História Uma luz na escuridão - Capítulo 61


Escrita por: e Kaue_84

Postado
Categorias Histórias Originais
Tags Comedia, Depressão, Drama, Ficção Adolescente, Original, Romance
Visualizações 4
Palavras 1.162
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Ficção Adolescente, LGBT, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Mutilação, Suicídio, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oii, mais um capítulo para vocês. Espero que gostem!

Capítulo 61 - "Você vai me amar mesmo eu sendo um caco?"


Fanfic / Fanfiction Uma luz na escuridão - Capítulo 61 - "Você vai me amar mesmo eu sendo um caco?"

Pov's Andy

[...]

Depois que o Kauê me deixou em casa, nós nos abraçamos e eu entrei. Subi as escadas deitei na minha cama e eu ainda estava sem acreditar no que havia acontecido, nos tinhamos nos beijado. Ele me beijou! Me lembro de sentir o tempo parar e sentir borboletas no meu estomago, fiquei alegre. Fiquei feliz!

Eu estava deitada na minha cama quando escuto meu pai me chamando na parte debaixo, desço as escadas rapidamente e o abraço

-Que coisa boa! Faz tempo que você não faz isso- Ele disse surpreso.

-Pai, eu tenho uma coisa pra te contar...

-Não dá pra contar amanhã? Cheguei cansada, o aeroporto estava cheio hoje- Ele disse colocando suas coisas em cima do sofá e afrouxando a sua gravata.

-Ah! Tá, amanhã eu conto, acho que tenho que deitar né? Está tarde e amanhã eu tenho aula- Eu disse cabisbaixa e subindo as escadas.

Eu tinha que contar pra ele sobre a minha ida ao psicólogo, eu sabia que não poderia deixar isso de lado, então voltei para a parte debaixo onde encontrei ele deitado no sofá e então eu disse:

-Não! Não dá pra deixar para amanhã.

-Então...Já que é tão importante senta e me conta- Ele disse, sentando no sofá.

-Pai... Eu fui no psicólogo e... Tive uma conversa com a minha psicóloga e ela disse que eu estou com Depressão- Eu disse segurando o choro, com muito medo da reação dele.

-Filha, pq você não me contou que queria ir? Eu teria marcado e ido com você- Ele disse calma chegando perto.

-Desculpa, eu...

Fui interrompida pelo abraço dele

-Vai ficar tudo bem! Sua mãe dizia pra mim dizer isso pra você sempre que estivesse triste- Ele disse me abraçando mais forte.

-Ela sabia como fazer as coisas ficarem boas

-Eu vou te ajudar tá? A partir de hoje você vai tomar as medicações e ir no psicólogo sempre que necessário- Ele disse me dando um beijo na testa- Agora acho melhor você ir deitar

-Também acho- Eu disse me levantando e indo rumo a escada- Ah e pai, obrigada!- Eu disse e subi.

[...]

Na manhã seguinte, acordei, me vesti e desci as escadas. Meu pai estava preparando o café da manhã, me sentei na cadeira e disse:

-Bom dia!

-Bom dia filha!- Ele disse colocando um sanduíche na minha frente- Eu vou ter que viajar amanhã, desculpa filha eu não queria, eu sei que eu deveria ficar com você e...

-Pai, eu vou ficar bem, não precisa se preocupar tanto, não precisa parar de viajar, fica pelo menos uns 4 dias seguidos em casa ou me acompanha em uma consulta e já me fará muito bem. Melhor ainda se o senhor parasse de beber- Eu conclui dando uma mordida no meu sanduíche.

Estavamos comendo quando recebo uma mensagem do Kauê dizendo que ele iria me dar uma carona, termino de comer e fico esperando na porta. Quando ele chega eu entro e falo:

-Oi! Tudo bom?

-Eai, tudo! Vamos?- Ele perguntou.

-Vamos.

[...]

Chegamos na escola e antes mesmo de nos dois sairmos do carro o Bruce entra senta do banco de trás e fala:

-George voltou! George Holt voltou!

Aquilo me deixou paralisada

-O Holt?- O Kauê perguntou.

-Espera! Você disse George Holt?- Perguntei nervosa.

-Sim! Pq você o conhece?- O Bruce perguntou.

-Eu tenho que ir, valeu pela carona- Eu disse ignorando totalmente o Bruce e saindo do carro.

Eu não poderia acreditar o George estava aqui, um dos caras que mais me fez sofrer. O cara que acabou comigo psicologicamente de uma forma inexplicavel. O cara que me traiu. O cara que me disse palavras que não consigo esquecer, aquele cara é meu ex namorado.

Eu não sabia para onde ir, eu não iria conseguir olhar na cara dele e o pior é que ele estava na minha escola. Fiquei encarando aqueles portões por um tempo e entrei, fui correndo em direção ao banheiro, entrei em um gabinete, e comecei a chorar de forma demasiada, tampei minha boca para tentar abafar o barulho e tentei me recompor, sai e fui lavar o meu rosto, logo vejo a Iris entrar no banheiro e tento disfarçar, porem não consigo

-Andressa? Esta tudo bem?- Ela perguntou tentando chegar perto.

-Está sim! Só não conta pra ninguém que você me viu aqui ta?- Eu disse pegando minha mochila e saindo deixando ela sozinha.

Eu sai do banheiro e eu estava indo para fora quando esbarro em alguém, era um garoto alto, negro e com cabelos cacheados, parecia ser novato

-Desculpa- Ele disse.

-Sem problemas, esta perdido?- Perguntei.

-Sim um pouco, você poderia me dizer onde fica a sala do diretor?

Eu apontei ele agradeceu e eu fui embora.

Eu não poderia ir para casa, meu pai iria perguntar e eu não sei como responder isso, então fui para o meu lugar de paz... Chegando lá, sentei no meu banco e comecei a desenhar, tentei desenhar o que eu sentia naquele momento, trazendo a sombra e a falta de esperança *capa*.O Kauê estava me mandando mensagens e me ligando, porém eu ignorei, eu queria aquele tempo so pra mim, eu queria pensar e refletir.

[...]

Depois de algumas horas, eu escutei alguém vindo, fiquei encarando com medo de ser algum garoto da escola, afinal a aula ja havia acabado e sempre tem uns atentados, o alivio bateu quando eu vi que era o Kauê porém ele não estava nem um pouco contente:

-Pq você sumiu do nada Andressa?- Ele perguntou um pouco bravo- Poxa! Eu fiquei preocupado, você não foi em nenhuma aula. Nenhuma.

-Desculpa eu precisava de um tempo sozinha- Eu disse olhando para ele, sentada no banco.

-Avisava, você não pode sumir do mapa sem dar nenhuma justificativa- Ele disse sentando do meu lado- Que desenho é esse?- Ele disse pegando o caderno que estava entre nos dois- Você que fez?

-Sim!- Eu disse olhando para o chão.

-Mano! Que perfeito e profundo...

-Eu queria fazer o que estava sentindo na hora, tristeza, falta de esperança e...

-Andressa eu ja falei pra você procurar ajuda- Ele me interrompeu- Isso não é normal, você não esta bem.

Eu sorri e ele perguntou:

-Pq você ta rindo?

-A frase "você não esta bem" foi a ultima coisa que você disse pra mim antes do seu acidente. Kauê, você amaria alguem com algum problema psicologico?

-O que isso tem haver?- Ele perguntou confuso.

-Amaria?-Eu insisti.

-Acho que sim

-Kauê, eu fui no psicologo ontem, tive uma conversa de mais ou menos duas horas, e a cada resposta que eu dava eu lembrava dessa frase, e eu realmente não estava e não estou bem.

-Onde você quer chegar com isso?- Ele perguntou confuso e chegando mais perto.

-Kauê- eu disse olhando para ele- Eu tenho depressão- Eu disse isso olhando no fundo dos olhos dele- E agora, você vai me amar mesmo eu sendo um caco?

Continua?


Notas Finais


Byeee


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...