História Uma Noite Sofrendo No Morro. - Capítulo 3


Escrita por:

Postado
Categorias Riverdale
Personagens Alice Cooper, Antoinette "Toni" Topaz, Archibald "Archie" Andrews, Cheryl Blossom, Chuck Clayton, Clifford "Cliff" Blossom, Dilton Doiley, Elizabeth "Betty" Cooper, Ethel Muggs, Forsythe Pendleton "FP" Jones II, Forsythe Pendleton "Jughead" Jones III, Frederick "Fred" Andrews, Ginger Lopez, Hal Cooper, Hermione Lodge, Hiram Lodge, Jason Blossom, Joaquin, Josephine "Josie" McCoy, Kevin Keller, Marmaduke "Moose" Mason, Mary Andrews, Melody Valentine, Oscar Castillo, Penelope Blossom, Personagens Originais, Polly Cooper, Pop Tate, Reginald "Reggie" Mantle, Sierra McCoy, Smithers, Tina Patel, Treinador Clayton, Trev Brown, Valerie Brown, Veronica "Ronnie" Lodge, Waldo Weatherbee, Xerife Keller
Tags Betty, Cole, Jughead, Lili, Riverdale
Visualizações 76
Palavras 716
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Ficção Adolescente, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Capítulo 3


Betty narrando



Apesar de ser o primeiro dia a porcaria da aula só foi terminar as 22:30 da noite eu dormir último horário todo e quando tocou o sinal acordei assustada Verônica na mesma da hora viu e caiu gargalhada.

Eu estava muito cansada, levantei da carteira ageitei o cabelo bagunçado e peguei  meu caderno. 

-E então dorminhoca vamos?

-Vamos...

 -Vem Kevin. -veronica disse.

Nos três saímos da escola e eu ainda estava sonolenta, íamos conversando e brincando na rua ate uma sorveteria.

O tempo estava quente hoje é a lua brilhava fortemente no céu, era lindo de se ver.

Chegamos lá e a Verônica já foi escolhendo os sabores de sorvete que queria, eu fiquei meia desconfiada mais fui fazendo o meu sorvete também , Kevin fez o dele é pesamos juntos.

Mesmo conhecendo o Kevin a algum tempo ainda me senti mal por ele pagar tudo, então fiz um sorvete pequeno apesar da fome que sentia.

Sentamos os três em uma mesa.

 - kevinzinho você é de mais.

 -Que nada princesa. 

-Obrigada Kevin.

-De nada Elizabeth.

Comemos e depois ficamos do conversando, ate que minutos mais tarde meu pai apareceu.

 -O que diabos você esta fazendo aqui? Matando aula?

-Não eu só vim tomar um sorvete.

-Com esse moleque? Você não tem vergonha na cara não sua vagabunda! Prostituta!

Eu não sabia mais o que fazer, levantei e sai correndo de lá.

Eu odeio tanto ele! Eu nunca fiz nada de errado, nunca dei trabalho a ele nem a minha mãe mais ele ainda insiste  em me tratar assim.



As ruas ainda estavam muito movimentadas ainda o problema é que esse movimento e dos guerreiros do Jughead.

Passei em silêncio em todas as ruas abraçada ao meu caderno, eu já estava próxima a minha casa apenas umas 3 ruas é o movimento já estava mais fraco.Entrei em uma rua um pouco mais escura que as outras que havia passado, eu já estava bem no meio dela quando vi um homem alto vim na minha frente.Pensei em correr na hora! Mais ai pensei que ele poderia atirar em mim ou sei lá, entrei em pânico e continuei andando.

Pelo jeito que ele vinha caminhando mais perto de mim percebi que estava bêbado ele andava meio sem coordenação.

É simples Elizabeth...ignore ele!

Quando estavamos frente a frente ele pigarreou.

-Boa noite... Ele falou bastante enrolando. 

 -Bo...boa...

 -Você é daqui? 

Eu não sabia se respondia sim ou não.

-Eu...só quero ir pra casa. 

-O que você acha de ir pra minha casa?

 -Por favor me deixe ir.

Foi ai que ouvi a voz do meu pai de novo, prostituta, vagabunda...não e isso que ele pensa de mim?

Então eu vou mostra pra ele o poder das palavras.

-Vamos... 

-Você topa? Ir pra minha casa? 

-Sim.

Eu não conheço ele, pelo menos não nessa escuridão sua voz me parecia familiar mais apenas isso.

Ele passou a mão pelo meu ombro e começamos a caminhar, no caminho ele acendeu um cigarro e me passou.

 -Experimenta.

Eu não sei porque estava agindo daquela maneira mais experimentei, e gostei.

Continuei fumando ate chegamos em uma enorme casa....eu conheço essa casa...ah meu Deus eu to ferrada.

-Como você se chama?

 -Quantos anos você tem garota ?

-18...como você se chama. ?

-Grego.

Gelei, puta que pariu onde eu vim me meter.

Entramos na casa ele já arrancou a própria camisa.

-Vem... Segui ele ate um quarto.

 -Você bebe?

-Não...

 -Porque ? 

-Não sei.

Ele me passou uma garrafa de bebida alcoólica e eu a virei na boca.

Ele acendeu mais um cigarro e me passou, aquilo era baseado e com a bebida ficou melhor ainda.

Queria que pudesse me ver agora papai!

Tudo virou um borrão não me lembro de mais nada, acordei nua e pelas dores tive certeza que transei com ele.

Foi a minha primeira vez...com a porra do dono do morro.

Levantei da cama procurando minhas roupas, ele também levantou.

 -Onde pensa que vai?

-Pra casa! O sol esta pra nascer e eu deixei minha mãe só.

 -Você não vai sair daqui até eu deixar.

-Por favor me deixa ir embora...a gente já fez o que você queria...não é o suficiente?

 -Não, você não vai.

Ele não iria me impedir, terminei de me vestir e peguei minha mochila.


Notas Finais


Comentem até daqui a pouco 💕


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...