História Uma Nova Chance - Camren G!P - Capítulo 24


Escrita por:

Postado
Categorias Camila Cabello, Fifth Harmony
Personagens Camila Cabello, Lauren Jauregui
Tags Camila Cabello, Camren, Fifth Harmony, Lauren Jauregui
Visualizações 483
Palavras 1.020
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Yuri (Lésbica)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OLHA EU DE NOVO, JA SÃO QUANTOS CAPÍTULOS EMMM???


A loren está morta 😢😭

Capítulo 24 - Capítulo 23


Narrador Pov

Matthew a empurrou para frente, ganindo. Depois, chegou perto de Lauren, parou e ficou olhando para trás, esperando por Camila.

Ela fez um esforço supremo e conseguiu mover as pernas, paralisadas pelo susto, mesmo com o dedo machucado e as botas enlameadas.

Andou devagar e se apoiou na divisória.

Então, Lauren se mexeu. Encontrava-se de costas para ela, em cima de um monte de feno. Ela se virou para olhá-la, com o rosto contraído. 

Fazia o parto de uma vaca.

Camila suspirou, muitíssimo aliviada.

Imaginara Lauren afogada, ou eletrocutada, ou ferida por um touro e se esvaindo em sangue até morrer. Ou mesmo assassinada... (n/a: só isso?!) 

Até aquele momento, Camila não se dera conta do tamanho de sua preocupação.

Entendeu o quanto a amava.

"O que houve, Lauren?"

"Apenas uma vaca manhosa." ela disse, no mesmo tom, e fez uma careta devido a uma contração mais forte do útero do animal. "Desculpe-me por ter demorado. Não há nada que você possa fazer. Vá dormir."

"Mas..."

"Camila, Julian está sozinho."

"Minha janela está aberta. Posso ouvi-lo daqui. Diga-me, o bezerro ainda está vivo?"

"Até agora, sim."

A contração passou e nada. A vaca mugiu e se contorceu. O braço de Lauren foi puxado para o lado.

"Há quanto tempo ela está em trabalho de parto?"

"Eu a vi quando cheguei aqui, depois do jantar. Tinha examinado-a antes e sabia que ela estava perto da hora de parir. O bezerro veio com uma pata dianteira dobrada para baixo e parou. Estou tentando fazê-lo voltar para procurar uma posição melhor."

"E não conseguiu?"

"Não." Lauren tirou o braço e o mergulhou num balde de água com sabão que estava a seu lado. "Não consigo mudar sua posição." 

"Talvez seu braço seja muito grande." opinou.

Lauren estava ajoelhada no feno, lavando-se, e então reparou no traje de Camila.

"Céus! "ela exclamou, atônita. Camila corou e olhou para os pés.

"É a última moda nas passarelas de Paris." ela brincou, bem-humorada. "Ou talvez seja a indumentária ideal para fazer partos de vacas. Posso tentar?"

"Você?!"

"Sou boa nisso. Quando eu era pequena, não tínhamos dinheiro para pagar um veterinário, e não há melhor escola do que a prática. Quantas vezes você fez isso?"

"Duas, acho."

"É isso aí. Perdi a conta de quantos bezerros ajudei a nascer. Sobretudo porque as nossas vacas eram de leite e por isso a pelve delas é pequena. As coitadas sempre precisavam de ajuda. E seu braço é muito gordo."

"Gordo?!" Lauren exclamou indignada e se jogou para trás no feno e ergueu as sobrancelhas.

"Bom... digamos musculosa." ela corrigiu, benevolente. "Vamos lá, deixe-me agir."

"Eu não..."

Camila se ajoelhou ao lado de Lauren e molhou o braço num dos baldes com água e sabão.

"Não o quê, Jauregui? Acha que uma advogada não pode dar conta do recado?"

"Camila Cabello, é claro que não!"

Tantas formalidades enquanto ela agia com toda a naturalidade! A especialista em leis parecia outra pessoa, não ela mesma, pensou Lauren. 

"Digamos que é um caso de dupla personalidade. Como tenho alguma experiência em coisas deste tipo, vou arriscar. Não possuo nenhum seguro obstétrico, e poderia fazê-lo assinar uma renúncia a um direito legal antes de eu começar o trabalho. Mas abrirei mão das sutilezas jurídicas desta vez." Camila, muito feliz por tê-la achada viva, fazia graça e dava risada." Vamos ao que interessa. Antes de você puxar, uma pata estava para fora. O focinho também?"

Lauren, ainda aturdida com as atitudes decididas de Camila, voltou a atenção para o animal.

"Só uma pata dianteira. A outra devia estar virada para trás. Teria chamado o veterinário, se ele não morasse do outro lado do rio. Esta vaca foi inseminada com um reprodutor americano. O sêmen custou uma fortuna e a ela vale muito mais. Fora isso..." pausou.

"...ela está sofrendo muito." Camila completou, vendo o rosto cansado dela.

"Talvez o veterinário possa vir amanhã cedo."

"Se esperarmos até lá, o filhote poderá morrer."

"Eu sei."

"E a vaca também. Afaste-se. Verei o que posso fazer."

"Acha que vai dar certo?"

"Não posso jurar, mas tentarei."

Lauren a olhou por um momento e se afastou.

Camila se lavou de novo, lubrificou tudo o que iria usar e introduziu o braço dentro do animal sofredor, entre duas contrações.

Elas eram fortes o bastante para expulsar o novilho e Camila procurava, desesperada, livrar as pernas do animalzinho.

Lauren havia acertado em empurrá-lo para trás.

Agora Camila tinha de acertar quais eram as patas dianteiras e puxá-las. A vaca devia estar no limite de sua resistência e um engano seria fatal. Precisava evitar também romper o cordão umbilical.

Camila fechou os olhos, esqueceu a dor de sentir a forte compressão no braço e procurou.

Serão estas? pensou. Um conhecedor sabia que as patas dianteiras eram diferentes das traseiras.

Uma contração violenta, e foi difícil mexer a mão.

Não era para admirar que o braço um pouquinho gordo, digo, musculoso de Lauren não tivesse conseguido alcançar o alvo.

"Venha... venha..." ela murmurava.

Lauren estava ao lado de Camila, encostada nela e lhe jogava água sobre os braços.

"Venha..." Camila agarrou as pernas, que se soltaram, mas ela as prendeu outra vez. "Aqui, pequenino."

As pernas dianteiras deviam estar bem debaixo do corpo.

De repente, o bezerro deu um puxão.

Estava vivo.

Camila sentiu a cabeça na frente.

A contração seguinte foi muito violenta e Camila gritou.

Lauren a abraçou pela cintura e a segurou tão forte que ela nem sentiu mais a dor.

Lauren não a soltou, mesmo quando o espasmo diminuiu.

Camila verificou as patas. Se fossem três, seria perigoso. Mas eram duas, uma de cada lado do focinho, que se posicionava um pouco mais para trás.

Ela tirou o braço e se limpou. Juntas, com Lauren enlaçando-a, ficaram à espera do que aconteceria.

Uma nova contração e apareceram as duas patinhas certas. Agora seria um parto normal, exceto pelo animal extenuado.

Lauren pulou de contentamento e soltou Camila.

Pegou as pernas do bezerro e segurou-as, passou uma corda ao redor de cada uma e em volta de seus punhos. Mais uma contração e Lauren fez tanta força quanto foi capaz, se escorando no traseiro da fêmea.

Nisso, apareceu o focinho. Mais uma série de espasmos violentos.

Enfim, surgiu um bezerro, pequeno e saudável, e escorregou até a palha, com os olhos muito grandes e espantados.



Notas Finais


Eaiii???

V E T E R I N A R I O

Byeee fofiss ✌


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...