bolso do meu casaco e o pequei. Sorri ao ver uma mensagem do meu noivo.

 

TaeTaeMEUnoivo: Me encontre no terceiro andar. Vamos almoçar lá em cima hoje.

Eu: Não quer pagar comida fora não??? Bonitão.

TaeTaeMEUnoivo: Quero um momento a sós com você, só nós dois. Vem, vai ser romântico.

Eu: Se eu quisesse romance eu estaria lendo John Green, eu quero é comida!!!

TaeTaeMEUnoivo: Aqui também tem comida rsrs. Eu vou demorar um pouquinho, mas me espere no corredor do terceiro andar.

Eu: ~(⁰▿⁰)~

TaeTaeMEUnoivo: Também te amo<3<3<3

 

Guardei o celular no bolso e saí ao encontro dele, e ao encontro de comida!

 

****** JungKook******

 

- Aqui tem coisas tão bonitas – Xiumin falou, a minha frente, enquanto olhava para as lojas que estávamos passando.

Realmente tinha muitas coisas bonitas. Eletrônicos, objetos de decoração, artigos de colecionadores, brinquedos, jogos, bonecos fofos e o que mais se pudesse imaginar tinha ali. Eu estava pensando qual o melhor item para levar para o Mickey, a Tia Irina, o tio e a Mama.

- Vamos levar mais um ursinho para o Mickey – Jimin disse ao eu lado, e apertando minha mão para chamar minha atenção. – O que acha?

- Hmm, pode ser. Mas tem que ser um diferente dos outros que compramos.

- Sim, são muitas opções – disse olhando em volta. – Mas só saio daqui hoje com esse ursinho.

- Ok – sorri para ele. – E vamos aproveitar para comprar outras coisas para a minha família. – ele assentiu.

- Pessoal – Baek nos chamou. Ele estava parado, um pouco atrás de nós, com o Chen ao seu lado. Ainda acho que esse dois estão estranhos. – Que tal irmos comer algo? Tem um bom restaurante ali do lado.

- Sim! – Xiumin foi o primeiro se manifestar.

Parecia ser uma boa ideia, já era quase hora do almoço mesmo.

- O que acha? – perguntei para o Jimin, o mesmo deu de ombros, mas assentiu.

- Vamos chamar o Zelo e a Suzy – disse, se voltando para onde o casal tinha ido.

Eles já estavam um pouco a frente, andando com a multidão, e não perceberam que paramos. O Zelo estava com uma câmera nas mãos e a Suzy andava com um binóculo nos olhos, olhando para todos os lados. Ela só não se perdia porque ainda segurava na roupa do seu namorado.

- Vamos chamar eles – falei para o Baek, que assentiu.

Eu e o Jimin seguimos até eles, os dois estavam tão concentrados, no que estavam fazendo, que não perceberam nossa aproximação.

- Ei – Jimin os chamou, mas Suzy ficou olhando com o binóculo para o outro lado. – Vamos almoçar, depois continuamos o passeio.

- Vamos! – Zelo disse animado. – Vamos, Suzy. – ele disse, segurando na mão da Suzy, pronto para ir, mas ela continuou no mesmo lugar, olhando com o binoculo para algum lugar e tentando ler algo.

- Sr. Goblin? – disse Suzy, nos assustando.

- Onde?! – perguntou Zelo, ela lhe deu o binóculo e ele olhou na direção em que ela apontava. – Não acredito! E ele mesmo!

- Deixa eu ver! – falei pegando o binóculo que o Zelo me passou.

Quando olhei, para o lado que eles apontaram, levei um susto ao perceber que, um pouco longe dali, na frente de uma grande loja, tinha o desenho de um boneco bem parecido com o Sr. Goblin.

- Deixa eu ver também – Jimin falou ao meu lado e entreguei o binóculo para ele. Vi sua expressão de surpresa e logo mais ele sorriu ao olhar para nós, ainda com o binóculo nos olhos. – Vamos lá! – nos chamou.

- Mas e o almoço? – Zelo perguntou com uma mão na barriga.

- Zelo! Você está vendo um Sr. Goblin gigante, na sua frente agora, e está pensando em comer? – perguntou Jimin.

- Eu estou com fome.

- Aguente um pouco – disse Suzy, sorrindo para ele.

- E, aguente – o apoiei.

- Sabem o que isso significa? – Jimin perguntou, olhando para a loja do outro lado.

- O que? – perguntei segurando em sua mão, ele abaixou o binóculo e sorriu para mim.

- Que o Hobi está aqui conosco, o Sr. Goblin gigante é a prova disto. Ele está se divertindo com a gente.

Fiquei sem palavras para o que ele disse. Eu sentia uma mistura de tristeza e alegria ao ouvir suas palavras, e podia jurar que até a presença do meu irmão eu sentia.

Chamamos os três, que tinham ficado para trás, quando viram o Sr. Goblin gigante eles ficaram visivelmente espantados, principalmente o Baek e o Chen, e olha que eu nem sabia que eles conheciam o Sr. Goblin, pois ele tinha partido a uns anos atrás com o... Tae. O Sr. Gobin tinha ficado com o Tae, o Tae foi embora e não dera mais notícias a anos, encontramos uma loja com um enorme desenho do Sr. Goblin em frente à uma loja. Qual a probabilidade?

- Chen – chamei o mesmo que andava ao meu lado, em direção a loja. Ele tinha um olha estranho para a loja, como se soubesse de algo.

- Sim?

- Traduza o nome da loja – pedi, pois eu não sabia muito japonês e o nome da loja estava em japonês.

- Hmm, eh... acho que é “Duende Azul” – enrolou demais para responder, e tenho a impressão que respondeu errado.

- Errado –disse Xiumin, sorrindo dele. – É “Fofo Sr. Goblin”, a tradução.

- Meu orgulho – disse Jimin, bagunçado o cabelo do Xiumin, que não gostou daquele gesto e se afastou.

Ri dos dois, mas me toquei que o Chen sabe japonês, fluentemente, e mesmo assim traduziu o nome errado. Baek, que estava ao lado dele, também sabe, mas não corrigiu ele. Eles com certeza estão escondendo algo.

Chegamos na loja e ficamos impressionado com seu tamanho por dentro e o quanto de produtos ela tinha. Bonecos de ação, ursos fofos, eletroeletrônicos, doces, fantasiavas de cosplays e muito mais. E olha que só era o primeiro andar da loja.

- Me dá a câmera – disse Suzy para o Zelo, que a entregou.

Suzy começou a tirar foto de cada pedacinho da loja. Os outros também estavam olhando os produtos e vendo o que comprar, porque não sairíamos dali de mãos vazias. Eu também olhei um pouco os objetos, mas estava perdido em meus pensamentos. Essa loja ter o nome do Sr. Goblin estava muito estranho. Comecei a olhar para as pessoas ao meu redor e ver se achava um certo alguém. Poderia ser só paranoia minha com aquela enorme coincidência, mas eu estava inquieto.

- Que fofo! – exclamou Suzy, do outro lado. Ela estava olhando para uma imagem na câmera, não liguei muito e continuei a olhar para todos os lados. – ele estava de costas, não consegui tirar uma boa foto. Acho que vou pedir uma foto com ele!

- Ele vai pensar que você é louca – disse Zelo para ela.

- Mas é só uma foto, não é sempre que vemos um rapaz com uma coroa de flores na cabeça. Eu quero tirar uma foto com ele para guardar de lembrança.

- Você quer tirar uma foto com um cara desconhecido só porque ele está com uma coroa de flores?! – Zelo estava visivelmente com ciúmes, ri ao perceber isso.

- Sim! – ela disse e saiu correndo, atrás do tal rapaz.

- Suzy! – Ele gritou e foi atrás dela.

- Por acaso ela tem alguma tara por garotos com coroa de flores na cabeça? – perguntou Xiumin.

- Ela gosta de coroa de flores e acha fofo em garotos – disse Jimin, um pouco melancólico.

- O que foi? – perguntei, me aproximando dele.

Ele olhou para mim e deu um pequeno sorriso.

- Não foi nada não, só estou com fome – mentiu, pois dava para perceber que ele estava um pouco desconfortável.

Cheguei mais perto e o abracei. Tinha algo errado com ele.

- Então vamos logo comer e mais tarde voltamos aqui – disse Baek, ao se aproximar de nós. – Vamos?

- Temos que esperar o casal fugitivo – disse Xiumin, enquanto olhava para os bonecos de animes que estavam ao lado. – Talvez um de nós deva ir atrás deles.

- Eu vou – disse Chen, já indo em direção a eles, que correram para a escada rolante que levava para o próximo piso.

Quando Chen passou por mim eu o segui com o olhar e neste momento vi quem eu procurava. Kim Taehyung. Ele estava indo por um caminho diferente, do qual a Suzy e o Zelo foram. Chen também viu o Tae e parou de andar e olhou para nós. Não, eu diria que ele tinha olhado para o Baek, atrás de mim. Então era isso que eles estavam escondendo? O Tae trabalhava aqui.

- Aquele cara de terno preto era o Tae? – perguntou Xiumin, boquiaberto.

- Era ele sim – Jimin disse nos meus braços e depois olhos para mim. – Vamos atrás dele?

- Com certeza – falei segurando em sua mão e começando a correr em direção ao Tae.

Eu não poderia deixar ele escapar. Não nos víamos a anos e eu me preocupava com ele e me perguntava como ele estava seguindo a vida sem o meu irmão.

- Me esperem! – Xiumin gritou atrás de nós e veio correndo também.

Quando olhei para trás, rapidamente, percebi que o Baek e o Chen estavam com uma expressão estranha. Parecia que tínhamos descoberto o segredo deles.

 

****** Chen ******

 

Eu: Desculpa, Chefe, mas não conseguimos impedir eles.

Chefe: Eu percebi.

Eu: O senhor está aqui?

Chefe: Estou aqui fora, mas vi eles correndo atrás do Tae e os outros dois foram atrás do Hoseok.

Eu: Era o Hoseok?!

Chefe: Sim. Bem, de vez em quando não dá para impedir o destino. Se hoje é o dia do reencontro deles então não vamos no intrometer mais, agora é com eles.

Eu: Entendo...

Chefe: Venha aqui fora, chame o Baek e vamos almoçar. Eles irão demora muito aí dentro.

Eu: Estamos indo, Chefe.

 

 - O que o Nam disse? – perguntou Baek, ao meu lado, quando guardei meu celular.

- Hora do almoço.

- Traduzindo: deixe eles por conta própria?

- Exatamente – sorri para ele e seguimos para fora.

O nosso superior estava nos esperando lá fora, sentando em uma mesinha enquanto comia um doce. Ele realmente andava observando o Tae e o Hoseok, mas por que? Eu não iria perguntar, acredito que seja assunto dele.

- Obrigado por cuidar dos garotos – NamJoon disse e fez um sinal para que nos sentássemos a sua frente, e assim nós fizemos. – Agora deixe que eles se resolvam.

Assentimos as suas palavras e olhamos para a enorme loja do Sr. Goblin, este que nos observa de volta, com seu semblante sério e olhar de quem escondia muitos segredos.

 

****** Taehyung ******

 

Eu deveria trocar esse terno desconfortável, mas não podia deixar o Hoseok esperando muito. Ele deixou de ensaiar essa tarde para me fazer companhia na hora do almoço. E eu tinha que aproveitar.

Peguei um outro caminho para ir para o terceiro andar, pois era mais fácil de chegar lá sem esbarrar nas várias pessoas nos corredores da loja. Não demorei a chegar aonde o Hoseok se encontrava. Ele estava no final do corredor e ouvia música enquanto dava alguns passos de dança. Ele parecia estar se divertindo. Mas algo em sua cabeça me chamou a tenção.

- Tae! – me chamou quando me viu. – Anda logo, estou quase desmaiando de fome aqui.

Me aproximei dele e o surpreendi com um abraço forte e até o rodei no ar. Ele riu por causa da minha ação e segurou a coroa de flores em sua cabeça, para que ela não caísse.

- Isso me traz algumas lembranças, sabia? – comentei, olhando para a cora em sua cabeça.

- Eu sei, o dia em eu quase te dei uma surra, mas você deu sorte. Naquele dia eu estava muito fraco.

- Sim, fraco e mesmo assim violento – falei apertando os meus braços em volta do seu corpo.

- Eu não sou violento, eu sou um amor. Não, eu sou uma flor, Uma Flor de Pessoa.

- Minha florzinha.

Ele sorriu e me beijou. Foi um beijo calmo e gostoso que mostrava o quanto ele gostava de mim. Era pequenos momentos como aquele que me fazia amá-lo cada vez mais.

- Tae... – ele disse, se afastando um pouco dos meus lábios e olhando bem nos meus olhos. – Quando a Yuki me deu essa coroa eu me recordei dos meus amigos e fiquei um pouquinho pra baixo. Eu queria ver eles, sabe?

- Entendo – o abracei mais forte para tentar consolá-lo.

Mesmo com todo o amor que eu desse para ele, ainda acho que era insuficiente para alegrá-lo por completo. Sempre ele ficaria triste quando se lembrasse do irmão e dos amigos. E eu não podia fazer nada quanto a isso. Eu não poderia deixar que eles vissem o Hoseok. Isso jamais poderia acontecer.

- Sumimasen.... – uma garota, no final do corredor, se desculpou para nós. Quando olhei para ela, eu não acreditei no que os meus olhos estavam vendo. Mesmo com seu cabelo agora grande, e não mais com aquele uniforme de colegial, era ela mesmo. A Suzy estava no final do corredor. Apertei o Hoseok em meus braços e impedi que ele virasse a cabeça para olhá-la. Tenho certeza que ela não viu o rosto dele. – Taehyung? – claro que ela iria me reconhecer.

- O-oi, Suzy... – o corpo do Hoseok ficou tenso nos meus braços, dava até para escutar seu coração acelerado.

- Você trabalha aqui? – ela perguntou com um sorriso animado, eu assenti a sua pergunta. – Que legal! Hm... ele é seu amigo? – se referiu ao Hoseok e eu voltei a assentir. – Será que ele deixa eu tirar uma foto com ele? Achei muito fofo essa coroa na cabeça dele e queria tirar uma foto como recordação. Acho muito fofo garotos com coroas de flores.

Hoseok riu baixo, com a cabeça apoiada em meu ombro.

- Isso é um sonho? – perguntou Hoseok, baixo.

- Não – falei baixo para ele, mas a Suzy pensou que foi para ela.

- Não? – Suzy perguntou.

- E que ele é tímido e não gosta de tirar fotos.

- Ah... – ela abaixou a câmera, visivelmente sem graça.

- Eu falei para você!

- Puta que pariu! – Hoseok exclamou baixo, ao ouvir aquela outra pessoa, que se aproximou da Suzy.

Impossível, de onde eles vieram?

- Mas não custava tentar – Suzy disse para o Zelo, que tentava controlar a respiração depois de uma visível correria.

- Tae? – perguntou Zelo, ao olhar para mim.

- Olá, Zelo, como está?

- Bem... – ele respondeu desconfiado e percebi que ele olhou o Hoseok de cima a baixo. – Me desculpa perguntar, mas quem é ele?

Quem é ele? Eu não sabia o que responder. Minha mente parou quase que completamente, ela só estava trabalhando para tentar tirar o Hoseok dali, sem que os dois vissem seu rosto. Nós estávamos em um corredor que só tinha duas saídas. Uma estava bloqueada pela Suzy e o Zelo, que nos olhavam desconfiados. E a outra, na parede do lado direto, era por onde eu tinha vindo. Só precisávamos dar uns dez passos e o Hoseok poderia sair sem ser visto pelos dois. Eles ficariam muito mais desconfiados? Sim. Mas eu daria meu jeito, eu inventaria uma história. Falaria que o rapaz que estava comigo era um idol japonês famoso e que não queria que sua identidade fosse revelada. Eles iriam acreditar, até eu acreditaria. Essa era uma ótima ideia.

Tirei o trazer, que estava usando, e o coloquei sobre a cabeça do Hoseok, escondendo seu rosto. Ele ficou surpreso, mas nada disse.

- Eles não podem te ver – sussurrei para ele e o mesmo balançou a cabeça coberta. – Me siga – segurei em sua direita e o guiei para a outra saída.

- Por que ele está com a cabeça coberta? – perguntou Zelo.

- Eu não sei como explicar agora, mas pessoas comuns não podem vê-lo assim. Nosso relacionamento ainda é segredo para todos.

- Ele é alguém famoso? – Suzy perguntou boquiaberta, e eu assenti. – Então me deixa tirar uma foto.

- Iie, gomen nasai. – Hoseok arriscou um japonês pouco confiante. – Hã... sorry?

- Ele disse que não pode – falei para ela, tentando não rir daquela situação. – Por favor Suzy, respeite a privacidade dele.

- Ok, me desculpe – ela ficou cabisbaixa e abraçou a câmera. Zelo percebeu isso e a abraçou, mas ainda matinha o olhar desconfiado para mim.

- Vamos – falei, levando Hoseok para a saída.

Dava para enganar aqueles dois.

- Tae! – levei um susto ao ver o JungKook a minha frente.

 Ao ouvir a voz do irmão, Hoseok gritou por causa do susto, soltou minha mão e correu, só que ele não percebeu que estava com a cabeça coberta. Ele correu para o sentido oposto a saída e acabou dando de cara na parede. Eu consegui segurar antes que ele caísse no chão. O abracei, com ele ainda com o rosto escondido. Engoli em seco ao ver o JungKook, o Jimin, o Xiumin na nossa única saída. Estávamos cercados. Será que eu conseguiria enganar esses outros três?

O Zelo e a Suzy correram até nós e ficou próximo a nós, os outros três também se aproximaram mais. Me levantei com o Hoseok do chão. Ele estava visivelmente tonto e se pôs atrás de mim, com os braços ao redor do meu corpo e a cabeça apoiada nas minhas costas. Eu tinha que evitar que o reconhecessem.

- Você está bem? – Suzy perguntou para o Hoseok.

- Hai – Hoseok respondeu baixo.

- Quem é ele? O que você está fazendo aqui? Porque não deu mais notícia? Por que essa loja tem o nome do Sr. Goblin? Por que tenho a impressão de que você está escondendo alguma coisa? – perguntou JungKook, muito sério. – Me responda Kim Taehyung.

- Essa loja é minha em parceria com alguns amigos japoneses. O nome é em homenagem ao meu amigo Sr. Goblin, e a coloquei porque tinha certeza que o Hoseok... iria gostar. Eu não dei mais noticia porque eu não queria atrapalhar a vida de nenhum de vocês. E também acho que era hora de cada um viver a sua história. Sobre esse que está comigo, eu não posso falar nada.

- Por que não?

- Porque ele é famoso e não pode ser descoberto – Suzy disse, inocentemente, para ele, e eu fiquei agradecido por ela ter acreditado nesta farsa.

- Vocês estão noivos? – perguntou Jimin, de repente, e percebi que ele tinha visto a minha aliança e a do Hoseok. Eu tinha me esquecido completamente delas.

- Sumimasen. Onamae nan desuka? – fiquei surpreso quando Xiumin perguntou, em japonês, qual era o nome do Hoseok.

Mesmo entendo a pergunta, Hoseok ficou em silêncio.

- Parece que você realmente esqueceu meu irmão e seguiu em frente – disse JungKook. – Fico feliz por isso, mas não entendendo porque está escondendo ele. Somos todos amigos, não iremos contar para ninguém quem é ele.

- Me perdoem, mas...

- Hoseok! – Zelo disse, assustando a todos ali. Hoseok até mesmo apertou meu corpo ao ouvir seu nome pronunciado por aquele que fora seu melhor amigo por muito tempo.

- O que? – perguntei, fingindo não entender o que ele disse.

Zelo apontou para as mãos dos Hoseok, que me envolviam, e riu.

- Eu reconheceria essas mãos, que me espancaram durante dez anos da minha vida, em qualquer lugar! Hoseok, eu sei que é você!

Um enorme silencio se fez no corredor, enquanto todos olhavam para nós. Eu simplesmente não acredito que o Zelo reconheceu o Hoseok só olhando as mãos dele. Seria porque apanhou muito dele? Não sei dizer, só sei que não há como escapar deles.

- Espero que tenha me reconhecido para pagar o dinheiro que me deve. – disse Hoseok, tirando os braços de mim e retirando o blazer de sua cabeça. Ele sorriu para os outros com lágrimas descendo por seu rosto. – Eu senti muito a falta de vocês. -Hoseok abriu os braços para eles. -Alguém me dar um abraço?

 

****** Hoseok******

 

Eu desejei ver meus amigos e meu desejo se realizou, estou tão feliz que.... Estou feliz! Isso que importa.

E me descobriram como? Primeiro, Jimin realizou o meu sonho de viajar para Osaka. Ou seja, ele roubou o meu sonho e usou para ele. De boa, não vou levar para o lado pessoal. E eu nunca prestei atenção que eles davam ouvidos para as coisas que eu falava. Me sinto importante. E o que aconteceu depois? Eles vieram para Osaka e se divertiram, sem mim, por vários dias e, coincidentemente, Suzy viu o desenho do Sr. Goblin, que eu pedi para colocar na loja, porque meu noivo e dono desta bagaça e eu também mando aqui. E o Sr. Goblin os guiou para dentro do palácio Sr. Goblin Kawaii e, mais outra coincidência, Suzy me viu com a coroa de flores em minha cabeça e me perseguiu, com Zelo logo atrás, até me encontrarem. Do outro lado, meu irmão, Jimin e o Xiumin viram o Tae e o seguiram também.

 E aquilo aconteceu. Por um breve momento, achei que eu e o Tae escaparíamos deles de alguma forma, mas não deu. Os anos batendo no Zelo o fizeram gravar como eram minhas mãos e ele as reconheceu. Garoto estranho.

Quando me revelei para eles, vi em seus rostos expressões que me misturavam alegria, surpresa e revolta. Este último fora do meu irmão. Eu sei que ele estava feliz em me ver, mas ele tinha ficado, de alguma forma, puto com o Tae, e tentou matar ele. Sim, meu irmãozinho, Kookie, esse doce de pessoa, com desejo por sangue, e sangue do meu noivo!

Foi mais ou menos assim suas palavras:

“ – Seu desgraçado filho da puta! Você estava com meu irmão esse tempo todo e mentiu para mim?! Irei fazer você ir para o inferno! ”

Neste momento, o Tae estava no chão, com o Zelo e Suzy tentado o proteger, depois que ele levou um soco do meu irmão. E Xiumin e o Jimin tentavam segurar o meu irmão.

E eu estava como?

“ – Irmão, não bate no meu noivo não. Me nota aqui. Se tem alguém para culpar culpe Kim NamJoon, ele que me matou! ”

Aí eu comecei a chorar porque ninguém quis me dar um abraço. 

 

***

- Entenderam o que eu disse? – perguntei, calmamente, para os cinco a nossa frente.

Depois que tudo se acalmou, os levamos para o térreo da loja, onde eu e o Tae iríamos ter nosso almoço. Os contei sobre a verdadeira história por trás do meu “assassinato”, que o Jin não tinha envolvimento nenhum e sim o NamJoon, que tinha de fato me matado. E, portanto, ele tinha que ser preso! Quando eu disse essa parte o Tae se intrometeu na minha versão da história e contou a dele, que era basicamente: um plano dos meus pais para me proteger e me dar uma nova vida e não somente eu, mas meu irmão também sumiria do mapa e nasceria novamente e o resto vocês sabem, pois, a versão dele parece ser mais confiante que a minha...

Mas eu ainda prefiro a minha versão, NamJoon é o culpado pela minha morte!

- Você está realmente bem com essa nova vida? – meu irmão perguntou ao segurar minhas mãos sobre a mesa.

- Eu estou ótimo, preferia a minha antiga? Sim, mas essa não é de jogar fora – falei para ele e ver seu sorriso me deixava muito feliz.

- E já está noivo nesta nova vida? – perguntou Jimin, tocando de leve a aliança em meu dedo.

- O apressado aqui é o Tae, eu só vou atrás.

- Ah é? E se ele quiser um filho você também vai querer? – Xiumin questionou.

- A gente já tem um filho – todos nos olharam boquiaberto. – Mostra a foto do nosso bebê para eles, Tae.

Tae, ao meu lado, pegou seu celular e mostrou a foto do nosso bebê para eles.

- Kim Yeotan, dois anos.

Todos relaxaram e sorriram ao ver a foto do nosso bebê.

- Ele é muito fofo – disse Suzy, olhei para ela e percebi que segurava uma das mãos do Zelo.

- Depois de quatro anos parece que alguém tomou coragem para se declarar – falei para o Zelo.

- Antes tarde do que nunca – ele respondeu.

Ri dele e olhei para o casal a minha frente.

- Ora, ora, se esse não é o casal que eu disse que ficaria junto – os dois riram. – Eu tenho poderes, meus caros amigos. Tenho tanto poder que posso até viajar no tempo e no espaço, garanto a vocês.

- Pode mesmo, amor? – disse Tae, me abraçando e beijando minha bochecha.

- Seu safado, nós estamos em público. Tenha compostura!

- Não – disse beijando minha bochecha novamente. Parece que alguém que apanhar em público.

- Acho tão fofo que a família de vocês tenha aceitado mesmo que sejam primos – disse Suzy com aquele sorrisinho inocente.

- Iie, Jung Hoseok era primo dele – falei para ela. – Eu, Hope, noivo dele.

Todos riram com as minhas palavras, exceto um ser semimorto que estava ali do lado.

- A vela que estou segurando está tão grande que a cera está caindo na minha cara e queimando. – rimos ao ouvir as palavras do Xiumin. – Eu nunca pensei que você dois fossem ficar juntos. O Hobi era uma pessoa tão difícil e fácil de odiar alguém. Quando você, Tae, chegou, eu pensei comigo mesmo: “ Coitado, vai sofrer mais que o Zelo.”

- E sofreu – Zelo concordou com ele.

- Ai! – Xiumin reclamou quando o chutei por baixo da mesa. – O mesmo Hoseok de sempre.

- Minha mão está coçando para bater em vocês dois – falei para eles, que riram um pouco nervosos. – Você estar precisando de alguém, Xiumin.

- Ele já tem – disse Jimin. – E não um, mas dois caras.

Olhei para o Xiumin impressionado e o Tae fez o mesmo.

- Olha ele.

- Nada a ver, eles são só meus amigos – se defendeu.

- A Suzy era minha amiga – disse Zelo e Suzy assentiu sorrindo.

- Antes de namorarmos, eu e o Kookie, também fomos amigos. – emendou Jimin.

- O Tae... – comecei e o Tae riu para mim. – era amigo de peito do Sr. Goblin.

- Ainda somos amigaços – disse Tae.

- Super amigos – concordei com ele. – E com isso concluímos que você, Xiumin, vai se casar com esses dois!

- O que?! – perguntou assustado.

- E minha palavra tem poder!

- Parem com isso – ele choramingou, colocando as mãos nos ouvidos e abaixando a cabeça sobre a mesa.

Todos não estavam aguentados de tanto rir. Era tão divertido zoar um amigo com os outros. Eu estava sentindo falta de momentos como esse.

- Xiumin? – o chamei, após nos recuperarmos das risadas. – Estou brincando, sim? Você não vai se casar com os dois, ok? Tem que ser bonzinho e deixar um para os necessitados – deu para perceber que ele estava rindo. Ele também estava se divertindo.

Eu estava finalmente reunido com os meus amigos e aquilo era muito bom, mas ainda estava faltando uma coisa.

Voltei a olhar para o casal a minha frente e sorri docilmente para eles. Eles também olharam para mim e pareceram entender o que eu queria dizer, pois Jimin balançou a cabeça, negativamente, antes mesmo que eu falasse algo.

-Devolvam nosso Mickey – falei para eles.

Meu irmão entrelaçou nossos dedos e sorriu para mim.

- Não, ele agora é nosso.

- Tae? – o chamei.

- Sim, minha florzinha. – respondeu.

- Bate neles.

 

 


Notas Finais


Não sei o que dizer... rsrs

Hã, bem: Primeiramente, agradeço a mim, por ter tomado vergonha na cara e ter terminado essa fic rsrs

Segundo, agradeço a cada um desses personagens, em especial ao Sr. Goblin, um dos melhores personagens, na minha humilde opinião. Ao Jung Hoseok, Hope,amorzinho muito fofo, Uma Flor de Pessoa, nada violento. Quem disse que ele é violento tem problemas, tá?! Agradeço ao Taehyung também, por ele ter aguentado essa florzinha do Hobi. JungKook, Jimin, Zelo, Suzy, Nam, Baek, Chen, Tia Irina, Mama, Pad, Pai biológico dos meninos, Mickey, Yeotan, Yuki, psicólogo Leeteuk, colegas e professores da sala do Hobi. Até mesmo os antagonistas: Jin, Suga, Day, capangas, agradeço a todos. Vocês são Top * palmas*

E por ultimo, não menos importante - não mesmo - eu agradeço a você, que está lendo isto. Muito obrigada mesmo. O apoio de cada um foi fundamental para que eu chagasse até aqui. Vocês vão estar aqui, no meu Kokoro (´♡‿♡`)

MUITO OBRIGADA!!! <3<3<3

Até a próxima <3<3<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...