História Uma irmandade entre nós (imagine Jungkook) - Capítulo 146


Escrita por:

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO
Personagens Byun Baek-hyun (Baekhyun), Do Kyung-soo (D.O), Jeon Jungkook (Jungkook), Jung Hoseok (J-Hope), Kim Jong-dae (Chen), Kim Jong-in (Kai), Kim Namjoon (RM), Kim Seokjin (Jin), Kim Taehyung (V), Min Yoongi (Suga), Oh Se-hun (Sehun), Park Chan-yeol (Chanyeol), Park Jimin (Jimin), Personagens Originais
Visualizações 93
Palavras 3.036
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Passando só pra dizer um oi... e seguindo pra historia.

Capítulo 146 - Adrenalina - Parte 2


Fanfic / Fanfiction Uma irmandade entre nós (imagine Jungkook) - Capítulo 146 - Adrenalina - Parte 2

CL – Só confia em mim. – Amanda olhou pra irmã, e Clara estava com aquele sorriso de quem estava prestes a fazer alguma coisa errada. Algo que Amanda abominava quando criança, mas que na adolescência aprendeu a adorar na irmã. E sentiu o coração inflar de coragem. – Como nos velhos tempos!

AM – Então tá!

Amanda fechou os olhos, colocou a chave na ignição.

Clara na mesma hora, levantou na cadeira. E virou a cabeça pra direita, e dito e feito. Os três seguranças estava ao seu ado, mas a quinze metros de distância.

AM – Agora?

CL – VAI!

Amanda levantou o tronco, e nem olhou se tinha alguém ao redor.

Ligou o carro e acelerou a mil. Cantando pneu e correndo com o carro pra a rampa.

CL – TEM DOIS ATRÁS DA GENTE SÓ VAI.

AM – AHHHHH!

Amanda foi com tudo descendo a rampa.

Ela sentiu realmente o volante quando terminou de descer os três andares e foi obrigada a para na chancela pra colocar o cartão do estacionamento.

CL – Assim que sair, vem pra direita e vamos pela rota A.

AM – Odeio admitir mas... você que manda.

Assim que a chancela abriu, ela saiu em disparada fazendo o roteiro que a irma falou. Com dois carros atrás delas.

...

JK – Não posso esperar mais Jimin!

JM – Mau Mau esta num fogo cruzado.

JK – O Juan precisa vir agora, do contrário vão achar ele. Eu tive que derrubar três pra esconder ele na sala de maquinas.

JM – Aguenta só um pouco mais.

Jungkook sabia que quando ele desse o bote nos três que estavam guardando o cofre, Jimin não conseguiria mais ajudar o MauMau porque teria que ajudar Jungkook com a abertura do cofre, então MauMau ficaria cego.

JM – Merda!

JK – O Que? – Jungkook já tinha feito um organograma mental do que ele iria fazer pra abater os três seguranças e conseguir se conectar ao cofre.

JM – Nada.

JK – Jimin...

JM – Vai logo, Gwon, sai daí.... MauMau, tá me ouvindo?

Jungkook odiava ter que escutar Jimin enquanto ele trabalhava pro MauMau. Ele ficava absurdamente aflito.

JM – MauMau, tem dois deles atrás do container. – Jungkook olhou o relógio, ele teria de ir dali em no máximo quarenta segundos pro cofre. – O Gwon vai sair de lado deles, você precisa tirar o gwon de lá agora... AGORA!

Jungkook não sabe porque fechou o olho. Sentiu um leve arrepio. Aquilo era absurdo. Era... agoniante. Mas bastou ouvir a voz seca do Jimin pra despertar.

JM – Estou off... Jungkook, vai agora!

Ele abriu o olho e focou nos três.

Pegou a bomba de gás que tinha na mochila, retirou o lacre e jogou à esquerda dele, o mais longe que conseguiu.

Como era de se esperar, os três viraram pro lado da bomba e viram a fumaça subir. Imediatamente a isso, os três se armaram, e colocaram os narizes dentro da camisa.

Jungkook sabia que pra se defender do que poderia vir a ser o gás, os três retardariam o momento de avisar aos outros sobre o ataque pra se prevenir e não falariam nada. Apenas cobririam os rostos. Era a deixa dele.

Ele pulou num cano com os braços e deu um solavanco pra frente caindo exatamente Nas costas dos três.

O primeiro quando se virou, foi o mais fácil. Estava completamente indefeso.

Jungkook virou o braço dele pra trás, o fazendo urrar de dor, e usou ele de escudo pra se defender dos outros dois que viraram pra ele.

Mas Jungkook pegou a arma do que ele imobilizou, e usando o próprio braço dele, deu dois tiros certeiros, um no pé esquerdo de cada um.

Depois puxou o pescoço do outro mais pro lado e ele caiu desacordado no chão. Jungkook então investiu no segundo que segurava no pé gritando. Ele jogou a arma do homem pro lado, e tentou imobiliza-lo, mas o outro veio com tudo pra cima dele.

Jungkook pegou os dois braços ao mesmo tempo, deu uma cotovelada no rosto de um, que na mesma hora caiu, e depois pegou o outro e deu o mesmo golpe que deu no primeiro.

Ele parou pra olhar os três no chão. Pegou a escuta de um deles e colocou no ouvido esquerdo.

Estava mudo.

Enquanto pegava o do outro, Jimin voltou a falar.

JM – Cinquenta e um segundos. Três caras. Parece que você não perdeu o jeito!

Jungkook não respondeu. Percebeu que Jimin estava falando aquilo meio forçado o que meio que significava que do outro lado, as coisas não deviam estar bem.

Ele conectou o plug que Jimin deu a ele na estrada no cofre e se afastou colocando a escuta do terceiro homem no ouvido.

Os três estavam mudos.

JK – Estou descoberto aqui. Nenhum fone funciona Faz logo o que tem que fazer!

Jimin não retrucou. Agora Jungkook estava ainda mais nervoso. Olhava pros lados, enquanto pegava os três caras e colocava todos eles atrás de um monte de madeira.

Jungkook conectou o fone dele com Juan, desligando de Jimin.

JK – Juan, estou entrando.

JU – Estou indo!

...

CL – Só pega a rotatória a frente, entra nela de qualquer jeito.

AM – Esta cheio de carros Clara.

CL – Não tem tanto carro assim...

AM – QUER PARAR DE OLAHR O CMPUTADOR, E OLHAR PRA FRENTE?

CL – VOCÊ QUE OLHA PRA FRENTE AMANDA, EU OLHO A MERDA DO COMPUTADOR.

AM – ESTÁ CHEIO DE CARROS!

Clara num impulso de raiva, fechou o computador, olhu pra frente e viu o que Amanda viu. Ela pegou no volante, assustando a irmã, e deu uma fechada brusca no carro da esquerda.

AM – VOCÊ QUER MATAR A GENTE?

CL – PRA QUE CARALHO VOCÊ ESTÁ DIRIGINDO AMANDA?

A irmã não respondeu, apenas respirou fundo com muita raiva.

CL – Faz o que eu mando você fazer. Se fosse algo simples, eu tinha colocado o Jimin pra dirigir.

Foi quando as duas escutaram barulhos de motores indo atrás delas.

Amanda olhou o retrovisor, e Clara virou o rosto pra trás.

AM – Ah, conseguiram mesmo me abusar.

Clara virou pra frente, rindo escondida.

AM – Como assim, colocaram dois Porshes pra vir atrás de um Lamborguini?

CL – Temos exatamente, dezoito minutos pra chegar no galpão.

Amanda acelerou ainda mais o carro, e foi costurando os carros à frente. Virou a esquerda, pegando a quarta faixa e indo parar na frente de um Voyage. Um simples Voyage, que na via expressa chegava aos 120 quilômetros por hora.

Clara olhou o seu retrovisor. Viu o Porsh prata acelerando ela direita.

Ela abriu novamente o computador.

Pelo GPS, elas pegariam trânsito, em cerca de dez minutos perto da rotatória, a não ser que mantivessem uma velocidade constante...

CL – Se conseguir ficar acima de 150km por hora pelos próximos cinco minutos, o computador diz que podemos fugir do trânsito na rotatória lá embaixo...

AM – Já está transito por lá, mas não vou discutir com você.

Clara apenas olhou o velocímetro da irmã. Estava em quase 170km por hora. Então voltou olhar pra frente.

Os carros começavam a competir com caminhões. As vias expressas saindo do centro, eram bem movimentadas de cargas pesadas.

CL – Os caminhões...

AM – Já saquei.

Amanda virou o carro rápido, voltando pra terceira faixa da direita e mais uma vez acelerou. Os caminhões não tinham permissão pra passar de 100km por hora, o que facilitava ela costurar, e usar deles pra se esconder dos dois atrás. Mas eles conseguiam de alguma forma, pensar igual a Amanda, e nunca os perdiam de vista.

AM – O do seu lado realmente dirige bem!

CL – Ele vai perder você de vista por uns dez segundos...

AM – É, mas o caminhão está muito devagar. Não vou conseguir despistar pela dirita. Se eles conseguirem chegar na dotatória junto com a gente, vamos ou ficar presos nela juntinho, o que pode ser bem perigoso com um carro sem blindagem, ou vamos acabar levando os dois carros com a gente pro galpão, o que pode acabar com os planos de fuga...

CL – As probabilidades de tudo isso eu já sei. Apenas dê um jeito de fazer o caminhão aumentar a velocidade dele.

AM – Você me pede cada coisa...

Amanda foi mais uma faixa pra direita e desacelerou de leve, até uma carreta vermelha ficar com a cabine ao lado exato dela.

Clara olhava pra trás pra ver os Porches. Um carro impedia os dois de ficarem lado a lado, mas ao diminuir a velocidade, o da direita se aproximava delas.

Amanda baixou o vidro do carro e começou a buzinar.

AM – Reza pra ele gostar de carros esportivos. – Ela voltou a buzinar, e Clara encostou a cabeça no banco pra a irmã tomar de leve a frente e mostrar o rosto no virdro dela. Em menos de cinco segundos, o motorista da carreta baixou o vidro dele. Era asiático e olhava pras duas um tanto admirado.

Amanda fez um três com os dedos e apontou pra frente.

Clara não entendeu nada, apenas olhava pra frente rezando muito pra aquela coisa esquisita dar certo.

O motorista da carreta deu um meio sorriso pra Amanda e fez sinal de ok com os dedos. Depois começou a rir e fechou o vidro.

Amanda fechou o vidro de Clara, e começou a alongar o pescoço.

AM – Já apostou corrida com uma carreta carregada?

CL – Claro que não! – Ela voltou a olhar o retrovisor, o porsche estava a três carros de distância, com apenas um carro físico a frente de chegar nelas.

AM – É legal! – Amanda falou e assim que passaram em cima de um viaduto, ela desacelerou de vez, e Clara viu o caminhão começar a acelerar e o carro atrás dela frear bruscamente, forçando o Porshe a fazer o mesmo e o transito logo atrás delas começar a complicar por causa disso.

CL – AMANDA...

Então quando o caminhão já estava numa distância considerável, Amanda apertou opé, e o Lamborguini deu uma arrancada tão brusca que Cara teve que segurar o computador com força pra ele não voar.

Em menos de cinco segundos, ela chegou no caminhão, e em outros quatro, estava a frente dele, e acelerando ainda mais pra frente indo de volta pra faixa mais à esquerda. Passou dois carros mais lentos, e depois foi pra faixa da ponta esquerda.

Desceu com o carro ainda em alta velocidade, até chegar na parte debaixo da via expressa, e entrou de vez na rotatória enorme.

Clara sentia o corpo ser jogado pra cima da irmã enquanto ela dava a volta na rotatória e alta velocidade. Ela nem conseguia respirar olhando as coisas voarem do ado de fora.

Até que o percurso terminou, e ela voltou a acelerar pela esquerda, saindo da via expressa e entrando na área do porto.

AM – Olha só, bem que você disse que estaria vazio!

Clara estava tão sem ação que nem conseguiu responder, apenas arregalou os olhos pra frente.

...

Jungkook estava com o ouvido colado no cofre. Fazia absolutamente tudo o que Jimin pedia, mas agora era algo com ele.

JM – Assim que ouvir o clique, você aperta no número 1.

O dedo dele estava em cima do número em questão, mas até agora, o que ele ouvia, apenas eram coisas de sua imaginação, e ele estava errando todas as vezes.

JM – Você só tem mais uma chance. Do contrário vamos ter que refazer todo o processo. Se concentra.

Jungkook respirou fundo. Colocou o dedo no número 1 e fechou os olhos. Limpou o máximo que pode de pensamentos, e parou pra prestar atenção no que estava fazendo. De novo.

O aço frio do cofre batendo firme em sua orelha. Ele segurou a respiração. Talvez aquilo o ajudasse a ouvir o ruído correto.

Ele sentiu o tempo passar. Jimin não falava mais nada. Das outras vezes ele dizia pra ele ficar calmo. Pra afinar a audição. Mas dessa vez ele não falou anda.

E de repente ele pode jurar, que ouviu um estalinho, como de um bipe super agudo, mínimo, soar em seu ouvido e automaticamente, instintivamente, ele apertou o dedo na tecla que estava colada nele.

Na mesma hora Jungkook olhou pro cofre absurdamente esperançoso. Ele não tinha o dom pra ser pessimista.

E quando o cofre começou a se mexer, ele sentiu o coração soltar.

JM – Admite pra mim, você estava pensando em Clara nas outras vezes!

JK – Na verdade, estava pensando em como chutar a sua bunda com força quando isso aqui tudo terminasse!

Ele riu bobo pro cofre abrindo à sua frente.

JM – Até parece...

JK – Cala a boca, e me diz o que faço com esse pen drive!

JM – Achou a mala?

Jungkook começou a olhar ao redor. Estava olhando com afinco o lugar. O local estava cheio de coisas pequenas. Pequenas canastras. Cores distintas. Ele começou a olhar pra cima, e bem em cima de um tipo de estante pequena, estava uma mala. Igual a dela.

Ele correu e pulou.

Pegou a mala. Era tão pesada quanto a dele. Ele nem lembrava do peso.

JM – Pegou?

JK – Ta comigo.

JM - Coloca o pen drive na abertura da esquerda. – Jungkook fez o que o irmão pediu, mas se sentiu meio idiota. Pela primeira vez ele se dava conta do que era usado antes. – Aperta o código no teclado. FF1F12 espaço CLMJK4EV

Jungkook fez o que ele mandou.

Então escutou passos do lado de fora.

JM – O programa esta entrando. Agora sai daí, e deixa i Juan fazer a parte dele.

Jungkook saiu do cofre, e bateu de frente com Juan na entrada.

JU – Esta aberto?

JK – Abrindo!

JU – Ótimo. – Ele passou por Jungkook. – Agora pega seu irmão e deem o fora daqui.

JK – Vamos esperar Clara no local planejado.

JU – Ela não vai se atrasar.

Jungkook começou a andar. Não sabe porque, mas sentiu alguma coisa naquela frase que não o agradou.

Enquanto andava pra saída do local, lembrou que Juan foi quem levou Clara à prisão quando ele estava lá, depois de andar pelado pela universidade.

Nunca tinha percebido antes, mas pela primeira vez, sentiu que ele talvez tivesse afeto demais por ela.

JM – Está pensando alguma merda?

JK – O que você sabe sobre esse Juan?

JM – Nada.

JK – Ele é de confiança?

JM – MauMau gosta dele.

Jungkook ficou quieto enquanto andava pelo caminho que ele mesmo abriu.

JM – Eu vou me organizar pra sair daqui em dez minutos.

JK – Te encontro em breve. Vou desligar.

JM – Ok!

Jungkook realmente estava preocupado. Jimin nunca desligava o áudio com ele. Sempre deixava ligado. Falando porcarias.

Estava acontecendo alguma coisa.

Ele pegou o celular e viu a hora.

Estava levemente adiantado. Cerca de dois minutos.

Então aproveitou e ligou pra o número que deveria ligar um pouco mais tarde apenas. Não podia ser ruim.

CL – Alô?

JK – Onde estão?

CL - ESQUERDA AMANDA... ESQEURDA.... AGORA VAI!

Jungkook sentiu o coração na mão quando escutou. Mas depois ouviu Amanda rir e Clara gargalhar. – HAHAHAHA UHUUUUUUU!

AM – Quem está no telefone?

CL – Jungkook!

JK – Clara, onde vocês estão? – Jungkook estava com pressa. Começou a olhar o relógio apressado.

CL – Aconteceu alguma coisa Jungkook?

JK – Só me responde!

CL – Estamos prontas pra deixar o lamborguini no local da entrega.

JK – Já chegaram lá? – Jungkook olhava pros lados. Subiu uma pilha de caixas de madeira fechadas e ficou lá em cima. Tinha um visão boa do local onde Jimin apareceria pra se encontrar com ele.

CL – Sim. Já estamos chegando chegando lá, mas porque...

JK – Coloquem os coletes assim que entrarem no carro. Está me ouvindo?

Clara Demorou pra responder a ele. Mas ele sabia que era porque ela estava digerindo a urgência na voz dele. Ele esfregou a testa e respirou fundo. Tinha que se policiar. Se ele desse a entender que tinha algo errado ela ia abrir o computador e descobriria.

CL – A gente vai colocar.

JK – TÁ!

CL – Jungkook!

JK – Hum? – Ele olhou ao redor de novo.

CL – Não se atrasa.

JK – Tudo bem!

Ele desligou. De alguma forma, estava tão preocupado que nem conseguia raciocinar. Definitivamente essa ideia de trazer Clara foi maior merda do mundo.

Se alguma coisa acontecesse a ela, ele não ia se perdoar.

JK – Eu acabo com vocês! – Ele falou sem nem entender o motivo direito de estar falando aquilo. Clara estava bem aparentemente. Não sabe porque merda começou a ter pensamentos tão negativos. Mas a raiva foi surgindo e ele só deixou tomar conta. Quando isso acontecia, depois de um tempo, Jungkook virava quase um monstro. Se ele precisava daquilo pra fazer as coisas saírem do jeito que queria, que fosse.

Ele virou mais uma vez pra a porta. Em dois minutos, Jimin apareceu correndo com a mochila nas costas.

Ele esperou o irmão chegar praticamente abaixo de onde ele estava e deu um pulo de cima de onde estava pro lado de Jimin, que deu um pulo pra trás com o susto.

JM - Mas o que... Jungkook! – Ele mirou o irmão e percebeu que Jungkook não estava bem. – O que foi?

JK – Escuta bem o que eu to falando. Vamos acabar com isso hoje, e amanhã voltamos pra Coreia. E assim que a gente chegar na Coreia, nós vamos atrás do Suga, do Jin e de quem quer que esteja por trás dessa porcaria toda!

JM – Espera ai, porque você ta assim?

JK – Porque a próxima vez que eu me sentir impotente, por causa deles, como eu fiquei quando vi minha irmã do dia do hangar, ou agora sem poder fazer nada pra tirar a Clara desse fogo cruzado, eu juro que vou ser preso por justa causa. Porque eu não vou ter piedade nenhuma de ninguém. – Jimin estava assustado olhando pra Jungkook. Não sabia o que falar. Não sabia porque ele estava assim, mas sentia que ele tinha culpa. – Se eu perder alguém do lado de cá, eu tiro três do deles!

JM – Para com isso Jungkook, você está se deixando levar...

JK – Escreve... o que eu to falando.

Jungkkook se virou.

Jimin foi andando atrás dele, quase correndo pra acompanha-lo.

Mas em sua cabeça ele sabia, que Jungkook estava daquele jeito porque desconfiava que algo tinha dado errado do lado de MauMau. E a culpa tinha sido dele, que deixou escapar alguma coisa.

JM – Elas estão vindo?

Ele não respondeu.

E então os dois escutaram barulho de pneu de carro e tiros na saída de cargas.


Notas Finais


Ele ta com raiva. Mexeram em quem tava quieto.
Jungkook tem um delay, mas qnd vem... segura o menino.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...