História Uma Nova Chance - Camren G!P - Capítulo 16


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 1.002
Palavras 1.109
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Por enquanto não dá pra fazer maratonas.

Esse capítulo vai ser um pouco tenso, espero que gostem.

Capítulo 16 - Capítulo 15


Narrador Pov

Camila mancava pela casa e cuidava de Julian, numa azáfama sem fim.

Lauren estava trancada no escritório e Camila a ouvia fazendo chamadas no celular. Apesar de seus inúmeros negócios, a cada meia hora ela vinha ver como estavam ela e Julian.

Camila pegou um livro e se sentou na varanda para ler com Matthew a seus pés e o carrinho de Julian perto dela.

O lugar era muitíssimo agradável.

De sua cadeira, ela podia divisar o jardim. O gado pastava no cercado. Além das pastagens, o mar lavava a praia abaixo da casa.

De vez em quando, a chuva parava e o sol aparecia. Nesses momentos, Camila se maravilhava. Era um verdadeiro paraíso. Um lugar para se esquecer dos problemas, e era o que ela estava determinada a fazer. Se fosse para o Havaí, também descansaria.

Bem, para ser sincera, não conseguia descansar com a presença da poderosa Jauregui. Da varanda, ela divisava o escritório e... o olhar dela.

À medida que o dia passava, Camila percebia aumentar a atenção de Lauren. Ela chegava ao terraço e a observava enquanto ela dava mamadeira a Julian, brincava com o cachorro ou apenas lia.

 Como se a avaliasse.

"Vou acabar achando que sou um extraterrestre." ela se queixou, à tarde. "Por favor, Jauregui, cuide de seu gado encharcado em vez de ficar olhando para mim. Não estou conseguindo ler."

"Desculpe-me." Ela se aproximou para ver o que Camila estava lendo. "A Arte de Criar Aves Domésticas. Leitura interessante!" falou zombateira.

"E você a interrompeu. Sabia que galinhas podem ter fungos nos pés, manchas pretas, gripe e mais trinta e nove tipos de doenças horríveis? Quase todas fatais. E o melhor remédio para galinha choca é comê-la. Já viu que absurdo? Aposto que não se acharia uma coisa dessas num texto médico de verdade." falou como se fosse importante.

"Você seria comida com certeza." Lauren sorriu.

"O que quer dizer com isso?"

"Que Camila Cabello é uma advogada muito carinhosa com seus pintinhos." ela caçoou e então em questão de segundos ficou séria. "Você perdeu um filho, Camz?"

"Não é..."

"...de minha conta?" Lauren a interrompeu e encolheu os ombros, enfiando as mãos nos bolsos do jeans. Aparentava bem menos que seus trinta e quatro anos. Mas encará-la se tornava uma atitude temerária.

"Sei que não é problema meu, Camila. No entanto, eu gostaria de saber o que aconteceu, contado por você mesma."

"Como?" Camila questionou tensa.

"Sei que seu filho tinha um ano quando morreu em um acidente. Seu ex-marido dirigia o carro."

"Como soube disso?!" sentiu-se ereta, fazendo o livro cair ao chão e elas nem perceberam.

"Fiz uma investigação sobre você. Acabei de saber." Explicou.

"Entendo." Camila cerrou os lábios secos, desviando o olhar. 

"Achei que era hora de saber o que fazia Camila Cabello recuar."

"E conseguiu?" ela perguntou, áspera.

"Sim."

Camila sentia uma dor sufocante, insuportável. De todos os insensíveis, inquisidores arrogantes que conhecera, Lauren Jauregui era, sem dúvida, a pior.

"Por que se deu a esse trabalho todo, Jauregui?" perguntou por perguntar.

"Queria saber mais a seu respeito, pois deduzi que você não teve uma vida fácil. Seu pai sumiu quando estava com cinco anos, e sua mãe se esforçou para continuar administrando a fazenda."

Camila a encarava sem se mover.

"Fez o curso de advocacia graças a uma bolsa de estudos. A fazenda foi incendiada, e as duas se mudaram para um apartamento em Sydney. Deixou o curso e trabalhou muito para sustentar sua mãe. Logo depois, ela morreu e você voltou para a faculdade. E conheceu Craig Timms. Quer falar sobre ele?"

"Não tenho nada a dizer." Camila machucava a palma das mãos com a ponta das unhas. Suas mãos estava em punho fechado.

Lauren parecia não se dar conta de sua raiva.

"Nem precisa contar. Os detetives não foram muito lisonjeiros a respeito de seu ex-marido. Craig estudava com você. Um estudante mais velho que andava em farras e bebedeiras antes de se decidir pela advocacia. Os pais dele tinham dinheiro. Você era muito jovem e se casou com ele assim que sua mãe morreu."

Camila estava com o rosto vermelho, e a muito custo continha as lágrimas.

"Acho que se casou com Craig por insegurança e solidão. O sujeito não trabalhava. Ele Fugiu com uma mulher mais rica que ele e á abandonou grávida."

"Como se atreveu a..." começou a falar indignada.

Lauren não parou. Parecia pensar em voz alta: "Você conseguiu terminar o curso e ter seu filho, Dylan. Numa das visitas permitidas, Craig saiu com ele e... Dylan morreu."

Camila não conseguia falar.

Visitas permitidas... Grande piada!

Como se Craig se preocupasse muito em conhecer o filho. Fora a primeira vez, depois de camila insistir muito com Craig para levar o menino para conhecer os avós.

Camila mal se lembrava do sogro e desejava que Dylan convivesse com o pai, não importando o quanto ele o desdenhasse.

Os pais de Craig intercederam, desesperados, para conhecer o neto.

Craig com má vontade, foi buscar o filho para levá-lo até eles. Furioso, brigou com Camila enquanto ela amarrava o cinto de segurança em Dylan e abanava a mão para se despedir.

"Daqui a duas horas voltarei com o menino." ele resmungara.

Na volta, Craig não pôs o cinto no garoto. Aconteceu um acidente violento e Dylan foi atirado para fora, pelo pára-brisa.

Fim da história.

"Deve ser muito triste para você." Lauren olhou-a com carinho. "Está sozinha, sem pais, namorado ou parentes. Nenhuma vida social. Nem mesmo um gato, cachorro ou passarinho."

"Também ficou sabendo que faço curso de pintura em porcelana as terças à noite?" Camila indagou, com raiva. "E que durmo de pijama e não gosto de morango?"

"Tudo isso." Lauren sorriu. "Também vai à biblioteca as quartas e gosta de poetas românticos e livros sobre doenças de aves. Minhas fontes são excelentes."

"Um prêmio para elas." Camila pegou a bengala improvisada e se ergueu. "Agora que já sabe tudo sobre mim, Sra. Jauregui, pode ficar pensando sobre isso enquanto eu estiver aqui. Não preciso mais lhe falar, pois tenho certeza de que não quero saber mais nada sobre a senhora. O que já sei, para mim basta!"

"Cam..."

"Saia do meu caminho." falou entre dentes.

"Foi apenas um processo de esclarecimento normal. Faço a verificação de todos os meus empregados. Não precisa se ofender." Lauren tentou se defender.

Camila se afastou dela, possessa.

"Não sou um de seus empregados, Jauregui, e jamais serei! Você não tinha o direito de investigar minha vida."

"Tudo o que fiquei sabendo é de conhecimento público. Você sabe a quem perguntei."

"Sei muito bem. Invasão de privacidade não significa nada para você? Muito bem, assim que eu voltar ao escritório, não tomarei mais parte em nenhum processo que envolva o nome Jauregui. Não tinha o direito de bisbilhotar minha vida pessoal, Lauren. De jeito nenhum!"

"Exceto..."

"O quê?"


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...