1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Garota No Stray Kids - Felix - >
  3. O Beijo Indireto.

História Uma Garota No Stray Kids - Felix - - Capítulo 12


Escrita por: TigrinhaMirai

Notas do Autor


Oláa Leitoras. Pandinha na área!! Espero que gostem do capitulo que eu e minha unnie fizemos pra vcs!!!
Eu posso ter deixado passar alguns errinhos, mas minha unnie corrigirá depois sz

Capítulo 12 - O Beijo Indireto.


Fanfic / Fanfiction Uma Garota No Stray Kids - Felix - - Capítulo 12 - O Beijo Indireto.

— ÊH?! — JYP se assustou ainda mais — Como vocês podem me pedir isso a essa altura do campeonato?! Já há quase um mês que ela está no grupo, todo o público internacional já a ama! 

— É, mas em compensação o público coreano, pra ser mais exato metade dele, a odeia. — Bang Chan explicou.

— Não há como ela continuar assim, ela vêm sofrendo agressões em cima de agressões — Felix interveio. 

— Fora as ameaças de morte... — Han murmurou com raiva. 

— E o que vai acontecer com ela? O que vocês querem que eu faça com ela? Aposto que ela não sabe que vocês estão aqui pedindo para que ela saia do grupo, não é? — O CEO cruzou os braços se sentando na ponta da mesa de seu escritório. 

De fato, como poderiam pedir algo assim? O que aconteceria com a amiga deles?! Eles sabiam que o sonho da Minarí era ser K-Idol! 

— Sobre isso... Nós estávamos pensando o seguinte... — Hyunjin começou. 

— Aigo... me preocupa vocês pensando demais. 

Minho revirou os olhos impaciente, ele tinha uma certa raiva do JYP desde sua época de trainne.  

Deixa a gente falar, velho. - Minho resmungou internamente após o gesto.

— Nós ficamos sabendo que a Jeongyeon Sunbaenim* (Termo usado para pessoas veteranas no trabalho) Precisou entrar em hiatus do grupo Twice. Eu por puro acaso já vi várias vezes fãs reclamando que o OT9 nunca estava completo...  — Bang Chan progrediu cuidadoso — As sunbaenims já demonstram cansaço excessivo tem tempos, e por causa da agenda cheia... não podem tirar folga...

— Certo, até agora estou ciente do que está explicando... mas o que Minarí tem haver com isso? Querem que eu coloque ela no Twice? 9 membros parece pouco pra vocês? 

— NCT tem mais de vinte e eu nunca vi alguém achar ruim — Changbin sussurrou para Hyunjin 

— É quase isso! — Felix quis logo chegar ao ponto principal — Temporariamente, Minarí entraria no girl group Twice como uma substituta para que o membro mais cansado do grupo pudesse tirar pelo menos 1 mês de férias. Seria um rodizio, assim todas poderiam dar seu melhor e Minarí talvez até fosse muito mais aceita no grupo delas pelo público. 

— Interessante... — O velho coçou o queixo pensativo, o que fez com que os outros garotos sorrirem esperançosos — Mas o que garante à vocês que Minarí se encaixará no ambiente do Twice? Aquelas mulheres se conhecem a anos, e se sair em briga? 

— Senhor, Minarí conseguiu lidar bem com todas elas mesmo fingindo ser um homem, imagine como será mais fácil sendo uma mulher. Teste-a se necessário — Hyunjin defendeu. 

— ... Me deem uma semana para eu analisar a situação aqui na Coréia. Preciso verificar quão grave está. Pensarei no que disseram — Sério, o homem se encaminhou até à porta pedindo para que eles saíssem. 

— Gamsabnida. — Todos disseram saindo. 

— Como será quando a Minarí souber que pedimos pra ela sair do grupo?... — Jeongin questionou preocupado, não queria que ela ficasse brava com eles ou até mesmo parasse de falar com eles pra sempre. 

— É verdade... Ela vai ficar uma fera... — Changbin sussurrou começando a pensar nisso. 

— Fizemos o que fizemos pelo bem dela, uma hora ou outra ela reconheceria — Felix tentou se acalmar também. 

— Vamos dormir, daqui a seis dias contamos a ela o que fizemos — Bang Chan terminou. 

Minarí narrando. 

Eu acordei no meio da madrugada. Tinha dormido cedo demais. Aparentemente, todos continuavam dormindo, só que eu não tinha visto Felix na cama dele. Então fui procurá-lo, assim aproveitava para refrescar meus pensamentos, estava sobrecarregada.

Eu já tinha quase o mapa inteiro do lugar na minha cabeça, não me perderia fácil. 

Andei por vários corredores... Já estava quase que na outra ponta do edificio inteiro da JYPe. Não o encontrei. 

— Talvez já tenha voltado para o quarto... Acho que ele talvez possa nunca ter saído de lá, não duvido nada, do jeito que minha mente está lutando ultimamente — Murmurei já me pondo a voltar.  — Aigo... -3- 

Qualquer ser humano sabe que a madrugada é a hora mais calma do dia, nela, até um simples clicar na tecla de um computador é ouvido à distancia dependendo do tamanho do lugar. Estava tudo tudo quieto, apesar de iluminado, eu não ouvia nada naquele corredor. Algo começou a me dar arrepios, que droga de sensação ruim era aquela que eu nunca tivéra sentido lá? Estava me sentindo observada. 

Bang

A luz dos corredores foram apagando, uma a uma.  Meu coração começou a se acelerar já sabendo que aquilo não era natural e nem de longe um bom sinal 

— O que está acontecendo?... — Murmurei assustada. 

Quase todas as luzes já tinham se apagado, exceto pela ultima lá da ponta contrária da onde eu estava. Decidi ir por lá então, já que por onde eu queria ir anteriormente já estava uma escuridão danada. 

— Foi apenas um tipo de falha na empresa... Algo com o sistema elétrico, nada demais... — Tentava me tranquilizar enquanto eu andava naquela direção. 

Como num filme de suspense, um estranho saiu de uma das salas logo ao lado de onde ficava a única lampada quebrada se colocando debaixo dela *imagem* 

— Felix hyung? — Chamei com minha respiração pausada — É você? — Depois de ver que o estranho não arriscava a se mexer muito, me recusei a dar sequer mais um passo até ali. Discreta, comecei a regredir dando pequenas passadas para trás. 

Acho que ele tinha percebido que eu já não iria mais até ele, porque seu movimento seguinte foi o de mostrar um taco de beisebol que ele tinha escondido atrás de sua perna. 

Estou perdida. Um sasaeng?! Aqui dentro?! Isso seria impossível!

Não procurei lógica, comecei a correr tentando me salvar daquela situação. Eu nem ousava olhar para trás enquanto corria, tudo o que eu pensava era em gritar e tentar chamar a atenção de mais alguém... mas quem?! Eram três horas de uma manhã de sábado, quem diabos estaria na empresa trabalhando àquela hora?! 

— SOCORRO!! — Não me emportei em tentar pelo menos chamar a atenção e assim tentar assustar o maluco. — SOCORRO!! 

Depois de ser perseguida por quatro corredores, eu dei a sorte de bater em Felix e Bang Chan juntos. Já estava chorando. 

— OPPA, SOCORRO! 

— Minarí? — Felix disse me abraçando confuso — O que aconteceu? por que estava correndo por aí!? 

— Por que está chorando e está tão ofegante? — Bang Chan também se preocupou procurando me acalmar. 

— Tem um homem me perseguindo!! Um estranho, ele está com um taco de beisebol nas mãos! Ele quer me machucar!! — Eu dizia desesperada ainda agarrada em Lee Felix. 

— Não há mais ninguém atras de você, Minarí. Você tem certeza do que viu? — Felix questionou preocupado. — Se for o caso, precisamos informar à equipe de segurança que há um invasor. 

Narradora.

— Ele quer me pegar!!  — Minari com seu coração palpitando acelerado e totalmente em pânico avisou. 

Estava tremendo como nunca tremeu na vida, nem para fazer a audição para o Skz. 

— Beba um pouco dágua e Félix e eu cuidaremos disso pra você. — Bang Chan explicou oferecendo a ela sua garrafa de água. Ele já havia colocado sua boca no gargalo dela, mas na Coréia as pessoas tinham costume de beber da garradinha dos outros sem encostarem a boca nela, então ele não se preocupou. 

A menina estava tão nervosa, que destampou o objeto e bebeu nele encostando seus lábios onde Bang Chan também tinha encostado.  Bang Chan e Felix ficaram surpresos apesar da situação que a menina tivéra passado. Sabendo você ou não, na Coréia, isso tinha válido como um beijo indireto. 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...