1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Luta Pelo Poder >
  3. Ela é uma diaba!

História Uma Luta Pelo Poder - Capítulo 4


Escrita por:


Notas do Autor


Olá prins! Boa leitura💕

Capítulo 4 - Ela é uma diaba!


Fanfic / Fanfiction Uma Luta Pelo Poder - Capítulo 4 - Ela é uma diaba!


Narração -Margot-



Annie só chegou de manhã, ela havia dormido com o tal Josh, mas segundo ela ficaram só nos beijos. Contei a ela e a Tyler sobre o episódio da praça e o que aconteceu na balada, eles ficaram surpresos mas não pararam de me zoar por quase beijar o cara que sempre abominei. 


Fala sério! Eu só estava tentando arrancar alguma informação dele.


Estávamos tomando café da manhã na cozinha, quando meu celular toca. Era Edward.


- Oi Ed! - Atendo sorridente


- Oi Mah. Tudo bem?


- Tudo sim e com você?


- Estou ótimo. Tenho uma notícia maravilhosa para te dar! - Falou empolgado.


- Que maravilha! Pois diga-me.


- Adivinha quem foi vista usando jóias da Shiny's?


- Quem?


- Michele Obama. - Vibrou do outro lado da linha.


- Oh meu Deus! - Tampo a boca com as mãos, surpresa.


- Pois é, foi publicado agora pouco no jornal da manhã. E adivinha o que mais?


- Tem mais? - Perguntei ainda em choque.


- Tem sim... - Fez suspense


- Diz logo, Edward! - Pedi nervosa e ele riu.


- Acabamos de entrar em contato com um dos representantes dela e ele nos informou que ela adoraria fechar contrato conosco. 


- Não! - Indaguei sem acreditar.


- SIM! Pelo visto ela vai fotografar para a capa de uma revista e quer usar os nossos produtos.


- Ed, isso é incrível!


- É sim, estou chegando na empresa e já digitarei os contratos.


- Ótimo. Me mande todos por e-mail que eu vou analisar, esses documentos tem que estar impecáveis.


- Mando sim, chefe. - Nos despedimos e eu desliguei o telefone.



- O que houve? - Perguntou Tyler, que estava ajudando Pietro a comer.


- Michele Obama vai posar para a capa de uma revista com nossas jóias!


- Meu Deus, isso é perfeito amiga! Essa mulher é uma enorme influência. - Annie se aproximou me abraçando.


- Parabéns, Mah! Você merece. - Tyler também me abraçou.


- Obrigada gente. Estou tão feliz! Vou para o escritório, preciso que tudo esteja perfeito. - Levantei e peguei uma xícara de café. - Até mais tarde.


- Até. - Respondem juntos.


- Tchau, meu amor. Tenha uma boa aula! - Dei um beijo na testa de Pietro. Logo Tyler o levaria para o curso de Espanhol.


- Tchau tia.


Fui para o escritório e comecei a trabalhar, eu teria muito o que fazer...





Narração -Michael-


Acordo e me arrumo para ir a empresa, saio do quarto e sigo para a cozinha. A babá já havia acordado minha filha e estava lhe dando café da manhã.


- Bom dia, Debbie.


- Bom dia, senhor Jackson. - Sorriu timidamente.


- Bom dia meu amor! - Me aproximo da minha filha e lhe dou um selinho.


- Bom dia papai.


Tomo café com elas e rumo para o trabalho.



...



Chego na empresa e vou direto para a minha sala, minha cabeça está latejando pela vodka que bebi ontem.

Sento na minha mesa e logo minha secretária entra com alguns papéis em mãos.


- Bom dia, chefe. - Saudou sorrindo.


- Opa, bom dia. - Sorri a olhando de cima a baixo. 



Que delicia, meus amigos



- Bom, aqui estão alguns contratos que eu analisei, preciso que o senhor dê a sua opinião - Colocou em minha mesa e eu assenti. - Ah! Também recebi esse envelope do Sebastian, pelo que ele disse é algo que o senhor precisa ver.


- Certo, obrigada querida. Você é sempre muito eficaz. - Mordo os lábios a encarando.


- Não há de quê. - Ela diz sorrindo e se retira.


Eu e ela já nos envolvemos, se é isso que querem saber. Mas nada demais, coisa de momento.


Olho para o envelope que Sebastian me mandou. Por que ele não veio até aqui me dizer o que queria? Ou sei la, que pelo menos mandasse um torpedo.


Decido abri-lo antes de começar a analisar os contratos, então assim o faço e encontro um pedaço de jornal dentro, pego o mesmo e analiso. Nele, Michele Obama está em frente a uma mesa com as mãos no queixo.


Ok, mas por que ele quer que eu veja isso? 


Olho a descrição da matéria e então entendo tudo.


"Michele Obama é fotografada usando um anel da coleção 'Heavelyn' da renomada Shiny's Enterprise. Fontes próximas a Obama afirmam que a mesma pretende fechar contrato com a joalheria para seus próximos trabalhos. Pelo visto nossa primeira dama e a grande empresária Margot Williams trabalharão juntas muito em breve. Mal podemos esperar para o que está por vir" 


- Não acredito! - Olhei embasbacado para o jornal. 


Logo Sebastian adentra minha sala.


- E aí cara, já viu o que te mandei? - Pergunta sentado-se a minha frente.


- Infelizmente. - Coloquei o jornal na mesa e lhe encarei. - Por que essa diaba sempre consegue tudo? Ela nem mostra a porcaria da cara.


- Nem eu sei, meu amigo. Essa mulher é um mistério, o que só me instiga mais. - Sorriu, mordendo o lábio.


- Credo! Ela deve ser horrível, por isso nunca apareceu. - Dei risada.


- Ah, vai ver ela só quer privacidade. 


- Por que ela iria querer privacidade? - Perguntei, colocando os cotovelos na mesa e apoiando o queixo nas mãos.


- Ué, para se ver livre dessas fofocas diárias. Você mesmo vive com a cara por aí, falam de você o todo tempo, não sei como aguenta isso. - Recostou na cadeira.


- Eu adoro tudo isso. Sou conhecido e estou sempre na boca do povo, isso só aumenta meus lucros e faz com que minha empresa fique mais famosa.


- É, mas pelo visto a "diaba" não precisa aparecer para ter a empresa mais famosa que a sua. - Riu.


- Cala a boca! - O fuzilei com os olhos.


- Cara, você esconde a própria filha! - Me olha incrédulo.


- É por segurança! - Reviro os olhos. - Não quero que fiquem de olho na minha pequena. E é o que vai acontecer se souberem de quem ela é filha. Imagina, a coitada com apenas 5 anos ter que andar para cima e para baixo com um segurança, até mesmo na escola. Não quero isso para ela, não seria uma infância normal. - Balanço a cabeça negativamente.


- Viu? - Me encarou - Agora entende por que ela deve se esconder?


- É, até que faz sentido. - Refleti um pouco. - Será que ela tem filhos? - Perguntei curioso.


- Pode ser que tenha até marido! - Deu risada.


- Essa diaba consegue ser misteriosa, instigante e...


- Mais rica que você! - Gargalhou.


- Vai a merda! - Esbravejei e ele riu mais. - Não da para conversar com você. Sai da minha sala vai. - Apontei para fora e ele levantou as mãos em rendição.


- Estava só brincando. - Para de rir. - Embora seja verdade... - Diz baixo.


- O que disse? - O encarei.


- Nada. Mas e aí, o que pretende fazer?


- Eu realmente não sei... Já tentei de tudo para essa mulher fechar contrato comigo e nunca deu certo.


- Também, você exige que conversem pessoalmente.


- Mas é claro! Como vou fechar contrato com alguém sem ver o rosto da pessoa? 


- Ela tem representantes que cuidem de tudo para ela, não teria importância não olhá-la nos olhos. - Disse despreocupado.


- É meu caro, mas comigo não funciona assim. - Sorri lascivamente.


- Então vai continuar sem fechar negócio. Porque a mulher não mostrou o rosto em 10 anos e não vai ser por você que ela vai mostrar. Tenho certeza que ela não precisa disso. - Debochou e o olhei incrédulo.



Mas que filho da puta!



- Sério, sai da minha sala. - Apontei novamente para a porta. Dessa vez ele se levantou e saiu, ainda rindo.


Fiquei pensando sobre o que ele disse. Será que ela só se esconde por privacidade?

Bom, se ela não for mãe, não vejo por quê prezar tanto por isso.


Ligo para Mark, meu empresário, e peço para que venha até minha sala. Eu preciso tentar entrar em contato com essa mulher ao menos mais uma vez...





Narração -Margot-



Depois de analisar os contratos pelo computador, decido ir á empresa conversar com Ed pessoalmente. Chamei Tyler e fomos em direção á Shiny's.



...



Entro na sala de Edward e percebo que ele está ao telefone, então sento em frente a sua cadeira e já começo a analisar alguns papéis que tem em sua mesa.


- Mas senhor, eu já lhe expliquei que a senhorita Williams não trata pessoalmente dos assuntos da empresa. 


Parei o que eu estava fazendo e passei a prestar atenção no que Ed falava ao telefone.


- Mande o senhor Jackson ligar ele mesmo para nós, assim eu consigo negar a oferta para o próprio.




Michael! Eu sabia.




- Me dê o telefone, Ed. - Falei seriamente.


- Tem certeza, Mah? - Disse tampando o telefone com a mão.


- Tenho sim. - Levantei e ele me entregou o aparelho.



- Alô? Tem alguém aí? - Escuto a voz dizer do outro lado da linha.


- Tem sim. - Respondo, tentando manter a calma.


- Quem está falando?


- Margot Williams, é um prazer. - O homem ficou mudo. Apontei para o outro telefone que havia na sala, indicando que era para Edward ouvir a ligação por ele e assim ele fez.


- Ma-Margot Williams? - O homem parecia atordoado.


- Isso mesmo. E o senhor, quem é?


- Sou Mark Smith, empresário de Michael Jackson.


- E a que devo a honra de sua ligação, senhor Smith?


- Bom, o senhor Jackson mandou eu lhe perguntar se já foram analisadas todas as propostas.


- Ah sim, pois diga ao senhor Jackson que as propostas que ele nos fez já devem estar dentro de um caminhão de lixo, pois todas foram jogadas fora depois de eu mesma tê-las rasgado. - Digo calmamente e Edward tampa a boca para não rir.


- Como? - O homem pergunta, parecendo não acreditar.


- Isso mesmo que ouviu. Ah! E só mais uma coisa... - Ele espera minha resposta. - Vai á merda! - Bati o telefone no gancho e saí da sala a passos rapidos.



Edward veio atrás de mim.



- Mah, tá tudo bem? - Parei em frente a maquina de café e ele tocou meu ombro.


- Está sim, só estou nervosa com tudo isso. Qual é a desse cara e por que ele não nos deixa em paz?


- Pelo visto ele cismou com a Shiny's.


- Conheço o tipo dele, tem tudo que quer facilmente, quer ser o maioral o tempo todo. Ele sabe muito bem que a Shiny's é a maior empresa dos Estados Unidos, uma das mais renomadas da América. Para ele, é como um desafio e ela seria sua maior conquista.


- Faz muito sentido, talvez queira aumentar o ego.


- Exatamente! Mas eu jamais permitirei isso. Ele que espere sentado. - Peguei uma xícara de café e voltei para a sala.


Já estava cansada desse cara!





Narração -Michael-



- Ela desligou. 


- Como assim ela? Não era um homem? - Pergunto confuso.


- Não, era a Margot Williams. - Diz com cara de assustado.


- Que? - Começo a rir - Até parece. - Ele permanece sério, me encarando. - Espera, era ela mesmo? - Ele apenas confirma com a cabeça.


Pego rapidamente o telefone da sua mão e coloco na orelha.


- Alô? - Pergunto, mas só escuto o "Pi" do outro lado. - Mas que merda! - Esbravejo e soco a mesa. - Tem certeza que era ela? - Coloco o telefone no gancho.


- Foi o que ela falou.


- E a voz? Diga, como era a voz dela?


- Eu não sei. - Ele diz nervoso - Era uma voz feminina.


- Ah, jura? - Revirei os olhos. - Seja mais específico, Mark.


- Eu não sei, tá legal? Estou nervoso. - Puxa a cadeira em frente a minha e se senta.


- Mas que droga Mark! - Balancei a perna freneticamente. - Não acredito que você teve a oportunidade de falar com essa mulher e fez essa merda.


- Merda foi pra onde ela mandou eu ir! - Cruzou os braços e se encostou na cadeira, emburrado.


- O que?


- Isso mesmo. Ela disse quem era, perguntou meu nome, me mandou a merda e desligou na minha cara. - Ele parecia arrasado. Soltei uma gargalhada e ele me encarou sério.


- Está triste por isso cara? Qual é, parece que nunca levou um fora de uma mulher. - Ri mais.


- Ela é a porra da empresária mais influente do continente. Te garanto que não é desse tipo de mulher que eu estou acostumado a falar e muito menos a ser mandando a merda. 


- Ah, por favor! Não vem com esse papinho, ela não é nada.


- Se não é nada, por que tenta tanto entrar em contato? - Arqueia a sobrancelha e me encara.


- Ah... nem eu sei. - Respiro fundo e penso um pouco. - Acho que seria algo bom para a empresa.


- Ah! E ela também disse que seus contratos estão no caminhão de lixo, pois ela os jogou fora.


- Mas o quê? - Encarei ele incrédulo. - Que mulher ousada! 


- Pelo visto ela não vai mesmo com a sua cara.


- Eu também não iria com a dela, se pelo menos soubesse qual é. - Ele riu. - Falando em Margot... - Me vem na mente uns flashes da noite passada - Eu conheci uma mulher com esse nome na balada ontem.


- E você suspeita que seja ela? - Me olhou esperançoso.


- Tss, claro que não! - Ri. - Ela era uma mulher comum, nem de longe parecia ser milionária. 


- E você acha que se Margot Williams sair na rua, ela vai esfregar na cara das pessoas seu dinheiro? Isso seria muita burrice, logo perceberiam quem ela era.


- Mas também não seria uma pessoa tão simples, essa mulher deve ser a maior nariz em pé da América, talvez nem more aqui. Vai por mim cara, a garota de ontem estava acompanhada de dois amigos e um deles ela teve que levar embora. Se fosse rica pelo menos um motorista ela teria né?


- É, faz sentido. - Ele assentiu. - Mas o que que deu com ela? 


- Ah, conversamos um pouco e eu passei meu número pra ela.


- E ela te ligou? 


- Ainda não. - Ele riu. - O que foi? Acha que ela não vai ligar?


- Não falei nada. - Levantou as mãos em rendição.


- Ao contrário de você Mark, eu nunca fui rejeitado. - Ele revirou os olhos. - A gata tava na minha. O único problema é que ela sabe da Alice. - Suspiro.


- Como? 


- Ela viu nós dois na praça ontem.


- Puts cara, que vacilo.


- Vacilo nada! Eu estava com a Hannah, ia ser aquele velho esquema. Caso alguém questionasse o por quê de eu estar com uma criança, eu diria que ela era filha da mulher que me acompanhava, o que não é mentira.


- Eu já lhe disse que isso vai acabar mal, você deveria assumir logo pro mundo que é pai.


- De jeito nenhum! Eu me coloco nesse mundo porque sei dos perigos e encaro eles, Alice é apenas uma criança. O pior é que ela disse para a Margot que eu era seu pai... 


- E aí?


- E aí que eu desmenti né, só não sei se ela acreditou. Estava levemente bêbada, talvez nem se lembre de mim.


- Deve ser por isso que ainda não ligou. - Deu de ombros.


- Ainda está cedo, mas caso ela não ligue até a noite, é com certeza por isso, meu caro. Nunca que ela me rejeitaria. - Sorri convencido.


- Você não muda né? - Rimos. - Bom, eu vou lá, qualquer coisa me chama.


- Ok


- Boa sorte aí com as suas duas Margots. - Deu risada e saiu da sala.


Que ironia! Duas mulheres com o mesmo nome, porém uma, é o verdadeiro inferno na minha vida, já a outra, é só a razão do meu libido na noite anterior.



...




Saio da empresa tarde de novo, mas dessa vez vou para casa. Quero ficar perto da minha filha mesmo que ela esteja dormindo.



...



Chego em casa e dispenso a babá, passo no quarto de Ali para lhe dar um beijo e vou para a minha suíte. Entro no banheiro, tiro minha roupa e ligo o chuveiro, deixando com que a água quente caia sobre mim. Estou exausto!


Ando trabalhando tanto, chega a ser desgastante e às vezes eu me pergunto o por quê. Por que eu me dedico tanto aos negócios? Por que minha vida se resume apenas a empresa e a Alice? 

Claro, minha filha é o suficiente para me deixar feliz, mas... Parece que há tanto mais para se viver além de trabalho.


Eu nunca abriria mão do meu dinheiro, disso eu tenho certeza. Esse é um dos motivos por eu trabalhar tanto. A minha vida está como eu sempre quis, tenho uma mansão incrível, uma coleção de carros de luxo, uma das maiores empresas da América, vivo rodeado de mulheres e sempre tenho as que desejo, posso comprar o que me der na telha a qualquer momento, tenho uma filha linda e saudável que, ao contrário de mim, pode viver tranquilamente pois ainda não foi descoberta e eu ainda posso dar a ela tudo que ela precisa e deseja. Além do mais, ela tem uma mãe maravilhosa e que tem uma relação incrível comigo, o que mais eu podia querer?


Embora não pareça, ainda me sinto incompleto. Parece que me falta algo, talvez por isso eu tenho tanta vontade de tomar posse ou pelo menos fechar negócio com a empresa da Margot Williams. Ela sempre foi melhor em tudo, seria meu melhor e maior investimento, a única coisa que eu ainda não conquistei. E talvez assim, eu finalmente me sentisse em paz e completo, talvez seja isso que esteja faltando...


Saio do banho e coloco uma calça de moletom, solto meus cabelos e me jogo na cama, logo já estou apagado.


Notas Finais


Beijinhos da Major✨


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...