1. Spirit Fanfics >
  2. Uma noite e nada mais - Jeon Jungkook. >
  3. 001 - escapar desse assunto.

História Uma noite e nada mais - Jeon Jungkook. - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


Voltei e já tô saindo.

Capítulo 2 - 001 - escapar desse assunto.



A mulher que estava sentada à minha frente neste momento era uma puta de uma mentirosa.

Usava um suéter cinza horrível e saia xadrez vermelha, os cabelos pareciam tingidos com lápis de cor. Não se parecia em nada com a mulher da foto on-line, em nada com a loira sorridente de seios bem desenhados,tatuagens de borboletas e lábios rosados e carnudos.Antes de eu ter combinado esse encontro, pedi, especificamente, três provas de veracidade das imagens: uma foto dela segurando um jornal estampando a data mais recente, outra mordendo os lábios e outra, ainda, segurando um papel com seu nome. Quando exigi essas três coisas, ela riu e disse que eu era “a pessoa mais paranoica do mundo”, mas cumpriu as exigências mesmo assim. Bem, pelo menos era o que eu pensava. Com exceção de lhe dizer meu nome verdadeiro (coisa que parei de fazer anos atrás), eu tinha sido completamente honesto e esperava o mesmo em troca.

– Bem, agora que estamos sozinhos... – De repente, ela sorriu, revelando uma boca cheia de pedaços de metal e borracha. – É bom conhecê-lo pessoalmente, JK. Como vai?

Não tenho tempo para isso.

– Quem é a garota na foto do seu perfil? – perguntei.

– O quê?

– Quem é a garota na foto do seu perfil?

– Ah... Bem, aquela não sou eu.

– Sério? Não brinca... – eu disse, revirando os olhos – Você contratou uma modelo? Usou um banco de imagens ou o Photoshop?

– Não exatamente – ela baixou a voz – Só pensei que, talvez, tivesse mais chances de você falar comigo se eu usasse aquela foto em vez da minha. Examinei-a novamente, percebendo dessa vez a estranha tatuagem de unicórnio em seus dedos e o ditado “O amor é cego” em seu pulso.

– O que você esperava que fosse acontecer quando a gente se conhecesse pessoalmente? – aquela merda toda era incompreensível para mim – Pensou no que aconteceria quando esse dia chegasse, quando eu descobrisse que você não era quem disse que era?

– Eu estava meio que esperando que você também tivesse mentido sobre a sua aparência – ela respondeu – Não imaginava que você fosse exatamente como está em seu perfil, sabe? Esta é a primeira vez que um cara do Date-Match diz a verdade. Acho que é um tipo de sinal.

– Não, isso não é nenhum tipo de sinal. – Balancei a cabeça. – E a modelo?Como conseguiu fazer alguém tirar todas aquelas fotos que pedi?

– Não é uma modelo; é a minha colega de quarto. – Seus olhos se arregalaram quando me levantei. – Espere um minuto! Todas as coisas que eu lhe disse por telefone eram absolutamente verdadeiras: tenho interesse em política e amo mesmo estudar Direito e acompanhar casos famosos.

– Em qual faculdade de Direito você estudou?

– Faculdade de Direito? – Ela levantou a sobrancelha. – Não, não é desse tipo de Direito que estou falando; falo do que vejo nos episódios de Law and Order e leio nos livros de John Grisham.

Suspirei e puxei algumas notas da carteira, colocando-as sobre a mesa. Játinha perdido muito tempo com aquela garota.

– Adeus, Charlotte.

Parti, ignorando o resto do seu pedido de desculpas.

No momento em que o manobrista entregou meu carro, pulei para dentro dele e acelerei.

Essa merda toda está ficando ridícula...

Já era a sexta vez naquele mês que isso acontecia, e eu não conseguia entender por que alguém se dispunha a mentir sobre a própria aparência se, depois, iria me encontrar cara a cara. Isso não fazia porra de sentido nenhum.

Aborrecido, comprei uma garrafa de uísque na loja do outro lado da rua e anotei mentalmente para bloquear essa última mentirosa em minha página Começava a sentir que havia esgotado todas as mulheres disponíveis para transar em Durham. Além disso, sentia que era hora de mudar de cidade e começar tudo de novo, pois os suores gelados de anos atrás haviam retornado e eu sabia que os pesadelos viriam a seguir.

Assim que pisei em meu apartamento, preparei três doses e tomei de uma vez. Depois, tomei outras três.

Peguei o telefone e verifiquei os e-mails do dia – clientes, mais convites do Date-Match para conversar e uma mensagem da loira sexy que me encontraria no próximo sábado.

O assunto da mensagem era “A chave é a honestidade, certo?”. Tomei outra dose antes de abri-la, esperando que fosse um convite para nos encontrarmos naquela mesma noite em vez de sábado, mas não era. Era a porra de uma carta.

Oi, JK.

Sei que deveríamos nos encontrar nesse sábado e, acredite, eu estava muuuito ansiosa por isso, mas preciso saber se você está interessado em mim por mim mesma e não pela minha aparência. Conheci um monte de caras assustadores aqui,porque eles simplesmente gostam da minha foto e, quando nos encontramos, só querem fazer sexo. Posso garantir-lhe que sou quem digo ser, mas estou procurando algo um pouco mais recompensador do que sexo casual. Não precisamos ter uma relação completa e explosiva ou nos envolver em um caso intenso, mas podemos pelo menos construir uma amizade primeiro, entende? Estou ansiosa para vê-lo; então, me diga se ainda estiver interessado em me conhecer.

Liz

Imediatamente cliquei em meu perfil e abri a janela “O que estou procurando”, certificando-me de que ainda estava escrito a mesma coisa: “Sexo casual. Nada mais, nada menos”.

Essa frase não estava lá de enfeite, e havia uma razão para estar em negrito.

Voltei à mensagem da mulher e respondi:

Não estou mais interessado em conhecê-la. Boa sorte para encontrar seja lá o que for que estiver procurando.

JK.

Ela respondeu em seguida:

Está falando sério? Será que não pode precisar de outro amigo?Não podemos ser “apenas amigos”?

Liz

Antes de bloqueá-la, rebati:

Nem pensar.

JK.

Outra dose desceu pela minha garganta, enquanto percorri o resto dos e-mails. Abri de imediato aquele que fora enviado pela única pessoa que eu considerava uma amiga nesta porra de cidade: _______

Assunto: pau desamparado

Bem, estou escrevendo para você neste exato momento porque acabei de pensar em quanta dor deve estar sentindo agora... Não conversamos sobre as suas transas há um bom tempo e isso me preocupa. Muito. Tipo, CHOREI por causa da sua falta de boceta... Lamento muito que tantas mulheres tenham te enviado fotos falsas e te causado um grave caso de inchaço nas bolas.

Estou enviando os links de uma loção top de linha, na qual acho que você deve investir nas próximas semanas.

Seu pau está em minhas orações,

_______

Sorri e escrevi uma resposta.

Assunto: Re: pau desamparado

Obrigado por se preocupar com o meu pau. No entanto, já que você NUNCA fala sobre transar, acho que “teias de aranha na boceta” deve ser uma doença muito mais grave. Sim, é verdade que várias mulheres têm me enviado fotos, mas triste mesmo é você nunca ter me enviado a sua, não é mesmo? Estou mais do que disposto a te enviar a minha e, finalmente, ajudá-la a curar sua triste e infeliz doença.Obrigado por colocar meu pau em suas orações, mas eu acharia melhor que o colocasse na sua boca.

JK.

Apenas isso já fazia a minha noite ficar dez vezes melhor. Embora não conhecesse sua triste e infeliz doença.

Obrigado por colocar meu pau em suas orações, mas eu acharia

melhor que o colocasse na sua boca.

JK.

Apenas isso já fazia a minha noite ficar dez vezes melhor. Embora não ______ pessoalmente e nossas conversas se restringissem a telefonemas, e-mails e mensagens de texto, eu sentia uma forte conexão com ela.Tínhamos nos conhecido por meio de uma rede social anônima e exclusiva, a LawyerChat. Não havia fotos de perfil nem qualquer atividade na linha do tempo, somente espaços para mensagens e uma pequena caixa na qual se podia colocar algumas informações (apenas o primeiro nome, a idade, o número de anos de prática e alguma outra característica que pudesse ser conveniente). Um logotipo no perfil de cada usuário revelava seu sexo.

Havia, ainda, a “garantia” de que todo usuário era advogado e tinha sido convidado pessoalmente. De acordo com os desenvolvedores do site, eles cruzavam as informações de cada advogado em exercício no Estado da Carolina do Norte com os registros de licenciamento da Ordem, de modo a garantir um sistema de suporte único e original.Para ser sincero, pensei que a rede era besteira e, se não fosse pelo fato de eu ter fodido algumas mulheres que conheci lá, talvez tivesse cancelado minha conta depois do primeiro mês.

Apesar disso, quando vi uma nova mensagem intitulada “preciso de conselhos”, enviada por uma tal de ______ foi irresistível tentar repetir meus resultados anteriores. Primeiro, li seu perfil – vinte e sete anos, bacharel em Direito há um ano, amante de livros. Depois, decidi seguir em frente.

Minha intenção era responder suas dúvidas jurídicas, conduzir a conversa lentamente para assuntos mais pessoais e, em seguida, pedir-lhe para criar um perfil no Date-Match para, enfim, poder ver como ela era.

Mas o fato é que ela não era como as outras mulheres.Enviava-me mensagens constantes e sempre mantinha a conversa no campo profissional. Como era uma advogada jovem e inexperiente, pedia-me conselhos sobre os temas mais simples: edição de peça processual,registro de alegação e apresentação de evidências. Depois de cinco longas conversas e uma cansativa sessão de três horas sobre ordem de despejo,resolvi pedir seu telefone, e ela negou.

Começamos a nos falar pelo chat do site.

– Por que não?

– Porque é contra as regras.

– Nunca conheci um advogado que não tenha quebrado pelo menos uma regra.

– Então você não deve ser um advogado muito bom. Vou procurar outra pessoa para conversar agora. Obrigada.

Antes que ela pudesse fechar a conversa, digitei:

– Você vai perder esse caso amanhã. Não tem ideia do que está fazendo.

– Ficou realmente tão chateado assim com o fato de eu não te dar o número do meu telefone? Quantos anos você tem, doze?

– Trinta e dois, e estou cagando para o número do seu telefone. Só pedi para poder ligar e dizer que a apresentação que você me enviou está cheia de erros de digitação e o argumento final parece ter sido escrito por um aluno do primeiro ano. Há muitos erros para sentar aqui e digitar.

– Minha apresentação não está tão ruim assim.

– Também não está tão boa assim.

Antes de sair do bate-papo, um número de telefone apareceu na tela e,embaixo dele, um curto parágrafo:

– Se for ligar para me ajudar, ótimo. Se for usar o telefone para me convencer a entrar em algum site de namoro depois, pode tirar o cavalinho da chuva. Entrei aqui exclusivamente para obter suporte profissional, só isso.

Observei aquela mensagem longa e arduamente, considerando se deveria ajudá-la mesmo sem nenhuma chance de conseguir alguma coisa com isso.Algo, porém, levou-me a telefonar assim mesmo. Acompanhei-a em cada erro que ela havia cometido, insisti que esclarecesse algumas frases e até mesmo reformatei sua apresentação.

E, quando estava prestes a me despedir e desligar, algo estranho aconteceu. Ela perguntou:

– Como foi seu dia hoje?

– Isso não está em sua apresentação – eu disse – Você só quer conversar sobre a merda do Direito, lembra?

– Não posso mudar de ideia?

– Não. Agora, desligue.

Dito isso, esperei ouvir um sinal, mas o que veio do outro lado foi uma risada. Se não fosse pelo fato de aquele som ser estridente e sexy, eu mesmo teria desligado. Mas não consegui.

– Sinto muito – ela disse, ainda rindo – Não quis ofendê-lo.

– Não ofendeu. Desligue.

– Não quero. – Ela finalmente parou de rir. – Quero me desculpar por aquela mensagem agressiva que mandei... Você, na verdade, é o único cara que conheci aqui que responde a todas as minhas perguntas. Está ocupado agora? Pode falar?

– Falar sobre o quê?

– Sobre você, sobre a sua vida... Estou fazendo tantas perguntas jurídicas entediantes todos os dias e você está sendo tão paciente... Então, se vamos ser amigos, nada mais justo do que falarmos de algo menos entediante, não é mesmo?

Amigos?

Eu hesitava em responder, especialmente porque não me parecia que esse “algo menos entediante” envolvesse sexo e porque ela dissera a palavra “amigos” com muita facilidade. No entanto, como eu já estava no meio de outra noite sem sexo, comecei uma conversa comum com ela. Até as cinco da manhã, falamos sobre as coisas mais estúpidas e tediosas do mundo: nossa vida cotidiana, nossos livros favoritos, o sonho dela de se tornar bailarina profissional.

Voltamos a conversar poucos dias mais tarde e, depois de um mês,conversávamos todos os dias.Bebi outra dose de uísque, pressionei o botão de chamada em meu telefone e esperei para ouvir sua voz suave.

Não houve resposta. Pensei em enviar uma mensagem, mas me dei conta de que eram nove horas de uma quarta-feira e de que não poderíamos conversar naquela noite.

Ensaio... As noites de quarta são reservadas para os ensaios de balé...

×××

– Senhor Jeon? – Minha secretária entrou na sala na manhã seguinte.

– Sim, Jessica?

– O senhor Greenwood e o senhor Bach gostariam de saber do seu interesse em participar da próxima rodada de entrevistas de estagiários hoje.

– Nenhum!

– Tudo bem... – Ela olha para baixo e rabisca algo em seu bloco de notas.

– Mas o senhor deu uma olhada nos currículos? Eles têm de ser reduzidos a quinze hoje.

Suspirei e peguei a pilha de currículos que ela me entregara na semana passada. Li todos e escrevi algumas notas, na maioria “Passo”, “Passo duas vezes” e “Não estou disposto a ler isso”. Todos os candidatos restantes eram da Universidade de Duke e, até onde eu sabia, éramos a única firma na cidade que aceitava alunos de cursos preparatórios para a Faculdade de Direito e alunos da Faculdade de Direito para vagas de estágios remunerados.

– Nenhum candidato me impressionou. – Deslizei os papéis em minha mesa. – Esses eram todos os candidatos selecionados?

– Não, senhor. – Ela se aproximou e depositou uma pilha ainda maior diante de mim. – Estes são todos os candidatos selecionados. O senhor precisa de algo mais esta manhã?

– Além de pegar o meu café? – Apontei para a xícara vazia na beirada da mesa.

Odiava ter de lembrá-la dessa obrigação; afinal, não funciono de manhã sem uma boa xícara de café fresco.

– Sinto muito. Vou trazê-lo imediatamente.

Liguei o computador e verifiquei os e-mails, classificando-os por ordem de importância. Claro que o mais recente e-mail de ______ foi direto para o topo.

Assunto: sai dessa

Obrigada pela mensagem que me mandou esta manhã, com a imagem infantil da teia de aranha do lado de fora do seu condomínio. Gostei bastante, mas posso garantir que NÃO é bem isso que está dentro da minha vagina neste exato momento. Não que seja da sua conta, mas não preciso transar todos os dias para satisfazer minhas necessidades, pois elas são BEM atendidas com VÁRIOS acessórios.

______

Assunto: Re: sai dessa

Enviei duas imagens: uma da teia de aranha e uma do lago seco com peixes agonizantes. A segunda imagem foi mais precisa? O único acessório de que a sua boceta precisa é a minha língua.Ela está aqui sempre que quiser e funciona de VÁRIAS maneiras.

JK.

– Aqui está, senhor Jeon. – Jessica coloca repentinamente meu café sobre a mesa. – Posso fazer uma pergunta?

– Não, não pode.

– Foi o que pensei – ela disse, baixando a voz e olhando em meus olhos – Sei que é pouco profissional, mas preciso de um acompanhante para o baile de gala no próximo mês.

– Então, encontre um acompanhante para o baile de gala no próximo mês.

– Essa é minha maneira de pedir para que seja meu acompanhante...

Pisquei. Eu precisava encontrar uma forma mais sutil de dizer “nem fodendo”.

Jessica tinha acabado de terminar a faculdade – infelizmente jovem demais para mim. Trabalhava aqui porque o avô dela abrira esta firma e estava procurando muito mais do que eu estava disposto a dar. Já a escutara falar várias vezes, em seu horário de almoço, sobre como queria se casar antes dos 25 anos. Aparentemente, também queria ser dona de casa, mãe de seis filhos e morar em uma casa em um belo bairro residencial.Em outras palavras, estava completamente fora de si.

– Então, o que me diz? – Ela sorriu.

Tentei não revirar os olhos.

– Jessica...

– Sim? – Seus olhos estavam cheios de esperança.

– Veja, querida, além de ser altamente inapropriado que nos envolvamos em qualquer tipo de relacionamento fora deste escritório, algum dia, eu não sou o tipo de homem que você está procurando. De forma alguma. Acredite.

– Nem mesmo por uma noite?

– No meu dicionário, as palavras “uma noite” trazem determinadas expectativas que você não poderia cumprir. Então, não. Vá procurar alguma coisa para fazer.

– “Uma noite” é um código para sexo?

– Por que ainda está aqui?

– Eu não diria a ninguém se fizéssemos sexo – ela sussurrou – Na verdade, fantasio com isso desde que nos conhecemos. E já que você nunca tem compromissos com uma namorada em sua agenda, suponho que esteja disponível.

– Não estou.

– Uma vez entrei no banheiro e o vi... Acho que deve ter pelo menos vinte e dois centímetros.

Mas que porra é essa?

Eu já estava quase gravando aquela conversa com o meu telefone para enviar por e-mail para o avô dela.

– Sou muito boa em sexo oral – ela disse – Desde o colegial. Todos os caras que chupei disseram que minha boca é incrível. – Ela mordiscou o lábio inferior.

– Por acaso tem algum tipo de supercola no chão? É por isso que você ainda está parada aí?

– Se me acompanhasse no baile de gala e acabássemos tendo um bom encontro, você seria o primeiro homem com quem eu teria ido até o fim. – E então ela deixou escapar, corando um pouco – Ainda sou virgem, lá embaixo.

– Então, definitivamente não sou o homem certo para você. – Revirei os olhos. – Agora, saia antes que eu chame o senhor Greenwood e lhe diga que sua querida neta está se oferecendo para chupar meu pau durante o café da manhã.

Chocada, as bochechas tingidas de vermelho, ela rapidamente caminhou até a porta. Em seguida, olhou por cima do ombro e deu uma piscada para mim. Deu a porra de uma piscada para mim antes de sair.

No mesmo momento, digitei uma nota em minha agenda: Procurar uma nova secretária, mais velha e casada...

Antes que pudesse terminar de organizar minha caixa de entrada de e-mails, meu celular tocou. Era ______.

– Estou ocupado – respondi.

– Então, por que atendeu o telefone?

– Porque o som da minha voz deixa você toda molhada.

– Engraçadinho. – Ela riu. – Como está o seu dia?

– Normal. Minha secretária acabou de se oferecer para mim pela terceira vez neste mês.

– Ela te entregou outra caixa de bombons com um bilhete dizendo “Você e eu pertencemos um ao outro”?

– Não, ela se ofereceu para chupar meu pau.

– O quê? – ela engasgou – Você está de brincadeira!

– Infelizmente, não. Depois disso, me disse que estava disposta a me entregar sua virgindade. Nem preciso dizer que vou colocar um anúncio de emprego em breve. Tem alguém aí querendo trabalhar em uma empresa melhor? Eu dobro o salário.

– Como você sabe que a minha empresa não é melhor que a sua?

– Porque você me liga pedindo conselhos sobre casos tolos todo o tempo, só por isso. Se fosse melhor, jamais teria que perguntar.

– Tanto faz – ela murmurou – Ainda não engatou em nenhum vagão online?

– Engatar? Vagão? – Nunca consegui entender as metáforas e os jogos de palavras dela. – Que porra isso quer dizer?

– Aff... – ela suspirou – Quer dizer que você não me atualizou sobre seu encontro de ontem à noite; portanto, acho que foi um fracasso e isso significa que você não dorme com ninguém há mais de um mês. E esse deve ser um recorde para você.

– É.

– Quer um conselho?

– Só se você vier ao meu escritório me dar pessoalmente – Sorri.

– Não, obrigada. Por falar em conselho, vou precisar de sua ajuda na sexta à noite.

– Com o quê?

– Acabei de pegar um grande caso. Ainda não li todos os documentos,mas já sei que estão além da minha compreensão.

Recostei-me na cadeira.

– Se é um caso tão grande assim, você poderia levar os documentos até meu apartamento hoje à noite. Eu ficaria feliz em ajudá-la a analisá-los.

Qualificação sempre foi minha especialidade.

– Hahaha! Boa tentativa, mas acho que não.

Ela continuou falando sobre o caso, mas eu não estava prestando atenção. Ainda me parecia estranho que não quisesse me conhecer pessoalmente, mudando de assunto toda vez que eu trazia o assunto à tona.

– Além disso... – ela continuava divagando – eu provavelmente vou ter que pesquisar sobre essas mudanças. Não tenho certeza se...

– Diga-me a verdadeira razão de eu não poder encontrá-la pessoalmente

– cortei-a.

– O quê?

– Já nos conhecemos há seis meses. Por que você não quer se encontrar comigo?

Silêncio.

– Preciso repetir a pergunta? – Levantei-me, caminhei até a porta e a tranquei. – Você não me entendeu?

– É contra as regras do LawyerChat...

– Foda-se o LawyerChat. – Revirei os olhos. – Em primeiro lugar, é contra as regras termos o telefone um do outro e agirmos como malditos adolescentes gozando do outro lado da linha toda noite, mas você nunca se queixou disso.

– Você nunca me fez gozar...

– Não minta para mim.

– Não fez.

– Então, na semana passada, quando eu disse que queria que você montasse na minha boca para eu lamber sua boceta até fazê-la gozar em meus lábios, a sua respiração pesada era fingimento?

Ela respirou fundo.

– Não, mas...

– Foi o que pensei. Por que, então, não podemos nos conhecer pessoalmente?

– Porque isso arruinaria nossa amizade, e você sabe disso.

– Não sei, não.

– Você me disse que nunca dorme com a mesma mulher duas vezes, que depois de dormir com alguém sempre termina com ela. – Nunca trepei com minhas amigas antes.

– Isso porque sou sua única amiga.

– Eu sei, mas... – parei, não havia como me defender disso.O silêncio permaneceu na linha enquanto eu tentava pensar em outro argumento, mas ela falou primeiro:

– Realmente, não quero estragar nossa amizade com uma trepada sem sentido.

– Garanto que vamos ter mais do que uma trepada sem sentido.Seu riso leve e delicado atravessou a linha e eu suspirei, tentando imaginar como seria. Não sei exatamente o motivo, mas ao longo das últimas semanas eu ansiara por sentir aquele riso pessoalmente.

– Quer saber... – ela continuou – para um grande advogado, você tem uma boca bastante suja.

– Você ficaria surpresa ao descobrir como ela pode ficar suja.

– Mais suja do que o que eu já pude experimentar?

– Muito mais. – Eu estava navegando em águas rasas desde que começamos essa amizade, ainda esperançoso de que fôssemos nos encontrar pessoalmente algum dia, mas agora que não vamos, não há razão para me segurar. – Acho que vou falar com você hoje à noite.

– Não, a menos que ache algum encontro até lá. Sei que vai procurar.

– É claro que vou procurar – brinquei – ______ é seu verdadeiro nome?

– Sim, mas tenho certeza de que JK não é o seu. Se importaria em,finalmente, me dizê-lo?

– Vou te dizer quando você recuperar a porra dos sentidos e me deixar vê-la.

– Não vai mesmo desistir, não é? – Ela riu de novo. – E se o verdadeiro motivo pelo qual não quero conhecê-lo é porque sou feia?

– Tenho um bom pressentimento de que não é.

– Mas, e se fosse?

– Eu foderia você com a luz apagada.

– Prefiro acesa.

– Então, eu colocaria um saco de papel na sua cabeça.

– O que?! – Ela explodiu em risos. – Você é ridículo! Aff... Olha, tenho um cliente me esperando agora. Preciso ir. Posso ligar mais tarde?

– Sempre. – Desliguei, sorrindo, e então foi que me ocorreu...

Porra, ela sempre encontra uma maneira de escapar desse assunto.


Notas Finais


Meu perfil- @gukangelic


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...