1. Spirit Fanfics >
  2. Uma Nova Chance - Dramione >
  3. Capítulo 2

História Uma Nova Chance - Dramione - Capítulo 2


Escrita por:


Notas do Autor


espero que gostem :D


boa leitura!!

Capítulo 2 - Capítulo 2


          - Srta. Granger, posso mandá-lo entrar? -perguntou Ana e eu assenti com a cabeça enquanto anotava algumas informações no relatório à minha frente.

Ouvi seus passos ecoando pela madeira, mas não levantei os olhos, continuei escrevendo, enquanto ele sentava na cadeira a minha frente. Fingi por alguns minutos que ele não estava ali, tentando me concentrar no que estava fazendo.

Ele me observava em silêncio, sentia que seus olhos estavam sobre mim e aquilo começou a me irritar incrivelmente.

- Da última vez que nos vimos sua recepção foi um pouco mais... calorosa. -disse dando uma risada.

Olhei para ele com fogo nos olhos. Não queria relembrar aquele encontro.

- Da última vez que nos vimos eu estava bêbada. -falei por fim, levantando-me da cadeira e caminhando até uma pilha de pastas que estava ao seu lado.

Ele riu, achando graça no meu comentário e andou na minha direção.

- Estava bem alegre pelo que eu me lembre. -e se aproximou, chegando o rosto bem próximo do meu e desceu os olhos até minha boca. – E com bastante disposição também.

Travei. Senti todas as fibras do meu corpo enrijecerem de uma só vez. Minha respiração se tornou um pouco mais pesada e senti minha cabeça ficar zonza, apenas com aquela proximidade. Não conseguia me mexer, estava completamente inerte. 

Como, depois de tanto tempo, eu parecia não ter controle algum? Meu corpo parecia que não respondia ao meu cérebro e aquilo começou a me preocupar de verdade. Dentro de mim, era como se houvesse uma grande batalha entre minha cabeça e todo o restante. Aqueles olhos cinzas estavam cravados nos meus e era possível sentir seu hálito quente bem próximo dos meus lábios. Estremeci.

Uma de suas mãos pousou no meu pescoço, enquanto a outra puxou minha cintura pra que meu corpo colasse no dele. O loiro continuava me fitando com um sorriso safado no rosto, aquele maldito sorriso prepotente que eu tanto odiei minha vida toda. Sentia a veia da minha garganta pulsando nos seus dedos.

Prendi a respiração por alguns segundos, desejando que eu caísse no chão talvez, desmaiada para não ter que passar por aquele momento. O mais sensato era empurrá-lo, mas ao mesmo tempo, todas as partes de mim gritavam desesperadas pelo calor do seu corpo. Como aquilo era possível?

Seus lábios encostaram nos meus e antes mesmo que eu pudesse raciocinar, minha língua já havia invadido sua boca, desesperadamente como se fosse o último copo de água no meio do deserto. Ele não parecia muito diferente, puxava-me para mais perto, colando cada extensão sua em mim. Segurou-me com força, sem desgrudar a boca da minha, andando em direção ao sofá e uma de suas mãos agitou a varinha em direção à porta, para trancá-la.

Posicionei-me com os joelhos envolta de suas pernas, sentando-me em seu colo. Nossos lábios se separaram por alguns segundos, buscando um pouco de ar e percebi que estavam inchados. Por Merlin, como podiam ser tão macios e perfeitos? Como meu corpo era capaz de responder ao dele daquela forma? Mesmo depois de tanto tempo, não conseguia formar nenhum tipo de raciocínio logico para aquilo e isso me irritava em um nível inexplicável. Sua boca encontrou a minha novamente enquanto desabotoava os botões da blusa e ele deslizava as mãos pela minha coxa, apertando-a e escorregando para minha bunda.

- Não acho que devemos fazer isso. -sussurrei ofegante, sem sequer abrir os olhos e sem nenhuma intenção de parar.

Precisava dizer, talvez ele tivesse um pouco mais de poder de resistência.

- Você disse a mesma coisa da última vez, mas não acho que realmente queira parar. -e sorriu maliciosamente.

Girou-me em um movimento brusco, vindo para cima de mim, na medida em que minhas mãos abriam a fivela do seu cinto e as dele tiravam minha calcinha rapidamente. A agitação e pressa de nós dois era nítida, nossos corpos pareciam agir por conta própria em total desespero. Seus lábios mordiam os meus e faziam um caminho molhado até o meu pescoço, deixando toda minha pele completamente arrepiada.

Desceu o zíper do meu vestido sem dificuldade alguma e de modo rápido, se livrou tanto da roupa, quanto do meu sutiã. Tocou meus seios e os alcançou com a boca, fazendo com que eu gemesse baixinho. Estava tão excitada, tão fora de mim. Desejava todos aqueles toques explorando cada ponto do meu corpo tão loucamente que era impossível de parar. Ele sabia os locais exatos capaz de me levar a completa perdição.

Senti seus dedos dentro de mim, massageando lentamente meu clitóris e arqueei as costas, contorcendo-me cada vez mais, tentando fechar as pernas em um movimento involuntário. Seus olhos observavam como meu corpo reagia e tudo que eu conseguia ver em seu reflexo era desejo. Rapidamente senti uma corrente elétrica por todo meu corpo, fazendo com que eu começasse a ofegar cada vez mais, enquanto ele se colocava entre minhas pernas. Segurei seu membro, deslizando-o pela minha entrada e apertando-o contra minha mão e ele deixou escapar um gemido baixo. Sua respiração estava cada vez mais pesada e ele estava começando a ficar fora de controle. Puxou meus braços e os segurou no topo da cabeça com uma das mãos e a outra segurou meus quadris com força, no momento em que senti seu membro todo dentro de mim. Um gemido longo fugiu da minha boca. Nesse instante, agradeci por ter uma sala com isolamento acústico.

Os movimentos começaram lentos e se intensificaram rapidamente. Nossas respirações eram cada vez mais pesadas, cada vez mais difíceis. Soltou meus pulsos e automaticamente, minhas unhas cravaram nas suas costas, arranhando-as, em total agonia ao sentir sua língua chupando meu pescoço no momento em que ele estocou mais fundo. Senti todo meu corpo se retrair e atingi outro orgasmo, gemendo ainda mais alto.

Era espantoso o que ele conseguia fazer comigo de forma tão rápida.

Voltou a me beijar, segurando meu rosto com uma das mãos, com uma certa agressividade que me deixava alucinada, passando a língua pelos meus lábios inferiores e puxando-os para si. Deu mais algumas investidas, mais rápidas e com mais força e arfou um pouco mais alto quando seu corpo relaxou sobre o meu. Os dedos se embolaram nos meus cachos e ele colou a boca na minha e depois deitou-se ao meu lado.

Respirei fundo, ainda sem acreditar no que tinha acabado de acontecer.

Ficamos em silêncio por algum tempo.

          - Isso não pode acontecer de novo, Malfoy, é sério. Muito menos aqui dentro. É um ambiente de trabalho. -disse séria, encarando-o.

- Você não pareceu ter se importado tanto em ser um ambiente de trabalho há alguns minutos atrás. -e seu sorriso prepotente surgiu em seus lábios e ele passou a mão pela minha coxa.

- Não vou repetir. -avisei, tentando me desvencilhar de seus braços e olhando o relógio em cima da mesa. - Inferno, estou atrasada!

Alcancei minhas roupas no chão, completamente afundada em toda minha humilhação. Amaldiçoando-me internamente por não ter resistido àquilo. Qual era o meu problema, afinal?

Vesti minhas peças íntimas e o vestido rapidamente e fui em direção ao espelho do banheiro da minha sala, sem olhar para trás. Usei a varinha para ajeitar meu cabelo e maquiagem e deixei o local, intacta, como se nada tivesse acontecido há menos de 5 minutos atrás.

Quando adentrei novamente o cômodo, ele já estava com suas roupas, terminando de dar um nó em sua gravata. Os segundos pareceram passar lentamente ao observá-lo. Era incrível o quanto Draco Malfoy era bonito, chegava a doer os olhos. Era inexplicável a quantidade de sensações que ele era capaz de me fazer sentir ao mesmo tempo. Suspirei e balancei a cabeça, tentando afastar aqueles pensamentos que já começavam a fazer com que meu corpo queimasse por dentro. Como era possível?

Peguei uma das pastas da mesa e sai pela porta como um furacão, sem avisar qualquer coisa para ele. Seria um martírio estar perto dele todos os dias, ainda mais se ele pretendia me provocar daquela forma.

Ouvi seus passos andando apressado atrás de mim.

- Onde estamos indo? -perguntou.

- Eu estou indo para minha reunião. -avisei sem paciência- Você não tem nada pra fazer?

- Pelo visto você é a encarregada de me passar as coisas, Granger.

- Porque está fazendo isso? -parei e me virei em sua direção.

- Fazendo o que? -ele parecia confuso.

- Achei que tivesse seus projetos pessoais que não incluíam trabalhar. -retruquei com desdém.

- Não foi você que disse que era um desperdício de inteligência? -ele respondeu ironicamente.

- E desde quando segue o que eu digo? -arqueei uma das sobrancelhas.

- Não se sinta especial, Granger... Apenas sigo meus projetos pessoais. -disse de maneira convencida.

Bufei. Ainda não entrava na minha cabeça que ele estava ali.

- O que aconteceu? Está atrasada, você nunca se atrasa! -disse Harry ao me ver entrando pela porta e então seu olhar caiu no loiro e ele me olhou surpreso.

- Potter. -disse ele, cumprimentando o moreno.

- Malfoy? O que faz aqui? Hermione, ele está com você? -ele me olhou levemente confuso.

- Trabalho aqui agora. -avisou, passando os olhos pela sala.

Harry me puxou pelo braço até um canto da sala, ainda com um olhar extremamente perdido.

- Que história é essa? -indagou baixinho.

Respirei fundo.

- Harry, a noite conversamos. Tudo que precisa saber é que ele entrou no lugar de Luna. Fui avisada essa manhã, também não estava sabendo. -ele passou a mão pelos cabelos, ainda sem acreditar. - Vamos para a reunião?

Ele assentiu e entramos em uma das salas do departamento, juntamente com os Aurores, que participariam da reunião.

- Bem, como já havíamos mencionado, os níveis de treinamentos para os futuros Aurores vão se tornar ainda mais rigorosos. -comecei explicando.

- Srta. Granger, não acha que isso é um pouco de exagero? Sabemos o quanto são árduos os treinamentos e pouquíssimos bruxos acabam de fato chegando ao final do curso. - disse Elizabeth Chapman, mexendo-se de maneira agitada em sua cadeira.

- Sabemos disso, sabemos o quanto o treinamento é puxado, mas queremos garantir que somente os melhores consigam. Existem muitas reformas para serem feitas e é algo que queremos que seja implementado o mais rápido possível. -avisei, riscando um dos itens da minha lista.

- Hermione, temos uma turma em andamento, talvez fosse melhor que essas medidas fossem postergadas. -ponderou Harry, olhando para mim sério.

- Harry, acho que seria mais prudente que eles passassem pelos treinamentos.

- Hermione, isso atrapalharia todo o cronograma que estamos seguindo há quase três anos! -exclamou levemente irritado.

- Terá que readequar os cronogramas. Seriam mais 8 meses de curso apenas, não acho que...

- 8 meses? - Scott Palmer praticamente gritou e eu o lancei um olhar ameaçador. - Srta. Granger, isso não faz sentido algum, já estamos lidando com esse cronograma e ainda teremos que adequar mais 8 meses de curso?

- Talvez eu consiga reduzir para 6 meses, -comentei pensativa- mas preciso sentar e reanalisar o que precisa ser inserido.

Olhei para o lado, Malfoy observava tudo com uma expressão extremamente entretida. Parecia gostar de me ver ali, encurralada, tendo que fazer com que os Aurores aceitassem algo que consideravam ruim. Todos claramente estavam contra mim, eu já sabia disso, mas era minha função.

Ficamos mais algumas horas discutindo quais aulas e treinamentos extras os alunos precisariam cumprir e solicitei que arranjassem uma lista de potenciais furos no treinamento e o que poderia ser melhorado.

- Hermione... - Harry pinçou os dedos em cima da têmpora, depois que todos deixaram a sala - Depois vamos conversar sobre isso. Isso vai acabar nos prejudicando.

- Não tem o que conversar, Harry. É assim que o Quim quer que seja feito. É uma ordem direta dele. -expliquei, preparando-me pra sair do escritório.

- Nos vemos mais tarde, certo? -perguntou, desviando o olhar para o loiro ao meu lado.

- Certo. E por favor, não diga nada para Rony. – pedi baixinho, ele assentiu com a cabeça e deixei a sala.

- Sua função é basicamente ser odiada por todos os departamentos? -perguntou em um tom divertido.

Respirei fundo novamente e soltei o ar devagar.

- Malfoy, somos o contato direto com todos os Setores e nem sempre levamos boas notícias. Acostume-se. E caso não ache interessante, peça demissão. -respondi ríspida.

Entrei na minha sala e comecei a explicar, completamente sem paciência, sobre os motivos que fizeram a reunião anterior acontecer. Deleguei algumas tarefas para que ele pesquisasse e pedi para voltar na minha sala no final da tarde.

Obviamente ele não pareceu nem um pouco contente em seguir o que eu estava falando. Draco Malfoy nunca gostou de seguir ordens. Reclamou um pouco, mas depois deixou o escritório. Eu precisava resolver outras coisas e também me recompor de toda montanha russa de loucuras que aquele dia estava sendo.

O restante no dia correu bem rápido, como normalmente acontecia. Fui capaz de adiantar todas as coisas que precisava fazer e tentei me acostumar com a ideia de que o encontraria novamente. Talvez eu não estivesse fazendo um bom trabalho porque continuava achando tudo aquilo incrivelmente absurdo.

Ficamos algumas boas horas na minha sala, onde sequer vi o tempo passar, não reparei que já estava escuro, era tanto trabalho e tantas informações que precisava explicar para ele que quando eu me via entrando em um assunto, rapidamente se desviava para um outro tão importante quanto.

Estava exausta e aparentemente Malfoy também. Deveria estar se perguntando de tempo em tempo que diabos estava fazendo ali. Talvez ele desistisse, ao ver a quantidade de trabalho que tínhamos em nossas mãos.

Eu torcia por isso.

Depois de um tempo, ouvi leves batidas na porta e pedi que entrassem. E então, quando a passagem se abriu, meu corpo gelou por completo. Toda cor do meu rosto se esvaiu e senti cada partícula de mim virar pedra. Comecei a suar frio, tomada pelo medo e desespero, claramente estampado nos meus olhos.

- Mo... Molly... -gaguejei- O que faz aqui? -perguntei nervosa, olhando desesperada em seus olhos.

Aquilo não podia ser real.

Malfoy se virou na cadeira para ver quem estava parada na porta. Olhou confuso para o colo da mulher, que trazia em seus braços uma criança. Piscou lentamente, mais de uma vez, olhou na minha direção e depois novamente para a porta. 


Notas Finais


aaaaaaaaaaaaaaaaa

já chegando no 2º capítulo como hot pq sou dessas kkkkkkkkkkkkkkk

quero saber tudo o que tão achandooooooooooooo

POR FAVOOOOOOOOOR


BEIJOOOS,

TATII


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...