História Uma garota estranha - Capítulo 2


Escrita por:

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Karin, Kushina Uzumaki, Minato "Yondaime" Namikaze, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Minakushi, Narusaku, Sasuhina
Visualizações 72
Palavras 1.061
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Shoujo (Romântico), Shounen
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 2 - Uma garota estranha


Fanfic / Fanfiction Uma garota estranha - Capítulo 2 - Uma garota estranha




No dia seguinte, estavamos na aula de educação fisíca jogando futebol, as meninas ficavam olhando, e muitas gritavam torcendo por mim e pelo Sasuke, me virei para ver, para quem Hinata estava olhando, ela me encarava, sorrindo para mim, em meio a essa distração, de repente minha cabeça começou a rodar, eu já estava um pouco fraco por só comer pão todos os dias, e então tudo ficou escuro e eu perdi a consciência por um momento. Tudo o que eu escutava era o meu nome e algumas pessoas preocupadas comigo.
Quando eu acordei eu estava na enfermaria, deitado na cama, sentindo um pouco de dor de cabeça.
Eu olhei para o lado, ainda tentando me acostumar com a luz que refletia da janela, já estava no final da tarde e o sol  estava quase se pondo. A janela estava meio aberta, e eu conseguia sentir a briza tocar o meu rosto, já que minha cama ficava ao lado da janela. Observando aquele entardecer, sentindo aquela briza da primavera, eu me inclinei para a janela e podia ver as árvores de cerejeiras da escola se movimentarem com o vento, fechei novamente os meus olhos e as lembranças dessa época, sempre me levavam para o pior dia da minha vida, a morte da minha mãe.


- Naruto, jamais perca a fé, a esperança de um mundo  melhor, seja feliz e transforme a vida de pessoas, com o sorriso lindo que você tem, viva o melhor que puder, e lembre-se que eu estarei ao seu lado, cuidando de você, para sempre... a mamãe te ama muito! Nunca se esqueça disso, nunca se esqueça do que é amar..


Suas últimas palavras para mim foram essas, e depois disso, a minha vida mudou completamente, aquele garoto sorridente, que estava sempre disposto a ajudar e a fazer as pessoas sorrirem, aquele garoto sumiu, e hoje vive um Naruto triste, sem ânimo de viver, que com 17 anos tem que trabalhar pra sustentar um pai alcoolatra e que chega quase todos os dias quebrando a casa inteira com xingamentos e palavrões. Um Naruto que simplesmente não se importa se está magoando, contanto que não exista nada que se refira a amar e ser amado, por que para mim, isso significa dor e solidão.
Me levantei da cama, não queria mais ficar ali, me lembrando de tudo aquilo.
- Você finalmente acordou. - Disse a enfermeira Shizune.
- Eu estou bem, posso ir embora?
- Você tem certeza disso?
- Tenho. Por falar nisso, todos já foram?
- Eles queriam esperar, mas eu disse que não sabia que horas você ia acordar, então eu disse que pediria para você avisa-los, assim que acordasse.
- Eu já acordei, e estou bem, sério, só preciso comer.
- Naruto você precisa se alimentar direito.
- Foi mal Shizune, eu vou começar a me alimentar melhor.
- Está bem, você pode ir embora, mas espero que isso não aconteça novamente. 
- Obrigado Shizune e eu prometo não desmaiar de fome novamente se você me deixar trazer uma garota aqui na enfermaria qualquer dia desses! - Dei uma piscada pra ela, que riu. - Você não muda mesmo em Naruto! - Disse ela.
Eu saí da escola, e mandei uma mensagem pro pessoal, dizendo que eu estava bem, por ser um dia de folga meu, eu não sei se isso era bom ou ruim, pois eu ficava angustiado de chegar em casa e ver o meu pai naquele estado deplorável, respirei fundo e resolvi dar uma volta pela praça principal de Konoha, onde era cheia de cerejeiras, e que lembravam muito a minha mãe.. Fui caminhando em meio as pétalas rosas que caiam, até que escuto um som suave de flauta transversal, aquele som, uma melodia clássica e que emitia uma sensação leve de alegria e ao mesmo tempo nostalgica, e que alguma forma me lembrava uma época boa da minha vida, na qual sinto saudades, resolvo então acompanhar aquele som, eu não sei porque, mas eu imaginava minha mãe tocando, eu imaginava que por um momento se eu seguisse aquela melodia, eu a encontraria ali.. Mas assim que cheguei no lugar vi uma garota de lindos cabelos longos cor de rosa que se perdiam em meio ao vento junto com as petalas de cerejeiras, ela tocava e dançava ao mesmo tempo, enquanto tudo ao seu redor parecia brilhar, seu vestido branco e seus pés descalços, destacavam uma simplicidade que encaixava perfeitamente com a música que ela estava tocando, aquela cena era linda, ao redor eu via algumas pessoas admirando ela, enquanto a mesma fazia isso em cima do banco da praça.
Eu simplesmente não conseguia tirar os olhos dela..
Assim que ela terminou muitos aplaudiram ela e jogaram moedas em uma caixa que estava no chão..
- É isso ai pessoal, por hoje é só, muito obrigada pela presença de vocês, vocês são incríveis - Disse ela sorrindo...
Todos saíram da minha frente, ela que ainda estava em cima do banco percebeu que não havia mais ninguém ali, além de mim é claro.. Ela então me encarou com aqueles olhos verdes.. Por um momento senti um contato entre nosso olhar, eu nunca vi uma garota tão linda como ela
- Precisa de alguma coisa? - Perguntou ela desviando o olhar e descendo do banco, guardando sua flauta transversal na capa e arrumando a caixa..
- Ahh eu só estava admirando o seu trabalho..
- Obrigada..-  Ela sorriu.. - Agora tenho que ir, até mais loirinho..-  Disse ela pegando sua caixa..
- Espera! -  Chamei a atenção dela.
- Hm?
- Você vai mesmo ir embora descalça? Cadê os seus sapatos?
- Digamos que de alguma forma é como se os meus pés fossem livres para alcançar qualquer lugar..-  Ela sorriu
Me surpreendi com sua resposta, apesar de achar engraçada.
- Hahaha..
- Ei, do que esta rindo?
- Nada, por um momento achei que você não tinha sapatos..
Ela apenas abaixou a cabeça..
- E-espera, você realmente não tem? - Perguntei assustado.
- Baka! É claro que eu tenho, só que eu já disse, gosto de andar descalça, pois me sinto livre, você deveria experimentar..
- Você pode acabar se resfriando sabia, já está anoitecendo o chão deve estar frio..
- Ah, mas eu já estou acostumada..
- Espera, ei!!!
Ela saiu correndo como uma criança fugindo de alguém..
Que garota estranha..


 


Notas Finais


Não sei se essa fic está boa, pois quis fazer uma história um pouco diferente, eu espero que vocês tenham gostado ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...