1. Spirit Fanfics >
  2. Uma louca em nossas vidas (One shot - Jungkook) >
  3. A louca (One shot)

História Uma louca em nossas vidas (One shot - Jungkook) - Capítulo 1


Escrita por: puppybunny

Notas do Autor


Olá coelhinhos, tudo bem com vocês? Espero que sim!

Bom, esse é meu primeiro perfil aqui no Spirit, massss eu já leio fanfic's há tempo, então eu já sou acostumada com esse mundo. Enfim, espero que gostem de mim e que nos demos bem 💜💜

Agora podem ler :)

Capítulo 1 - A louca (One shot)


 

Encarei o reflexo no espelho, e ele me mostrava uma menina nova, no auge de seus vinte e um anos, baixinha, com o corpo robusto coberto por uma blusinha branca e um shortinho jeans rasgado.

Normal, como sempre fui, e acredito que sempre serei, mas agora eu tinha um bônus.

Um bônus de quase 1.80cm de altura, pelo morena, com os cabelos negros, rosto perfeito, olhos de jabuticaba e sorriso de coelho.

Jeon Jungkook;

Só de lembrar dele, um sorriso se abre eu meu rosto, e sim, admito, sou completamente boiolinha por ele.

Saiu do quarto e vou até a sala, encontrando o moreno sentado no sofá, com o celular na mão e com uma expressão não muito agradável. Franzo o cenho preocupada e me aproximo dele.

 - tudo bem Jung?

Ele se assusta com a minha voz e bloqueia o celular jogando o aparelho no estofado ao seu lado, fez tudo aquilo de forma tão rápida que nem mesmo consegui acompanhar seus movimentos.

Aquilo me deixou ainda mais confusa.

 - N-nada, quero dizer, estou bem ____ não se preocupe.

Ele me respondi, se embolando um pouco nas palavras. Fico ainda mais intrigada, Jungkook não era de mentir pra mim, e sempre que tentava ficava nervoso, como agora.

 - Tem certeza? Você parecia tenso olhando o celular.

Ele estendeu o braço agarrando a minha cintura, e me fazendo sentar em seu colo.

 - Já disse Baby, está tudo bem. – Ele depositou um beijinho no meu pescoço, me causando arrepios. – Agora vou preparar o janta, tá?

Mesmo achando tudo aquilo muito estranho, confirmo.

 - Quer que eu te ajude?

Pergunto saindo de seu colo e me sentando do seu lado.

 - Não obrigado, você sabe muito bem que nós dois cozinhando juntos é um perigo.

Ele se aproxima de mim e me beija, um beijo leve e saboroso, como sempre. Sua língua invadi minha boca e eu solto um suspiro, agarrando sua nuca e arranhando de leve o local. Jungkook gemi na minha boca, agarrando com força minha cintura. Seguro em seus cabelos, afim de aprofundar o beijo, mas para a minha infelicidade ele se afasta.

Solto um resmungo baixo e ele ri.

 - Vamos continuar mais tarde, pequena. Agora vou preparar o jantar.

Ele se levanta e vai até a cozinha.

Eu e Jungkook moramos juntos a um mês, e namoramos à um ano. Optamos por morar juntos por causa da faculdade que ambos fazemos, ele de música e eu de Literatura e, claro, por causa do amor que um sente pelo outro.

Temos lá nossas divergências, e por conta disso, brigamos algumas vezes, mas sempre damos um jeitinho de fazermos as pazes.

Olho pro lado, vendo o aparelho repousado no estofado. Olho pra cozinha e vejo que Jungkook está concentrado em cortar os legumes. A curiosidade grita em minha cabeça e pego o celular desbloqueando a tela em seguida, vasculho as mensagens, redes sociais, galeria... Mais não encontro nada.

Franzo o cenho, ainda mais confusa.

Afinal, o que foi que deixou Jungkook tão nervoso?

 

[...]

 

 

 - Jungkook...

Gemo arrastado seu nome enquanto o sentia dentro de mim, movendo seu pênis em meu interior num ritmo rápido e forte.

Arranho as suas costas ao mesmo tempo que mordia meus lábios, descontado neles todo o prazer que fazia meu corpo arrepiar. Jungkook arfa no meu ouvido quando mordo seu pescoço, se movimentando ainda mais rápido.

Ele ergue a cabeça, me dando um beijo erótico e desajeitado por causa de nossos movimentos. Empurro seu ombro e monto em cima dele, Jungkook segura na minha cintura, me ajudando com os movimentos de sobe e desce.

Seu membro entrava e saia de mim, me levando as raias da loucura e me fazendo gemer cada vez mais alto. Afundo minhas unhas em sua pele, de olhos fechados e perdida no prazer que ele me proporciona. Ele, só ele, me enlouquecia.

Jungkook se aproxima de mim e morde meu pescoço

 - Vamos Baby, vamos, goze pro seu Oppa.

Sussurrou sedutoramente em meu ouvido e eu perdi o controle de meu corpo, uma onda de eletricidade me atravessou toda e me deixou trêmula em segundos, para em seguida relaxar em seus braços. Jeon também gemi arrastado, estremecendo e despejando seu liquido viscoso dentro de mim.

Saiu de cima dele, e me deito na cama com a cabeça apoiada em seu peito

 -Eu te amo, minha pequena.

 - Eu também te amo meu príncipe.

 

 

As aulas já haviam terminado e eu estava na biblioteca, lendo um romance que o professor escolheu para fazermos um pequeno trabalho, na verdade, era mais um relatório para ressaltarmos os pontos positivos e negativos da narração, do enredo, do tempo que aconteceu a história e etc.

Dou um pequeno pulo quando meu telefone começa a vibrar no bolso da minha calça, pego o aparelho e vejo que quem está me ligando é Kim Namjoon, amigo de infância de Jungkook.

Franzo o cenho e atendo.

 - Alô

 - Oi ______, tudo bem?

 - Tudo, e com você?

 - Mais ou menos, o Jungkook marcou de se encontrar comigo naquele café que ele sempre vai, mas não apareceu. Fiquei esperando quase uma hora e nada, liguei pra ele, mais só dá na caixa postal. Aconteceu alguma coisa?

Uma sensação estranha faz meu estomago afundar, estou com um péssimo pressentimento. Jungkook não era de faltar a compromisso nenhum, e se surgia algum imprevisto ele sempre avisava. 

 - Merda, vou embora pro apartamento, se eu chegar lá e ele não tiver lá vou ligar pra ele, qualquer coisa eu te aviso.

 - Beleza.

Desligo e recolho meu material rapidamente, saiu da biblioteca como um furacão e atravesso o campus quase correndo, com o sexto sentindo a mil. Alguma coisa tinha acontecido com ele.

Vou em disparada até nosso apartamento, quando chego, vasculho o local atrás de algum sinal do moreno, mais não encontro nada. Já estava pegando meu celular para ligar pra ele, quando percebo um pedaço de papel em cima da cama.

Engulo seco me aproximando dele e finalmente o pego em minhas mãos.

Olá, querida ____, devo confessar, odeio perder, não suporto mesmo, principalmente perder de você. Por isso, resolvi vim atrás do que é meu, isso mesmo querida, vim atrás de Jeon Jungkook que nunca deixou de ser meu. Espero que agora curta a sua solidão, tanto quanto curti a minha.

Beijos

De: Hyosung

No final da carta, eu já estava chorando, completamente desesperada. Hyosung era uma ex namorada do Jungkook que nunca aceitou o fim do namoro, principalmente quando descobriu que ele havia rompido com ela pra ficar comigo. E o pior de tudo, é que ela é uma louca psicopata capaz de fazer qualquer coisa.

Jungkook corria risco de vida e eu tinha que ajudá-lo.

Pego meu telefone e ligo para o Namjoon, ele atende no primeiro toque.

 - E aí?

 - Ela o sequestrou Namjoon, Hyosung sequestrou o Jungkook.

Falo desesperada, atropelando um pouco as palavras.

 - Merda, estou indo pra aí agora, não saia de casa.

Assim ele desliga o telefone, fico ali no quarto chorando, desesperada e com medo do que aquela psicopata é capaz de fazer com o meu príncipe.

Eu amo Jungkook e não sei viver sem ele.

A campanhia toca e eu pulo da cama, corro até a porta encontrando o moreno de sorriso de coração do outro lado, acompanhado de mais dois rapazes.

 - Jimin e Hoseok insistiram em vir. Como você sabe que foi ela?

Estendi a carta até ele, depois de ler, Namjoon amassa o canto do papel quase o rasgando, tamanha era sua raiva.

 - Mais que filha da puta, por que ela fez isso com ele?

Nam diz totalmente desnorteado.

 - Vingança, ela nunca aceitou o termino do namoro e principalmente o fato de Jungkook ter preferido ficar comigo. Por favor, Nam, me ajuda a encontrá-lo, só Deus sabe o que ele deve estar passando nas mãos daquela maluca.

 - Sim claro, vamos.

Saímos do apartamento e rapidamente descemos até o hall, e só então noto que o Hoseok levava uma garrafa de água. O olho questionador.

 - Para o caso de demorar para encontrarmos... – uma angustia atravessa meu corpo e acaba se revelando em meu rosto, ele logo completa. – Não estou dizendo que não vamos encontrá-lo _____, é só que eu sou um homem prevenido.

Confirmo com um leve aceno, e mesmo não admitindo, eu sei que existe uma porcentagem de chance de não o encontrarmos. E só tal pensamento me causava um aperto em meu peito.

Entramos no carro e Nam logo dá partida. Vasculhamos praticamente a Seoul inteira, e nenhum sinal de Jungkook ou de Hyosung.

Decidimos parar num posto para abastecemos e eu desci do carro, me aproximando de um frentista e lhe mostrando a foto de Hyosung.

 - Você viu essa mulher por aqui?

 - Vi sim, ela parou aqui para abastecer pela manhã e pediu um galão de gasolina.

Meu estomago afunda em ouvir aquilo, gasolina extra, isso não me soa nada bem.

 - E você viu pra onde ela foi?

 - Ela foi para aquela direção, - ele apontou para o meu lado esquerdo, para estrada que saía de Seoul. – Depois não vi mais o carro.

 - Você sabe me dizer a marca do carro?

 - Hmn, era um modelo antigo, não sei dizer a marca, e era da cor preta.

 - Okay, obrigada pela informação.

Faço uma reverencia e ele faz o mesmo, me afastou e entro no carro.

 - Então?

Jimin me pergunta esperançoso.

 - Ela saiu de Seoul, passou aqui para abastecer e comprou um galão de gasolina. O rapaz me disse também o modelo do carro.

 - Ótimo, já é uma excelente pista.

Ele dá partida e pegamos a estrada. Aquilo já era um começo, mas mesmo assim, ainda não fazíamos idéia de onde Hyosung se enfiou. Não sabemos se ela pegou alguma outra estrada, se parou em alguma casinha qualquer, se já voltou pra Seoul... Tantas questões estava começando a me deixar angustiada e com dor de estômago.

 - Calma ____, vamos encontrar o Jungkook, não se preocupe.

Jimin fala, tentando me acalmar.

Continuamos andando, o céu já estava totalmente escuro, e nada de encontramos ele. Senti minha garganta travar, lágrimas já queimavam meus olhos e desciam pelo meu rosto, à essa altura eu já estava pensando o pior.

 - Estou notando algo mais a frente, espera.

A voz de Nam me tira dos meus devaneios melancólicos, só para preveni ele desliga os faróis do carro, e vai se aproximando devagar. Limpo meus olhos afim de enxergar melhor. E vejo que paramos na esquina de uma outra estrada.

Percebo um carro parado, aparentemente ligado. Aperto mais meus olhos, tentando ver melhor quando percebo uma mulher parada um pouco atrás do veiculo. Ela estava de costas pro carro e parecia encarar algo que estava em suas mãos, quando ela ergue o rosto eu finalmente a reconheço.

Hyosung

Saiu do carro a tempo de vê-la ligando um isqueiro e jogando atrás dela, fazendo o chão atrás dela pegar fogo na hora.

 - NÃO!!!

Grito correndo na direção do carro, Hyosung se assusta com a minha presença, felizmente Namjoon é mais rápido e segura ela. Hoseok rapidamente abre a sua garrafa e joga toda a sua água no pequeno trilho de fogo que ameaçava se aproximar do carro.

Corro até o veiculo e me deparo com Jungkook no porta-malas, com as mãos amarradas e com um pano preto tampando seus olhos. O moreno tremia de frio e de medo, totalmente acuado e assustado.

Meu coração aperta com a cena.

Toco em seu rosto e o mesmo tem um pequeno sobressalto.

 - Shiuu, calma JK, sou eu, a _____, está tudo bem agora.

 - ______...

Seu corpo relaxa assim que escuta a minha voz, lagrimas de felicidade escorria pelo meu rosto. Finalmente o havia encontrado.

Tiro a venda de seu rosto, ele pisca um pouco até finalmente focar em meu rosto. Um sorriso lindo ilumina seu rosto. Passo novamente a minha mão em seu rosto, não conseguindo conter a minha alegria por ter o encontrado bem a tempo.

Tento soltar suas mãos mais não consigo, olho pra trás chamando o Jimin e o mesmo corre até mim, me ajudando a desamarrá-lo.

 - Não, Jungkook é meu, ele não pode ficar com você, NÃO PODE.

Hyosung grita na minha direção e eu me viro para encará-la. Não conseguindo me conter, me aproximo dela.

 - Seu? Seu? SEU GAROTA? Você tem noção de que quase o matou? Ou melhor, de que ia matá-lo se a gente não tivesse chegado? Isso não é amor, isso é doença, você é doente garota. Psicopata, louca, que quase o matou. Sua vadia.

Não consigo me segura e dou um tapa bem forte no rosto dela, fazendo seu rosto virar pro lado. Ela tenta avançar em mim, mais Nam e Hoseok segura em seus braços, a impedindo de tocar em mim.

Me viro e vou até Jungkook, finalmente em pé e solto. Ele sorri pra mim e eu o abraço.

 - Fiquei com tanto medo de te perder.

Murmuro contra seu pescoço, sentindo sua roupa úmida – provavelmente de gasolina – contra meu corpo, mas não me importo, Jungkook está a salvo e isso é o mais importante. Ele circula minha cintura, me apertando forte.

Ainda podia ouvir Hyosung praguejando, me xingando, mas não conseguia mais prestar atenção nela – e nem queria – para mim a única coisa que importa é que meu príncipe está nos meus braços de volta.

Seu rosto se aproxima do meu e ele me beija, calmo e lento, um beijo recheado de saudade e principalmente, de alivio. Luzes focam em nossos rostos, e eu me separo dele para olha pra trás, vejo dois carros da policia chegando onde estávamos.

Cerca de seis policiais descem do carro e se aproxima de nós, dois deles algemam Hyosung que esperneia e não aceita ser presa.

 - Diga a eles Jungkook, diga a eles que eu nunca faria mal a você, que eu te amo, que fiz tudo isso por amor. Diga.

Ela diz desesperada ainda se debatendo. Olho pro Jungkook e o mesmo encarava Hyosung com um olhar de desprezo.

 - Eu nunca mais quero olhar na tua cara Hyosung, a única coisa que eu sinto por você agora, é desprezo.

Ela se desespera ainda mais se debatendo, mas os policiais são mais forte e conseguem levará até o carro. Uma policial se aproxima de nós.

 - Você terá que comparecer a delegacia para fazer o Boletim de Ocorrência. Okay?

 - Sim senhora.

Jungkook me encara e eu confirmo.

 - Vou com você.

 

 

 - O que tanto pensa, JK?

Pergunto a ele, ambos deitados na cama um de frente pro outro. Passo a mão em seu rosto, tirando alguns fios de sua testa.

 - Estou pensando na Hyosung. – minha mão para na hora e ele logo percebi meu desconforto. – Não é isso que você está pensando, não estou pensando nela, estou pensando no amor que ela diz sentir por mim. Quero dizer, até que ponto uma pessoa é capaz de chegar apenas por amor?

 - Quando se é mesmo amor de verdade somos capazes de fazer qualquer coisa. Agora o que ela senti por você não é amor, é doença, uma obsessão. Ela chegou ao ponto de quase te matar, apenas por que você está comigo e não com ela.

 - Você seria capaz de matar por minha causa?

 - Por você eu mato e morro, mais sou capaz de abrir mão de você, se por acaso encontrar outra mulher e se apaixonasse por ela. Quando a gente ama, só quer ver a pessoa amada feliz, mesmo que a felicidade dela não esteja com a gente.

 - A minha felicidade estará sempre com você, eu te amo minha pequena.

 - Eu também te amo, meu coelhinho.

 

 

***FIM***

 


Notas Finais


Apenas uma one shot para vocês me conhecerem e eu entrar na turminha de escritores 🥰🥰🥰🥰
Espero que tenham gostado e até uma próxima história, beijos coelhinhos 💜💜


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...